História Psycho - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Emma Roberts, One Direction
Personagens Emma Roberts, Harry Styles
Exibições 23
Palavras 1.159
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Desculpe os erros gramaticais

Capítulo 6 - Assombrado?


"somos o seu pior pesadelo querida"

A voz grossa e assustadora volta e com isso não dou tempo de pensar mais nada e volto a correr.

Pela janela consigo ver que o dia está amanhecendo, e os gritos que antes eram muitos e agudos vão diminuindo aos poucos, na hora não consigo entender, mas quando vejo que o dia já amanheceu por completo e não ouço mais nada, já sei que eles só vem a noite e isso me tranquiliza. Diminuo a minha velocidade, observando o local ao meu redor, esse lugar não me é estranho já estive aqui, mas não me recordo, vejo uma mulher fazendo crochê sentada em uma cadeira de balanço cantando alguma coisa sem sentido algum, vou me aproximando dela. Quando ela me olha.

Acordo com o sino da igreja tilintando, olho o relógio ao lado da cabeceira e são sete da manhã. Como sei que não vou mais conseguir dormir, levando arrumo minha cama e vou tomar banho, hoje o dia amanheceu tranquilo, não escutei vozes e o banheiro não ficou preto, fico feliz por isso, talvez esse seja o ultimo pesadelo que eu tive.
Coloco uma blusa de manda azul e um conjunto de moletom cinza, ponho uma botinha de cano baixo, faço um coque e vou até a cozinha, a casa está silenciosa, Alice com certeza não acordou, vou até o quarto dela para tirar a conclusão e ela está roncando dou um pequeno riso, fechando a porta do seu quarto. Pego minha bolsa e vou no café perto de casa.

- Olha só quem voltou - Thomas fala quando me vê entrar, e me arrepio inteira, já ouvi essa frase antes em um "sonho".

- Voltei - falo me sentando em um banquinho.

- Um café bem forte? - ele pergunta com ar de riso e eu só nego com a cabeça.

- Um chocolate quente com chantilly por favor - faço o pedido, ele da um risinho e vai fazer o meu chocolate.

- Aqui linda senhorita - ele coloca o copo coberto de chantilly, e mesmo sem ter experimentado eu já sei que deve estar uma delícia.

- Obrigado - agradeço. Enquanto tomo o meu chocolate quente vejo que Thomas não tira os olhos de mim e isso me deixa constrangida - O que foi? - pergunto o encarando e o mesmo fica vermelho, e dou um pequeno sorriso, ele ficou muito fofo com vergonha.

- Nada, só estou admirando a linda moça que está à minha frente - volto a tomar meu leite, agora foi a minha vez de ficar envergonhada

- É... Você sabe do sanatório que tem nessa cidade? - Pergunto lembrado dos acontecimentos do dia anterior, vejo que ele ficou desconfortável e passou as mãos pelos cabelos.

- É só um sanatório - ele começa a limpar o balcão da senhora que tinha acabado de comer um misto quente e derrubado farelos.

- Eu sei que ele é SÓ um sanatório, mas você sabe quanto tempo ele se encontra parado? Ou se alguém o invade sempre? - faço as perguntas rápido e ele me olha como se eu fosse louca.

- Lex, faz mais de 30 anos que ele se encontra parado, e não! Ninguém entra nele, acho que não são louco de fazer isso - ele fala, mas não me encara.

- Porque? Faz tanto tempo, algum vândalo já entrou ali dentro e escreveu nas paredes, ele está abandonado. - falo tentado entender as frases que estavam gravada nas paredes.

- É um sanatório, quem entra em um sanatório para escrever coisas nas paredes - ele da risada.

- Talvez para assustar as pessoas? - falo levantando uma sombrancelhas e ele suspira fundo.

- Alexia se você está pensando em entrar no The ridges, tire essa loucura da cabeça - ele fala sério.

- Por que? Como você mesmo disse é só um sanatório. - ele está escondendo alguma coisa e vou descobrir.

- Não é um simples sanatório - ele fala sentando em banco ficando de frente pra mim. - Ele é o lugar mais assombrado de New Orleans, todo mundo que já entrou ali nunca saiu, eles desaparecem e ninguém consegue achar, já foram mais de 20 pessoas investigar esses sumisos e ninguém descobriu nada sabe porque? - ele pergunta, mas não deixa eu responder e continua - Porque ninguém saiu.

Se ninguém conseguiu sair vivo daquele lugar, então porque EU sai.

- Assombrado? - falo dando risada - fala sério Thomas - dou mais risada ainda e ele continua sério - Isso não existe - termino de falar.

- Alexia, não entra no Sanatório! Estou falando isso pelo seu bem, eu vivo aqui e conheço cada pedaço do The ridges e sei muita coisa, então não vai lá. - ele fala olhando nos meus olhos.

- Já que você conhece tanto, quer dizer que você já entrou nele? - coloco ele contra a parede, ele se levanta com tudo e fala.

- Só não entra. - e continua a limpar as coisas.

- Você ficou estranho - falo depois de alguns minutos em silêncio.

- Não estou estranho, só não quero que a sua curiosidade coloca sua vida em risco - ele fala e parece mesmo preocupado.

- Não tem nenhum perigo, pode ficar tranquilo - eu falo tentando o despreocupar.

- Você que pensa - ele fala em um som quase inaudível.

- Eu já entrei lá - ele se vira pra mim com um olhar parecendo que viu um fantasma - E olha acho que estou viva - faço gestos com as mãos.

- Você foi que horas lá? - ele pergunta curioso.

- Sabe ontem quando sai daqui? Então eu saí e vi ele no alto da colina, tava de dia, mas não aconteceu nada - minto.

- Alexia nunca mais vai lá! NUNCA mais.

- Minha irmã falou que eu estou precisando de um psicólogo, mas acho quem está precisando aqui é você Thomas - falo dando risada, coloco o dinheiro do chocolate no balcão e vou saindo do café.

- Quando você entrar ali, não vai adiantar você correr Lex - parl de andar na mesma hora e o encaro, ele está me olhando com um olhar que não sei o que está querendo dizer, mas minhas pernas bombeiam na hora, já é a segunda vez, já ouvi essas frases, e elas me causam arrepio, não pode ter sido o Thomas, balanço a minha cabeça de um lado para o outro para tirar esses pensamentos sem sentido da minha cabeça e vou embora.

Passo de novo pela rua que dá a entrada para a grande floresta, paro em frente e fico pensando se vou ou não ao sanatório.
Quando eu estava lá, nada aconteceu quando o sol ainda raiava mas quando anoiteceu foi que as coisas começaram acontecer, vou voltar, mas não de dia e sim a noite, vou descobrir quem era as pessoas das vozes.


Notas Finais


Geeeente desculpa a demora!! Demorou mais saiu!! Então o que vocês acham do Thomas? Sera que ele tem alguma coisa a ver? Espere os próximos capítulos!! Vai ter muitas revelações durando essa história!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...