História Puppet - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook
Tags Daddy Kink, Jikook, Jimin!bottom, Jungkook!top, Kookmin, Pwp
Visualizações 331
Palavras 3.822
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Shoujo (Romântico), Slash, Violência, Yaoi
Avisos: Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá!

Jimin bottom, Jungkook top.

Pwp Jikook.

Tem uma histórinha bem mal construída, por isso pwp. Plot? What plot? Eu com certeza foquei bem mais no lemon do que na história.

Me perdoem pelos possíveis erros, eu escrevi tudo rápido, e eu revisei morrendo de sono.

Me desculpem também por não ter aquelas capas maravilhosas, até porque eu não sei editar e não consegui nenhum capista '-'

Minha escrita não é ótima, mas espero que gostem♡

Capítulo 1 - Marionete


Fanfic / Fanfiction Puppet - Capítulo 1 - Marionete

 Eu sou quebrado, isso, sou totalmente quebrado. Não consigo identificar alguma coisa do meu passado que influenciou de forma negativa no meu presente. Minha família é de classe alta, nunca tive problemas com dinheiro, minhas notas eram satisfatórias, sou popular, bonito. Mas eu sempre senti como se faltasse algo, como se tivesse um enorme vazio em meu coração, e eu sentia como se ele jamais pudesse ser completado. Não me lembro com detalhes da noite em que nós conhecemos, a bebida já estava em grande quantidade em meu corpo. Acho que nos apresentamos, mas não me lembro muito bem, só me recordo de poucos momentos depois, de nossos lábios se encontrando de forma bruta, as mãos passeando pelo corpo um do outro, afoitas. Mesmo que eu não me lembre de muitas coisas, lembro-me com nitidez do gosto de álcool de seus lábios, amargo no começo, mas doce ao final. Desde o momento que eu acordei ao seu lado em uma cama de motel, eu sabia, sabia que Park Jimin seria minha perdição.

Hoje foi um dia cansativo, eu sou chefe de uma empresa de cosméticos. Uma empresa grande, que eu herdei de meu pai. Na realidade, ele meio que me forçou a fazer isso. Mas no fim, não é como se eu tivesse grandes vontades de trabalhar com outra coisa. Apesar que trabalhar nessa empresa é exaustante, e eu estava extremamente estressado. Para resolver meu estresse, eu já sabia à quem recorrer. Entrei no meu carro que estava estacionado na garagem da empresa e disquei o número que estava decorado em minha mente.

-alô?-ouvi sua voz doce pronunciar, a voz fina e calma automaticamente me fez relaxar no banco, sim, é disso que eu preciso, é dele que eu preciso.

-oi, baby.-respondi sorrindo.

-oh, Jeon? Já faz tempo...-sua voz saiu levemente maliciosa, fazendo-me recordar brevemente dá última vez, que não faz tanto tempo assim, acho que só duas semanas.

-sem drama.-revirei os olhos, mesmo sentindo meu corpo esquentar com as lembranças. -pode vir na minha casa?-perguntei, lambendo os lábios, esperando que ele concordasse.

-agora?-sua voz parecia-me vagamente ansiosa.

-o mais rápido possível.-ergui as sobrancelhas, a voz soando autoritária.

-quer que eu leve alguma coisa?-havia animação em sua voz.

-sim, leve seu corpo.-sorri comigo mesmo, novamente.

-levarei, até, Jeon.-seu tom de voz saiu sexy, eu senti uma fisgada em meu baixo ventre.

