História Purple Rain - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jungkook, V
Tags Minjoon, Nammin, Sobi, Sope, Taekook, Vkoook, Yoonseok
Visualizações 69
Palavras 11.963
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Spoilers, Transsexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Demorou, mas chegou.

Espero que gostem!

Capítulo 3 - I see my future in your eyes


Jungkook tocou a campainha da casa de Taehyung e logo a porta foi aberta por Sohyun.

— Oi, sra. Kim — ele disse com um sorriso mínimo nos lábios e entregando a ela as flores.

— Não precisava, meu anjo, pode entrar, Taehyung está quase pronta. — Jungkook assentiu, entrando.

Sohyun fechou a porta, disse que iria colocar as flores num vaso e avisar a Taehyung que Jungkook já havia chegado.

Sook, que estava jogada no sofá assistindo a um k-drama, olhou para Jungkook com curiosidade, ela nunca tinha o visto de terno.

— Oi, Sook. — ela sorriu e respondeu com um oi tímido, voltando a assistir o drama.

Ele sentou no sofá, ao lado de Sook e olhou para televisão, era algum dorama aleatório que um idol participava, porque Jungkook acabou reconhecendo o ator principal de algum lugar.

— Você gosta desse ator, Sook?

— Eu quero casar com um homem igual a ele quando eu for mais velha — ela disse sem tirar os olhos da tela —, mas a minha Unnie diz que eu tenho que achar alguém que goste de mim de verdade.

— A sua unnie está certa, mas quem sabe você não ache alguém que se pareça com ele e que goste de você de verdade? — Jungkook disse animado e a garotinha sorriu.

— Jungkook, para de colocar ideia na cabeça da minha irmã. — A voz de Taehyung se fez presente na sala e Jungkook olhou para trás. — Até parece que se acha um príncipe encantado a cada esquina.

Um sorriso surgiu nos lábios de Jungkook enquanto ele levantava do sofá e caminhava até onde Taehyung estava parada.

— Você está certa, — ele colocou seus braços ao redor da cintura dela — mas você encontrou um.

— Você se acha demais, Jungkook. — ela sussurrou com os lábios próximos do rosto de Jungkook, que riu baixinho e a beijou.

O beijo não durou muito, apenas algum segundos, mas Jungkook continuou abraçado a namorada.

— E você está linda.

Taehyung estava usando um vestido preto, que ia até abaixo dos joelhos e uma sapatilha baixa. Tinha uma maquiagem fraca em seu rosto, quase não dava para perceber e ela havia pintado o cabelo de vermelho novamente.

— Eu amo o seu cabelo nessa cor, já te disse isso? — Jungkook murmurou fitando os olhos de Taehyung.

— Várias vezes — ela deixou um selinho nos lábios de Jungkook — e eu gosto também, então pensei: por que não?

— Esse seu jeito espontâneo, é só uma das gostas que eu mais gosto em você. — Jungkook sorriu, acariciando a bochecha de Taehyung.

Sohyun apareceu na sala novamente com o vaso, já com as flores dentro, olhando para Taehyung e Jungkook meio estranho.

— Vocês vão para o baile de formatura ou vão criar raiz aqui na minha sala? — ela disse cruzando os braços.

— Nós vamos, mãe, — Taehyung disse rindo baixinho e se soltou de Jungkook — venha comigo, vou buscar a minha bolsa.

Taehyung pegou Jungkook pela mão e o levou até o quarto dela, estava tudo do mesmo jeito que antes, exceto pela cor dos lençóis da cama.

— Eu tenho que ir no banheiro na verdade, tomei muita água no salão hoje de tarde.

Jungkook assentiu fazendo um bico nos lábios e sentou na ponta da cama de Taehyung. No quadro de fotos ao lado da mesa com um notebook agora havia várias fotos dos dois juntos, algumas com Jimin e Namjoon, outras de Taehyung com a irmã e a mãe, e uma apenas de Jungkook, que sorriu olhando para todas aquelas fotos novas, antes havia apenas algumas paisagens não era atoa que Taehyung dizia que queria fazer faculdade de fotografia.

Ele levantou da cama e foi olhar as fotos mais de perto, uma delas, Taehyung estava usando o uniforme da escola e beijando a bochecha de Jungkook e, de repente, ele lembrou de algo que estava em sua mente desde que chamou Taehyung para aquele baile. Na mesma hora Taehyung voltou do banheiro.

— Você gostou? — ela abraçou o namorado por trás e deixou seu queixo no ombro dele. — Sookie me ajudou a colar as fotos, a condição dela foi por uma foto minha e dela aqui.

Jungkook olhou para Taehyung e sorriu, murmurando que havia amado o quadro e que Taehyung tinha muito talento.

