História Puff... Clichê?! - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Neo Culture Technology (NCT)
Tags Jaeje, Menção Johnten
Visualizações 50
Palavras 2.260
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Slash
Avisos: Homossexualidade, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Boa leitura viadas <3

Capítulo 1 - .único.


Fanfic / Fanfiction Puff... Clichê?! - Capítulo 1 - .único.

Como esta história começa? Digamos que no momento que Lee Jeno, quarterback do time de futebol do colégio, o camisa 12, desejado pela maioria das meninas tirou 2,0 em matemática. Mas não é clichê, tá?

Digamos que Jaemin, nerd sem nenhuma espinha no rosto, teve que ajudar o querido quarterback do time. E com isso, o quarterback se negou.

— Ficou maluco professor? Eu e Na Jaemin, tá louco?

Digamos que a história não começaria bem assim. Jeno e Jaemin já foram amigos, muito amigos. Até Jeno ir parar no time de futebol, e Jaemin, bem, Jaemin não é bom em esportes.

— Não fiquei maluco, nem louco Sr.Lee. — O professor gordinho ajeitou os óculos. — Só que o as suas notas, ou melhor, matemática não pode continuar com 2.

O ponto chave é, Jeno quando virou do time, digamos que as influências foram uma droga. Até a pior coisa acontecer. 

Eu juro que não é clichê, tá?

 

2 anos atrás.

— Eu estou feliz por você Jeno. — Jaemin sorriu, e quando foi abraçar o amigo, foi completamente barrado.

— Se alguém ver isso vai achar que eu sou viado, igual a você. — Jeno riu com escárnio. 

Jaemin nada disse, apenas virou as costas ajeitando a mochila nas costas, e sumiu da vista de Jeno.

 

Dois anos se passaram, e desde aquele dia Jaemin evitara até olhar na cara do Lee. Só que agora, o professor estava querendo acabar com isto.

— Professor, por favor, não pode pedir a outro aluno para dar aula a ele? — Jaemin pediu, com a devida calma, e olhou o professor.

— Desculpa Jaemin, desta vez não posso concedê-lo a isto. — O professor diz. — E espero que o Senhor Lee tire uma nota boa nesta recuperação. Boa sorte. — Saiu da sala deixando os ex-amigos lá.

— Eu não vou ajudar você. — Jaemin pôs a mochila gasta nas costas e foi virando para sair da sala.

— Jaemin espera! — Jeno agarrou-lhe o pulso. — Olha, se eu não passar me tiram do time e– 

— O que eu tenho a ver com isso, uh? — Jaemin sorriu, virando as costas. — Boa sorte Cuppy.

O apelido, merda, aquele maldito apelido. Jeno grunhiu de raiva e pegou sua mochila, indo até o pátio. O camisa 02 estava sentado ali, com o namorado/ficante/amizade colorida, o representante do time de música.

— Johhny, eu to fodido! — Jeno se jogou dramaticamente sobre a mesa, fazendo o camisa 02 o olhar. 

— O que houve? — O garoto riu.

Jeno suspirou ignorando a presença, como sempre, de Ten ali.

— O professor me colocou como "aluno" de Na Jaemin, cara, e ele recusou me ajudar. Eu rodei em matemática! — Suspirou, choroso.

— Se tivesse estudado... — Ten jogou no ar, sorrindo em seguida.

— Cuida da tua vida. — Jeno olhou mortalmente para Ten.

— Calma Jeno, porra. — Johnny suspirou. — Não tem mais ninguém pra te ajudar não?

— Não. — Fez um barulho ao abaixar a cabeça.

 

Jaemin estava empolgado lendo uma de suas HQs distraídamente na arquibancada quando uma bola o atingiu no rosto.

— AI PORRA! — O garoto gritou, colocando a mão no rosto. — Seus infelizes! 

— Foi mal aí nerdzinho. — Jeno caçoou, recebendo toques dos garotos do time que riam também. — Tem como jogar a bola de volta ou é muito maricas para isso?

Jaemin pôs toda sua força, como se sua vida dependesse disso para jogar a bola, que acertou direto a nuca/cabeça de Jeno, que caiu pra frente.

Jaemin arregalou os olhos e saiu correndo dali o mais rápido possível.

 

 

— Não acredito Jaemin! — Seu melhor amigo, Jisung ria do amigo que contava sobre o "acidente".

Jaemin acompanhou o amigo que então parou de repente, e Jaemin sentiu ser puxado para trás.

— O qu– Sentiu um soco na sua face, e então se desnorteou. — Qual o teu problema? — Rosnou, sentindo o gosto metálico de sangue em sua boca. 

Suspirou fechando o punho acertando um soco no rosto de Jeno, que deu passos para trás, mas voltou com tudo para dar outro soco, mas antes Jaemin desviou já acertando um chute em suas costelas, o fazendo cair no chão.

— Não sei se você esqueceu imbecil, mas eu faço karatê. — Sorriu. — Te fode aí.

Saiu do meio da rodinha, que nem tinha visto que se formou, e foi para a biblioteca.

