História Psicologicamente Falando - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Shawn Mendes
Personagens Personagens Originais, Shawn Mendes
Exibições 757
Palavras 3.316
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


ESSE É O MAIOR CAPÍTULO DE PF ATÉ AGORA!
Eu precisava começar dizendo isso hu3
Preparem o core e boa leitura o/

Capítulo 23 - Novela Mexicana


Fanfic / Fanfiction Psicologicamente Falando - Capítulo 23 - Novela Mexicana

Me lembro do início da turnê. Me lembro da primeira vez em que entrara naquele avião, desejando que aquele um ano passasse o mais rápido possível, e agora cá estou eu, sentada justamente ao lado da pessoa que eu jurava que iria fazer da minha vida um inferno.

E ele faz, mas agora já não é mais tão ruim quanto costumava ser.

Mantenho minha cabeça apoiada sobre seu ombro, até porque tenho medo de me mover e acabar acordando-o. A cabeça dele está apoiada sobre a minha e posso ouvi-lo ressonar baixo, o que me faz ficar imóvel feito uma estátua. A posição não me afeta, pelo contrário, me sinto estranhamente confortável em mantê-la, mas tenho quase certeza que é apenas pelo fato de Shawn parecer estar dormindo estranhamente bem daquela maneira.

Luto pelo menos umas três batalhas internas antes de finalmente ceder e esticar a mão até o bolso do meu jeans, apanhando o celular. Meu simples movimento sequer surte efeito em Shawn, e meu subconsciente zomba de mim por conta da minha cautela desnecessária. Encontro duas mensagens de Jenna assim que o visor se acende, com uma delas sendo a foto dela já em seu vestido de noiva junto as outras madrinhas ao redor, todas elas de vermelho.

Por que não estou surpresa com a cor?

Reviro os olhos, lendo a outra mensagem rapidamente:

 

“Só faltou você, e espero de todo o coração que você não seja desnaturada a ponto de faltar!”

 

Contenho a vontade de revirar os olhos de novo. Não é como se eu fosse a desnaturada da família, mas minha mãe e Jenna não hesitam na hora de me transformar na vilã da história. Corro o olhar pela foto, analisando todas aquelas madrinhas embonecadas ao lado da minha irmã. Ela parece emitir luz própria no meio delas, os cabelos louros reluzindo junto ao vestido branco que demarca muito bem todas aquelas curvas.

Jenna parece uma boneca barbie, na verdade.

— Um mês de namoro e você já está olhando fotos de vestidos de noiva? — a voz embargada de Shawn me faz dar um leve pulo na poltrona.

O avião começa a pousar e ergo o olhar para ele, analisando sua cara de sono. Abro um sorrisinho.

— É a minha irmã. — digo, dando zoom em Jenna.

Ele baixa o olhar para o celular e o pega das minhas mãos, analisando-a por longos instantes. Me pergunto mentalmente se é porque ele notou que acabou com a versão menos “barbie” dos Reid, e me pego imaginando sobre o que aconteceria caso Jenna estivesse vivendo tudo isso em meu lugar.

Acho que minha irmã teria convencido-o a se casar com ela na primeira semana.

— Ela parece aquelas mulheres que aparecem na televisão mostrando a mansão de 30 quartos que o marido comprou. — ele diz, me devolvendo o celular. — E com três bebês arrumados demais e um batalhão de babás logo atrás.

Encaro a fotografia da minha irmã e começo a rir no mesmo instante, com Shawn abrindo um sorrisinho. Não me surpreenderia se tudo o que ele disse se tornasse verdade em um futuro não tão distante, e me pego rindo ainda mais ao imaginar três bebês com a cara de Kyle Kingsley.

As crianças nasceriam anunciando um furacão com um sorriso galante e os cabelos melecados de gel.

— Você vai ser madrinha? — Shawn pergunta assim que me recupero da crise de risos, bloqueando o celular em seguida.

Os outros membros da equipe começam a se levantar assim que os comissários permitem, então apanho meus pertences e me junto a fila, com ele logo atrás.

— Ela quer que eu vá. — faço uma careta, apertando o celular entre os dedos. — Mas não me encaixo no padrão “dona de casa de Beverly Hills” pra isso.

— E é exatamente por isso que deveria ir. — ele rebate. — Só você para salvar o casamento mesmo. Podia ir coberta de sangue falso, na verdade.

