História Promise - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Juugo, Kakashi Hatake, Karin, Kurama (Kyuubi), Morino Idate, Naruto Uzumaki, Personagens Originais, Sakura Haruno, Sarada Uchiha, Sasuke Uchiha, Shizune, Tsunade Senju
Exibições 3
Palavras 2.293
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 3 - Como estragar tudo.


Entrada da vila - algumas horas antes:

Depois de longos dias de caminhada, Sasuke enfim avistou os enormes portões esverdeados e seus hiraganas vermelhos; os muros cor salmão majestosos, repletos de ninjas que observavam e guardavam aquela entrada dia e noite. Tudo estava exatamente como era quando partiu. Não esperava voltar a esse lugar tão cedo — principalmente por causa dela. Viveu anos solitário, fora da aldeia e atualmente, vinha sendo assombrado por sonhos e uma necessidade enorme de tê-la por perto. — Droga, estava se tornando um molenga? — pensou — Não importava, ele queria ao menos vê-la nem que fosse de longe e por alguns momentos.

Assim que se aproximou, sentiu os olhares dos vigias voltarem todos para si. Procurou não parecer ameaçador e seguiu andando devagar até os portões.

— Olá? Quem é você? Posso ajudar em algo? Procura por alguém? — perguntou um dos vigias do pequeno recinto vigiando qualquer um que entrasse ou saísse da aldeia.

Sasuke apenas o fitou, fazendo-o recuar ao olhar o símbolo do clã em suas vestes. Lembrou do lembrete de Uzumaki Naruto, para deixá-lo passar e avisá-lo caso ele aparecesse.

— Ah sim, Uchiha Sasuke-san. Espere um momento, alguém me pediu que o avisasse caso você aparecesse... — o homem, sem perder tempo, fez um sinal de mão e criou um clone das sombras, que desapareceu rapidamente pelas ruas.

Pouco tempo depois, Naruto estava na entrada da vila fazendo seu típico escândalo.

— Teme! — gritava o loiro — Por que passou tanto tempo sem dar notícias?! Kakashi-sensei disse que ano passado você veio, deu uma ajuda e foi embora de novo sem nem se despedir!

— Tsc... Eu não tinha motivos para ficar aqui naquela época. — esclareceu o Uchiha, sério e desinteressado nas reclamações do amigo.

— "Eu não tinha motivos para ficar aqui". Nem quando você tinha motivos você apareceu, teme! Eu fiquei te esperando para o meu casamento seu desgraçado! — esclareceu Naruto.

— Eu não acreditei que alguém seria tonto o suficiente para se casar com você. — Sasuke murmurou, desviando o olhar, risonho.

— Pois fique sabendo que ao contrário de você, até eu arrumei alguém. — Naruto sorriu, debochando do Uchiha — O incrível Sasuke-kun vai terminar sozinho — falou o loiro forçando uma voz manhosa — Porque é chato pra cacete!

Sasuke suspirou. Não queria perder muito tempo, por isso, iria direto ao assunto.

— Preciso conversar com você e o Kakashi, só nós três. — Sasuke ressaltou.

Como Naruto estava junto de Hinata e Kakashi certamente teria experiências com o assunto — tanto tempo lendo Icha Icha deve ter servido para algo, afinal — talvez pudessem lhe ajudar em algumas coisas. — Não que ele contasse muito com isso.

::::::::::::::::::

— Oh, Sasuke! — exclamou Kakashi, surpreso com a aparição do rapaz depois de tanto tempo — o que está fazendo aqui?

— O teme disse que queria conversar conosco. — Naruto explicou — Veio fazendo mistério dos portões até aqui.

— Vá direto ao ponto, então. — Kakashi replicou.

Sasuke seguiu até a janela, sentiu as faces um pouco quentes. Não queriam que os dois vissem aquele lado, um tanto apaixonado não conseguindo mais ser contido. Era orgulhoso de mais pra isso.

— Sakura... Ela... Como ela está? — Perguntou.