-até, Park.-eu disse no mesmo tom que o seu, provocativo. Ele finalizou a ligação e eu finalmente comecei a dirigir, em alta velocidade. Não me importava com as multas de trânsito que eu provavelmente teria que pagar mais tarde, só conseguia pensar em Jimin, e bem, no corpo dele. Sendo sincero, eu acho que sou apaixonado por ele, mas não tenho certeza, afinal, eu nunca me apaixonei. Porém, mesmo que eu realmente amasse ele, nunca daria certo entre nós. Primeiro, ele tem um noivo. Segundo, mesmo ele tendo noivo, trai ele comigo, e com vários outros além de mim. Não que eu estivesse o julgando, não é como se eu pudesse, uma vez que eu, assim como ele, sou casado. É melhor assim, o que é proibido é mais gostoso. Estacionei o carro de qualquer jeito na garagem, subindo as escadas rapidamente. Lógico, essa não é a casa que eu moro. Eu a comprei especialmente para me encontrar com Jimin, ela não é grande como a casa que eu moro com a minha esposa, mas é bonita e aconchegante, eu gosto dela. Não me surpreendi ao encontrar a porta principal da casa aberta, como um convite para entrar, já que Jimin também contém a chave. Sorri levemente ao entrar na casa, ela praticamente inteira tem o cheiro de Jimin, morango. Respirei fundo, sentindo o cheiro bom enchendo meus pulmões, sério, é muito bom. Senti outro cheiro, de chocolate? Franzi as sobrancelhas e segui o cheiro, chegando na cozinha. Mordi meus lábios fortemente, ao encontrar o menino de fios loiros em frente ao fogão, apenas com uma boxer preta e uma camisa branca social minha. Em minha opinião, Jimin sempre está sexy, mas eu tenho certo fetiche com ele usando minhas camisas, tão atraente. Lentamente, me aproximei de si, o abraçando por trás, o fazendo levar um breve susto.

-Meu coração, Jeon!-me deu um tapinha, voltando a se concentrar no que fazia.

-desculpe.-eu dei uma pequena risada da sua reação, já esperada dele.-o que está fazendo?-perguntei, apertando mais sua cintura, colando meu quadril em sua bunda.

-chocolate derretido com morango.-disse calmamente.

-parece bom.-eu respondi malicioso, distribuindo singelos selinhos por seu pescoço, e ele imediatamente se arrepiou por completo, desde o primeiro toque.

-J-jeon, me deixa terminar primeiro.-ele soltou um pequeno gemido.

-tudo bem, quando acabar leve isso para o quarto, estarei esperando.-eu disse em tom de comando, não deixando tempo para ele me responder e indo até o quarto. Entrei no quarto tão bem conhecido, olhando ao redor, estava como sempre. Me deitei na cama macia com cheiro de morango, tirando minha gravata e desabotoando os primeiros botões da minha camisa social. Fechei meus olhos, imaginando o que aconteceria neste quarto a seguir. Pouco tempo depois, pude ouvir o som da porta se abrindo e imediatamente abri os olhos. Jimin me deu uma breve encarada, antes de deixar o chocolate e os morangos em um móvel qualquer do quarto. Voltou a me olhar, ficamos apenas nos encarando por um tempo, seus olhos transmitiam o mais puro desejo, assim como os meus. Não aguentando mais esperar, me levantei e, em um rápido movimento, o prensei contra a parede, o fazendo soltar um arfar em surpresa.

-Jimin, eu senti saudades.-beijei suavemente seu pescoço, ele suspirou pela minha ação, passando seus braços por meus ombros.

-eu também, Jeon.-sussurrou com a voz falha, provavelmente pela excitação.

-vamos matar essas saudades, sim?-perguntei com um sorriso de lado, ele apenas assentiu repetidamente, parecendo não conseguir falar. Sem pressa, aproximei meus lábios dos seus, pouco a pouco. Não tem porquê eu ter pressa, temos a noite toda. Quando meus lábios finalmente tocaram seus lábios, os movimentei de forma suave sobre os seus. Com o passar do tempo, o beijo só se tornava mais intenso, cada vez mais. Adentrei sua boca com a minha língua de forma bruta, não tem porque pedir permissão, já que eu tinha certeza que essa seria cedida. Ele gemeu abafado, com tamanha brutalidade, puxando meus fios de cabelo com certa força. Arfei de dor, prensando mais seu corpo pequeno contra a parede, grudando nossos corpos, podendo sentir cada parte dele. Comecei a distribuir mordidas em seus lábios cheinhos, enquanto ele chupava os meus. Desci, vagarosamente, minhas mãos de sua cintura até suas coxas fartas, as puxando para cima. Ele entrelaçou as pernas em minha cintura, entendendo o que eu queria. Impulsionei meu quadril contra o seu com força, simulando uma estocada.

