História Psycho ✴ Vmin - Capítulo 24


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), EXO, Got7
Personagens Baekhyun, BamBam, Chanyeol, Chen, D.O, Jackson, JB, J-hope, Jimin, Jin, JR, Jungkook, Kai, Lay, Mark, Rap Monster, Sehun, Suga, Suho, V, Xiumin, Youngjae, Yugyeom
Tags apelidos, Bangtan Boys, Bts, Chanbaek, Clínica, Comedia, Crazy, Dahyun, Jikook, Markson, Medicamentos, Namjin, Psycho, Sana, Shipps, Vmin, Yoonkook, Yoonmin
Exibições 336
Palavras 1.692
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Bishounen, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Fluffy, Luta, Policial, Romance e Novela, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 24 - Kim


Fanfic / Fanfiction Psycho ✴ Vmin - Capítulo 24 - Kim

AUTORA (POV's)


Enquanto isso, no refeitório Yoongi e Hoseok conversavam calmamente.

Palavras aleatórias eram jogadas pra fora, quando recebido vibrações vinda do celular do descolorido.


Chamada On


Myg: Pronto? 


Jjk: Ele fugiu.


Myg: Não sabe cuidar de um idiota, princesa? 


Jjk: cala a boca, garanto que está indo pra aí.


Myg: Já está aqui e não vou safar ele de um tiro na cabeça, sinto muito.


Jjk: Não ligo, já tentei de tudo e ele pouco se fode.


Myg: Então é pra valer?


Jjk: Mate-o.


Myg: Fácil, como vai chorar o outro...


Jjk: Mate-o junto com aquele outro então, qual seu nome aliás? 


Myg: haha... o nome dele? Kim Taehyung. 


Jjk: Apenas mate os dois de uma vez. 


Myg: Será um prazer... 


Chamada Off


Ele desliga seu celular com um sorriso malvado e encara Hoseok.

— O que foi? - o moreno pergunta estranhando e ouve o outro rir.

Hora de acabar com Park Jimin e Kim Taehyung... Eu só precisava de uma ordem.


— Como vai matar o Kim se existe a irmã dele ainda? - Yoongi arregala os olhos e bate na própria cabeça.

Que droga! - grita atraindo olhares de alguns militares e louquinhos. — O que vocês estão olhando!? Voltem a fazer seus trabalhos, estúpidos! - assim todos dão olhares fartos e continuam a trabalhar e comer. Fica pensativo junto ao amigo. — Já sei o que farei. - sorri vitorioso. — Que tal nós dois ir trocar uma palavra com Kim Dahyun? 


Yoongi vai se afastando, deixando Hoseok um tanto confuso, mas logo segue o mais velho.


× × × 


Sala Dr. Min Yoongi •


— Por que me chamaram aqui? Aconteceu algo com meu irmão? - a garota pergunta preocupada.


— Não aconteceu nada, srta. Kim. - Yoongi acalma a mesma, que fica atenta a cada mísera palavra que sairia da boca do doutor. — Estamos aqui apenas para tratá-la de um acordo. - fala tranquilamente, enquanto sentado em sua confortável cadeira escura e brincando com uma caneta.

— Que acordo? 


A morte de seu irmão. - ela fica paralisada, tentando ainda processar bem o que acabara de ouvir vindo friamente do descolorido.


Vocês não irão encostar um dedo sequer nele! - ameaça irritada, Yoongi ri baixo em deboche.

— Já encostamos. - a garota de cabelos longos se levanta rapidamente da cadeira.


— Isto é um puta absurdo! - esbraveja, o descolorido se levanta calmamente de sua cadeira dando passos lentos até Dahyun.

— Um puta absurdo é o que ele anda aprontando, garota inútil. - recebe um tapa na face.


— Eu exijo ir vê-lo, Dr. Min Yoongi. - ordena com olhos furiosos. 


Apesar de poder ser um amor de pessoa, ninguém poderia causar mal ao irmão, Dahyun fazia de tudo para proteger o mais velho, em agradecimento pelo que os dois passaram juntos e por Taehyung ter sido seu escudo em momentos difíceis. 


