História Punho de ferro - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Tekken
Personagens Anna Williams, Asuka Kazama, Baek Doo San, Hwoarang, Jin Kazama, Kazuya Mishima
Tags Ecchi, Hwoarang, Jin Kazama, Luta, Punho De Ferro, Tekken
Visualizações 34
Palavras 1.629
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ecchi, Luta, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


divirtam- se!

Capítulo 2 - O reencontro


Fanfic / Fanfiction Punho de ferro - Capítulo 2 - O reencontro

          O reencontro

 

- Hwoarang!? - eu

-É você Park?! – ele. Eu assenti.

                Hwoarang não estava tão diferente de quando me lembro, com aquele mesmo jeito rebelde, mesmo respeitando Baek, às vezes o respondia coisas que eu não gostava.

Nós fomos juntos ate meu dormitório, falamos do baek, do passado, tudo enfim.

- Faz tempo que não o vejo. – eu.

-Eu também. – hwoarang – Quando acordarmos amanhã, me encontre no refeitório, vamos tomar café juntos.

-Tá bom. Você conhece todo mundo aqui?

-Conheço.

-Me apresente se puder.

 Cheguei ao dormitório, e ate que me senti a vontade. O quarto não era muito pequeno nem muito grande, mas era aconchegante, eu me joguei na cama com tudo, era mais macia que a minha não demorou muito pra eu pegar no sono.

                                                                                *

                No dia seguinte, fui procurar hwo no refeitório e o encontrei em pouco tempo.

-Hwo! – chamei.

Ele estava junto de uma garota japonesa, quando me viu fez sinal pra que me aproximasse e quando cheguei ate à mesa a garota virou pra ver para quem hwoarang estava sinalizando, chegando lá, eu o cumprimentei e ele nos apresentou dizendo:

-Ah, essa é Park soo Young, treinamos juntos desde que éramos pequenos.

-Prazer. – eu.

-E Park, essa e Asuka Kazama.

-Yorosuke! – ela.

-Posso me sentar? – eu perguntei.

Eu me sentei a esquerda de hwoarang, Asuka havia vindo de Osaka, lutadora de karatê também

                -Que estilo você luta? – eu.

- É o estilo Kazama, da minha família. E você? – Asuka me perguntou.

-Luto dois estilos. Karatê e tae kwon do.

-Qual considera mais forte?

-Na verdade, eu acho que uma completa a outra... Não existe essa de melhor que a outra.

-Interessante... – Asuka.

-Tomara que seja boa no karatê porque no tae kwon do... Nunca conseguiu me superar. – hwoarang.

-Não é verdade! – me alterei. –Eu já o venci algumas vezes.

-Venceu nada! – ele.

-Venci.

-Não venceu.

Que folgado! Ficamos batendo boca por um tempo ate Asuka dizer:

-Calma gente! Discutir não vai adiantar, vamos ver isso na arena.

-Concordo! – eu.

Asuka se despediu de nós e deu um beijo no rosto de hwoarang, enquanto ela se afastava, hwo olhava para o rabo dela com cara de pervertido. Eu apenas olhei pra ele e fiz uma careta e continuei bebendo o meu café sem ligar pro idiota do meu lado. Ele parou de olhar e voltou a me dar atenção (se é que posso chamar disso), mas não liguei, porque minha atenção já ia direto para um japonês extremamente sexy que acabara de sair da sala de treino.

O tonto que antes estava distraído me observou e notou meu olhar interessado e disse:

-Você tá babando, sabia?!

-Cala boca, hwo!

Eu continuei olhando fixo para ele, mas ele nem notou. Estava com suor escorrendo por todo o seu corpo musculoso, ele caminhava rumo ao vestiário, pena que não podia entrar e ver a agua limpando-o das gotas de suor seria excitante...

-Quem é ele?- perguntei.

-Jin Kazama. Se eu fosse você não chegava nem perto, é um completo babaca.

-Mas você é sou eu. E babaca é você!

-Ei! Eu o conheço há mais tempo.