-Ju-Jungkook...-ele acabou separando nossos lábios, apenas para gemer meu nome.

-ah, baby, você sabe que deixa seu daddy louco com esses gemidos.-suspirei, ao sentir meu pênis doer de excitação, por baixo das roupas que incomodavam.-o que você quer, Jiminnie?-beijei sua bochecha corada de excitação, descendo com beijinhos até seu pescoço.-quer me deixar louco, é isso?-perguntei novamente, agora lhe distribuindo um forte chupão na região da clavícula, que imediatamente ficou em um tom avermelhado.

-D-daddy, eu quero sim te deixar louco, louco para me foder.-disse de forma lasciva, mordendo os lábios levemente inchados, apenas para provocar.

-eu já estou louco, baby.-caminhei consigo em meu colo e o joguei na cama, ficando por cima.-e com certeza irei te foder, irei te tomar para mim como nunca antes.-voltei a chupar seu pescoço, sua pele macia e branca entrava por meus lábios, saindo por eles avermelhada, para mais tarde se tornar arroxeada.

-estou esperando por isso.-mesmo sem o olhar, o senti sorrir, fazendo-me sorrir também. Aquele pedaço de roupa que ele usava estava me incomodando, abri sua camisa de uma vez, alguns botões voaram pelo o quarto, eu não me importava, e sei que ele também não. Ele se sentou para me ajudar e sua camisa caiu por seus ombros, revelando seu corpo esculpido pelos deuses. O empurrei para que ele voltasse a se deitar, atacando seus mamilos, os rodeando e chupando-os com vontade.

-awn...D-Daddy...tão bo-bom...-suas costas arquearam levemente, seus olhos semicerrados. Eu sabia o quanto Jimin era sensível nessa região, e por isso mesmo que me demorei nela. Depois de um tempo, desci para sua barriga, mordendo levemente seus gominhos pequenos. De repente, ele puxou meus cabelos forte, fazendo eu sentir uma grande ardência no local puxado. Ele me empurrou para o outro lado da cama, se sentando em meu colo, bem em cima do meu ponto sensível.

-o qu-ele aproximou seu dedo indicador de meus lábios finos, sinalizando que eu não deveria continuar a falar.

-eu também quero me divertir.-disse com um sorriso de lado sexy, eu não disse nada, apenas deixei ele fazer o que quisesse com meu corpo. Ainda bem que eu não sou controlador na cama, porque Jimin mesmo sendo o passivo, gosta de dominar às vezes.-relaxe.-sussurrou quase inaudível em meu ouvido sensível, arrepiando-me de forma eficiente. Retirou minha camisa social com pressa, me olhando desejoso. Desceu com uma trilha de beijos molhados e lentos na minha orelha que parecia pegar fogo, até meu pescoço, onde os beijos tornaram-se fortes chupões. Arfei, me contorcendo sobre seus lábios, o sentindo sorrir contra a minha pele sensível. Desceu cada vez mais, continuando com os chupões na minha barriga, às vezes mordia meus gominhos, fazendo-me arquear levemente as costas, criando um arco. Ao chegar na minha calça, me olhou com aqueles olhos negros sujos com uma falsa inocência.