Andrew me olha sobre o ombro e abro um sorriso divertido, com ele alternando o olhar entre eu e Shawn e então negando com a cabeça.

— Você ia me ajudar nessa parte, não? — sigo o exemplo de Andrew e olho sobre o ombro para o meu namorado.

Ele abre um sorriso malicioso.

Claro.

Estendo a mão para trás, e não demora até que Shawn entrelace seus dedos aos meus, mas assim que deixamos a aeronave, deixo que ele tome a dianteira. Posso ouvir os gritos das fãs ecoarem pelo aeroporto antes mesmo de entrarmos nele, e me pergunto se um dia ainda vou me acostumar com isso. Ainda me divido entre me assustar e achar bonitinha toda essa admiração que elas têm por ele.

Os gritos se tornam mais altos conforme nos aproximamos, e ficam ensurdecedores quando elas veem Shawn. Aperto a mão dele mais forte e ele retribui o aperto, me segurando firme e me puxando mais para perto. Elas gritam por Shawn, por Andrew, por Mabelle ou por qualquer outra pessoa que possa levá-las até ele, e respiro fundo antes de entrarmos na multidão, sendo auxiliados por seguranças. Há uma pequena barreira de armários disfarçados de homens de preto que nos separam delas, mas mesmo assim me sinto ser puxada e cambaleio mais vezes do que posso contar.

Mas nada se compara a confusão do lado de fora.

Há uma mistura de fãs e fotógrafos esperando por ele.

— Shawn, essa é a sua namorada?

— Há quanto tempo estão juntos?

— Shawn, fale com a gente!

— Uou, ela é gostosa hein?

Estamos prestes a entrar na van quando Shawn se vira. Meus olhos se arregalam e automaticamente o empurro para dentro do carro, mesmo que os fotógrafos já tenham fotografado sua cara aparentemente transtornada. Dou uma olhada rápida em volta mas os flashes me cegam, me impedindo de localizar o engraçadinho em meio ao mar de pessoas. Acabo por apenas me enfiar dentro da van, me sentando ao lado dele enquanto os outros entram.

Encaro Shawn de rabo de olho, mas ele continua com a mesma careta de ódio, o olhar fixo na janela até mesmo quando a porta é fechada e o veículo começa a se mover. Suspiro e estico a mão até alcançar a dele, começando a girar o anel em seu dedo.

— Realmente achei que você fosse arrebentar o paparazzi. — Jasmine diz, sorrindo travessa. Estreito os olhos para ela.

— Mas ainda bem que não arrebentou! — Mabelle começa e faço uma careta, evitando olhar para a ruiva. Acabo por me encolher mais para o lado de Shawn. — Já estou até vendo os tablóides amanhã, com aquele tanto de fotos que eles tiraram…

— Qual é, o cara assediou a namorada dele! — Andrew defende, se virando para encará-la. — Ninguém pode culpá-lo por se irritar.

Não preciso olhar para saber que Mabelle me encara, provavelmente me culpando por estar prejudicando a imagem de Shawn quando, na verdade, deveria ajudá-lo a melhorá-la. Finjo que não estou vendo e direciono meu olhar para o retrovisor, onde posso ver Henry no banco do fundo. Nossos olhares se encontram e engulo em seco, mas ele segue o exemplo do meu namorado e encara a janela.

Mas qual é a desses moleques?!

Volto meu olhar para o anel de Shawn e acabo deitando a cabeça em seu ombro conforme o giro.

— Você deveria vir comigo. — digo baixo, deixando de prestar atenção na conversa de Andrew e Mabelle.

— Pra onde? — Shawn se arruma no banco e ergo o olhar para ele.

— Para o casamento. — minha sobrancelha se arqueia e vejo um meio sorriso se formar em seus lábios. — Qual é, não vou sobreviver lá sozinha! Claro que não vou te culpar se não quiser ir, até porque minha família é um porre, mas…

— Não sou o tipo de cara que você vai querer apresentar para a sua família, Reid.

Paro de falar no mesmo instante, deixando que a revolta de Mabelle encha o carro. Jasmine nos encara a nossa frente, os dedos parados sobre a tela do celular enquanto espera a próxima cena da novela mexicana que essa turnê se tornou.

