História Psycho Club - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Exibições 95
Palavras 2.267
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Mistério, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


GEEEEENTE SÃO 2:00 DA MANHÃÃÃÃÃ E E TO ESCREVENDO DESDE 23:00 SENHOOOOOR TO MORRENDO DE SONO

MAS ESSE CAPÍTULO TÁ FODA!

LEIAM E APROVEITEM!

Capítulo 10 - -Grand Finale-


Fanfic / Fanfiction Psycho Club - Capítulo 10 - -Grand Finale-

''Há quem diga que eu sou má pff...eu não seid o que essas pessoas estão falando.'' - Betsy.

 

Aquilo tudo estava uma verdadeira confusão. Gritos e mais gritos... Estávamos numa espécie de jogos vorazes? O mais agoniante é que eu podia ouvir vozes, mas nunca ver pessoas.

 

Mas eu tinha algo mais importante a tratar agora, já que era eu quem corria de Emy, mas foi ela quem me despistou. Ela tem uma grande vantagem nisso tudo, uma vez que está aqui a mais tempo do que eu e conhece a casa melhor.

 

Vale ressaltar que há uma área especifica da mansão, a chamam de labirinto, pelo fato de haver mais bifurcações do que portas. Além de existirem os famosos espelhos parede. Lembro bem que a própria Emy disse que não queria vir aqui para não se perder.

 

‘’Mentirosa. ’’

 

Eu levei certo tempo para perceber o óbvio. Mas pensando rapidamente deduzi que:

 

Um, as luzes estavam mudando de freqüência de forma lenta e quase que imperceptivelmente. Uma vez vi num filme que essa é uma tática usada para retardar ou confundir os sensores do nosso cérebro, em outras palavras, te fazer perder a noção de realidade.

 

Dois, esse lugar não era de meu domínio.

 

Três, as luzes se apagaram de vez.

 

Fui atraída para uma armadilha inconscientemente. Como um ratinho.

 

‘’Ah, merda. ’’

 

No entanto eu não tive tempo de expressar reação quando dois braços rodearam o meu corpo. Um deles tapava minha boca, o outro segurava minha cintura.

No desespero a única coisa que pude fazer foi puxar minha faca de bolso com a mão direita e cravar-lhe no braço da pessoa que me segurava. Em questão de segundos fui solta e me virei novamente de frente. Eu não iria correr, seria no mínimo burrice, aquela não era Emy. Emy é mais voraz e tenebrosa.

 

‘’Onde está essa merda?’’

 

Do meu outro bolso puxei a mini lanterna que eu havia guardado comigo desde o primeiro dia e iluminei o espaço a minha frente.

 

-Mas que filha da puta! – A garota disse se contorcendo. Ela colocou a mão na frente dos olhos devido a claridade repentina.

 

-Sun? – Perguntei levemente abalada. Ainda não sabia o que pensar a respeito dela.

 

-Claro que sou eu! Porque me feriu vadia? – Ela tirava a faca penetrada em sua carne.

 

-Bem...Você me assustou.

 

-Argh! – Ela jogou o objeto de metal no chão. –Estive te procurando a noite toda! E ainda tive que lidar com aquela descontrolada... – Ela olhava para os lados com feição esnobe.

 

-Emy? – Perguntei curiosa.

 

-Não, Grace. – Ela olhou para o chão por um momento, mas logo depois retomou a atenção para mim com um sorriso nos lábios. –Oh, vejo que descobriu a farça dela.

 

-Farça? Ela é uma psicopata! Inclusive estava atrás de mim agora a pouco. – Iluminei atrás de mim, mas não havia ninguém.

-Vejo que terei de dar um jeito nela também... – Ela comentou rasgando um pedaço da sua blusa e enrolando no seu braço ferido. –Ela sabe que está aqui?

 

-Bem, eu achei que ela tivesse me atraído para cá.

 

-Achou errado. Esse território é meu, Emy não entra aqui. Você é realmente muito sortuda de ter encontrado a mim, e não outras.

 

‘’Realmente sortuda. ’’

 

-Talvez. Mas... porque esteve procurando por mim? – Perguntei a ela que me encarou de modo sério.