-daddy, já está tão duro.-me tocou por cima da calça social e eu arfei, mordendo meus lábios com força. Retirou minha calça, a descendo de forma lenta, revelando a minha boxer manchada de pré-gozo.-tão molhado pro seu baby.-deu um sorrisinho de lado, o maldito sorriso de lado que me atrai de uma forma desproporcional. Ele lambeu meu membro por cima da boxer, molhando-a com a sua saliva, e tornando-me cada vez mais ansioso pelo que viria. Tão lento quanto abaixou a calça, abaixou a boxer, pouco a pouco. Tocou meu cacete ereto, descendo e subindo com sua pequena mão de modo torturante.-só eu que te deixo assim, huh?-perguntou com seu olhar felino sobre mim. Gemi quando sua mão aumentou a velocidade repentinamente.-vou perguntar novamente, só eu que te deixo assim, não é, daddy?-disse naquele tom manhoso que acaba comigo.

-s-sim, só você, baby. Você é o ú-único.-engoli minha saliva com dificuldade, sua mão ainda bombeava meu caralho rapidamente.

-eu sei.-ele soltou uma risadinha um tanto provocativa, se posicionando melhor entre a minha pernas. Enquanto ainda me masturbava rapidamente, lambeu minha glande rosada e sensível, e por impulso, eu agarrei seus cabelos loiros.-ei, ei.-ele se afastou, deixando-me confuso.-se você me tocar, eu paro.-disse sério, e porra, eu arfei só com isso. Apesar de eu amar o sorriso dele, é raro vê-lo sério, e caralho, eu sou apaixonado pela sua expressão séria.

-tudo bem.-concordei, assentindo repetidamente. Com a minha afirmação, voltou a envolver meu falo em seus dedos pequenos e ágeis. Nunca parando com os movimentos rápidos, chupou novamente minha glande, provando do meu gosto. Sua língua quente e gostosa desceu por toda a minha extensão, dando atenção para as minhas veias saltadas. Lambeu os testículos, um de cada vez, os sugando com um pouco de força, que arrancou gemidos mais altos meus. Subiu de volta para a glande, parando aos poucos com a masturbação.-ansioso?-olhou para cima, encarando meus olhos.

-bastante.-suspirei pesadamente, Park Jimin e seus jogos.

-vou parar de te torturar.-sorriu sem dentes.-geme o nome do seu baby, sim?-sussurrou roucamente, arrepiando todos os pelos existentes em meu ser. Concordei e ele finalmente botou meu membro em sua boca, o deixando chegar na sua garganta, movimentando seus lábios com eficiência.

-ah...porra!-não consegui segurar o gemido, com ele me chupando desse jeito.-a-ah, Jimin!-segurei os lençóis com força, já que não podia o tocar.-sua boquinha é tão quentinha e apertada.-isso o incentivou a aumentar ainda mais a velocidade.

-daddy, me toque, por favor.-disse ofegante, tirando meu cacete de sua boca.

-com prazer.-sorri maliciosamente, pegando em seus fios claros com força, o empurrando contra o meu falo. Olhei para baixo, tendo umas das melhores visões da minha vida. Jimin tinha seus fios loiros com alguns fios grudados na testa por conta da camada fina de suor, os olhinhos inocentes em minha direção, podia ver sua boca engolindo cada centímetro do meu pau, seus lábios estavam avermelhados e inchados, com um pouco de saliva escorrendo pelos cantos. Alguns acham nojento, entretanto eu acho tão excitante. Puxei ainda mais seus fios, incentivando ele a aumentar o ritmo, enquanto estocava em sua boca sem piedade, tendo-o engasgando, às vezes.-gosta disso, baby? Gosta de engolir todo o pau do seu daddy, huh?-eu disse em meio a alguns arfares, ele apenas gemeu em resposta, passando uma boa vibração por meu membro.-J-Jimin, eu vou...gozar.-avisei, fechando os olhos e arqueando um pouco as costas.

-me dê seu leite, daddy.-falou, ao se separar de meu pênis, com uma linha de saliva misturada com pré-gozo, ligando seus lábios ao meu caralho. Me masturbou intensamente, apertando minha glande e brincando com as minhas bolas. Por consequência, gozei em jatos fortes, sujando seu rosto e chamando por seu nome.