— Eu... queria te perguntar uma coisa. — Jungkook falou suspirando e virando para ficar de frente para Taehyung.

Taehyung franziu o cenho parecendo meio confusa e soltou Jungkook, que sentou novamente na cama com Taehyung ao seu lado.

— O que foi, amor? Tem alguma coisa errada? Você não gostou de alguma das fotos? Do meu vestido?

— Não! Claro que não! — Jungkook entrelaçou os próprios dedos aos da namorada. — As suas fotos são lindas, quase tanto quanto você e qualquer coisa que você usar vai ficar maravilhoso, o problema é outro.

— Então o que é?

— Você tem certeza de que quer ir ao baile? Eu entendo completamente se você não quiser ir, posso ficar aqui e assistir Netflix com você até pegar no sono e...

Taehyung só parecia mais confusa a cada palavra que Jungkook dizia e ele percebeu isso, suspirou fechando os olhos e mordeu o lábio. Seus olhos fixos em Taehyung novamente.

— Na escola, todo mundo sabe que nós estamos namorando, mas fingem que não. Nós, no sentido de...

Taehyung o interrompeu.

— Jungkook e Taehyung, garoto Taehyung. — ela sentou virada para frente, soltando as mãos de Jungkook.

Taehyung quis perguntar se Jungkook tinha vergonha de ser visto com ela desse jeito, mas ele nunca tinha dado indício nenhum disso, então se manteve calada.

— Eu amo você, Taehyung, mais do que palavras podem dizer e eu protegeria você de qualquer coisa, mas não posso dizer o mesmo sobre aquela escola. — Jungkook disse ainda olhando para Taehyung, que agora tinha os olhos marejados, mas respirou fundo para não deixar que nenhuma lágrima escapasse.

Taehyung engoliu seco e olhou para Jungkook novamente, ela pegou a bolsa que estava em cima da cama e deixou em seu colo. Ela sabia que na escola todos a conheciam como ele, e que talvez alguns não a reconhecessem daquele jeito, outros fariam piadas maldosas e, alguns outros fingiram que não estavam vendo nada.

— É a minha festa de formatura, — ela levantou da cama — eu não quero passar por isso fingindo ser alguém que eu não sou. E, se alguma coisa ruim acontecer hoje à noite, eu sei que vai ficar tudo bem, porque eu vou estar com você ao meu lado.

Jungkook sorriu sem mostrar os dentes e levantou da cama também, passou o braço do redor da cintura de Taehyung e lhe deu um beijo rápido.

— Então vamos, princesa. — Jungkook disse ao abrir os olhos.

— Nunca mais me chame desse jeito, Jungkook. — Taehyung disse balançando a cabeça e andando até a porta, Jungkook a seguiu, rindo.

Quando chegaram ao andar de baixo, Sohyun avisou que tinha chamado um táxi para os dois e que ele chegaria a qualquer momento.

— Esteja em casa até meia-noite, Hyunnie! — Sohyun disse vendo Jungkook abrir a porta do carro para Taehyung, que revirou os olhos lembrando a mãe que iria passar a noite na casa de Jungkook depois do baile.

O motorista do táxi olhou estranho para Taehyung, como se dissesse que não era certo uma garota passar a noite na casa de um garoto, mas não disse nada.

Jungkook entrou no carro e o motorista deu partida sentido a escola, que ficava apenas a alguns minutos dali.

— Jimin vai estar lá? — Taehyung perguntou deitando a cabeça no ombro de Jungkook. 

— Não sei, ele disse que não queria ficar de vela para nós dois, mas queria ir, já que ele ama festas. O único problema era convencer Namjoon a ser o par dele, já que Namjoon está todo protetor pra cima de Jimin desde que aquilo com o pai dele aconteceu.

— Mas, isso aconteceu já tem quase seis meses, — Taehyung disse meio chocada — Namjoon ainda está tomando cuidado com tudo?

Jungkook assentiu, dizendo que sim. Tudo tinha acontecido em Outubro e agora eles estavam entrando em Março, havia passado realmente um bom tempo daquilo.

— Namjoon ama muito o Jimin para deixar que qualquer coisa aconteça com ele novamente, então, eu acabo não achando isso estranho.

Taehyung deu ombros — Seria divertido ter ele aqui também.

— Desse jeito parece que você gosta mais dele do que de mim, Tae.

— Eu gosto dele, mas eu amo você. — ela apertou o nariz de Jungkook, que acabou fazendo uma careta por causa disso, e desceu do táxi, que havia parado.