 

-Eu já disse antes. Gostei de você.

 

‘’Ela não me parece confiável, mas acho que salvou a minha pele. ‘’

 

-De qualquer forma acho melhor entramos no meu esconderijo, porque não vou defendê-la se Emy aparecer por aqui. – Ela falou casualmente e pôs-se a andar, quase me deixando para trás.

 

Dei uma última olhada para trás antes de segui-la.

 

O ‘’esconderijo’’, ficava um corredor depois de lá. Era um pequeno quarto com uma cama velha e empoeirada, com uma janela pequena, e sem luz. Por sorte tinha a mini lanterna.

 

Entramos no quarto e Sun sentou-se na cama, e eu apenas fiquei em pé apoiando-me na parede com tinta descascada.

 

-O que faremos agora? – Perguntei.

 

-Depende. – Sun encolheu as pernas, dobrando os joelhos e apoiando sua cabeça neles. Sua voz saía meio abafada por conta disso.

 

-Do quê?

 

-Do quanto você avançou na prova.

 

‘’Ela está tentando me perguntar indiretamente se eu peguei os guizos?’’

 

-Hum... – Apenas murmurei aquilo por não saber o que responder. Então ainda de cabeça baixa ela prosseguiu.

 

-Você conseguiu, não foi?

 

-Quem sabe. – Dei de ombros.

 

‘’Ela pode roubá-los de mim, não pode?’’

 

Então ela levantou o rosto me encarando. Minha lanterna apontava para o teto, numa semi falha tentativa de iluminar boa parte do quartinho. Então eu não podia vê-la muito bem.

 

-Se eu quisesse roubá-los de você eu já teria feito. Então fique mais relaxada. – Abaixou o rosto novamente. –Já que ambas conseguimos, acho que deveríamos esperar até o sol nascer, e aí será o fim da prova.

 

-Como sabe disso? Quer dizer, você aparentemente sempre está um passo á frente de todas nós.

 

-Um bom mágico nunca revela seus truques. – Ela retrucou parecendo desinteressada.

 

-Eu tenho algumas perguntas.

 

-Sou toda ouvidos. – Ela falou no mesmo tom de antes.

 

-Você disse que tinha ‘’lidado’’ com Grace. O que exatamente quis dizer com isso?

 

-Oh, nada demais. Apenas um pequeno acerto de contas. – Eu não podia vê-la, mas sabia que sorria. –Mais alguma pergunta?

 

-Não ficou chocada com isso tudo? A noite foi tomada por gritos de desespero e dor...isso..não te encomoda?

 

Então ela levantou seu rosto mais uma vez.

 

-Queen, porque acha que está aqui? Nesse circo dos horrores junto com todas essas garotas?

 

-Lugar errado na hora errada? – Dei um palpite, já que o próprio Yoongi admitiu não ter me reconhecido. Mas Sun balançou a cabeça em negação.

 

-Achei que fosse um pouco mais esperta. Todas estamos aqui por um motivo. Eu por exemplo, era uma assassina de aluguel e uma ladra de jóias no tempo livre. Eu era organizadora de um grande esquema de tráfico de armas, e muito respeitada também. Mas veja só onde estou agora...enjaulada com um bando de selvagens malucas por um par de guizos. – Ela falou amarga.

 

-Bem, então houve um engano de minha parte. Eu vim para cá sozinha, era só uma escritora curiosa e...

 

Eu iria continuar, mas o som da risada sarcástica de Sun fez com que eu cessasse falas.

 

-Errada. Muito errada. Isso cara Queen, é o que eles querem que pense.

 

-Está sugerindo que há uma conspiração por trás de tudo isso? – Falei confusa e ela deu de ombros. –Mas não faz o mínimo sentido!

 

-E essa é justamente a graça da vida. – Ela disse num tom de sabedoria.

 

‘’Realmente nada fazia sentido...’’

 

E com essa frase na cabeça e os olhos abertos esperamos os raios solares brotarem naquele inferno sombrio. O que de fato não demorou muito.