Eles eram imbatíveis juntos, os irmãos Kim.


— Pois bem, quer que eu o traga aqui ou...

— Apenas me leve para onde ele está neste exato momento. - interrompe ouvindo Yoongi bufar. 

Ele vai até a porta e abre a mesma, dando passagem para que a garota passasse.


× × × 


JIMIN


— Se estou preso à você, ninguém tem direito de me soltar. - rimos. 

— Acho melhor eu... colocar minha vestimenta novamente, não quero passar imagem ruim quando um militar chegar. - pisco lento e suspiro. — Mas eu vou arrumar a sua também. - digo e ele assente. 


Vou puxando vagamente sua camisa para cima – que estava na antes descida até a cintura –, ele arruma em seus braços certamente, então começo a abotoar. 

Eu gosto de você. - umedece os lábios e me olha.


E eu, de você. - faço um coração com as mãos e o Antigo Inocente sorri quadrado.


Tão perfeito.


Arrumo minha camisa e então ficamos nos olhando.

— E seus livros? - pergunta.

— Eu não tenho mais nenhum. - digo e faço um biquinho.

— Tenho os seus livros! - fala animado.


— Ei! Não sou autor! A Strange é, está escrevendo nossa história agora.


Gente deixa ela brincar um pouquinho ;)


— Você não é, dã! Estou dizendo que li todos os livros que me deixou. - fala óbvio.

— Ah sim, entendo. - começo a brincar com meus dedos e fico cabisbaixo. Quando vejo suas mãos ao encontro com as minhas.


— Os dedos do hyung são minúsculos! - Tae ri, reviro os olhos. 

Hahaha que interessante. - comento rindo falsamente. 


— Mas são fofos. - para de rir e fica sério. 


5 segundos e muda de sentimento.


— Você é fofo, Chim Chim. - ele toca em meu rosto lentamente. — Não pode ser real. É um ursinho... - percorre com os olhos minha face inteira até chegar em meus olhos. — Você é um ursinho, quer ser meu ursinho? - ele sorri como uma criança.

Eu quero. 


× × × 


AUTORA (POV's)


Dahyun se encontrava com medo, estava ao lado de um doutor militar, filho da puta, e prestes a encontrar o irmão num estado anormal. Quando as paredes brancas começaram a aparecer, ela sentiu um nervoso dentro de si. 


— P-por que ele está aqui? - pergunta gaguejando um pouco. — Por que salas tão separadas? Por que não está igual aos outros? 

Calada. - Yoongi manda sem sequer olhar em Dahyun. — Ele apenas está com seu amiguinho, que no caso vive em uma das celas individuais avançadas, afastado de todos e tudo. Um nível altamente mortal de alguém. Se um ser humano normal encontrar esse amiguinho, achará que realmente está no hospício.


Deveriam ajudá-lo, não piorar. - murmura.

— Eu ouvi e não vamos ajudá-lo, ele mesmo poderia se virar, mas não, é um dos mais trabalhosos daqui então simplesmente demos doses altas de drogas à ele, uma hora estará implorando por suicídio ou homicídio, algo que vamos fazer daqui algumas horas. - diz calmamente, sem perceber o pavor que Dahyun sentia. 


Vão matar ele?! 


Vamos. Quando você, srta. Kim Dahyun vê-lo, irá ver o quão inútil é o esverdeado, ele não precisa mais habitar a Terra, sinto muito... - a porta do elevador se abre. — Damas primeiro. - ela assente com medo e assim sai da cabine do mesmo, Yoongi sai em seguida. 


A garota vê as poucas portas, tudo claramente branco, ouve gritos vindo de uma e choros vindo de outra, risos e espancadas. 


Aquilo era doentio demais. Como teve a coragem de botar o amado irmão ali? 


Quando encara a última porta, silenciosa, com um guarda na frente. Era aquela? 


