História Psycho || Jeon Jungkook ( Repost) - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Got7
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Jungkook, Psicótico, Você
Visualizações 126
Palavras 2.383
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Survival, Terror e Horror
Avisos: Adultério, Álcool, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Como devo começar? Bom.. Como sabem tinha o capítulo 8,mas houve um problema quando eu resolvi apagá-lo, pós uma beta havia corrigido.. Porém eu tinha feito algo errado, coloquei no capítulo errado.. Mas tá tudo bem. Desculpe a demora, espero que gostem, desculpe-me se estiver alguns erros.boa leitura ♡

Capítulo 8 - Crazy


Fanfic / Fanfiction Psycho || Jeon Jungkook ( Repost) - Capítulo 8 - Crazy


{S/N} 

Mark convidou-me para sair, precisávamos desse tempo sozinhos. 

— Você está linda. — Disse Kaori.

— Obrigado. — Sorri.

          " Estou pronta. — Digitei em meu aparelho.

" Desculpe, não será possível.

" Por quê?

" Minha irmã passou mal, desculpe-me novamente. Até logo.

— O que houve? — Kaori perguntou.

— Eu sinto que ele me esconde algo. —Suspirou.

— Depois você pergunta para ele. Agora vamos ao cinema. — Sorriu.

— Tá bom.

          ×××

—  O que deveríamos assistir? —  Perguntou.

— Romance. — Falei estacionando o carro.

—  Isso é muito clichê. —  Riu. — Um pouco de terror será bem vindo.

— Como quiser.

— Invasão Zumbi, ou Annabelle dois? — Perguntou

— Invasão Zumbi.

— Okay.



           ×××

— O quê você achou do filme?

— Triste.

— Fiquei com dó da garotinha.

   

— Dormirá aqui? — Perguntou.

— Não preciso nem responder. — Entrou.

— Vou procurar um pijama para você.

— Obrigado (S/A) — Sorri.

— Magina.

— Você está estranha. — Disse.

— Não é nada demais. — Falou entregando a toalha.

— Oque há de errado? Você está com Mark. Ele lhe ama.

— Esse é o problema. — Sentou em um cômodo. — Será que ele me ama como diz?

— Isso eu não tenho dúvidas.


{Mark} 

— Deveria contar a verdade. — Amber disse.

— E você acha que eu não tentei? Eu achei que você nunca voltaria.

— Mas eu voltei. (S/N) não merece tê-lo. Você é apenas meu. — Disse depositando beijos em meu pescoço.

— Eu não quero mais enganá-la..

— Basta dizer a verdade, vou estar ao seu lado.

— Obrigado. — Agradeceu.

— Faço isso porque lhe amo, e quero aquela garota longe de tí.

— Tão ciumenta. — Riu.

— Talvez seja o amor que sinto por você, cada dia aumenta. — A mesma iniciou um beijo.

                      ××××

— Tá com fome? — Perguntou.

— Um pouco, o que preparou?

— Não preparei.. Pedi uma pizza.

— Uma ótima escolha, vou tomar um banho, e desço.

                                 ×××

— Meus pais querem vê-los.

— Eles também estão aquí? — Perguntei colocando a pizza sobre a mesa.

— Sim, chegaram de viagem.

— Não vejo a hora de vê-los.

               


{Jeon} 

— Meu menino, não diga isso. O amor existe sim, você irá conhecer alguém algum dia.

— Eu não quero conhecer. Não há nenhum sentimento em mim. — Levantou-se, e caminhou até a porta.

— Aonde você vai Jeongguk?

— O trabalho me espera, não há nada de errado comigo, apenas existe aqui dentro de mim um coração partido. Eu só queria ir embora. — Suspirou.

— A vida é bela. Não faça besteira.

— Nem tudo é belo.

                        

◇◇◇

— O senhor está melhor? — Perguntou Hoseok.

