História Psicose - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Tags Taeseok, Vhope
Exibições 41
Palavras 1.671
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá, meus amores, tia está aqui com o segundo capítulo pra vocês.
O que acharam da capa da fic? foi minha maravilhosa Bff que fez, eu estou a ponto de imprimir essa foto e colar na testa kkkkkk alias ela escrevi fics ótimas de Kaisoo vocês deviam dá uma olhada o user dela é Jonginei_Seok.
Então sem mais delongas vamos ao capítulo e ignorem meus possíveis erros kkkkk.

Capítulo 2 - Eu gosto de sangue como gosto de chocolate


Hoseok não havia conseguido dormir muito bem aquela noite, o assunto Kim Taehyung ainda rondava sua cabeça. O mais velho queria entender tudo o que se passava pela cabeça do mais novo, queria ajudar e até quem sabe tirar ele do hospital. 

O psiquiatra sabia que aquilo não seria fácil e que suas chances de ajudar o jovem Kim eram mínimas, porém, o moreno não era de desistir. 

Ainda era cedo quando Jung saiu de sua casa e foi em direção ao hospital, ele queria conversar mais com Taehyung e também queria conversar com seus avós. Ao chegar no hospital, parecia tudo bem e calmo. 

Hoseok foi até sua sala e deixou suas coisas lá, pôs seu jaleco e saiu de sua sala. Era uma manhã agradável se assim posso dizer, nada parecia fora do normal para o psiquiatra. Ele olhou para os lados, tinham alguns pacientes, aqueles que não ofereciam risco a vida dos que trabalhavam no hospital. Hoseok viu e falou com alguns de seus pacientes, eram poucos os de risco que o mesmo precisava cuidar. 

Nenhum de seus casos poderia chegar aos pés do caso de Kim Taehyung, ah, o jovem despertava curiosidade na vida de Hoseok. 

Ele andou a passos calmos para o quarto do jovem Kim e parou na porta, ele não iria entrar, primeiro precisava falar com Namjoon sobre os avós do menino. Olhou pela pequena janela de vidro que tinha na porta. Taehyung dormia, ou pelo menos aparentava estar dormindo. 

Jung ficou um tempo olhando para o mais novo e depois saiu, mais tarde ele iria voltar e conversar com o menor. Refez seu caminho e foi direto para a sala de Namjoon, como era de costume, entrou sem ao menos bater na porta. 

 

— Achei que tivesse ensinado que se deve bater na porta antes de entrar — Disse Namjoon assim que Hoseok entrou. 

— Achei que tivesse se acostumado já — sentou em uma das cadeiras de frente para o mais velho. 

— O que faz aqui a essa hora? 

— Pode me passar as informações sobres os avós do Kim? Preciso entrar em contato com eles o quanto antes. 

— Hm, sim, eu posso te enviar as informações sobre eles — Disse Namjoon olhando uns papéis em sua mesa. — Já foi ver ele? Soube que ontem a noite ele deu trabalho para os enfermeiros. 

— Passei pelo quarto dele e o mesmo estava dormindo. O que aconteceu ontem? 

— Bem, os enfermeiros conheceram o tão temido V, aquela criança quase matou um dos enfermeiros com uma caneta. 

— Como ele conseguiu uma caneta? 

— Pegou de um dos enfermeiros, disseram que tudo foi muito rápido, uma hora ele estava calmo e na outra enfiou uma caneta no pescoço do enfermeiro. 

 

Hoseok passou as mãos nos cabelos, aquilo não devia ter acontecido. 

 

— O que levou a fazer V aparecer? — Hoseok se ajeitou na cadeira e encarou Namjoon — Quando deixei Tae ontem ele parecia muito calmo e de repente a noite V resolve tomar o controle? Isso é estranho 

— Esta insinuando que algum enfermeiro provocou o Taehyung? 

