História Purple Eyes - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Personagens Hayden Romero, Isaac Lahey, Jackson Whittemore, Liam Dunbar, Lydia Martin, Malia Tate, Mason Hewitt, Melissa McCall, Scott McCall, Stiles Stilinski
Exibições 227
Palavras 1.301
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Magia, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense, Violência
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Heeeey! Olha eu aqui com outra fic, dessa vez de TW.
Vamos esclarecer umas coisinhas:

* Se passa após a quinta temporada.
* Summer é interpretada pela maravilhosa Ashley Benson.
* Não contém Stydia e sim Stalia.
* Summer fará par romântico com Scott
* O ser mitológico que Summer é foi inteiramente criado por mim, apesar de ser baseado em outros.

Capítulo 1 - Apenas o ínicio


Minhas mãos deslizavam pelo papel como se tivessem vida própria, as vezes usava os dedos para borrar o lápis e fazer sombras no rosto que eu desconhecia mas ainda sim desenhava

Parte do rosto do garoto estava encoberta por sombras mas eu pude desenhar perfeitamente alguns traços, como o maxilar torto os olhos sorridentes e parte de um um meio sorriso um tanto malicioso.

Num impulso entranho eu agarrei o lápis da cor vermelha e no meio de todo aquele preto e branco acabei colorindo os olhos da cor de sangue.

Estremeci levemente ao notar o resultado final e perceber que parecia tão real e eu quase quis que fosse, odiava o fato de ter os olhos diferentes  talvez se conhecesse alguém tão peculiar quanto minha pessoa eu me sentiria melhor.

Principalmente quando fico com raiva e meus malditos olhos violetas resolvem brilhar como luzes de neon.

Arranquei a folha e a amassei jogando aquela droga para longe, não era real, eu sou só mais uma garota problemática com olhos estranhos.

Dei de ombros e analisei meu novo quarto, sem dúvidas tudo aqui é bem melhor do que na antiga casa e mesmo assim sou totalmente contra a mudança de cidade, mas é óbvio que minha mãe não me ouviu.

Começaria na escola logo no dia seguinte o que era uma droga, minha mãe teve que implorar para que me aceitassem no tal colégio pelo meu histórico, digamos que nada bonito.

Expulsa de quatro escolas, listas enormes de suspensões e advertências e a única coisa que me salva são as notas boas.

Desci as escadas a procura de Guilherme, meu irmão gêmeo idiota.

—  Gui vamos dar uma volta? .- Disse quando o encontrei jogado no sofá.

—  Estava esperando você chamar .- Ele me lançou um sorriso e então me analisou. — Vai com essa roupa? Não acha que está mostrando demais?

Guilherme sempre foi super-protetor e ciumento, já que não conhecemos nosso pai ele resolveu tomar o lugar de "Macho-Alfa"

—  Está normal, agora cala boca e vamos logo .- Ajeitei o boné branco na cabeça e deixei o cabelo solto descendo até metade das costas.

—  Tão doce .- Resmungou irônico e eu lhe dei língua de maneira infantil.

Saímos da casa e começamos a caminhar pela cidade, vez ou outra fizemos algumas paradas em lojas e quando já havíamos conhecido boa parte da cidade acabamos por ir comer em uma lanchonete qualquer.

—  O que achou da cidade? .- Questionou Gui e torci os lábios em claro desgosto.

— Caipira demais.

Guilherme rolou os olhos e passou as mãos pelos cabelos loiros.

—  Você só sabe reclamar, Sum.

Ignorei seu comentário quando um garoto com cara de quem preferia morrer em vez de estar ali parou ao nosso lado com um bloquinho nas mãos.

—  O casal já sabe o que vai pedir? .- Ele perguntou me encarando com um mínimo sorriso malicioso eu eu bufei.

—  Duas porções de batata frita, uma coca e um suco de laranja natural .- Quem pediu foi Gui, pois estava quase estampado na minha testa que eu iria agredir o garoto.

—  Casal? .- Indaguei quando o garoto já estava longe. — Cara, nós somos gêmeos, você é minha versão masculina!

—  Esse nem foi o problema viu como ele te encarou? Quase que fica sem um pedaço, por que ele estava te comendo com os olhos .- Ele fechou a cara com raiva e eu ri.

— Deixa de ser ciumento, maninho.

— Não é ciumes, estou apenas protegendo minha irmãzinha caçula .- Ele provocou-me e seu lábios curvaram-se em um sorriso zombeteiro.