Solto o anel de Shawn e respiro fundo duas vezes, tentando mentalizar que não posso descer o tapa nele ali mesmo. Deus, ele disse isso mesmo?

— Bom, você é meu namorado agora, acho que é muito tarde pra pensar nisso. — digo o óbvio, e Jasmine ri pelo nariz.

— Dá pra você voltar para o seu Twitter? — ele a fuzila com o olhar e a garota apenas mostra o dedo do meio. Logo após, seu olhos voltam para mim e Shawn arqueia a sobrancelha. — Tudo bem então, Reid.

— Tudo bem o que? — imito sua expressão, lhe fazendo revirar os olhos.

— Vou com você ao casamento das donas de casa de Beverly Hills.

Porra, Jenna vai surtar!

Abro um sorriso maior que a Rússia, que só se torna ainda maior quando me recordo do país. Rússia, vodca, balada, táxi… Aceno com a cabeça e estreito os olhos para Jasmine, que sorri sugestivamente para nós dois.

— Elle, vamos deixar isso pra lá, tá? — Andrew diz, derrotado. — Tá todo mundo cansado, estressado, só precisamos de algumas horas de descanso antes de toda a maratona recomeçar…

Tracy arregala brevemente os olhos, concordando com Andrew. Mabelle joga uma olhada feia para ela e sou obrigada a reprimir o riso.

— E ai, Andrew? Vai continuar sendo empata foda ou já colocou os dois no mesmo quarto? — Jasmine pergunta, acenando com a cabeça para eu e Shawn.

É a minha vez de arregalar os olhos, e me viro para Shawn em busca de apoio, mas ele apenas encara o agente, também esperando pela resposta. Sei que estou tão vermelha quanto um tomate, mas minha curiosidade fala mais alto e acabo por me virar para Andrew.

Ele abre um sorriso divertido antes de responder.

Eles se colocaram no mesmo quarto antes que eu pudesse fazê-lo. — responde, dando de ombros.

Agora até minhas orelhas estão vermelhas.

— Como assim?! — a boca de Jasmine se abre num “o” e não demora até ela se voltar para mim com uma careta de revolta. — Você nem me contou nada!

— Pois é, peguei os dois no flagra em Moscou, sem contar aquele atraso enorme no show porque eles resolveram aprontar no camarim!

Todos os olhares da van recaem sobre nós e abaixo a cabeça no mesmo instante, ouvindo os risos ecoarem.

— Nossa, estão tão surpresos assim porque alguém na equipe transa? — Shawn diz e me volto para ele no mesmo instante, implorando para que cale a boca. — A culpa não é minha se vocês ficam na seca.

— E pelo visto você também vai ficar… — Jasmine cantarola enquanto me observa.

Abro um sorriso presunçoso para o meu namorado, piscando inocentemente.

— Jasmine nunca esteve tão certa. — digo, e Shawn faz uma careta. — Considere a greve “restabelecida”. — me viro para o restante da equipe. — E vocês, sem piadinhas sobre a minha vida sexual!

 A van freia em meio aos risos deles, e me surpreendo ao notar que até mesmo Mabelle parece se divertir. Assim que a porta se abre, somos cegados por um novo mar de fotógrafos e fãs, e demora o que parece ser uma eternidade até que todos os membros da equipe principal se encontrem no saguão do hotel.

— Deus, queria ter metade do pique dessas garotas. — resmungo para Jasmine, com Shawn me lançando uma olhada sugestiva antes de seguir Andrew até a recepção.

É, talvez eu tenha o pique delas, mas para outras coisas...

Emmaline Cailey Reid, você está de greve! Se recomponha!

— Caralho, nunca imaginei que fosse vê-lo tão caidinho por alguém. — a adolescente abre um sorriso enorme para mim, mas sequer consigo responder.

Henry passa, conversando algo rápido com Mabelle antes de atravessar o saguão rumo ao corredor dos elevadores. Nossos olhares se encontram por um breve instante e sinto meu coração apertar sem ao menos entender o porquê, já que não me lembro de ter feito nada de errado. Aquele olhar aborrecido de quando beijei Shawn nos bastidores ressurge em minha mente e me pego divagando sobre o motivo pelo qual ele parecera tão perturbado. O que está acontecendo e por que ele insiste em me culpar por isso?