— Sim, Namjoon, você mais do que ninguém sabe como isso funciona, algo aconteceu para que V aparecesse. 

— Então descubra. Hoseok, descubra o que aconteceu para que seu paciente machucasse um de meus enfermeiros. 

 

Hoseok se pós de pé e saiu da sala de seu chefe, o Jung parecia muito irritado, Namjoon estava insinuando que Taehyung teria feito aquilo de propósito. Bem, sim, V poderia fazer aquilo apenas para se divertir, mas algo no psiquiatra dizia que o menor não fez aquilo por pura diversão. 

Ele podia sentir os olhos dos médicos e enfermeiros sobre si, mas não virou, apenas manteve seu caminho em direção ao quarto do jovem Kim. 

Sem cerimônias adentrou no quarto e pode ver que o menor já estava acordado, porém, diferente de ontem, o menino se mantinha sentado olhando para um ponto fixo na parede. Em passos calmos Hoseok se aproximou. 

 

— Tae? — Jung chamou mas não obteve resposta — V? 

 

O menor levantou a cabeça e agora olhava para o maior. Hoseok sentiu um frio percorrer sua espinha ao encarar os olhos do outro. Aquele olhar, tão diferente do de ontem que era doce e inocente, agora era frio e calculista. 

V acompanhava com os olhos cada movimento da pessoa a sua frente, Hoseok por sua vez pegou uma cadeira e colocou ela de frente para V e se sentou logo em seguida. 

 

— Me disseram que você causou problemas ontem — Hoseok falou com delicadeza, não sabia como o outro reagiria ao tocar nesse assunto. — Pode me dizer o que aconteceu? 

— Tenho certeza que já lhe contaram o que aconteceu — a voz de V saiu baixa e rouca.  

— Sim, mas eu quero escutar sua versão. 

— Quer escutar a versão de um louco? — um pequeno sorriso se formou nos lábios de V e o mesmo levantou um sobrancelha. 

— Quero escutar a versão do meu paciente. — Hoseok repousou as costas contra a cadeira. 

— Hm, eu peguei a caneta de um daqueles idiotas e enfiei no pescoço do outro — deu de ombros — infelizmente ele não morreu. 

— Por que fez isso? 

— Porque eu quis. 

 

Jung fitou o rosto de V, em busca de qualquer reação, mas não obteve nada. O silêncio se instalou no quarto por alguns segundos até Hoseok falar de novo. 

 

— Por que tentou matar o enfermeiro? — repetiu a pergunta. 

— Eu já disse, porque eu quis. 

— Essa não é a resposta que eu quero — disse Hoseok — vamos, me diga a verdade. 

 

V pareceu pensar sobre aquilo e voltou a encarar o nada. Agora o silencio durou minutos até que V voltasse a falar. 

 

— Ele tentou abusar de Tae — V disse por fim — Aquele verme tentou tocar em Tae e eu enfiei a caneta no pescoço dele, ah, foi lindo ver o sangue sair e deixar suas roupas brancas vermelhas. Os gritos então... — V riu de forma divertida — foi maravilhoso de se ouvir, infelizmente não consegui matá-lo, mas quer saber Doutor? O ver gritando em desespero foi melhor do que ter o matado logo de primeira — V fez um biquinho — mas eu queria poder terminar o meu serviço. 

 

Hoseok engoliu em seco, V era sem duvida nenhuma alguém perigoso, mas ele só fez aquilo para se proteger, bem, proteger Tae, se nada disso tivesse acontecido provavelmente estaria conversando com Tae agora. 

 

— Por que não me disse logo no começo o que tinha acontecido? 

— Doutor, acha que alguém iria acreditar em mim? Sou louco — V riu de novo — mato pessoas, já contaram pra você quantas pessoas eu matei antes de me transferirem pra cá? Quantos enfermeiros, psicólogos e psiquiatras eu já matei? — o sorriso dele se tornou macabro, assim como seu olhar — eu fiz muitos sofrerem em minhas mãos, então era mais fácil dizer que foi porque quis, o que não é uma mentira, do que explicar tudo o que tinha acontecido. 

