História Psicólogo - ChanBaek - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Personagens Originais, Sehun, Suho, Xiumin
Tags Baekhyun, Chanyeol, Chenbaek, Exo, K-pop, Shipp
Exibições 276
Palavras 984
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Helloooooo! ✨✨✨ Cá estou, desgurpa pela demora, aconteceram coisinhas nada agradáveis (estudos) cof cof. Bom, vamos nessa, né? Bora lá, boa leitura. Please não me mate galero.

Capítulo 3 - De Momento


Fanfic / Fanfiction Psicólogo - ChanBaek - Capítulo 3 - De Momento

Chanyeol engoliu seco, virou para fitar o rosto de peixe morto de seu padastro.

- Cara, eu ainda te dou um soco. - Murmurou Chanyeol. - Realmente, isso é o cúmulo.

Ele começou a andar em direção a sala que parecia estar a km de distância. Até que ele chega. A porta está aberta. Sem pensar em nada ele entra na sala, logo um cheiro doce passeia pelo seu nariz. Cheiro de rosas ou alguma flor que exalava pureza e suavidade.

Uau! Que cheiro... Que cheiro é esse? Nossa, parece... Parece... Sei lá o que, só sei que um cheiro bom. Chanyeol se perdeu em devaneios excitantes por conta do tal cheiro e nem percebeu que seu suposto psicólogo estava em sua frente o encarando com uma cara de "eu sei que você gostou, assuma".

Os dois ficaram de frente um para o outro, sem nenhuma reação da parte de Chanyeol, o homem deu um sorriso bobo e falou:

- Me achou bonito? - Ele se distanciou de Chanyeol que permanecia sem reação. - Ei, ow! Chanyeol, está tudo bem, cara?

- Que?

- Cê tá bem jovem? O que aconteceu? Você ficou encarando minha cara, me achou bonito ou algo do tipo? - Ele se sentou na cadeira. - Ah, sabe, costumo chamar a atenção de homens, mais do que mulheres. Estranho, não? - Ele sorriu de canto.

- Você não me chamou atenção... Eh, só, que... Nada, eu apenas fiquei hipnotizado com o cheiro das flores. - Ele apontou para um vaso que possuía várias flores de várias cores e tipos.

- Ah! Aquilo? Essas flores são falsas, o cheiro é incenso mesmo, comprei em uma loja hippie.

Tá de sacanagem, né? Chanyeol pensou e fez um cara engraçada.

- Então, o que espera? Sente-se, o sofá é todo seu. - Ele se arrastou junto da cadeira até ao lado do sofá. - Vamos, vamos, estamos perdendo tempo.

Chanyeol se aproximou do sofá, encostou seus joelhos, e fitou o armário cheio de livros. Depois de uma bela "secada" em toda sala, ele se deita no sofá.

- Saiba que não vou te falar nada, nem te conheço, não lhe devo satisfações do que eu faço e deixo de fazer. - Resmungou e cruzou seus braços de uma maneira que ficasse confortável.

- Você tem razão.

- Hã...

- Eu nem sei o que estou fazendo da minha vida, o que eu faço? Me diga. Escuto problemas de pessoas que eu mal conheço. O que eu faço aqui, Chanyeol? Me responda, se não sou eu para aturar o chefe que te despediu; o namorado que te largou com outra; a mãe que não te entende; seu celular que quebrou... O que eu estou fazendo aqui, Chanyeol?

- Há... - Chanyeol pensou antes de falar e logo desistiu. - Hã... Olha, é... Isso é complicado, cara.

- Hã, então, vai abrir a boca ou vai preferir falar o que realmente sente. Eu sou seu melhor amiguinho a partir de já. Pode contar tudo o que quiser, lhe darei conselhos. Ou se ainda não tiver confiança suficiente, nós podemos nos conhecer melhor. Aliás, essas consultas não acabarão tão rápido como eu imaginei.

- Isso é normal? - Chanyeol fitou o teto.

- Normal? O que? - O psicólogo pegou seu caderninho do Power Rangers e começou a escrever. - Me diga.

- Você tratar assim tão abertamente sues pacientes? - Ele deu um sorriso meio forçado. - Parece até que você me conhece a muito tempo. Você fala com uma suavidade surreal, assim como o incenso que você comprou em uma loja hippie.

O homem soltou um gargalhada alegre. - Garoto, acho que sim. - Ele fitou fixamente o rosto de Chanyeol. - Você é um menino muito bonito, sabia? Me impressiona te ver aqui, não, na verdade não. Ninguém deveria estar aqui.

- Hum. - Ele tentou disfarçar sua vermelhidão. - É, então... Qual é a maioria dos assuntos tratados aqui? Sempre quis facultar psicologia. - Ele se sentou como uma criança no sofá.

- Para falar a verdade, a maioria são assuntos fúteis. Um ou outro deve ser levado a sério aqui.

- Como assim, fúteis?

- Assuntos que toda pessoa deveria aceitar. Por exemplo, perda do emprego, separação e filhos ou pais que não se entendem. - Ele arrumou seu óculos. - Ei, esse trabalho é meu, sabia? Parece que os papéis inverteram. Que isso jovem?

- Há. - Ele sorriu confortável.

- Aí! Já está se sentindo a vontade. Vai, fala, eu sei que você está gostando disso tudo, eu já fui jovem.

- Quantos anos?

- 22.

- Nossa, uau, quanto tempo! - Chanyeol falou com um tom irônico e sarcástico.

- Peguei um dos piores, vish, vai dar trabalho. - Ele escreveu algo em seu caderninho.

- Power Rangers? Sério, isso? - Ele arqueou uma das sobrancelhas.

- Cala a boca. - Ele soltou outra gargalhada que era o som mais aliviante para Chanyeol. - Uau! Olha o horário, parece que nós continuaremos amanhã, mocinho!

Chanyeol se levantou arrumou sua roupa, nem parecia aquela pessoa morta que entrou a horas à trás. Ele até tentava esconder seu sorriso colgate, mas era muita felicidade pra um pequeno coração em um grande corpo.

Já na porta antes de sair ele se virou.

- Ah, qual seu nome? - Perguntou ele.

- Baekhyun.

- Oh, Hum, Okay... Até amanhã.

- Até! - Ele sorriu novamente. - Nossa, minha boca vai cair se eu continuar a sorrir com tudo que as pessoas falam, eu hein. - Baekhyun massageou seu maxilar e sua boca.

Chanyeol saiu e olhou seus pais que estavam sentados na cadeira quase se comendo.

- Ah, qual é? - Chanyeol revirou os olhos ao ver aquela cena que chegava a ser desconfortável.

Sem falar ele já saiu e foi em direção ao carro, não falou com ninguém o caminho todo.


Notas Finais


Hai! ✨ Meu Xiusus, estamos nesse número, já? Aí, que orgulho. ✨ Tchauzinho galero, até a próxima (nossa parece um programa de TV, Credo) Ah, chega de enrolação, TCHAU!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...