Sohyun tinha pagado ao taxista antes dos dois saírem da casa dos Kim, então, Jungkook apenas saiu atrás de Taehyung e enlaçou seu braço ao dela enquanto o táxi se afastava.

Chegaram à porta da escola e Jungkook pegou os ingressos do baile em seu bolso e entregou para a coordenadora da escola que estava fazendo a recepção dos alunos.

— Adorei o seu vestido, você está linda. — ela disse brevemente para Taehyung, que sorriu em gratidão e seguiu com Jungkook para o salão (que na verdade era a quadra de basquete).

Os organizadores da festa era o grêmio estudantil e eles haviam feito um ótimo trabalho com os fundos que tinham conseguido juntar durante o ano letivo.

Um DJ tocava uma música americana agitada em cima de um palco montado provavelmente pelo clube de teatro, luzes coloridas saiam de um globo que estava preso ao teto do ginásio, vários casais dançavam juntos animadamente na pista de dança improvisada. Do outro lado, estavam várias mesas livres para os alunos, junto com outras mesas com comida e bebidas a vontade. Alguns alunos tinham escolhido ficar sentados na arquibancada, o que deixava a área das mesas mais para os casais que queriam uma maior privacidade.

Jungkook e Taehyung foram até a parte das mesas e sentaram um ao lado do outro, ela deixou a bolsa em cima da mesa e olhou para Jungkook.

— Você quer comer alguma coisa? — ela perguntou e Jungkook assentiu.

Ele observou Taehyung caminhar até a mesa com os aperitivos até sentir seu celular vibrar dentro do bolso. Era uma mensagem de Jimin com uma selfie dele junto com Namjoon, os dois usavam pijamas e, pelo fundo da foto, estavam na casa de Jimin, ele não viria.

Taehyung voltou com um prato em mãos e sentou no mesmo lugar de antes.

— Jimin acabou de me enviar uma mensagem, ele não está vindo mesmo... — e Jungkook percebeu que Taehyung estava com uma expressão diferente. — Tae? O que houve?

— Um garoto que era da nossa turma... — ela apoiou os cotovelos na mesa — me reconheceu enquanto eu estava pegando os salgados e me perguntou se eu iria participar de algum concurso de Drag Queen depois da festa.

Jungkook não conseguiu conter a expressão de raiva e quis levantar da cadeira.

— Quem foi? Eu vou quebrar a cara desse babaca filho da puta.

— Kookie, não se preocupe com isso, tá bem? Nós viemos aqui para nós divertir, agora vamos comer esses salgados e ir para aquela pista de dança.

— Você tem certeza?

— Cem por cento.

Jungkook e Taehyung comeram os salgados que ela havia buscado, deixaram a bolsa de Taehyung com uma garota que só estava ali porque a melhor amiga dela havia a arrastado de casa para a festa e no final de tudo deixou-a de lado pra ficar se agarrando no banheiro com o namorado.

Nenhum dos dois era um mestre na dança, mas não se importaram com isso, muito menos quando o DJ colocou uma música romântica para tocar dizendo que era dedicada a todos os casais presentes naquela festa.

Jungkook sorriu para Taehyung, que sorriu de volta enquanto colocava suas mãos ao redor do corpo de Jungkook, eles estavam dançado agarradinhos como qualquer avó iria dizer.

— Eu gosto de estar assim com você, — Taehyung sussurrou alto o suficiente para Jungkook ouvir — faz com que eu me sinta protegida.

— Isso me faz o seu escudo? — Jungkook falou rindo baixinho e recebeu um tapa leve no peito em resposta.

— Sem graça. — Jungkook continuou rindo baixinho, mas parou para deixar um selinho nos lábios de Taehyung, que haviam formado um bico.

— Mas você me ama. — Sussurrou contra os lábios de Taehyung.

— Não tenha tanta certeza disso. — Ela disse fazendo Jungkook parecer ofendido.

A música lenta acaba e uma agitada começa logo em seguida, Taehyung começou a pular no ritmo da música enquanto a cantava alto e rindo, junto com todas as outras pessoas. Jungkook amava a ver desse jeito e começou a pular junto com ela, mesmo nem conhecendo aquela música.

Quando o relógio bateu onze e meia, os dois saíram da pista de dança, Mina havia dado o mesmo limite de horário para Jungkook que Sohyun, e foram até a garota que estava com a bolsa de Taehyung, ela parecia mais entediada do que antes.

Pegaram mais alguns aperitivos e bebidas sem álcool antes de deixar a festa de uma vez por todas.

A casa de Jungkook não era tão longe da escola e resolveram ir andando. Taehyung não estava de salto, então, andar não seria um problema, mas ela começou a tremer de frio minutos depois que saíram do salão. Jungkook tirou seu blazer e colocou por cima dos ombros de Taehyung.