-Já ficou com ele também?!- hahahaha... Eu tinha que zoar, sempre gostei de tira-lo do serio. Sorvi mais um pouco de café, ele me deu um tapa nas costas me fazendo cuspir, ainda bem que não sujou minha roupa, eu dei um toco em sua cabeça.

-Ai, porra! – gemeu ele.

-Ele é alguma coisa daquela garota que estava com você? – eu perguntei.

-É prima.

-Ah...

Cara... Ele é muito gostoso! Esse tal de jin tinha que conhece- lo melhor.

*

Cada um de nós tinha uma roupa para se destacar, de acordo com seu estilo. E a minha, eu fiz questão de escolher pessoalmente. Era uma blusa de zíper preta e uma calça bem justa da mesma cor assim como as botas, luvas esportivas, combinava muito comigo.

                      Após o café, hwoarang me levou a sala de treino. Lá tinha aparelhos de ginastica, pesos, um tatame proporcional, era bem legal...

-Fique a vontade. – hwo.

Eu olhei ao redor da academia e me senti em casa de imediato.

-Vou me vestir, já volto. – hwoarang.

-Eu também. – eu.

Fui procurar o banheiro feminino, mas não sabia onde ficava então vi alguém que parecia ser um rapaz.

-Ei! – chamei. Ele vinha em minha direção – Onde fica o banheiro feminino?

-Estou indo pra lá também. - ele.

-O que? Olha só, eu só quero saber onde fica.

-Eu te acompanho.

Eu o achei um pervertido! Mas como estava perdida aceitei ajuda, quando chegamos, o loirinho entrou comigo.

-Peraí, vai entrar aqui?

Então, Asuka, que se trocava, viu e disse:

-Léo! Oi amiga!- as duas se abraçaram. Eu apenas observei a cena sem entender nada.

-Amiga? -eu

-Ah, oi Park! Essa é Léo, uma amiga.

-Ah... É mulher... – sussurrei.

-Meu nome é Eleonor Kliesen.

-Eleonor?! –eu – bem que eu achei que você tinha um rosto de florzinha.

-Vou aceitar como um elogio. – Léo.

-Seu sotaque... De onde veio? - eu

-Alemanha. E você?

-Koreia do sul. Mas morei um tempo no Japão. Treinamento.

- Bom gente, vamos vestir logo pra gente treinar. – Asuka

Aquela ah... Garota ( ainda não engoli)era lutadora de bajiquan, Asuka, Léo e eu, falamos de onde viemos, contamos nossa historia, e o motivo de cada uma de nós estarmos lá.

-Meus pais foram mortos e vou vinga- los. - disse Léo.

-Vou arrebentar a cara daquele feng wei depois do que ele fez com o meu pai. – Asuka, que acabava de se vestir.

- Eu estou aqui para me testar e pelo premio em dinheiro, claro!

-Então você luta por dinheiro. – Léo.

-Normalmente não. – respondi.

Uma morena já estava vestida e guardava suas roupas anteriores no armário e sem nos encarar, sai do vestiário. “Que arrogante”, pensei. Uma loura de roupa roxa passou por mim me encarando, antes de sair me disse:

-Tome cuidado novata, ou vai se machucar...

Eu a metralhei com o olhar e respondi:

-Você vai ver quem vai se machucar loura burra!

Mas ela saiu me ignorando, fiquei louca! Quem ela pensava que era? Venci tantas lutas no Japão e na koreia e achava que eu ainda não era párea?

                      -Quem é essa vadia?- perguntei indignada.

                      -Nina Williams. – Asuka – ela se acha.

                      -O que ela luta?- eu.

-Koppô. – Asuka.

Fomos pra academia, no caminho, brincávamos e riamos, chegando lá, não é  que a vaca ficou me encarando!? A vagabunda ficou mesmo de marcação cerrada comigo. Asuka, vendo que a marcação podia se resultar em confusão me disse:

-Park, vamos!

Hwoarang já estava no tatame quando sai do vestiário feminino, ele vestia um dobo branco e eu vestia um azul claro, mas a parte de cima era aberta. O dele era igual.