— Sargento. - o guarda se curva à Yoongi. — Retire-se de minha frente. - ordena, o jovem se afasta um pouco. — Venha conhecer a loucura em pessoa. - ele pisca para ela, que engole a seco.

A porta é aberta vagarosamente, dando imagem à Taehyung e outro menino, com cabelos verdes, olhos e boca manchados com vermelho.


T-Tae? - ela chama e quando ouve, a porta atrás de si é fechada.

Qualquer coisa apenas bata na porta. - ouve o doutor de fora. 


Seu irmão estava tão diferente, tão doentio quanto aquele lugar em todo. Ele se vira e arregala os olhos, mas logo lhe brota um sorriso. Se levanta da cama e corre em direção a mais nova, dando um abraço apertado na mesma.

Hyunnie! - diz alegre. Ela o olha com um sorriso tristonho, Tae percebe. — O que houve? - pergunta e vê as lágrimas percorrendo a face delicada de Dahyun. — Não! Não chore! Se é por minha aparência, descobri que realmente sou eu esse. - diz preocupado e limpa as lágrimas da maninha. 


Ela desvia o olhar de Taehyung e pára em Jimin, que ainda se encontrava de pernas cruzadas na cama, olhando o casal de irmãos.


Quem é você? - pergunta para o esverdeado.

— Posso voltar isso à você. - diz com um sorriso simpático. Dahyun se aproxima vagamente do garoto sentado na beirada de sua cama, com o rosto um pouco inclinado para o lado.

— É o amigo do meu irmão? - novamente pergunta.


— Corrigindo! - levanta seu indicador. — Melhor amigo. - ri um pouco vitorioso. — Me chamo Park Jimin... mas trate por Crazy ou Psico.


— Chim Chim! - Tae fala animado.

— Shhhh - Jimin leva o indicador até a boca. — Isso é coisa nossa. 


A garota suspira e arruma sua saia lilás, sem tirar os olhos do Park.

Estava encantada com a forma que ele e seu irmão se relacionavam, apesar de serem dois doentes.


Dahyunnie, por que está aqui? - Tae pergunta e então fica de joelhos na frente da irmã, a mesma segura as mãos do garoto.

— O doutor Min Yoongi me chamou...


Ahhh, aquela cabrita orgulhosa. - Jimin pensa alto balançando negativamente a cabeça. Quando o de cabelos verdes percebe ter falado realmente, fica com bochechas rubras. — Oh ignorem meu comentário amoroso. 


— Aish, Psico. Deixa minha irmã falar! - Tae altera sua voz.

— E você me manda? - Jimin desafia, eles se entre olham expressando braveza – pelo ângulo de Dahyun – e então, começam a rir. — Isso nunca funciona! Quando ficarmos nos encarando sem rir será um milagre vindo da Sana. - Taehyung dessa vez quem balança negativamente a cabeça e então volta sua atenção à irmã.


— Como ia dizendo...?

— Ele me chamou falando que estava a fazer um acordo.. - fica cabisbaixa. — de matar você. - Tae fica sem reação, já Jimin se levanta irritado e dá leves batidas na porta. 

O guarda abre a mesma vagamente e quando se percebe, o esverdeado dá um soco no nariz do mesmo, fazendo cair no chão.

Qualquer coisa bata na porta. - imita de maneira nojenta a voz do Min e se afasta com os punhos fervendo.


— Se percebe, o guarda pensaria que era você. - Tae fala. — e como assim me matar?! Por que me matar?! - diz agora nervoso, fazendo sua irmã também ficar.

ELE VAI MATAR JIMIN E VOCÊ IRIA VÊ-LO ENTÃO PARA NÃO SE EXALTAR, FARIA O MESMO. ELE VAI MATAR VOCÊS DOIS! EU NÃO QUERO ISSO! - Dahyun começa a chorar descontroladamente então recebe um abraço de Taehyung.


O garoto passa a olhar um ponto fixo, pensativo, enquanto acalmava a irmã com um abraço acolhedor. 


— Ele nunca fará isso. 



Notas Finais


joguei de volta e saí correndo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...