— Jungkook... Eu tenho uma coisa para te falar. — ela disse parando de andar abruptamente.

— Uh, aconteceu algo? — ele parecia preocupado.

Taehyung negou enquanto sentava na calçada, seu vestido era longo então não havia problema nenhum nisso. Jungkook sentou ao seu lado com as pernas cruzadas.

— Eu queria ter te falado sobre isso desde o começo, mas não sabia como — ela olhava para os poucos carros que passavam pela rua —, você sabe que quando nós nos conhecemos eu já tinha começado o tratamento de mudança de sexo, certo?

Jungkook assentiu, lembrando que Taehyung sempre teve traços mais femininos, apesar de sempre aparecer vestido como um garoto na escola, Jungkook pensou como aquilo não deveria doer em Taehyung, mas agora tinha acabado.

— Com todo o tratamento, eu... Poderia escolher fazer ou não a cirurgia, porque, tem gente que se sente confortável sem fazer a cirurgia, então os médicos sempre dão as duas opções. — Taehyung suspirou, desviando seus olhos para Jungkook. — Desde o começo eu disse para o médico que eu iria fazer a cirurgia e só precisava receber a autorização de todos os médicos, dizendo que estava tudo pronto para realizar a cirurgia e procurar um cirurgião plástico que analisasse o meu caso para fazer a cirurgia. Eu recebi a autorização mês passado.

Os olhos de Jungkook se arregalaram, ele se sentiu um pouco chateado por Taehyung não ter lhe contado sobre isso antes, mas também ficava feliz com a notícia de que Taehyung iria conseguir finalmente o que queria.

— Não sei se eu já te contei isso, — Taehyung continuou — mas o irmão do meu pai é cirurgião plástico e... ele sabia sobre mim desde o começo. Ele irá fazer a minha cirurgia mês que vem.

Taehyung abraçou as próprias pernas, olhando para a rua.

— Por que você não está contente com isso, Tae? É uma vitória, você vai poder ser quem você realmente é de uma vez por todas. Isso é motivo para comemorar.

— Eu estou feliz, Kookie, — ela disse abrindo um sorriso enquanto esticava as pernas novamente — merda, eu nunca estive tão feliz em toda a minha vida. Mas, eu vou ter que sair daqui para fazer a cirurgia, meu tio trabalha no hospital em Nova York e lá tem tudo que ele precisa. A minha mãe já até comprou nossas passagens e arranjou hotel para nós ficarmos, Sookie vai ficar com a minha avó, mas... Eu ir para os Estados Unidos significa deixar você aqui, Kookie, e eu não quero deixar você. Quando eu comecei a planejar tudo isso com a minha mãe e o meu tio, eu não havia te conhecido ainda e... estava tudo certo, mas aí você apareceu e eu simplesmente queria ter você ao meu lado antes da cirurgia, dizendo que tudo iria dar certo e que quando eu acordasse os seus olhos fossem a primeira coisa que eu visse.

Os dois ficaram em silêncio por alguns minutos, até que Jungkook finalmente disse:

— Eu poderia ir com você.

— E a faculdade? Você estudou tanto para as provas finais e vestibular, não quero atrasar você.

— É apenas um mês, Tae, não é?, — ela assentiu em consentimento — eu tenho dezenove anos e toda a minha vida pela frente. A faculdade sempre vai estar aqui e eu posso entrar a qualquer momento, e... Essa cirurgia é importante para você, se é importante para você é importante para mim.

Taehyung piscou lentamente, sorrindo sem mostrar os dentes.

— Desse jeito você vai me fazer chorar.

Jungkook sorriu junto com a namorada e a abraçou forte, deixou que suas mãos passassem pelas costas dela.

— Não chore, — ele disse baixinho — gosto de ver você sorrindo.

— Você tem certeza de que pode ir?

— O mais difícil é convencer a minha mãe e o dinheiro, mas, a minha mãe ama você e o meu pai é um babaca, mas um babaca com dinheiro.

Taehyung riu do jeito que Jungkook se referia ao próprio pai, mesmo sabendo que o que ele dizia era verdade.

— Agora vamos para minha casa, senão a minha mãe vai fazer a gente ouvir um sermão até às cinco da manhã. — Jungkook falou levantando da calçada e ajudando Taehyung a levantar.

Ela passou as mãos pelo vestido para tirar os vestígios de cimento e pegou na mão de Jungkook. Os dois andaram cantarolando uma música aleatória e julgando os casais que estavam se agarrando pela rua, a maioria deles eram adolescentes saindo de suas festas de formatura.