-Ei hwo! – chamei.

Ele se virou e sorriu de leve.

-Que tal um round? Para relembrarmos os velhos tempos. – eu o desafio.

Ele aceitou sem hesitar, fomos para o tatame, Asuka e Léo nos observavam enquanto lutamos. Começou apenas na técnica, dei vários chutes na altura da costela, logo, ele tentou fazer uma de suas sequencias, mas eu desviei majestosamente.

-É ISSO AÍ PARK! – Asuka gritando.

-Já chega! – hwoarang.

-Tudo bem, já deu... – respondi arfante. Estávamos cansados depois da luta.

Depois, eu comecei a treinar poon-se, comecei pelos mais complexos, eu já era faixa preta, tinha dois dans (grau) , mas avancei muito mais no karatÊ pois tinha quatro dans. Meu dobo me foi dado pelo baek, eu prendia meu enorme cabelo negro e liso com reflexos azuis num coque, mas algumas mechas caiam sobre meu rosto.

Após os movimentos sincronizados, eu fui para os pesos, Asuka estava comigo.

-Asuka!

-O que?

-Aquele seu primo... Ele é uma gracinha.

-Não confie nele, ele é um pervertido.

-Pervertido, por quê?

Ela me contou toda historia. Ele estava desacordado e sem querer caiu com a cara nos seios dela, de raiva, ela lhe deu um soco forte a ponto dele se chocar contra uma pedra.

-Ah, é isso. Acho que você exagerou um pouco. – tipo, foi um acidente. Não precisava de tanto.

-Exagero? Queria ver se fosse você.

Quem dera! Se eu tivesse no lugar dela eu pegaria aquele bonitão em questão de segundos! Hahahaha...

Falando nele, ele entrou lá procurando algo ( sua toalha) mas logo a encontrou, eu o olhei de baixo pra cima, poxa... Asuka notou logo.

-Ele vai sair magro daqui.

-Por quê? – perguntei.

-Você ta secando ele.

Após o treino árduo, eu ia voltando para o meu quarto, então Anna passou por mim:

-Oi querida! – disse num tom fresco.

-O que é que foi Anna?

-Kazuya me pediu para lhe dizer que deve descansar bem.

Ele estava preocupado demais em minha opinião, pelo menos parece que deposita confiança em mim, como se eu precisasse disso.

Eu continuei seguindo e avistei um cara que me pareceu familiar.

-Steve Fox! – sussurrei.

Isso mesmo! O campeão de boxe estava lá também, parece que nesse torneio tem até gente famosa.

Então segui primeiro para o vestiário e tomei um banho longo e gostoso. Após me vestir, voltei par o meu quarto quando o meu celular tocou.

-Alô!

-Oi minha querida, há quanto tempo.

-Sabanin... É você!? Nossa, faz muito tempo mesmo. – nossa, eu sentia tantas saudades. – Como conseguiu meu telefone?

-Hwoarang me deu. Você o viu? – baek.

-Vi sim. Aquele tonto demorou um pouco pra me reconhecer. – ele riu.

-Parece que mesmo depois de tempo continuam brigando.

-Mesmo o senhor tendo nos criado tão bem Sabanin, ele continua burro.

-Não seja tão dura... Não são tão diferentes um do outro.

É ruim! Eu não pareço nem um pouco com ele, sou bem mais esperta. Quando terminei de conversar já era mais de onze horas, peguei no sono rápido sem saber o que me viria no dia seguinte...


Notas Finais


A Park, como vocês perceberam é quase uma versão feminina do hwoarang no quesito autoconfiança na arte da luta e da pegação .Ela é gótica, gosta de coisas ligadas a terror e coisas do tipo. Existe uma razão pra eu ter escolhido essas duas artes para ela da qual vou dizer no próximo capitulo. Obrigado por lerem até aqui, fiquem a vontade pra comentarem e avaliarem desculpe os erros que podem ter passado despercebidos por mim. Espero que estejam gostando da fic. ATÉ A PRÓXIMA!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...