História Prove It (Imagine 2Jae) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, JR, Mark, Personagens Originais, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Got7
Exibições 281
Palavras 2.345
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi!
Isso não é uma miragem gente! Eu postei mais um capítulo hoje! *todos comemoram*
Mas isso tem um motivo, hehe. Eu vou viajar essa noite, e só voltarei na segunda-feira. Portanto, o quarto capítulo só sai na terça- feira :(
Por isso, o capítulo está grandinho e cheio de emoções, pra compensar esse hiatinho. Espero que gostem e não se desesperem. HAHAHAHAHA
Acompanha aí:

Capítulo 3 - Fora de Sintonia.


As teclas de marfim eram dedilhadas habilmente pelo professor. A voz doce, porém poderosa dele, acompanhava a melodia. O aluno não desviava o olhar, extasiado com o talento do mais velho.

 

“Nan uriga deo gakkawojige
Neol deo kkwak ana tteoreojil su eopge
Seoro jom deo gakkawojigil
Ireon nae maeumi neoege dakireul barae

Little more little more I want you baby
Little more little more han georeum deo
Little more little more I want you baby
Little more little more han georeum deo”*

 

Por fim, quando a última nota tocou, Lee JiHo aplaudiu o professor de pé.

- Caramba, Sunbaenim! Você nasceu para isso!

Youngjae deu um sorriso tímido.

- Acho que sim. Na verdade, nunca pensei em outra coisa que eu quisesse fazer, além de ser músico. Desde pequeno, eu tinha esse sonho.

- Acho que o senhor, será um grande músico um dia!

- Senhor, JiHo-ssi? Sou apenas dois anos mais velho que você! - Youngjae deu uma de suas risadas contagiantes. O aluno achou graça, e se desculpou imediatamente.

- Me desculpe, sunbaenim. Força do hábito. Hã... agora é a minha hora de treinar, não?

- Ah, claro! Me desculpe, JiHo-ssi! - Youngjae saiu do assento em frente ao piano, dando lugar ao mais novo. O garoto parecia bastante nervoso, secava as mãos na calça jeans que trajava. Lee JiHo era um bom aluno. Era esforçado, e apesar de ter bastante dificuldade realmente no piano, vinha treinado e melhorava cada vez a cada aula. Youngjae tinha orgulho em fazer parte da evolução do garoto. Os dedos começaram a percorrer as teclas com agilidade, mas as mãos dele tremiam tanto que ele precisou recomeçar a melodia várias vezes.

- Está tudo bem, JiHo? Você parece nervoso...

- Hã... essa música é realmente muito difícil, e eu nunca a escutei antes... acho que preciso estudar mais a partitura.

- Tudo bem. Realmente, você não conheceria essa música. Ela foi composta pelo meu namorad...amigo. Eu fiz todo o arranjo no piano, foi uma composição nossa...

- Seu... amigo, hein? Ela é muito boa, vocês dois deviam lançá-la! Essa canção tem um nome?

Youngjae riu nervosamente ao perceber que JiHo tinha percebido o vacilo que havia dado. Não gostava de falar aos alunos sobre o seu relacionamento com Jaebum, porque nem todos aceitavam bem. Preferia ser discreto, para evitar confusões. Respondeu por fim:

- Ela se chama “Prove It”. Compusemos juntos, quando estávamos na faculdade.

- Ele também é professor?

- Não, não. Ele começou a faculdade de música, mas acabou largando por conta do trabalho. Ele trabalhava com algo que não gostava, mas no fim, encontrou seu caminho por lá. - Youngjae deu um sorriso triste.

- É uma pena que os dois não possam se apresentar juntos, sunbaenim. Essa música podia ser facilmente um single de sucesso.

- Nós cantamos juntos, algumas vezes, mas só quando estamos sozinhos... Hã... quer tentar de novo? Eu posso ficar ao seu lado, guiando suas mãos.