-quanta porra.-ele disse risonho, pegando o resquícios de meu líquido em seu rosto, os levando até os lábios vermelhinhos e lambendo de forma despudorada.

-gostou do leitinho?-perguntei também risonho.

-sim!-respondeu com convicção.-é salgado.-sorriu como uma criança inocente, provando algum doce pela primeira vez.

-vem aqui, baby boy.-me sentei na cama, o chamando para o meu colo. Ele me obedeceu sem hesitar, se sentando sobre as minhas coxas torneadas, envolvendo meu pescoço com seus braços curtos.-tão lindo.-elogiei baixinho, observando sua beleza de pertinho. Segurei seu rosto com as duas mãos, nossos lábios se encontraram para mais um ósculo brutal, as línguas brigando de forma deliciosa. A medida que nós beijávamos, desci com minhas mãos grande por seu corpo cheio de curvas bonitas, chegando na sua maravilhosa comissão traseira. Apertei com gosto a carne macia entre meus dedos longos por cima do tecido da boxer, abafando o gemido que ele deu durante o beijo. Suas unhas curtas judiavam das minhas costas, rasgando minha pele por onde passava, causando pequenos filetes de sangue por conta da violência usada no processo. Ele passou a rebolar sobre mim, arrancando-me pequenos gemidos.-Jimin-ah...-me separei do beijo, apenas para gemer baixinho ao pé de seu ouvido.-droga, eu quero tanto te foder.-segurei firme em sua cintura, o obrigando a parar com os movimentos. O joguei na cama, ficando por cima e atacando seu pescoço, colorindo sua pele como eu queria. Chupava forte, mordia, para depois lamber, molhando sua pele pálida com minha saliva.-espere aqui, baby.-pedi com a voz mansa, me afastando dele, que tinha uma expressão perdida e a respiração acelerada. Peguei o chocolate com morango, o deixando em um canto da cama. Retirei da bandeja um morango, afundando no chocolate ao lado. Voltei meu olhar para meu baby, que continuava deitado onde eu o deixei, como eu havia pedido. Me aproximei ligeiro, o encarando com um ar superior. Dei uma mordida no morango, sentindo o chocolate sujar os cantos dos meus lábios.-está tão bom, baby...quer provar?

-quero.-respondeu com a voz por um fio. O beijei mais uma vez, enfiando minha língua em sua cavidade logo no início, apertando suas coxas fartas, enquanto impulsionava meu quadril contra o seu, tendo apenas o pano fino de sua boxer escura nos separando. Me afastei, esticando meu braço para alcançar o chocolate derretido.

-você irá ficar ainda mais gostoso, Jiminnie.-eu disse sarcástico, retirando a sua boxer, tendo visão de seu membro ereto e sua entrada apertada. Tentando parar de prestar atenção no corpo miúdo, comecei a derramar o chocolate sobre a perfeição abaixo de mim. Distribui o chocolate de seu pescoço repleto de marcas, passando por seus mamilos, barriga, virilha, até chegar nas suas coxas. Deixei o chocolate de lado, apreciando Jimin com sua expressão de inocência mais pervertida do mundo, mordendo os lábios em um pedido mudo para que eu o tomasse. Me inclinei sobre seu corpinho, lambendo a trilha de chocolate que eu tinha deixado em seu corpo. Comecei pelo o pescoço, deixando cada vez mais marcas. Descendo até os mamilos amarronzados, os mordendo com certa força e fazendo Jimin quase gritar. Tão sensível. Logo depois, passei meus lábios por seus gominhos, os contornando. Cheguei em sua zona de perigo, a virilha, que era outra parte sensível em si, além dos mamilos. Primeiramente lambi os dois lados, lentamente, desfrutando dos pequenos gemidos de Jimin, que mais pareciam miados. Em segundo plano, lhe dei pequenas mordidas na região, ouvindo dele um suspirar pesado. Fui com meus lábios até as suas coxas fartas, enchendo-as de marcas tanto ou mais que seu pescoço, eu realmente amo marcar Jimin como meu, mesmo ele não sendo. Desci ainda mais, olhando para a entrada apertado do menor, que se contraiu, me excitando ainda mais.