Solto uma desculpa esfarrapada para Jasmine e, antes que possa controlar o que minhas pernas fazem, sigo na direção do corredor. Todos os membros da equipe estão reunidos no saguão, todos entretidos demais para notar quando saio. Dou uma espiada em Shawn mas ele ainda conversa com a atendente do hotel junto a Andrew, então sigo a passos firmes até os elevadores.

Henry acaba de pressionar o botão quando me aproximo, e preciso respirar fundo antes de tomar coragem para falar algo.

— Ei. — digo, mas o loiro me ignora completamente. — Qual é, Henry! O que está acontecendo?

Se passam alguns minutos antes dele trocar o apoio das pernas e passar as mãos entre os cabelos, se virando para mim devagar. Uma expressão séria toma conta de seu rosto, e me pergunto se já o vi daquela maneira antes. Com exceção das ultimas semanas, Henry sempre me parecera tão animado, tão alegre, que chegava a ser estranho vê-lo tão carrancudo.

Mas, para a minha surpresa, ele me analisa de cima a baixo e abre um sorrisinho, logo soltando um risinho baixo.

— Olha só para você. — seus olhos verdes se estreitam.

Dou uma olhada rápida para baixo. Estou completamente normal, de jeans, botas e cardigã. Arqueio uma sobrancelha e volto a encará-lo, mas ele ainda sorri ao me observar.

— O que tem de errado? — pergunto o óbvio enquanto meus pensamentos dão um nó na tentativa de decifrá-lo.

— Tudo, Emma. — Henry nega com a cabeça. — Está tudo errado.

O elevador se abre mas ele o ignora, seguindo a passos largos até mim.

— Eu não estou entendendo…

— Você caiu na dele, Emma. — seus olhos se desviam rapidamente para o corredor e então se voltam para mim. — E ele vai fazer com você a mesma coisa que fez com a Jas…

E então a ficha cai. Henry estende a mão para tocar a minha bochecha e recuo no mesmo instante, desviando para o lado e fazendo cara de paisagem.

— Ele não vai fazer… — ele sequer me deixa terminar.

— Vai sim, Emma! E você não vê isso porque… — a mágoa em sua voz é quase evidente. — Porque você se apaixonou.

Antes que eu possa prever, Henry se move novamente e segura meu rosto entre as mãos. Sua pele é gelada e estremeço com o contato, dando uma olhada em volta para ter certeza de que não há ninguém por perto. Só a ideia de alguém ver toda aquela proximidade faz meu estômago revirar, e o pânico cresce conforme imagino a reação do próprio Shawn caso ele apareça.

— Não sei o que eu sou capaz de fazer se ele magoar você… — sussurra, e seu polegar acaricia minha bochecha.

Tento recuar, mas Henry me segura firme, e então, no instante seguinte, ele inclina o rosto na minha direção e junta a boca a minha. Arregalo os olhos em choque e comprimo os lábios, apoiando as mãos em seu peito e tentando empurrá-lo, mas a força de Henry me surpreende mais uma vez e ele sequer se move com o movimento.

Sem ao menos raciocinar direito, movo rapidamente a minha mão contra o rosto dele, acertando um tapa estalado em sua bochecha.

Ele se afasta, a mão no rosto e o olhar chocado fixo em mim.

Pra falar a verdade, nem eu mesma acredito que fiz isso.

Meu peito sobe e desce rápido demais, mas mesmo assim sinto o ar me faltar enquanto observo o rapaz a minha frente, tentando digerir o que eu mesma fiz. Já não tenho mais o controle do meu corpo, considerando que não consigo movê-lo, e o único som que conseguimos ouvir é o do falatório no saguão.

Mas sabe aquela velha sensação de estar sendo observada? Bom, posso sentir ela pairar sobre mim, e sei que não vem de Henry. Corro o meu olhar até o início do corredor, a cena se passando cada vez mais em câmera lenta até eu finalmente conseguir visualizar Shawn ali.

E a minha expressão e a de Henry são ruins, mas nenhuma chega aos pés da dele.

— Shawn… — digo, obrigando minhas pernas a se moverem em sua direção.

Falho miseravelmente, já que ele começa a andar assim que estou na metade do caminho. Minhas esperanças para que não haja encrenca vão para o ralo assim que Shawn passa por mim como se eu sequer estivesse ali, se livrando da minha tentativa de tentar segurá-lo.

— Shawn… Shawn, por favor!