Quando chegaram a casa de Jungkook, Mina estava dormindo no sofá enquanto passava um programa internacional sobre culinária na televisão. Jungkook balançou a cabeça e colocou a jaqueta, que Taehyung havia lhe devolvido quando os dois entraram na casa, em cima do sofá menor.

— Vou acordar essa senhora aqui, você pode ir pro meu quarto. — Jungkook disse para Taehyung enquanto procurava o controle da televisão para desligá-la.

— Eu vou tomar um banho primeiro, e roubar uma roupa sua. — Taehyung disse com um sorriso sacana nos lábios enquanto andava até as escadas.

— Imaginei que você faria isso — Jungkook murmurou enquanto desligava a televisão.

Taehyung e Jungkook viviam um na casa do outro e coisas desse tipo aconteciam sempre, Taehyung acabar não trazendo roupas e usando algumas do namorado, por ela ter uma estrutura corporal menor que ele, a maioria das roupas ficavam enormes e Jungkook achava que isso era algo adorável.

Jungkook se agarrou na frente do sofá, e balançou a mãe de leve.

— Mãe? Acorde. — Ele disse com a voz baixa, sabia que se falasse alto ela iria acordar assustada.

Mina havia passado o dia inteiro de plantão no hospital e esperou até tarde pelo filho, isso era comum dela e de qualquer outra mãe, por mais que Jungkook já fosse maior de idade.

— Vem, vou te levar pro quarto. — Ele disse quando ela abriu os olhos minimamente e sentou no sofá.

Como ela estava sonelenta, Jungkook passou o braço dela ao redor de seus ombros e a levou até o quarto.

— Você não precisava ter esperado até tarde por mim, mãe. — Jungkook disse ajeitando o travesseiro dela. — Eu sou um homem de palavra, voltaria no horário certo. 

— Você não é um homem, Jungkook, você é meu bebê ainda. — Mina disse com a voz embargada por causa do sono. — E eu quero ver as fotos da festa.

— Amanhã de manhã. — Jungkook deixou um beijo na testa da mãe e saiu do quarto, deixando a porta encostada.

Enquanto caminhava até seu quarto, Jungkook afrouxou sua gravata que já estava começando a incomodar. Abriu a porta do quarto e Taehyung estava sentada na ponta da cama mexendo no celular, ela vestia uma camisa branca de Jungkook, que chegava até suas coxas.

— Kookie, você realmente precisa dar uma mudada naquele seu guarda-roupas, só tem blusa branca. — Taehyung falou deixando o celular em cima da mesa e se ajeitando mais em cima da cama.

— Mas é uma variedade de camisetas brancas, tem algumas que tem tom de gelo, outras com a gola em V, outras com a gola maior e... — Jungkook começou a rir vendo a careta que Taehyung fez — não quer saber sobre a minha coleção de camisetas brancas?

Taehyung fez que não com a cabeça e puxou Jungkook pela gravata, fazendo com que Jungkook ficasse por cima dela.

— É muita camiseta branca para uma pessoa só. — Ela sussurrou baixinho antes de tomar os lábios de Jungkook para si, num beijo lento.

Jungkook se apoiou em seus cotovelos, ficando alheio a qualquer outra coisa naquele quarto que não fosse os lábios de Taehyung. Quando o beijo se encerrou, Jungkook fitou os olhos de Taehyung, que brilhavam intensamente.

— Eu amo os seus olhos, eles são tão lindos. — Jungkook sussurrou para Taehyung enquanto passava a mão pela bochecha da garota.

— Ama apenas eles? — Taehyung perguntou numa voz divertida, enquanto franzia o nariz fingindo estar irritada.

— Uhum, estou com você apenas pelos seus olhos. — Jungkook disse abrindo um sorriso enorme, fazendo Taehyung puxar a gravata que ainda estava em suas mãos.

— Você está fedendo, vai tomar banho. — Taehyung disse jogando ele pro lado da cama.

— Ouch, que maldade.

Jungkook levantou da cama e tirou a gravata de seu pescoço. Começou a desabotoar a camisa, fazendo os olhos de Taehyung ficarem vidrados nele.

— Está tentando me seduzir? — Taehyung disse sem tirar os olhos de Jungkook.

— E está funcionando? — Jungkook perguntou com um sorriso malicioso entre os lábios e levantando uma sobrancelha.

— Não, prefiro homens mais fortes. — Taehyung piscou para Jungkook, fazendo ele por a mão no peito dramaticamente.

— Você é malvada, Taehyung. — Jungkook falou mostrando a língua enquanto tirava a camisa por completo.

Taehyung riu se ajeitando na cama enquanto via Jungkook sair pela porta do quarto com uma toalha no ombro.

Um mês depois.