— Para de ser descarado, você só é 6 minutos mais velho .- Cruzei os braços e acabei fazendo biquinho como uma criança emburrada.

Guilherme riu da minha indignação e arrancou o boné da minha cabeça colocando na sua e então bagunçou meus cabelos, enquanto disse rindo:

—  Vai ser sempre meu bebezinho, Sum.

—  Vou quebrar a sua mão se você não parar com isso .- Rosnei entredentes e meu irmão recolheu a mão virando o boné que outrora era meu para trás.

— Suas lentes estão desgastando outra vez .- Ele avisou mudando de assunto bruscamente e eu retirei o celular da pequena bolsinha que carregava comigo e encarei meu reflexo na tela desligada.

—  Droga! Elas só tem dois meses .- Praguejei irritada com essas drogas de lentes. — Isso não é normal, elas simplesmente perdem a cor!

—  Summer, já disse mil vezes que você toda não é normal.

—  Vai a merda, Guilherme.

—  Brincadeira maninha, já disse pra parar de usá-las .- Opinou dando de ombros e logo nossos pedidos chegaram.

— E eu já disse que não .- Disse pegando uma batata frita da cestinha a minha frente. — Se eu já não tenho paciência com as pessoas, imagina se todas perguntassem ou fizessem piadinha sobre meus olhos.

Guilherme apoiou o queixo nas mãos e tombou a cabeça para o lado encarando meu rosto antes de começar a rir.

—  Você iria agredir pelo menos dez pessoas por dias .- Ele concluiu e eu concordei.

—  Não fiz todas aquelas aulas de luta e auto defesa atoa, tinha o propósito de agredir pessoas desde o início .- Brinquei erguendo as sobrancelhas e meu irmão negou com a cabeça rindo.

—  Se me disser que aprendeu a atirar facas com a ideia de esfaquear alguém eu te levo para um hospício agora .- Guilherme disse levando sua lata de coca-cola aos lábios e sorrindo por trás dela.

—  Talvez eu tenha, mas não tive a oportunidade de testar em alguém, ainda.

—  Você é maligna .- Xingou e eu dei de ombros.

— Não quero ir á aula amanhã .- Mudei novamente de assunto com voz de choro.

—  Também não quero, mas prefiro ir a escola agora do que morar debaixo da ponte no futuro .- Ele terminou sua porção de batatas e me ajudou a terminar as minhas enquanto eu rapidamente terminei meu suco.

— Vamos ir logo, está escurecendo e eu ainda tenho que procurar outra lente nas minhas coisas .- Eu disse me levantando enquanto Guilherme deixou algumas notas na mesa e seguimos para fora.

— Você pelo menos desfez as malas? .- O loiro ao meu lado perguntou e eu franzi

—  Tecnicamente, sim .- Respondi pegando meus fones na bolsa e conectando no celular enquanto procurava algo para ouvir.

—  O que quer dizer com tecnicamente?

Coloquei apenas um lado do fone nos ouvidos para poder falar com meu gêmeo e ouvir a música que tocava ao mesmo tempo.

— Quero dizer que eu joguei as malas no closet e revirei todas elas procurando por minhas coisas e deixei tudo revirado, então as malas estão desfeitas.- Disse me apoiando no seu ombro quando quase tropecei em um buraco na calçada.

— Nos mudamos a quatro dias e você não tirou metade das coisas da caixa .- Disse em tom de bronca e eu revirei os olhos.

—  Relaxa irmãozinho, gosto de fazer as coisas no meu tempo .- Me virei para olhá-lo sem parar de andar e só pude sentir o impacto de um corpo contra o meu antes de cair sentada no chão.

— Uou, desculpe .- Olhei para cima e pude ver um garoto extremamente familiar com cabelos negros, olhos cor de chocolate, pele branca bronzeada e porte forte; usava uma camiseta preta simples que dava para ver um tatuagem estranha de duas faixas em seu braço.

Agarrei sua mão que estava estendida para me ajudar e logo a soltei batendo as mãos no short para tirar a sujeira que havia - ou não - acumulado.

— Tudo bem .- Disse sem prestar muita atenção e desviei dele começando a andar novamente ao lado de Guilherme que dessa vez passou o braço por meu ombro e sorriu para mim enquanto eu colocava o outro lado do fone e ignorava os sons ao meu redor, sendo guiada por meu irmão que andava despreocupadamente pelas ruas.


Notas Finais


Todo capítulo vou deixar a roupa que Summer usa, vez ou outra também deixarei aqui a de outros personagens.

Look da Summer: http://www.polyvore.com/look/set?id=209424103


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...