Kakashi semicerrou os olhos. Já sabia exatamente o motivo do retorno do jovem Uchiha.

— Droga Sasuke, depois você pergunta pra ela, agora fale logo! Desgraçado! —Naruto já estava explodindo de curiosidade. Tanta enrolação estava o deixando maluco.

— Você está aqui para levar Sakura embora. Não é? — proferiu Kakashi.

— Se ela ainda quiser, sim. É por isso que estou aqui. — Sasuke fitou o sensei sério. Gostava de como Kakashi notava tudo sem precisar de explicações longas e demoradas. Naruto por outro lado...

— An? Levar embora? A Sakura-chan?

— Ele está apaixonado pela Sakura, Naruto. — O hokage tentou resumir em algo de fácil entendimento para o ex-aluno.

Droga, até isso Kakashi percebeu — Pensou o Uchiha

— O QUE?! — Naruto gritou — COMO ASSIM APAIXONADO PELA SAKURA-CHAN?!

— Fale baixo, seu idiota! — Advertiu o Uchiha.

— Por que será que eu não estou surpreso? — murmurou Kakashi.

— O único idiota aqui é você, teme! Esperou todo esse tempo para finalmente aceitar que gosta dela, quando todo mundo achou que você a mandaria à merda.

— Como assim, aceitar que gosta dela? — o Uchiha questionou, intrigado com o sentido da frase.

— Não venha com essa, seu bastardo! — tagarelou o loiro — Todo mundo aqui sabe que você era doidinho por ela, mas ficava nessa de "ai, não me toque"!

Sasuke sabia que ele tinha razão, não tinha certeza de que Sakura ainda o estava esperando.

— Então o que eu faço? — Questionou Sasuke.

— Faz o que? — falou o loiro — Você só pisou na bola até agora, eu ficaria surpreso se Sakura ainda recebesse você de braços abertos como ela faz. Atualmente até mesmo nós, os amigos dela, estamos sendo deixados em segundo plano por causa do trabalho no hospital.

— Sakura se tornou uma mulher ocupada Sasuke. — falou o hokage, ainda sentado em sua mesa repleta de papéis para serem assinados. — Sei o que pretende. Talvez nem você consiga tirá-la do trabalho agora.

— Então acha que é inútil ir vê-la? — perguntou o Uchiha.

— Você pode tentar, acho que à essa hora já deve ter saído do trabalho. — o loiro se sentou no chão com uma expressão confusa — Se ela tiver saído mesmo. Agora ela passa a vida naquele hospital.

Sasuke pensou por alguns minutos. Notou que Kakashi o fitava e estava maluco para sair da sala. Já era um grande passo ter vencido o orgulho e admitido seus sentimentos aos seus amigos, mas ainda não conseguia aguentar os olhares sorridentes e irritantes. Perguntou onde ficava a nova casa da ninja e saiu rapidamente, mesmo incerto se iria vê-la ou não.

— Ei! Onde você vai, seu maldito? — gritou Naruto sem resposta.

Enquanto caminhava, pensava se realmente foi uma boa ideia ter vindo. Sempre pôde conter tudo o que sentia e guardar para si, mas o tempo começou a cobrar e a distância apertou cada vez mais. A cada dia que se passava, ficava mais difícil não pensar nela. Tentava lembrar até das coisas que o deixavam desconfortável, como a família e o irmão, mas agora ela sempre estava em primeiro plano.

Estava decidido à levá-la com ele, mas não sabia como fazê-lo. Nem ao menos sabia o que dizer quando a encontrasse. Arquitetar um plano de assassinato era mais fácil que planejar um encontro.

Sentiu vontade de ter seu irmão por perto. Perguntar se ele já havia passado por algo assim, e, se a reposta fosse sim, gostaria de saber o que fez para contornar a situação.

Passando por uma das ruas, sentiu um chakra muito familiar. O chakra dela.

— Mas assim? Do nada? O que Sakura estava fazendo por ali — pensou.