 

Alguns minutos depois eu caminhei até a janela e vi os raios solares alaranjarem o céu. Olhei para Sun que parecia cochilar encostada na parede. A observei por alguns segundos.

 

‘’Eu sequer tive confiança para sentar na mesma cama que ela, e ela simplesmente tira um cochilo enquanto uma desconhecida está por perto?’’

 

-Hey, acorde já amanheceu. – Falei de longe e ela pareceu despertar.

 

Eu iria perguntar a ela se deveríamos sair agora, quando a caixinha de som acoplada no canto superior da parede começou a chiar.

 

‘’Fim de prova. As competidora restantes por favor se dirigir até o salão.’’ – A voz desconhecida anunciava nos alto-falantes nosso destino nesta manhã.

 

-Acho que devemos ir. – Sun falou, dando um salto para fora da cama.

 

Agora que parei para observar, ela não tinha sequer um arranhão que fosse. Estava intacta. Exceto é claro pelo corte provocado por mim. Mas fora isso ela estava apresentável.

 

Muito diferente de mim, que trajava um vestido cinza de tecido pesado, com meus pés estavam feridos, minhas unhas sujas de terra, meu cabelo estava uma bagunça e meio úmido por causa da chuva e havia um pouco de sangue seco na minha perna. É, eu não estava nada apresentável.   

 

-Vai ficar parada aí? – Ela disse da porta, e eu logo tratei de segui-la.

 

O cenário da mansão estava um caos. Sangue pelas paredes, pelo chão, vasos e quadros quebrados. Haviam mesmo assassinas entre nós, muitas delas...

 

Quando chegamos ao salão (único lugar impecável) eu tive muitas surpresas.

 

Surpresa número um, todas as garotas estavam impecavelmente bem vestidas.

 

Surpresa número dois, apenas nove (contando comigo) das vinte garotas de Yoongi haviam sobrado. Eram elas: Lucy, Juno, Haneul, Frank, Bella, Diana, Sun...e Emy.

 

Surpresa número três, haviam outras garotas lá, muitas delas para falar a verdade, e eu nunca tinha visto nenhuma delas.

 

Surpresa número quatro, acho que eu estava finalmente vendo os 7 herdeiros.

 

E o Grand finale, o pai de Yoongi estava lá, me olhando com aquele olhar predatório que eu tanto odiei em toda a minha infância.

 

Novos rostos...estranhas sensações.

 

As garotas estavam aparentemente organizadas em pequenos grupos, eu e Sun, mesmo a contragosto nos juntamos a elas.

 

Os sete estavam sentados naquilo que parecia ser um trono de rei, cada um tinha o seu, estavam lada a lado. Yoongi estava no centro, com toda aquela pompa de superioridade. E seu pai estava sorrindo estranhamente, enquanto estava apoiado num palanque.

 

Ele começou a falar.

 

-Garotas! Parabéns, passaram pela primeira prova. Saibam que cada uma que está aqui hoje é vitoriosa. Passou por cima de sua concorrente e ganhou seu lugar. Palmas! – Ele falava alto e animado, então as garotas começaram a bater palmas eufóricas. –E eu adoraria passar mais tempo falando sobre como são maravilhosas, mas...vamos ao que interessa. – Um brilho perverso tomou conta da face dele.

 

-Que tal começarmos pelo de Seokjin? – Ele olhou para trás, e um deles se levantou, caminhando em direção ao segundo palanque que estava do outro lado da estrutura-palco.

 

Seokjin era alto, bonito, com ombros largos e sorriso atrativamente sexy.

 

-Aproximem-se as vencedoras de meu time. – Ele disse inclinando-se pouco ao microfone. Então um total de dez garotas se aproximaram. Uma mais bela que a outra. –YangMi, Eunbyul, Eunbi, Sooyoung, Chohee, Eunmi, Ahra, Iseul, Saeron e Dahyun são as minhas campeãs! – Ele anunciou e mais palmas foram ouvidas. Então uma a uma foram entregar os guizos para o pai de Yoongi, que segurava uma espécie de baú. E logo depois Seokjin sentou-se.