JiHo assentiu, e o mais velho sentou-se ao seu lado no pequeno assento. Seus corpos estavam muito próximos. O mais novo começou a dedilhar a melodia, conforme a partitura porém seus dedos se perdiam algumas vezes. Suavemente, Youngjae usava as mãos para guiá-lo às notas certas. Os dois cantaram juntos a música, e incrivelmente, suas vozes se misturaram de uma forma muito agradável de se ouvir. A canção pareceu durar uma eternidade, mas quando finalmente terminou, ambos estavam muito entusiasmados.

- Nem acredito que consegui terminar a música sem praticamente nenhuma ajuda, professor! Muito obrigado!

Youngjae deu tapinhas nas costas do aluno, para parabenizá-lo.

- Realmente, JiHo-ah! Estou orgulhoso de verdade, com o seu progresso. Espero que você possa melhorar mais e mais!

- Eu darei o meu melhor, Professor Choi.

- Por favor JiHo, pode me chamar de Youngjae. Me sinto muito velho ao vê-lo me tratar assim.

O mais novo assentiu.

- Tudo bem, Youngjae. Obrigado pela sua dedicação comigo. - e fez uma mesura respeitosa.

- Acho que por hoje estamos bem, não? - Youngjae levantou-se rapidamente e começou a juntar seus pertences. Assim que os dois estavam prontos para deixar a pequena sala, ouviram um estrondo.

- Caramba! Deve estar uma tempestade lá fora – concluiu JiHo. - Como o senhor vai para casa, professor?

- Meu amigo, sempre me dá carona, saindo do trabalho. Vou esperar por ele.

- Tem certeza? Eu posso pedir um táxi pra gente. - o menor apanhou o celular, a fim de chamar o veículo.

- Não, não precis... - assim que apanhou seu celular, Youngjae notou a mensagem que Jaebum lhe enviara minutos antes. “Me desculpe, Jae-ah. Mas terei de ficar aqui até mais tarde, de novo. Espero que não se molhe tanto com a chuva que está vindo aí. Nos vemos em casa. Amo você.” - Quer saber? Acho que vou aceitar a sua “carona”, meu amigo não poderá vir. - Jiho assentiu e pediu o táxi para ambos.

 

 

- Ainda aqui, Jaebum-ah? - perguntou Jackson, que entrou na sala sem bater. - Pobre Youngjae, deve estar tomando uma chuva na volta para casa. - concluiu, olhando para os pingos de chuva que castigavam o vidro da janela do escritório.

Jaebum suspirou, com as mãos massageando as têmporas.

- Prometi à Diretora Lee, que a ajudaria com alguns balanços desse mês, que estão complicados de entender.

- Hummm, entendi. Você tem ficado muito aqui, ultimamente, com a Diretora Lee, não?

- Jackson-ah, não pense besteiras.

- E quem está pensando em algo aqui? Só estou comentando. Você está se sobrecarregando demais, com algo que só compete à ela resolver. Em vez de se preocupar, mande que ela procure à mim, para ficar até mais tarde.

- Você só quer ficar com ela sozinho até mais tarde não é? - Jaebum disse com a voz incisiva, e o olhar sério, para Jackson.

- Sinceramente, Jaebum, você acabou de me ofender profundamente. Apenas me ofereci, porque eu não tenho ninguém em casa que me espera todos os dias, enquanto janta sozinho. Não tenho nenhuma obrigação fora daqui. Mas você tem uma, chamada Youngjae. E você está o negligenciando completamente.

- Eu não estou neglicenciando Youngjae. - disse o Presidente, com o maxilar trincado, como sempre ficava quando este estava bravo.

- É claro que não, Jaebum. Ficar na empresa até mais tarde, deixando que ele vá no meio de uma tempestade para casa, para fazer coisas que não são do seu setor, realmente não é negligenciar algo.

Jaebum bufou, frustrado.