— Vocês dois fiquem para pegar as malas enquanto eu ligo para o Seokjin, ok? — Sohyun disse para Taehyung e Jungkook tirando sua bolsa do ombro para pegar o celular.

Taehyung assentiu e a mulher se afastou para procurar algum telefone público. Eles estavam próximos da esteira do aeroporto esperando pelas malas.

Como Jungkook havia dito, convencer sua mãe a deixá-lo ir para os Estados Unidos não foi difícil, muito menos fazer com que seu pai lhe desse dinheiro, Jungkook pensa que ele ainda se sente culpado por ter deixado Mina com uma criança de colo para ficar com outra mulher.

— Eu nunca pensei que iria conhecer os Estados Unidos, — Jungkook disse tirando uma mala da esteira — isso é surreal.

Taehyung sorriu, mesmo estando cansada depois de ter tirado todas as malas. — Não é todo mundo que tem a chance, acho que somos sortudos.

— Se não fosse por você, eu não estaria aqui. — Ele murmurou com um sorriso nos lábios, deixando suas mãos ao redor da cintura de Taehyung. — Eu deveria dizer obrigado?

— Pode me agradecer depois. — Taehyung deixou um pequeno beijo nos lábios do namorado, percebendo que sua mãe estava voltando.

Sohyun estava conversando com um homem alto e de lábios grossos, ele estava vestido com uma blusa social e uma calça jeans solta, Jungkook reconheceu Seokjin pelas fotos que Taehyung havia lhe mostrado, mas o homem era realmente mais bonito pessoalmente do que por qualquer foto.

— Oi, Taehyung e... você — ele se virou para Jungkook — deve ser o namorado de Taehyung, Jungkook, certo?

O garoto assentiu, observando que ele ainda estava com a mão na cintura de Taehyung.

— Oi, tio Seokjin. — ela disse animada.

Quando Seokjin deixou a Coreia do Sul, Taehyung ainda era muito nova, mas lembrava-se do tio que sempre ia passar as férias na casa deles, quando tinha tempo é claro.

— Eu vou levar vocês até o hotel para descansarem; porque essa mocinha tem uma consulta amanhã cedo. — Seokjin disse lançando uma sorriso para Taehyung e ajudando os três a pegarem as malas.

Os quatro caminharam até o estacionamento do aeroporto, onde Seokjin havia estacionado seu carro. Por sorte, ele era grande o suficiente para suportar as malas, mas duas mochilas teriam que ir no banco de trás para não ficarem completamente amassadas.

Sohyun foi no banco do passageiro, ao lado de Seokjin e Taehyung e Jungkook foram no banco de trás.

Não demorou muito para que chegassem ao hotel onde ficariam hospedados, Seokjin havia oferecido para que os três ficassem em sua casa, mas Sohyun não aceitou, Seokjin era casado e sua irmã não queria atrapalhar, então escolheu ficar num hotel.

Seokjin ajudou-os a fazer o check-in no hotel e a levar as malas para os quartos. Depois disso, foi embora porque havia sido chamado no hospital.

— Não esqueça que a consulta é amanhã às nove horas da manhã, certo? — Seokjin disse para Taehyung — Eu entreguei o endereço do hospital para Sohyun, então é só mostrar para algum taxista que ele leva vocês até lá.

— Muito obrigada, tio Seokjin, você não sabe o quanto isso significa para mim. — Taehyung disse dando um abraço em Seokjin.

— Você não precisa me agradecer, Tae, você é família. — Ele sorriu, encerrando o abraço. — Lembra o que diz em Lilo e Stitch? "Ohana significa família, e família significa nunca abandonar ou esquecer!", mas também significa que fazemos de tudo para ver nossos familiares felizes, certo?

Taehyung assentiu com um sorriso nos lábios.

— Agora eu tenho que voltar para o hospital, se não os internos começam a ligar no meu celular sem parar. — Seokjin disse tirando o celular do bolso — Jungkook, cuide da minha sobrinha, ok?

— Não precisa pedir duas vezes.

Seokjin piscou brincalhão para Jungkook e saiu do quarto dos dois, dizendo que iria se despedir de Sohyun e sair correndo.

Taehyung não entendeu muito bem porque sua mãe havia deixado ela e Jungkook num quarto e ficado com outro separado.

— Você está com cara de cansada, baby. — Jungkook disse olhando para Taehyung, que estava sentada na cama esperando que ele saísse do banheiro.

— Baby? — ela perguntou levantando uma das sobrancelhas.

— Estamos nos Estados Unidos agora, tenho que me acostumar, não acha? — ele disse sentando ao lado dela e deixando um selinho em seus lábios.