Resolveu segui-lo, e, para sua surpresa, acabou chegando à um bar sujo, repleto de homens bêbados e caídos. Olhou para dentro e ficou perplexo com o que viu: Sakura deitada sobre a mesa, abraçada à uma garrafa de sake.

Sentiu vontade de rir, até que se lembrou o quanto era estranho vê-la naquela situação. Resolveu que iria ajudá-la — ele acabaria o fazendo de qualquer forma— e voltaria para ver o amigo e o antigo professor.

— O que está fazendo, sua idiota?! — ele perguntou.

— Ah! Papai! — ela falou sorridente, cambaleando com as mãos e soluçando — Eu juro que já estava indo pra cama, eu juro.

— Não sou o seu pai, sua maluca. — Sasuke noticiou — Está bêbada?

Estranhamente, a kunoichi começou a fitá-lo. O Uchiha segurou-se para não rir da expressão que ela fazia. Constatou que ela ainda estava tentando reconhecê-lo.

— Sasuke-kun! — Ela gritou com a voz mais dengosa, batendo palmas como uma criança — Quando você chegou? Eu estava com tanta saudades! Bebe comigo, Sasuke-kun?

— Você só pode estar de brincadeira. — falou o Uchiha, quase incrédulo com o pedido da garota — Vou te ajudar a ir embora, vamos.

— Não! Sasuke-kun, Não! — A Haruno bateu os pés no chão como se tivesse dois anos, desconcertando o Uchiha — Quero ficar e beber mais! Bebe comigo Sasuke-kun!

Sasuke notou que já havia tido o bastante daquilo por um dia. Pensou em ir embora, mas lembrou que naquele estado, Sakura não saberia dizer nem quem é a própria mãe. Apoiou os braços da ninja em torno do pescoço, a segurou pelas pernas e a levantou da mesa, carregando-a nas costas.

Ao chegar em seu apartamento, retirou a chave do bolso da ninja e entrou. Jogou-a em sua cama e notou que ela estava silenciosa. Em menos de trinta segundos já havia apagado. Sentou-se em frente à cama para retirar os sapatos da kunoichi. Sem intenções, seu indicador deslizou brevemente sobre a pele macia da perna da companheira. O moreno, tentado, se levantou e percebeu que o melhor seria ir embora.

Ao pegar sua capa, sentiu uma sequidão na garganta e lembrou que não havia bebido nem uma gota de água desde a noite anterior enquanto vinha de volta para a aldeia. Seguiu até a cozinha em busca de água. Abriu a pequena geladeira da ninja — sentiu-se um tanto invasivo ao fazê-lo, mas era apenas água, não era como se estivesse roubando nada. — e pegou uma pequena garrafa, que julgou ser o que precisava. Colocou um copo cheio e bebeu rapidamente.

De fato, não era água. O gosto o lembrava algum tipo de chá, porém, ele não sabia qual. Guardou a garrafa no lugar, e voltou ao quarto da ninja para olhá-la

uma ultima vez e verificar se tudo estava bem. Ao virar-se para a porta do quarto, sentiu-se zonzo e notou sua visão ficar turva. Procurou uma parede para se apoiar, mas antes de encontrar uma, tropeçou nos sapatos de Sakura, que ele havia tirado momentos antes e caiu sobre a cama, apagado.

::::::::::::::

Não havia sonhado naquela noite, só se lembrava de ouvir pequenos gemidos de Sakura, mas não era a primeira vez que tivera sonhos eróticos com ela, portanto, não estranhou. Quando abriu os olhos, sentiu a visão ser agredida pela claridade do local e a audição pelo grito que o despertara.

Levantou-se velozmente, com o corpo enrijecido — e nu — enquanto era atacado verbalmente.

— SASUKE-KUN, SEU IDIOTA!