Sua mão se fecha em punho e vai de encontro ao rosto de Henry, me fazendo dar um pulo e tapar a boca com as mãos. O loiro cambaleia para o lado, mas assim que ergue a cabeça, não demora a ir em direção a Shawn. Ambos caem no chão, e meu coração falha uma batida quando Henry consegue acertá-lo.

— Para! — grito, tentando me aproximar deles. — Para, por favor!

Agarro a gola de Henry, tentando a todo custo puxá-lo para longe de Shawn, que aproveita a deixa para acertar o loiro mais uma vez. Ele recua, desnorteado, mas não demora para erguer a mão para o meu namorado novamente. O nariz de Shawn sangra, e o desespero toma conta de mim enquanto tento mais uma vez arrastar o outro.

Num movimento rápido, o punho de Henry desce na direção de Shawn e eu solto o grito mais alto que consigo no mesmo instante. O som reverbera e tento puxar Henry de novo, mas ele ergue o braço, pronto para bater novamente…

E então me acerta.

Sinto o choque contra o meu rosto e cambaleio para o lado, caindo de bunda no chão. Minha mandíbula lateja mais do que eu imaginava ser possível, e as lágrimas invadem meus olhos por mais que eu tente impedi-las. A dor se espalha pela minha cabeça e apoio uma mão no piso, tentando enxergar as duas figuras por entre as lágrimas.

— Agora você morre! — ouço Shawn dizer, mas tudo o que posso ver são suas silhuetas se movendo.

— Meu Deus! — a voz estridente de Mabelle ecoa, mas ainda escuto a briga.

Nunca imaginei que ficaria tão aliviada em ouvi-la.

Passo as mãos nos olhos, tentando frear todas aquelas lágrimas. Ouço passos cada vez mais próximos a mim e então duas mãos pequenas envolvem meus ombros.

— Emma?! Emma, você tá bem? — escuto Jasmine dizer, e me levanto com a ajuda dela.

Ergo o olhar a tempo de ver Andrew e mais alguns seguranças separarem Shawn e Henry. Os narizes de ambos sangram, apesar do olho do loiro estar começando a inchar também, mas não consigo sentir pena dele.

Emma! — os dois dizem juntos.

Shawn se livra do aperto dos seguranças e cambaleia na minha direção, tentando estancar o sangramento do nariz com a camiseta. Faço uma careta quando ele afasta o tecido, mas acaba que o movimento só faz minha cabeça doer ainda mais, então permaneço quieta quando suas mãos seguram o meu rosto.

— Emma, eu… — ouço Henry dizer, mas Shawn toca o ponto que o loiro acertou e acabo por apertar os olhos com a dor. — Eu sinto muito, eu juro que não era pra você, eu...

Abro os olhos novamente a tempo de ver Shawn crispar os lábios. Ele treme ao afastar as mãos do meu rosto, e posso ver quando ele as fecha em punhos e então estica os dedos mais vezes do que posso contar. Logo após, vejo meu namorado se virar devagar, na direção onde os seguranças ainda estão segurando Henry.

Imediatamente me obrigo a me mover, segurando a mão de Shawn numa tentativa de impedir mais uma briga.

Ele para onde está e aperta meus dedos devagar.

— Se chegar perto dela de novo... — Shawn ri, negando com a cabeça. Como se o ato em si já não fosse assustador o suficiente, o som ainda soa estranhamente psicopata. — Eu mato você. E não vai haver Andrew, Mabelle ou seguranças que me impeçam, eu juro que mato você.


Notas Finais


PARECE QUE O BICHO PEGOU E PEGOU BONITO, VIU?
Quem diria né non? Senhor Henry fazendo merda, que coisa feia! E a ameaça do Shawn...
O cap começou tão bonitinho MAS AQUI A EMOÇÃO É FORTE, JÁ FALEI PRA VOCÊS MUAHAHA

Trailer: https://www.youtube.com/watch?v=CoJ4CL2dZEc
Playlist: https://www.youtube.com/playlist?list=PLc63QemWQ2LoCylU4S2IzrfXUTHo_U-ow
Grupo do face: https://www.facebook.com/groups/546395568895604/
E onde mais me achar haha: http://ask.fm/AtriaGrey ou https://twitter.com/sickeningmendes

Nos vemos em breve!
Xx


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...