 

 

Chegou em casa jogando a mochila em qualquer lugar dali e sentando na mesa, suspirou jogando os braços para frente e abaixando a cabeça, e então seus olhos começaram a arder e as lágrimas começaram a cair com força.

— IMBECIL! JENO IDIOTA! CUPPY IDIOTA! EU TE ODEIO, ODEIO! — Socou a mesa várias vezes, e então um irmão preocupado desceu as escadas correndo.

— Jaemin, o que foi? Meu Deus! — Hansol agarrou o irmão, abraçando-o deixando o menor chorar tudo o que podia. E então Hansol sentiu o irmão ressonar.

Hansol o carregou até o quarto, com algumas dificuldades e o pôs na cama, voltou ao próprio quarto encontrando o namorado chinês sentado sobre a cama. 

— Meu irmão chorou até dormir, não sei o que aconteceu, estou assustado. — Hansol sentou na cadeira giratória. 

— Eu ouvi ele gritando, Jeno não é aquele irmão do Sehun? — O garoto perguntou, e Hansol assentiu. — Eles não eram amigos?

— Jaemin nunca mais falou com ele, faz dois anos. — Hansol suspirou. — Eles brigaram por Jeno falar alguma coisa que eu não lembro pro meu irmão.

— Quer que eu vá? — Kun perguntou, e Hansol negou se sentando ao lado do namorado. — É melhor você conversar com seu irmão agora, depois nos falamos. 

— T-Tá. — Hansol beijou o namorado.

 

 

— FILHO DA PUTA! DESGRAÇADO! NA JAEMIN SE EU TE PEGAR, EU VOU TE MATAR! — Gritava o garoto socando a cama do quarto, sua costela ainda doía, mas ele nunca iria dizer isso. 

Além de fodido em matemática, agora suas costelas doíam a beça.

— Jeno, dá pra ouvir seus gritos lá de fora, o Na te deu uma surra em. — Haechan, ou Donghyuck, seu melhor amigo entrava no quarto rindo.

— Cala boca infeliz! Eu vou matar aquele filho da puta! — Jeno rangeu os dentes.

— Eu acho melhor você ser bonzinho com ele. — Haechan sentou-se na cadeira do computador. — Ele é sua única chance de permanecer no time.

— Foda-se! Eu não vou ser bonzinho com aquele... Arrg! Porra minhas costelas estão me matando.

Haechan gargalhou alto.

— Como entrou na minha casa?

— Ahn, sou seu melhor amigo, sei a senha da porta. — Haechan falou como se fosse óbvio, e talvez fosse.

— Eu odeio ele! Droga! — Jeno sentiu os olhos arderem. — Por que ele não quer me ajudar?

— Vejamos... Você o chamou de viadinho faz dois anos, hoje você deu um soco na cara dele, e passou o resto do ano zuando o cara. Não acho que você tenha uma boa convivência com ele.

— Era uma pergunta retórica.

— Eu sei. — Sorriu.

 

 

Jaemin chegou cedo e correu para a biblioteca, como de costume, encontrando algo que realmente não esperava, Lee Jeno, quarterback 12 do time com um livro aberto e lendo, e escrevendo, e estudando.

Jaemin coçou os olhos várias vezes para acreditar no que seus olhos estavam vendo.

— Não é possível. — Jaemin sussurrou. — Ele estudando? Isso que é desespero.

— Não fiquei surdo Na. — Jeno disse, do outro lado da estante. 

AI PUTA QUE PARIU! — O mais novo gritou de susto, recebendo "shhh" da bibliotecária. 

— Assustado? — Jeno pôs um sorriso ladino no rosto. 

— N-Não! — Saiu correndo dali o mais rápido possível.

 

— Estudando? Tem certeza que não era outra pessoa? — Jisung perguntou, fazendo Jaemin revirar os olhos.

— Não!!! Eu vi, ele falou comigo. — Jaemin afirmou.

— A droga que você ta usando é das boas, onde já se viu? Lee Jeno estu– Jisung parou de falar – de novo – enquanto via Jeno se aproximar.

— Jaemin, como é que eu acho o resultado disso aqui? 

Incrédulo. Essa era a palavra pra definir Park Jisung e Na Jaemin.

— C-Como?

— Aish! Como eu acho o resultado de X? — Jeno perguntou, como 

— Ahn, passa o número pra cá, multiplica [...] e pronto! — Jaemin explicou, fazendo um bico surgir nos lábios de Jeno, que em poucos minutos se sentou com os dois.

— Não entendi nada! Como esse 7 veio parar aqui? E esse 4, da onde surgiu?

Jaemin suspirou, notando Jisung sair de fininho para perseguir o crush, ou seja Mark Lee. 

— De novo? — Jaemin perguntou.

— Por favor.

Jaemin explicou tudo. Uma, duas, três, quatro, sete, e então doze vezes.

— Ah, agora eu entendi, obrigado! — Beijou a bochecha do mais novo. 

 

 

Pela décima vez Jaemin explicou que a raiz quadrada de 16 era 4 e Jeno continuava insistindo ser 8.