— Nunca estive, melhor, pior.. Mas do que isso importa? Minha vida interessa à você.

— Perguntei porque fiquei preocupado.

— A única coisa que você deverá se preocupar é com esse restaurante. Com licença.

              

                           

                    Talvez eu nunca conheça o amor. Mas já conheci, e me arrependo profundamente. Eu me sentia feliz ao seu lado, meus sorrisos eram sinceros, verdadeiros.

                    

Os dias foram se passando com ela os mêses, e o inverno havia chegado. Adentrei no mercado, porém, encontrei-a. (S/N) estava na mesma direção que eu.

— Guukie.  — Ela pronunciou.

— Olá. — Respondi sem nenhuma animação.

— Você está bem? — Perguntou.

— Não vai fazer diferença. —  Falei pegando os melhores vinhos do ambiente.

—  Para mim faz. —  Tocou em meu ombro, fazendo-me olhá-la no mesmo instante. — Conte-me o que há de errado, eu posso ajudá-lo. — Sorriu.

— Eu não preciso de sua ajuda. —  Afastou-se e seguiu seu caminho.

    O quarto que um dia foram dos meus pais, estava sendo reformado. As malditas lembranças que me deixam fraco.

{S/N} 

—  Por quê você ainda conversa com Jeongguk? Ele é tão rude. —  Comentou Kaori acariciando sua barriga.

— Por quê diz isso? Logo você que dizia ao contrário. —  Jeongguk é bem simpático, mas parece que o jogo virou. — Debochou.

— Idiota. — Cruzou os braços. — Ele é bipolar.

— Bastante.

          (...)

— Não acha que deveria dar uma chance ao Jeonseok? — Perguntei.

— Não confio naquele homem.

— Você nem o conhece direito.

— Basta olhá-lo, e verá. Talvez eu tenha medo do mesmo. — Disse ligando a televisão, colocando em sua série preferida.

— Que medo seria esse?

— Ele tem nome, Jeonseok.

— Queridas, cheguei. — A voz dela ecoou sobre nós. — Virei meu rosro tendo visão dos dois. — Jeonseok, e (N/M).

— Já estávamos de saída.

— Fique conosco. — Ele disse com algumas compras em mãos.

— Por favor minha filha, fique.

— Tá bom.

                            ×××

—  Gosta de ficar sozinha? —  Jeonseok perguntou.

—  Às vezes. —  Respondi.

— As rosas daqui são belas, não mais que você. —  Disse posando sua mão em minha cintura. —  Me afastei rapidamente, minha respiração estava acelerada.

— Mantenha distância de mim. —  Falei.

—  Estou tentando ser seu amigo, mas você não colabora.

—  Jamais serei sua amiga.

—  Você é sempre assim? Grossa. — Disse.

—  Deixe-me. — Saí da varanda, esse homem causa-me um medo, terrível.

                             ×××


{14:30}

Adentrei na banheira quente, aquela água relaxava meu corpo.

—  Por quê não veio sozinho? —  Perguntei.

—  Isso é ciúmes S/N? — Amber perguntou.

—  Não lhe devo satisfações.

—  Poderíamos ser ótimas amigas, mas depende de você.

—  Ela já tem uma amiga. —  Disse Kaori fazendo-me sorrir.

—  Com licença, parece que a campaìnha tocou.

                               Vê-lo diante de mim.. Levantou uma suspeita, pois nesses últimos dias a única coisa que ele fazia era me tratar com arrogância.

       — Eu não deveria ter tratado-a daquela maneira, aceite minhas desculpas. —  Jeon disse. —  Parecia sincero.

—  Tudo bem Jeon. Gostaria de entrar?

—  Obrigado. Não quero ser tão abusado.

—  Você é meu convidado.

— Gostaria de ficar, mas não posso. Quem sabe na próxima. Boa noite (S/A).

— Boa noite Jeongguk.

— Jeon Jungkook é seu amigo ? — Perguntou JB.