-não fique só olhando quando pode fazer mais do que isso.-murmurou sôfrego, me olhando com os olhos escuros semicerrados.

-você sabe que vou fazer mais do que isso, seja mais paciente.-ri de sua impaciência.

-vai se fo-aaah!-se auto interrompeu, ao ter a minha língua penetrando sua cavidade apertada.

-huh? E pra eu o quê?-perguntei me fazendo de desentendido.

-é pra v-você me chupar, daddy.-disse extremamente manhoso.

-com prazer, bebê.-voltei minha atenção para seu buraco, lambendo em volta, para voltar a lhe penetrar novamente. Forcei minha língua, tentando abrir suas pregas, para melhor acesso. Apertei sua bunda, começando a entrar e sair com minha língua em seu orifício.

-Awn...i-isso, Ju-Jungkook.-ele gemia bonito, e eu admirava, era raro ele gemer meu nome. Parei por um momento de mover minha língua dentro de si, escutando ele reclamar. Rodei minha língua dentro de si, alargando um pouco mais seu canal anal. O senti empurrar seu quadril contra meu rosto, em busca de mais contato, puxando meu cabelo negro entre os dedos pequenos. Retirei minha língua de seu interior, substituindo por dois de meus dedos longos. Aumentei a velocidade, botando dentro de si mais um dedo, o estocando forte e rondando-os em seu buraquinho, alargando-o mais, o sentindo estremecer com meus toques.

-Jimin, eu não aguento mais segurar.-eu disse ofegante, e ele me olhou com as bochechas coradas, lógico que não de timidez, mas sim de excitação.

-eu também não aguento mais me segurar, só...só me fode de uma vez.-disse meio desnorteado. Retirei meus dedos de si, segurando suas coxas, abrindo mais as suas pernas para mim. Entrei apenas com a glande em seu interior, parando para olhar sua expressão. Seus olhos fechados e a testa franzida, com a boca aberta em um gemido mudo. Adentrei sua entrada aos poucos, ouvindo suas lamúrias de dor e sentindo seu interior apertar meu falo, chegando a doer. Quando consegui entrar por completo, olhei para Jimin que agora tinha os olhos semicerrados, com lágrimas lentas saindo por eles.

-relaxe, baby.-dei um beijinho em seu pescoço pintado por mim.

-d-dói.-disse com uma expressão dolorida, que apesar de ser bela, eu não gosto nem um pouco.

-calma, já vai parar.-dei um selinho longo em seus lábios carmim, espalhando beijos delicados por todo seu rostinho angelical, fazendo-o dar um pequeno sorriso.

-pode ir.-disse ainda com um sorrisinho nos lábios carnudos. Segurei suas mãos, entrelaçando nossos dedos e pondo acima de sua cabeça, começando a estocar lentamente. Prestei atenção nas suas expressões, tentando adivinhar se eu poderia aumentar a velocidade ou não. O rosto abaixo de mim se contorcia nas mais belas expressões de dor e prazer, em uma fusão maravilhosa dos dois. Sentia meu corpo quente como o inferno, e mesmo o quarto sendo espaçoso, estava um tanto apertado para nós dois agora. Soltei suas mãos e acelerei os movimentos, estapeando sua nádega esquerda.

-fuck!-xinguei, com Jimin ondulando seu quadril, em busca de mais contato. Me afastei dele, o virando com brutalidade e o encostando na cabeceira da cama, levando-o a ficar de quatro. Voltei a lhe penetrar, com mais afinco, ouvindo o som brutal de nossos corpos se encontrando e da cama batendo na parede. Saindo de si quase que completamente, voltando com mais força e acertando sua próstata, o tendo urrando o meu nome.-você gosta quando eu fodo assim, huh, Jiminnie? Gosta de sentir cada centímetro do meu pau dentro de você?-puxei seus fios loiros, o forçando a apoiar a cabeça em meu ombro.-responda.-ditei em tom dominador.