— Você tem sérios problemas, Kook, — Taehyung levantou da cama e pegou sua toalha que estava em cima do pequeno sofá no canto do quarto — mas eu gostei de baby.

E foi a última coisa que Taehyung disse antes de entrar no banheiro e fechar a porta. Jungkook deu risada e se jogou na cama, pegou seu celular que estava perdido dentro de sua mochila e o colocou para carregar.

Ao conectar no WiFi do hotel, algumas mensagens de Jimin e Mina apareceram. Perguntando se ele havia chegado bem em Nova York, mas Jungkook estava cansado demais para respondê-las e acabou escolhendo responder pela manhã.

Taehyung saiu do banheiro minutos depois e se ajeitou na cama ao lado de Jungkook, que colocou a mão ao redor da cintura dela.

— Eu estou com medo. — ela disse respirando fundo e virando-se para encarar Jungkook.

O garoto franziu o cenho e passou a mão pela bochecha da namorada, sem que seus olhos se desviassem um do outro.

— Do que? — perguntou com a voz baixa, mas ainda parecendo preocupado.

— E se a minha cirurgia não der certo? E se eu acabar sofrendo demais e me arrepender? — seus olhos se encheram de lágrimas.

— Tae, nada vai dar errado, ok? Você disse a mesma coisa da outra vez, e depois tudo deu certo, não deu?

Taehyung sabia do que ele estava falando, sobre a cirurgia para lhe dar seios, que ele havia feito no ano anterior.

— Dessa vez é diferente, é uma cirurgia mais complicada e eu não quero que as coisas mudem.

— Nada vai mudar, — Jungkook sorriu, enxugando as lágrimas que haviam caído nas bochechas de Taehyung — você só não vai mais ficar presa num corpo que não é o seu. Eu ainda vou estar ao seu lado, sua mãe vai estar ao seu lado, todo mundo vai ficar ao seu lado.

— Promete? — ela disse fitando os olhos de Jungkook.

— Promessa de dedinho. — ele sorriu divertido levantando o seu dedo mínimo e enlaçando com o de Taehyung. — Agora durma, tá bem? Você só está cansada.

Taehyung assentiu e fechou os olhos. Jungkook murmurou um "eu te amo" deixando um beijo na testa da garota.

No outro dia, Jungkook acordou com o despertador de seu celular tocando e o garoto nem lembrava que o havia ligado. Passou a mão pelo espaço ao seu lado da cama, mas não havia ninguém. Taehyung já havia levantando, Jungkook pensou enquanto passava a mão pelo rosto.

Procurou seus chinelos ao lado da cama e quando os achou, levantou. Ouviu barulho de água no banheiro e deduziu que deveria ser Taehyung. O relógio em seu celular marcava oito horas da manhã.

Lembrou das mensagens que ficou de enviar na noite passada e se espreguiçou enquanto avisava a sua mãe e Jimin que tudo havia dado certo no voo e que ele havia chegado bem.

Depois disso, deixou o celular de lado e procurou algumas trocas de roupa, que se limitavam a uma camiseta preta e um jeans de lavagem clara, e sua toalha de banho.

— Oh, eu achei que iria ter que te chamar. — Taehyung disse aparecendo no quarto enxugando as mãos numa toalha branca.

— Dependendo de como você iria me acordar, eu posso voltar a dormir. — um sorriso malicioso brotou em seus lábios e Taehyung jogou a toalha em cima do namorado.

— Com água fria da pia do banheiro. — piscou para Jungkook enquanto amarrava seus cabelos num coque. — Você vai para a consulta comigo?

— Mas é claro que eu vou.

— Eu já pedi café da manhã para nós dois então é melhor você já ir se arrumando senão nós vamos chegar atrasados.

— Posso ter um beijo de bom dia antes disso? — Jungkook disse abraçando a namorada pela cintura e sorrindo.

— Não, você está com bafo. — ela respondeu fazendo careta e o empurrando para dentro do banheiro.

Jungkook deu risada deixando a toalha de mãos que Taehyung havia jogado nele em cima da pia e retirando suas roupas para tomar um banho rápido.

Não demorou muito no banho e saiu do banheiro com a toalha enrolada na cintura. Taehyung estava falando com um dos empregados do hotel, agradecendo pela bandeja de café da manhã que estava em suas mãos.

Jungkook pensou que Taehyung falando inglês era uma das coisas mais sensuais que ele já ouviu na vida e acabou sorrindo com esse pensamento.

A porta foi fechada e Taehyung virou com a bandeja em mãos, seus olhos se arregalaram ao ver Jungkook parado apenas de toalha, segurando uma cueca branca no meio do quarto.