— Sim, algum problema?

— Ele é estranho. — A voz de Taehyung ecoou sobre nós.

— Jeongguk sabe disso? Que você o chama assim?

— Talvez. — Riu.

— O jantar está pronto pessoal. — Jungseok disse.

                          ×××

Ele olhava-me diariamente, isso deixa-me constrangida. Medo, dos seus olhares.

— Dorme hoje aqui. — Falei abraçando-o.

— Gostaria..

— Vai deixar sua namorada só?

— Desculpe (S/N), marcamos outro dia. — Ele apenas disse e beijou meu lábio com um selinho, e saiu.

 

       Eu queria ele ao meu lado, dando-me beijos.. Porém, ele estava me evitando.

                      ×××

[Segunda, 7:45]

Eu caminhava normalmente até a padaria, mas algo me chamou atenção. O choro de algum ser era alto. Procurei em meio a rua, atrás da árvore, encontrando dois cachorrinhos.. Em seus pelos havia pingos de neves, eles tremiam.

— Vou levá-los para um lugar quente, agradável. — Sorri, pegando-os em seguida. — Em suas orelhas haviam pequenos ferimentos. — Perguntei para mim mesma, como alguém poderia machucar um animal? São tão inocentes, seus únicos amigos. Que sempre estarão ao seu lado. — Retirei meu casaco, e coloquei em seus corpos.


{Jeon} 

— Acordou cedo. — Comentou Yerim.

— Não conseguiu dormir?

— Exatamente. — Disse pegando o pãozinho quente, que se encontrava perto do mesmo.

— Posso acompanhá-lo?

— Tanto faz.

— Eu estou aqui Jungkook, pode confiar em mim.

— O que a senhora está me pedindo é um absurdo. Não vou confiar em uma mulher que me abandonou.

— Quando irá me perdoar? Não tive culpa.

— Tá insinuando que eu seja o culpado? Foi você que me abandonou. — Disse rudemente.

— Não foi isso que eu quis dizer Jungkook, me ouve. — Tocou em minha mão.

— Solte-me. — Levantou. — Você é inútil. 

— Estou chegando ao meu limete, tentei ajudá-lo mas você não se ajuda.

— Quando foi que você me ajudou? — Exclamou. — Deixou-me sozinho, isso foi uma ótima ajuda. — Gritou.

                       ××××

Adentrei em meu carro, e acelerei o mesmo. Fiquei atento os movimentos que eu estava dando.

— Jeongguk.  — Era ela, (S/N).

— O que há? — Perguntei, vendo-a com dois cachorros segurando-os.  — Você está no meio da rua. Entre. — Ordenei.

— Obrigada. — Agradeceu.

— Pegue aquele moletom, sei que está com frio.

— Não precisa.

— Prefere morrer de frio?

— Okay, vou pegá-lo  muito obrigada.

— Quem é o dono desses cachorros?

— Não sei. Eu encontrei-os atrás de uma árvore.

— O que irá fazer com eles?

— Devo levá-los ao veterinário.. Poderá leva-me?

— Claro.

— Então é aquí que você trabalha?

— Sim. — Sorriu. — Me acompanhe.

Era impressionante como nós nos encontrávamos constantemente.. Vê-la sorrindo, era algo bom. Esses lábios vermelhos..

— Vamos Jeon. — Ela chamou minha atenção.

— Bom dia.  — Jinyoung disse olhando-os. — Você é o famoso Jeon Jungkook?

— Apenas Jeon, por favor.

— Bem vindo.

— Obrigado. Eu já estava de saída.

— Tchauzinho Kookie.

— Até mais (S/N). — Acenou.


{S/N} 

— Vocês são amigos?— Perguntei.

— Você é a segunda pessoa que me perguntou isso. Sim, Jungkook é meu amigo. Ele ajudou-me tanto.

