História Psychotic - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton, Personagens Originais
Tags Camren
Exibições 94
Palavras 1.036
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ficção, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Visual Novel
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 18 - I don't trust on you


Fanfic / Fanfiction Psychotic - Capítulo 18 - I don't trust on you

 

— Eu não acredito nisso! Estávamos a todo tempo na cidade e... Eu... - Lauren sentiu novamente vontade de vomitar e teve que aceitar o apoio que Camila lhe dava, a cidade grande a assustava, mas a correria com que as pessoas ao seu redor lidavam era ainda mais assustadora. 

Elas agora se encontravam em uma região próxima do centro da cidade, e apesar da constante pergunta e oferecimento de ajuda de estranhos, Lauren havia negado todos.

— Lolo... Algum deles pode nos ajudar, eu mal consigo me lembrar onde é a delegacia e se... - Camila tentava inutilmente convencê-la, mas convencer alguém que havia acabado de sair do cativeiro à entrar em um carro estranho era praticamente impossível. — Você está fraca, e sua pressão está caindo, você precisa de repouso, Lauren. 

Camila ajudou a maior a se sentar na calçada, atrás de ambas várias pessoas passavam na calçada correndo para seus trabalhos e afazeres, enquanto as encaravam com olhares curiosos. Enquanto Camila olhava ao redor se perguntando o que fazer, Lauren encarava tudo aquilo com o gosto do desconhecido, era como se ela não pertencesse mais aquela sociedade, era como se a falta de escuridão que a preenchia a matasse a cada instante enquanto implorava pelo seu retorno. 

Lauren apoiou a cabeça sob suas mãos e deixou que lágrimas escorressem de seus olhos e caíssem em qualquer lugar daquela calçada, ouviu quando pessoas se aproximaram das duas e fechou os olhos com força ao ouvir a voz da Camila falando com alguém que ela desconhecia.

— ... Sim, tudo bem, eu... Não, eu não lembro do telefone... Sim, seria ótimo. Obrigada. - Lauren voltou sua atenção para Camila com olhos arregalados, buscando neles alguma segurança que logo lhe foi dada. — Tudo bem, Lolo... - disse baixinho — Eu ficarei contigo o tempo todo, mas agora precisamos ir ao médico, ok? Depois iremos buscar ajuda, e... Ai meu Deus, nossa família, Lauren!!! 

Só então Camila havia caído em si lembrando de toda a vida que perderá por algum tempo, sentiu vontade de correr e abraçar sua mãe sem nunca soltar, mas parte dela sentia necessidade em estar perto de Lauren e cuidar da mesma, seu olhar tão perdido mostrava a quem quisesse ler o quanto ela estava assustada com a hipótese de encontrar as pessoas que ela não conseguia lembrar com perfeição. 

Camila voltou sua atenção ao ver Lauren começar a ter outra crise, sua respiração irregular e o desespero evidente estava servindo de show para as pessoas que passavam ao seu redor. 

— Ela precisa de espaço, por favor, dê-nos espaço! - Camila tentava empurrar as pessoas que se aglomeravam, enquanto tentava ajeitar as roupas rasgadas de ambas. — Lauren, concentre-se em mim, não olhe para eles. - Puxou com delicadeza o rosto de Lauren para que ela se encontrasse em seus castanhos. Vê-la tão frágil estava partindo Camila em pedaços e tudo o que ela mais queria era dar segurança. — Tudo bem, esqueça eles, ok? Agora vamos nos levantar, e essas mulheres vão nos levar até o hospital, tudo bem? - Camila apontou para as três mulheres desconhecidas que estava conversando anteriormente, fazendo Lauren negar freneticamente. — Tudo bem... Elas não vão tocar em você, se você sentir algo, é só me dizer, eu estarei a todo tempo do seu lado, ok?

Camila dizia com total confiança, confiança que não sentia realmente, mas se obrigava a transparecer, ela precisava ser a base naquele momento enquanto tudo desmoronava. 

Tudo bem, pequeno pássaro... Você pode voar agora... Mas não tão longe... Ainda sinto a corrente me prender...

— Ei, respira, vamos entrar no carro agora, tudo bem? - Lauren assentiu fracamente não prestando real atenção ao carro ao seu lado, ela não parecia estar naquele mundo, e o que acontecia ao seu redor já não lhe importava, ela estava perdida... Dentro de si. 

Sentiu seu corpo enfraquecer enquanto se apoiava deitada no corpo de Camila dentro do carro de desconhecidas, sentiu quando a latina começou um leve carinho em suas bochechas enquanto acariciava seus cabelos como sempre, brincando com as ondas que este formava.

— Não... Não os deixe machucar os monstros... - Lauren disse fracamente sentindo seu olhos pesados e fechando-os logo em seguida. 

Camila sorriu largo e se inclinou seu corpo para chegar perto do ouvido de Lauren onde sussurrou:

— Ninguém irá machuca-lo, eu prometo.

— N- não acredito em promessas, Camz... - Lauren disse tristemente com os olhos ainda fechados.

— Então... Acredite em teorias, meu bem. - Camila disse por fim fazendo Lauren sorrir brevemente antes de aceitar o sono cheio de pesadelos que lhe era entregue.

— Chegamos, senhorita. - a moça a sua frente disse por fim, e Camila assentiu fracamente olhando o hospital pela janela.

Seu coração apertou quando Lauren fora levada longe dela, e com certa relutância aceitou quando a enfermeira a levou para testes.

— Você se lembra do seu nome, querida? - Camila voltou sua atenção para a enfermeira com sorriso pregado no rosto, apesar do sorriso, sua expressão era de alguém cansado, e por um breve momento sentiu vontade de perguntar se ela estava cansada do dia ou da vida. Mas não perguntou, apenas assentiu fracamente. — Podemos chamar alguém? - mas a resposta era não. Não ainda.

— Veio outra mulher comigo... Eu preciso vê-la. 

— Ela ainda está em testes, pelo o que o médico disse, ela terá que ficar em repouso, a anemia afetou a condição dos bebês. Mas você poderá vê-la mais tarde. Qual seu grau de parentesco com ela?

Mas Camila não ouviu. Bebês? No plural?

— Bebês? - perguntou por fim, se sentindo um pouco tonta.

— Oh... Sim, ela está grávida de gêmeos. 

Camila sentiu seu corpo fraquejar e foi inundada por um misto de preocupação e felicidade. 

É Andy e Chloe. Não Andy ou Chloe. Pensou consigo mesma. 

— Ela... já sabe disso? - a enfermeira negou brevemente.

— Não, ainda não, o médico irá conversar com ela daqui uns minutos, por que? Você está bem? Você parece perdida. 

Camila se levantou ignorando a mulher ao seu lado e ignorando as mãos que tentavam lhe segurar, ela precisava contar à Lauren antes que ela enlouquecesse quando um desconhecido lhe contasse, ela não era uma paciente qualquer, Lauren não precisava de um médico qualquer, Lauren precisava de Camila.

 

 


Notas Finais


O que estão achando?
4 capitulos em uma semana, como estão? osashausnaksnak
See ya in the next *-*


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...