-h-hum...eu g-gosto muito, gosto ta-tanto, daddy.-ele gemia, com o corpo inquieto que estremecia e se contorcia a cada estocada.

-de todos, eu sou o que melhor te fode, huh? O único que te toma do jeito certo.-eu disse ditador.

-a-ah! Da-daddy, você sabe q-que é...hum, é o único pra m-mim.-sorri com sua afirmação, mudando novamente a posição, botando-o sobre meu colo.

-rebole, puta.-ordenei, distribuindo um tapa forte em sua coxa. Ele obviamente obedeceu, quicando com rapidez no meu caralho. Segurando em meus ombros, os arranhando vez ou outra, com o rosto afundado em meu pescoço, abafando seus gemidos e arrepiando-me. Eu impulsionava meu quadril para cima contra o seu, forte, rude, ríspido, rigoroso, violento, impetuoso, enérgico. Sério, eu nunca me cansaria de foder o Jimin. Certo, fisicamente eu já estou cansado, mas psicologicamente, eu poderia o foder para sempre. Puta merda, Jimin, por que você fode tanto com meu psicológico? Me perguntei, quando percebi que já estava chegando ao meu limite. Enterrei meu rosto eu seu pescoço, como ele fazia comigo, mordendo seu ombro fortemente. Envolvi seu cacete quente em minha mão, o movimentando de forma tão rápida quanto as estocadas frequentes.

-Ju-Jung...Kook-ah! Eu v-vou...a-ah, caralho!-ele não conseguia sequer completar uma frase, em meio aos gemidos que tornavam-se cada vez mais altos, porém mesmo assim consegui o entender.

-eu também, J-Jimin.-gemi em seu ouvido, sentindo seu sêmen translúcido escorrer por meus dedos e em meu tronco. Ele gemeu alto, arranhando minhas costas com força, me fazendo sentir uma grande ardência no local. O retirei de cima de mim, já que seu corpo estava mole. Segurei forte em seus cabelos, direcionando sua cabeça para a frente do meu pênis.-chupe.-ordenei, o vendo me encarar tonto, ainda abatido pelos efeitos do orgasmo. Assim que raciocinou, botou a língua para fora, lambendo devagar a glande. Não aguentando sua lentidão, empurrei sua cabeça contra meu pau, impulsionando o quadril. Ele engasgou, gemendo pela brutalidade, com os olhos marejados. Não me importei, já que sabia que ele gostava da minha brutalidade. Acariciei seus fios loiros, aumentando cada vez mais o ritmo, sentindo-o cravar suas unhas curtas em minhas coxas, onde se apoiava.-a-ah! Jimin!-dei um último gemido, gozando na sua boquinha, me afastando e o vendo engolir, satisfeito. Depois de engolir, olhou em minha direção e sorriu, me dando um beijo longo e sem língua, mas nem perto do apaixonado, pelo menos por sua parte. Depois de tomarmos banho e de uma segunda rodada no banheiro, fomos para cama, depois de trocar os lençóis. O abracei por trás, beijando sua nuca.-eu te amo.-eu disse em um sussurro quase inaudível, mesmo que ele já estivesse dormindo. E eu realmente o amava, mas ele não me via como nada mais do que um de seus brinquedos. Uma marionete, que ele pode facilmente manipular quando bem entender. Eu não ligo de ser apenas uma marionete, se for ele quem controla as minhas cordas.


Notas Finais


Na hora do sexo todo mundo é fluente em inglês.

Gimme hope tonight.

De novo, desculpe os erros, outro dia eu reviso direito quando eu não estiver brisada de sono.

É...

Tchau♡


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...