- A escolha é sua. Você pediu para que eu o avisasse, quando o seu zelo pela empresa estivesse passando dos limites. Meu horário acabou e estou indo embora. O que eu desejo de coração, Jaebum é que isso seja única e exclusivamente sobre as finanças, e não sobre a Diretora delas. - sem esperar nenhuma respostas, Jackson colocou o paletó sobre o ante braço e saiu da sala, fechando a porta. Porém, não demorou muito que a porta voltasse a se abrir, e Lee SooHe entrasse por ela, segurando algumas pastas no colo.

- Presidente? Está tudo bem? O secretário Wang saiu furioso daqui...

- Não houve nada, Diretora. Wang tem seus dias... Sente-se para começarmos isso logo.

A moça assentiu, sem dizer nada. Sentou-se na poltrona disposta ao lado da de Jaebum e ambos puseram-se a trabalhar.

Já eram quase onze horas da noite, e Jaebum já havia perdido as contas de quantos copos de café havia tomado. Os números, gráficos e tabelas estavam todos se misturando perante seus olhos e nada mais fazia sentido. Encostou a cabeça na poltrona suspirando, num sinal claro de cansaço. Sentiu uma mão macia encostar-se na sua.

- Presidente, o senhor está bem?

Sem abrir os olhos, Jaebum respondeu.

- Sim, estou. Apenas preciso de cinco minutos.

- Se o senhor desejar, eu posso fazer uma massagem. Sei o quanto deve estar sendo estressante...

O perfume doce da pele de SooHe, acabou atingindo as narinas de Jaebum, fazendo com que ele abrisse os olhos rapidamente. Ela estava muito perto de si. A camisa social dela, estava com o primeiro botão aberto, revelando um belo colo. Os lábios cheinhos e avermelhados dela, permaneciam semi abertos, como que em interrogação. E seus olhos cor de mel, estavam o fitando sem hesitar. Jaebum sentiu uma vontade inesperada de tomar os lábios dela para si, ali mesmo. Mas, apenas se levantou da cadeira massageando as têmporas.

- Estou precisando ir para casa, Diretora Lee. Estou a semana toda ficando aqui até tarde... amanhã continuamos tudo bem? Preciso descansar. Até amanhã. - apanhou os pertences em cima da mesa, e saiu como um vento pela porta, deixando a Diretora sozinha, com seus papeis sobre a mesa. Ela aproveitou o momento à sós com a sala do Presidente, para dar uma boa olhada. Não era possível que um homem como aquele, não pudesse se sentir atraído por ela. Seus olhos pararam por um momento então, nos dois porta-retratos que descansavam sobre a mesa. Apanhou um deles, onde um rapaz de cabelos castanhos, sorria para a câmera, repousando no colo de alguém.

- Mas será possível...? - SooHe indagou à si mesma, colocando novamente o retrato onde ele estava. Não era possível que tivesse uma sorte tão grande.

 

 

- Já disse que estou bem, Jinyoung hyung. - Youngjae falava ao telefone, no viva-voz, enquanto terminava de enxugar os pratos. Jantara sozinho novamente. Tinha esperado por Jaebum, mas ele nem mesmo avisou que horas viria para casa.

- E por que então, sua voz parece tão exasperada? - a voz grave e anasalada de Jinyoung ecoava pelo alto falante do celular.

- Que droga, hyung! Você me conhecer tão bem, às vezes me assusta.

- Devia me agradecer por isso. Por te conhecer tão bem, eu posso te ajudar mesmo estando à milhas e milhas de você. Diga para seu hyung, o que te aflige.

- Jaebum.

- Ah... Mark está com uma expressão de “Eu já sabia!”, aqui na minha frente. Vamos ignorá-lo, ok?

Youngjae riu, balançando a cabeça.

- Desde que ele tomou posse de presidente da I.M, ele está distante sabe?

- Ele está passando por muita pressão e responsabilidade, você entende isso não?

- Entendo, hyung. O problema é que... eu não sei qual foi a última vez que fizemos amor. Talvez tenha sido no dia da cerimônia e depois nunca mais! Ele está voltando cada vez mais tarde para casa e saindo cada vez mais cedo... Nos fins de semana que passamos juntos, ele passa o dia dormindo, porque está completamente esgotado. Temo pela saúde dele... e pela saúde do nosso relacionamento.