 

-Que tal você Park? – O mais velho olhou para trás novamente, e um dos sete, o que eu deduzi ser o ‘’Park’’, levantou-se repetindo o mesmo que Seokjin.

 

Park era de estatura mais baixa, mas exalava uma aura perigosamente atraente.

 

-As minhas campeãs dêem um passo a frente! – Ele ordenou e assim um grupo de mais dez garotas fez o mesmo. –Yura, Melissa, Nayeon, Hyemi, Genevive, Hyunah, Naeun, Hyorin, Sohyun e Carol são as minhas campeãs! – As garotas novamente fizeram o mesmo.

 

E o processo se repetiu com todos os outros até que chegou a vez de Yoongi.

 

-Lucy, para frente. – E lá estava ela com um vestido beje ajustado no corpo e bem elegante. Lucy deixou o guizo na caixa e fez uma reverência ao pai de Yoongi. –Haneul, á frente. – Esta trajava um vestido preto solto na altura dos joelhos. Ela fez a mesma coisa que Lucy. –Juno, frente. – Juno vestia um macaquinho florido e tinha tranças embutidas no cabelo, fantástica! –Emy, para a frente. – Ele ordenou e novamente ela foi.

 

Eu encarei todo o trajeto de Emy, e ela definitivamente, não parecia aquela estranha pessoa da noite passada. Ela estava radiantemente bonita.

 

Porém Emy fez algo que arrancou um suspiro de admiração do pai de Yoongi. Ela pôs no baú dois pares de guizos. Ela roubou de alguém, e possivelmente matou essa pobre alma.

 

Na volta ela me dirigiu um sorriso simpático e eu entrei em parafuso com tamanha capacidade de ser cínica.

 

E o mesmo se repetiu com as outras garotas, até ser minha vez.

 

Yoongi me caçava com os olhos.

 

-Queen... – Ele falava com a sua voz estranhamente rouca. -...passos para frente.

 

Então eu tomei coragem e fui.

 

Mas como eu disse antes, diferente de todas as outras eu não estava nada apresentável. Quando pude enfim colocar os guizos no baú escutei risadas vindas de alguns dos sete, risadas essas que puxaram burburinhos das outras garotas.

 

Mas o pior não foi isso. O pior foi que...o pai de Yoongi havia me reconhecido. E não havia desfarçado o sarcasmo e felicidade em me ver naquela situação.

 

Eu logo voltei para trás...onde ninguém me via.

 

Então o pai de Yoongi começou a falar.

 

-Garotas...o nível um acabou de começar. Espero que saibam que o jogo realmente começará agora. Amanhã partiremos para o castelo da família Kim, e daremos início aos jogos sangrentos! Estejam alertas, preparadas e acima de tudo...armadas. Porque o jogo começou.

 

Alguns burburinhos se fizeram presentes de novo.

 

-Ah! Que falta de cortesia a minha...Meu nome é Min Jiwon, pai de Yoongi. E eu estarei observando cada uma de vocês para tornar a experiência de jogos mais...traumatizante. Vocês sabem qual é o nosso lema número um? Digam a elas rapazes!

 

-O que nasce no clube, morre nele. – Eles falaram em uníssono.

 

-E o segundo?

 

-Bem vindas ao Psycho club. Paraíso dos homens, inferno das garotas. – Eles disseram mais uma vez.

 

‘’O jogo começou não é mesmo? Eu fui esnobada, humilhada, ferida, trancafiada, dopada, enganada, perseguida e privada da minha própria vida...eu queria deixar isso passar e levar isso numa boa, mas se é para ser espontânea e tirar a máscara...ora, ora, ora, vamos fazer isso então. Mas se for pra ser assim...vai ser assim do meu jeito.’’

 

-Lembrem-se que não foi culpa minha. - Falei com um sorriso de canto.

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Então o que acharam? gostaram ou odiaram?

AAAAAAH VAI COMEÇAR O MODO MAU DA QUEEN.......ETCHA PORA

comentem comentem comentem e me deixem felizzzzzzzzzzzz bug kkkkk

Link da minha outra fic com Jimin e o Kook ( vai ser foda) : https://spiritfanfics.com/historia/sickness-8736451


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...