— Oque aconteceu com eles? — Perguntou apotando para os dois cachorros em meus braços.

— Encontrei-os na rua. Parece que foram machucados.

— Posso ajudá-la?

— Sua ajuda será bem vinda.

— Me desculpe por ter falado aquilo.

— Não se preocupe Jinyoung. Vou cuidar dos ferimentos.

                                ×××


{18:30}

— Esse moletom tem dono? — Mark Perguntou.

— É do Jeongguk.

— Engraçado.. É seu ou dele?

— Não há motivos para ficar com ciúmes, ele apenas ofereceu seu moletom.

— Diga-me o que aconteceu. — Disse.

— Encontrei dois cachorros abandonados, satisfeito? - Franzi o cenho. — Saí andando em direção ao meu carro, mas ele puxou-me pelo pulso.

— Eu sou um idiota. Me perdoe. — Disse abraçando-me.

— O idiota que eu amo. — Sorri fraco.

— Vou levá-la em um lugar especial. — Sorriu.

— Posso saber qual seria esse lugar?

— Se eu falar não terá mais graça. Garanto que irá gostar. 

.

                 ××××

 — Colocarei um laço em seu olhos. — Disse colocando-o. 

— Estou anciosa. — Falei sorrindo.

— Já chegamos. — Sussurrou em meu ouvido.

—  Veja com seus próprios olhos. —   Mark retirou aquela veda, fiquei surpresa ao ver aquelas casas detalhadas, o cheiro do mar era presente. As rosas estavam espalhadas, o mesmo pegou um buquê vermelho e entregou-me.

—  Para a mais bela. —  Falou com seu sorriso maravilhoso.

— Obrigada. —  Sorri alegremente. —  Achei que você tinha esquecido.

—  Não tem como esquecer a data do nosso aniversário. Hoje completa seis mêses. —  Suas mãos tocaram meu rosto, delicadamente ele selou nossos lábios.

                     Mark deitou-me naquele sofá, cuidadosamente retirou minha camiseta. Seus beijos tocaram meu pescoço de uma e forma deliciosa. Senti sua mão gélida entre minha intimidade ainda coberta pela calcinha de renda, ele simplesmente rasgou-a deixando-me exposta. Sua língua passou pela minha boceta, os seus movimentos eram prazerosos, meus gemidos saíam com seu simples toques. Toquei em meus seios, massageando-os.. Ele chupava toda extensão da minha boceta. 

Meu orgasmo estava próximo, porém, ele continuou com seus movimentos.. Mark permitiu que meu líquido escorre-se em sua boca. De repente aquele clima calmo, aonde só se escutava nossas respirações.. Transformou-se em um som, o celular do loiro havia tocado.

— Desculpe, tenho que atender.

— Tudo bem.  — Levantou.

— Fique, não atenderei. — Disse segurando-me, sentei-me seu colo, logo ele retirou sua calça. — Sua cueca foram retiradas pelas minhas mãos, Mark deitou-me novamente..E encaixou seu membro em minha intimidade.

As estocadas eram lentas, Mark beijava meu pescoço.. Nossos lábios se encontram, e por fim, nos beijamos. Os movimentos tornaram-se frenéticos, deixa-me louca por mais.

Chegamos ao nosso ápice, deitamos pelo tapete da casa.. Estávamos recuperando nossas respirações.

                                   ×××

Mark fez questão de preparar o jantar.

— Espero que você goste do meu Japchae. — Disse enchendo-me de beijos.

— Tá com uma carinha boa.  — Riu. — Você mudou nesses mêses que se passaram, está carinhoso comigo.

—  É que eu a amo. Você merece todo carinho do mundo. — Beijei-a.


{Akemi} 

— Mark não vem querida?— Perguntou.

— Pelo visto não.

— Ele poderia vir amanhã.. Estou cansada.

— A senhora deverá mesmo descançar, boa noite.

— Tá acontecendo alguma coisa?