- E ele fica sozinho no escritório, até tarde?

- Eu não sei, hyung...

- Faça o seguinte. Jackson, aquele amigo de vocês, trabalha com ele, não? Converse com Jackson sobre o que está havendo, e se ofereça para ajudar no que você puder. O primeiro passo, é tentar entendê-lo. Vai dar tudo certo, vocês se amam e já passaram por coisas ruins juntos. Engraçado, Mark parou de sorrir.

Youngjae riu novamente. Era bom que todo o drama que os dois casais passaram no passado, fosse motivo de piada agora. Jaebum não estaria vendo graça, era o único que ainda guardava algum rancor.

- Farei isso, hyung. Obrigado pela ajuda. Agora, eu preciso dormir. Quero me enfiar debaixo das cobertas, antes que eu pegue um resfriado pela chuva que tomei hoje. - disse manhoso.

- Vai lá, dongsaeng. Durma bem, e tire esses pensamentos ruins da cabeça, ok? Vocês vão passar por isso bem, eu sei que vão. Mês que vem, nos veremos de novo e não se sentirá tão ruim. Amo você.

- Também te amo hyung. Mande boa noite para o Mark.

- Ele respondeu, com um coração de dedos. By-ye! - a ligação ficou muda.

Youngjae colocou o telefone para carregar ao lado da cama, e despiu-se. A noite estava fria, por causa da chuva e do vento lá fora. Queria o corpo quentinho de Jaebum ao seu lado, mas ele não estava ali... de novo. Bloqueou a tela do celular, que exibia uma foto de Jaebum sorrindo para ele, e adormeceu rapidamente, para evitar que as lágrimas o consumissem.

 

 

Jaebum chegou em casa, com todas as luzes apagadas. Um pratinho de rámen aguardava-o sobre a bancada, com um bilhetinho: “Não deixe de jantar, Bummie. Eu sei que está cansado, mas precisa de energia.” Jaebum sorriu com o cuidado do dongsaeng consigo, sendo que ele nem ao menos merecia. Tinha sido realmente péssimo com ele, essa semana. Jackson tinha razão. Ele não estava sabendo separar o Presidente Im, do Bummie, o seu lado que Youngjae amava. Colocou o prato no micro-ondas, e resolveu checar o celular, enquanto o aparelho esquentava seu rámen. Uma mensagem incomum brilhava na tela. Jinyoung-ssi?

“Sei que não sou a melhor pessoa do mundo, para dizer isso. Provavelmente, Youngjae foi dormir chorando hoje, porque se sente sozinho. Já fiz Jae chorar algumas vezes, quando eu traí a confiança dele e eu nunca me arrependi tanto por ter sido um babaca. Eu sei que você é uma pessoa muito melhor que eu, mas está falhando com ele. Por favor, não o faça triste. Repense em tudo o que está fazendo. Ele não merece passar por isso, e você não merece perdê-lo. Boa noite, Jaebum-ssi.”

Jaebum bloqueou a tela do celular, segurando as lágrimas. Seu Jae-ah, o seu “Sunshine”, chorando por ele? Esqueceu do micro-ondas que apitava e foi direto ao quarto, para ver se Youngjae ainda estava acordado. O menor ressonava pesadamente, com os olhinhos bem fechados, os lábios entreabertos e a mão espalmada sobre o rosto, como sempre. Jaebum colocou a mão sobre os cabelos dele, fazendo um carinho. Sem pensar, começou a cantarolar a canção dos dois:

“Eu te abraço forte, para que a gente não se separe. Então, podemos ficar mais próximos um do outro. Eu espero que você entenda o meu coração.”*

E adormeceu ali mesmo, com a mão nos cabelos do mais novo, e o corpo mais próximo dele o quanto era possível. 


Notas Finais


* Trecho da canção Prove It, do GOT7

Gostaram? Comentem <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...