Só então pode notar o que estava acontecendo ali. Sakura estava nua, enroscada no lençol tentando esconder-se antes que ele pudesse vê-la despida. Ele também estava pelado e tudo que escondia seu membro era um travesseiro e parte do lençol que ainda não havia sido puxado pela ninja.

Torceu para que ainda estivesse sonhando.

— Feche os olhos e se vire! Rápido! Feche os olhos, Sasuke-kun! — Sakura gritou embaraçada e o Uchiha obedeceu sem saber o que fazer.

A ninja enfim deixou o cobertor, receosa, tapando os seios com as mãos e o ventre com um travesseiro. Procurou por cada peça de roupa que usava na noite anterior e encontrou uma em todos os cantos do quarto. Ao coletar todas, correu para o banheiro e se trancou.

Ao ouvir a porta bater, Sasuke abriu os olhos e se virou. Assim como Sakura, procurou por suas roupas e as vestiu rapidamente. Tentou se lembrar do que aconteceu na noite passada e nada lhe vinha à mente. Ficou preocupado quando lembrou que Sakura perguntaria o que havia acontecido. De fato era estranho; ela havia passado da conta e pah, acorda nua depois de dormir com o companheiro que ela nem sabia que tinha voltado.

Ainda trancada no banheiro, Sakura observava a pequena mancha de sangue entre suas duas pernas, próxima à virilha. Não havia dúvidas. Ela e Sasuke haviam ficado juntos noite passada.

— Céus! Isso não pode estar acontecendo. Eu não me lembro nem de Sasuke-kun estar na vila. Como isso foi acontecer? Como? — pensou, desesperada.

Ainda atordoada — e com uma enorme dor de cabeça — Sakura se vestiu e saiu do banheiro, receosa do que diria a Sasuke quando o visse novamente no quarto; ainda sim, abriu a porta. Encontrou o rapaz sentado em sua cama, com a mesma expressão que ela.

— V-Você se lembra do que aconteceu noite passada? — ela perguntou.

Sasuke fitou o chão. Percebeu que ela também não fazia a menor ideia de como aquilo acabou acontecendo — e talvez estivesse ainda mais atordoada.

— Talvez você não acredite em mim, eu sei que é estranho, mas você precisa prestar atenção em tudo que eu disser. — falou o moreno e Sakura concordou com a cabeça — Eu havia voltado para a aldeia para resolver algumas coisas ontem à tarde e enquanto caminhava, encontrei você se embebedando em um bar aqui perto. — explicou o Uchiha — Eu te trouxe até aqui para que você não arranjasse mais problemas e estava de saída, acredite, mas depois de beber algum tipo de chá que estava na sua geladeira, eu acabei desmaiando e não lembro de mais nada depois disso.

Sakura o fitou com um olhar surpreso. Sasuke pensou que ela não havia acreditado na história que ele contara.

— Ótimo. Agora ela deve estar pensando que eu abusei dela por estar bêbada. — pensou, nervoso.

— É claro! — falou a kunoichi, dando um soco na palma da mão — Sasuke-kun! Eu uso aquele chá para dormir! Foi Shizune que criou e me deu uma garrafa. O correto é tomar apenas dois mililitros! Um copo derrubaria até um elefante!

— Então você acredita? — Sasuke a olhou e notou que a expressão em seu rosto voltou a ficar reclusa.

— Bem, sim. — ela replicou baixinho — Eu sei que você não seria capaz disso, mas eu acho que... Bem... Por favor, Sasuke-kun, eu gostaria de ficar um tempo sozinha.

— Droga! — ele pensou — passou dias pensando em uma maneira de não assustá-la e levá-la para viajar com ele de um jeito normal e agora isso estava acontecendo.

Sem dizer uma palavra, ele saiu do apartamento. Parecia indiferente, inabalável; mal sabia Sakura, o turbilhão de pensamentos que passavam pela cabeça dele.

Assim que ouviu a porta bater, a ninja pegou o telefone rapidamente, discou o número de Ino e contou o que havia acontecido.

— VOCÊS FIZERAM O QUE?!



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...