 

Hoseok não pode evitar tremer ao ouvir tudo aquilo, ele estava com medo de seu paciente. 

 

— Está com medo de mim? — V perguntou olhando para o maior a sua frente — isso é inteligente de sua parte sabia, me temer pode te manter vivo. 

 

Jung precisava se recompor, não podia deixar suas emoções tão visíveis. 

 

— Se isso acontecer de novo não omita os fatos, me conte o que aconteceu eu vou acreditar em você — disse sério. 

— Se isso acontecer de novo garanto a você que não deixarei a outra pessoa viva. 

 

Hoseok suspirou, iria tomar providências sobre isso antes que V matasse uma pessoa. 

 

— Tae — Hoseok olhou atento ao ouvir o nome do outro — ele gostou de você, ficou repetindo o quanto o moço bonito é legal — V sorriu de lado — sabe, vai ser bom ter você como nosso médico, quem sabe nossas consultas possam ficar mais interessantes. 

— Vou falar com seus avós — Hoseok disse e esperou uma reação do menor quando mencionou sua família. 

— Vai perder seu tempo com aqueles velhos inúteis — disse V— eles não nos conhece, me pergunto porque tiveram tanto trabalho de nos trazerem pra cá, até agora não entendo o porque disso tudo. 

— São seus avós — Hoseok disse como se aquilo fosse mais que óbvio  — eles se preocupam com você. 

 

V pendeu a cabeça para trás e teve uma crise de risos, como se tivesse escutado a melhor piada do mundo. O menor ria alto e Hoseok o olhava sem entender. 

 

— Você é muito ingênuo, doutor — disse V assim que parou de rir — aqueles velhos nunca se preocuparam comigo, por eles eu teria morrido no hospital de Londres —V se levantou e começou a andar de um lado pro outro no quarto. — Nunca quiseram saber de nós, Tae, Kim e Taehyung são idiotas por acharem que eles se preocupam, mas eu sei que não. 

— Se os outros acham isso por que você duvida? — Hoseok precisava entender os pensamentos de V. 

— Ninguém se preocupa com nós — Hoseok pode ver raiva nos olhos de V — Sabe quantas vezes Tae, Kim e Taehyung pediram por ajuda? Sabe quantas vezes eles gritaram de dor e choraram? Nossos avós não estavam lá enquanto eles sofriam, mas eu estava. Ouvindo cada grito, sentindo cada dor, e eu matei um por um, me deliciei com o sangue deles. 

 

Hoseok não queria acreditar no que ouvia, ah, aquela criança estava tão machucada e precisava de ajuda, precisava da ajuda dele. 

 

— Mas eu vou proteger eles, eu vou matar cada um que tentar nos machucar, vou torturar essa pessoa até a morte. 

— Ninguém vai machucar vocês, eu não vou deixar. 

— Eu não acredito em suas palavras, mas, infelizmente, vou deixar você viver. 

 

Jung engoliu em seco. Então V já tinha pensado em o matar... Mas por que ele desistiu dessa ideia? O Psiquiatra precisava saber mais sobre isso, precisava conhecer cada personalidade, ganhar a confiança delas e finalmente poder descobrir o que aconteceu no passado de Kim Taehyung. Precisava descobrir o por que dos avós dele só o trazerem pra Coreia agora. Eram muitas perguntas e nenhuma resposta, era como andar no escuro, Hoseok odiava isso, mas tudo bem, ele iria descobrir e salvaria o pequeno Kim daquele abismo que era sua vida. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado do capítulo.
Meu twitter é @Byunbaekill, eu estou sempre por lá então se quiserem conversa, pergunta sobre a fic, fazer algum pedido ou apenas cobrar pelos capítulos já sabem onde ir.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...