— Não. Estou bem. — Falou. — Com licença.

— Você sabe que pode desabafar comigo..

— Não iria compreender.

— Conte-me, quem sabe posso ajudá-la.

— Infelizmente não será possível.

— Mark esconde algo? — Perguntou.

— Sim, não aguento mais tantas mentiras.

— Mentiras?

— Depois ficará sabendo, boa noite.

{Mark} 

— Bom dia princesa. — O mesmo selou o lábio da morena.

— Bom dia. Você já está indo? — Perguntou um pouco sonolenta.

— Passarei em casa antes de ir outro, quero que vá na frente.

— É sobre aquele telefonema de ontem? 

— Sim. Parece que minha mãe passou mal.

— Espero que ela melhore logo, mas é estranho, ela passou mal novamente?. — Perguntei. 

— Infelizmente sim. Talvez eu tenha que retornar para Espanha.

— Eu vou entender se você ir.

— Voltarei logo, não se preocupe.

— Vou esperá-lo.



                             ×××

— Agora teremos mais tempo juntos. — Falei.

— Não foi uma boa idéia..

— Foi a melhor. — Sorriu.

— Eu não vou mais.. Cansei. — Suspirou. 

— Você é um idiota Mark.

— Me desculpa, eu tentei..

— Retire-se, não quero vê-lo nunca mais. 

— Tem certeza? — Perguntou envolvendo suas mãos na cintura da ruiva. — Você é minha. — Beijou-a.


                       ××××

— Meus pais podem chegar à qualquer momento. — Disse jogando minhas roupas em minha direção.

— Tenha um bom trabalho.

— Digo o mesmo, minha rosa. — Disse acenando.

{Jeon} 

— Senhor, os pais de Charlotte estão esperando-o. — Disse a empregada.

— O quê querem? — Perguntei ajeitando meus óculos.

— É sobre a morte de Charlotte.

— Chame-os.

— Acharam o assassino? — Perguntei.

— Você sabe muito bem quem é. — Ela disse com firmeza em suas próprias palavras.

— Não sei o que está querendo dizer.

— Você deixou a assassina da minha filha solta. Isso é estranho? Como advogado deveria mantê-la presa.

— O caso já foi resolvido, (S/N) não é uma assassina.

— Quem garante isso? Você a ama Jeon?

— Não diga besteira. — Revirou os olhos. — (S/N) é apenas uma grande amiga.

— Minha paciência se esgotou.. Você está apaixonado, e não vê que diante daquele olhar se encontra um monstro.

— A senhora está enganada. O monstro sou eu. — Sorri sarcástico.

— Não estou entendendo..

— Já estávamos de saída. — Seu marido disse levantando-se.

— Mas já? — Perguntei abrindo o armário, retirando de lá uma arma, porém pequena.

— Você está nos assustando.

— Esse é meu único objetivo. — Apontei o objeto na direção dos mesmos. — Inúteis. — Jeongguk apertou o gatilho, disparando três tiros seguidos.

As vítimas caíram sobre o chão.

— O que aconteceu aqui? — A voz de Yerim ecoou no ambiente.

— Quer se juntar com eles? — Perguntou.

— Olha o que você fez Jeongguk. Poderá ser preso.

— Jamais irão descobrir, ficará calada.

— Isso é muito grave. — Disse assustada.

— Cale-se e me ajude com os corpos. 

— Você não tinha motivos para matá-los.. 

— Não preciso ter. 

— Você precisa de um tratamento, você está ficando completamente louco. 

                           

  

                  


  

                  


Notas Finais


Então foi isso.. Fiquei feliz pelos comentários do capítulo anterior, obrigado mesmo ♡♡Comentem sempre, é muito importante para mim ❤.

Grupo no Whatsapp

https://chat.whatsapp.com/0utqX2kAWahJ4OopSO79Ji
Espero vê-las lá ♡ Até a próxima ♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...