Cuppy, escuta. — Jaemin nem notou o apelido sair naturalmente, mas Jeno se arrepiou inteiro. — A raiz de 16 é 4. Porque é o número vezes ele mesmo.

— Mas então a raiz quadrada de 8 é 64? — Jeno perguntou e Jaemin assentiu. — Não faz sentido.

 

A semana se passou, e com ela, Jeno e Jaemin se reaproximaram. Jaemin enfiava a matéria em sua cabeça, enquanto só ouvia "mas como?", "não entendi", "Por que?". 

— Jeno, pela última vez! 20 vezes 0,5 é 10! — Jaemin brigou.

— Por que? Vê se você me entende, se você multiplica o número, ele tem que dar maior, certo? Nana eu– 

— Espera, do que me chamou?

— Jaemin. Ah, desculpa, escapou! 

— T-tudo bem... — Jaemin fingiu, mal, mas fingiu que o apelido que saiu dos lábios do mais velho não o afetou. — Mas conta comigo, 20 vezes o 0,5. 

— T-Tá! — Jeno foi anotando.

0,5  0,5 0,5  0,5 0,5  0,5 0,5  0,5 0,5  0,5 0,5  0,5 0,5  0,5 0,5  0,5 0,5  0,5 0,5  0,5 = 10

—  Como isso é possível? — Jeno encarou o papel surpreso.

— Não sei. — Jaemin riu pelo desespero do... Afinal, o que eram? Amigos de novo?

 

 

— EU PASSEI! — Jeno ignorou os amigos, e correu para abraçar Jaemin que estava esperando. — Eu tirei 9,8!

— Caramba! Meus parabéns Jeno, boa sorte no jogo. — Jaemin sorriu.

— Espera, você vai me assistir, não é? Prometo um gol!

— E-Eu tento. — Sorriu. — É sexta não é?

— Sim! — Haechan chamou o amigo. — Te vejo depois.

 

Sexta-Feira

O jogo ia ser decisivo. Jeno entrou em segundo, logo atrás de Taeyong, o capitão.

Os olhos de Jeno caçavam Jaemin, que então para sua surpresa, e não espanto, não estava ali. Suspirou cabisbaixo e se concentrou apenas nas táticas de jogo.

— Então Jeno, você passa a bola pro Mark, está escutando porra?

— Tô, só não respondi. — Suspirou. — Tudo bem.

Deram seu grito de vitória e o juíz apitou o início de jogo, que com cinco minutos, o time adversário tinha marcado um gol.

— MERDA! — Taeyong estava mais estressado que o normal, tudo porquê Jeno não havia seguido suas ordens. — O que eu mandei?

— Foi mal capitão. — O jogo recomeçou, agora a bola estava com Third, o jogador tailandês. Taeyong tinha acabado de pegar a bola e então passou para Jeno, que esqueceu o que tinha que fazer, e perdeu a bola.

— PORRA! — Gritou já puto, Taeyong suspirava. — Tempo! — Pediu.

Taeyong reuniu os jogadores, e então Jeno se pronunciou.

— Eu vou sair, desculpa. Vocês tem mais chances de ganhar sem mim.

— Olha Jeno, eu vou ser sincero, você tá uma merda, mas escuta só, você treinou muito para isso.

— Só que eu to fudendo o time, e se eu– 

 

 

 

 

Ô CUPPY!!

 

Inconfundível. Aquela voz, era ele. Ele olhou para a arquibancada, logo achando Jaemin sentado no fundo, acenando para ele, que abriu um sorrisão.

— VOCÊ VEIO!!!

— Eu quero meu gol em! — Sorriu de lado, e então Taeyong entendeu. 

— TEMPO ESGOTADO! — O Juíz apitou o jogo, o primeiro gol foi feito por Haechan, então o placar ficou por 2X1.

 

Faltando apenas vinte segundos pro final do jogo, o placar estando 4X4, Jeno então olhou para Jaemin que mexeu os lábios em uma fala muda "Você consegue Cuppy!" o que foi suficiente para Jeno marcar.

— EU TE FALEI NANA! EU MARQUEI! — A arquibancada vibrou, e Jaemin correu, indo até o campo e abraçando Jeno, que mesmo suado não negou.

— Você conseguiu jogador, parabéns. — Jaemin sorriu, e foi tomado completamente de surpresa quando Jeno selou seus lábios ali mesmo, na frente do time, na frente da escola.

— Namora comigo? — Jeno pediu, ali, balançando os cabelos molhados pelo suor. 

— E-eu não esperava por isso... E-Eu aceito. Claro que eu aceito! — Jaemin sorriu, abraçando o garoto e enchendo o rosto do maior de beijinhos. 

— Me desculpa, eu nunca mais vou te fazer chorar de tristeza. Vou fazer mil gols pra você. 

— Promete? 

— Prometo. 

 

Jeno não era bom em matemática, e Jaemin não era bom em esportes, mas com um tempo quem sabe Jeno não ensinasse Jaemin a marcar gols e Jaemin ensinasse Jeno que 20 vezes 0,5 é 10. 

Mas por que?


Notas Finais


Aqui a gente vive no clichê: https://twitter.com/caniffumadwx_


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...