— Se você quiser... eu posso me trocar no banheiro. — Jungkook disse vendo a cara que Taehyung estava fazendo.

— Não precisa, eu vou só... virar de costas.

Ela deixou a bandeja em cima de um pequeno balcão que havia dentro do quarto e virou de costas para Jungkook se virar. Os dois se sentiram nervosos, eles ainda não haviam dado aquele passo. Jungkook sabia do que havia acontecido da última vez que Taehyung tinha tentado fazer sexo e não iria pressioná-la a fazer algo que não estava pronta.

— Pronto, você pode virar agora. — Jungkook disse em menos de dois minutos, ele havia se trocando rápido para não deixar Taehyung se sentindo estranha.

— Vem comer, daqui a pouco a minha mãe aparece para nós irmos até o hospital. — Taehyung disse mostrando um sorriso em seus lábios e sentando em uma das cadeiras em frente ao balcão.

Jungkook terminou de enxugar os cabelos com a toalha e a deixou pendurada na porta do banheiro e sentou na cadeira ao lado de Taehyung.

— Você já falou com ela hoje? — perguntou passando requeijão em um pão que já estava cortado.

— Já, quando acordei. Ela está tão nervosa que parece que quem vai fazer a cirurgia é ela e não eu.

Minutos depois de Taehyung e Jungkook terem acabado de tomar o café da manhã, Sohyun apareceu batendo na porta, dizendo que já havia chamado um táxi e que eles já estavam quase atrasados.

O caminho até o hospital foi tranquilo e Jungkook conseguiu perceber que Taehyung estava muito ansiosa, sua perna não parava de balançar, principalmente quando chegaram no hospital e Sohyun foi entregar os documentos dela.

— Calma, baby, desse jeito você vai abrir um buraco no chão. — Jungkook sussurrou para ela enquanto pegava a mão direita de Taehyung e acariciava.

— Estou inquieta, não consigo parar de pensar no que pode ou não acontecer. — ela disse e logo depois mordeu o lábio, apertando a mão do namorado e suspirando nervosa.

— Vai dar tudo certo, eu vou estar ao seu lado e te ajudar com tudo, prometo. — o garoto sorriu, queria mais que tudo confortar a namorada naquele momento, pois sabia que Taehyung precisava dele.

— O que eu faria sem você aqui?

— Acho que nada, mas quem é que vai dizer algo?

Taehyung revirou os olhos deixando sua mão no rosto, incrédula.

— Você é algo diferente, Jungkook, muito diferente.

— Eu sou mais besta que os outros? Bom, se for isso, eu concordo! — soltou uma risadinha antes de fitar o rosto da garota — Você é muito linda, sabia?

Taehyung olhou de soslaio para Jungkook, sentindo suas bochechas ficarem vermelhas.

— Pare com isso, Jungkook. — ela murmurou olhando para a parede branca do hospital.

— É muito fofa também, amor — apertou de leve as bochechas coradas de sua parceira e escutou alguém chamá-la, olhou em direção ao som e viu Jin parado ali.

— Taehyung? — Seokjin disse e ela levantou, seguida por Jungkook e sua mãe que estava pegando um copo de água no filtro.

— Me sigam.

Caminharam por um corredor longo até uma sala que estava escrito "Seokjin Kim, cirurgião plástico chefe", Seokjin abriu a porta e deixou que os três entrassem. Na sala, havia um médico de cabelos loiros mexendo em alguns documentos e dois outros parados segurando pranchetas.

— Podem se sentar. — Seokjin disse e foi até o outro lado da mesa, sentando na cadeira maior ao lado do outro médico.

Taehyung, Sohyun e Jungkook sentaram nas três cadeiras que haviam na frente da mesa.

— Bom, vocês sabem que não é um processo fácil, tanto cirurgicamente quanto juridicamente, mas eu creio que você, Taehyung, esteja certa de que quer realmente fazer essa cirurgia. — Seokjin fitou a garota antes de alterar seu olhar entre ela e Jungkook.

— Sim, eu tenho certeza. — a garota respondeu, com a voz confiante.

— Muito bem, — Seokjin sorriu — como sabem, eu não posso realizar a cirurgia porque você, Taehyung, é minha sobrinha. Mas vou apresentá-los os médicos que vão realizar a cirurgia, eles são de extrema confiança minha. Esse é Jackson Wang, ele é melhor cirurgião plástico daqui, depois de mim, é claro. E elas são as doutoras Elizabeth Martin e Hanna Lewis, que vão ser as residentes presentes na cirurgia.

Taehyung sorriu simpática, mas já havia voltado a balançar as penas de nervosismo, fechou os olhos por alguns instantes e se levantou, cumprimentando cada médico que lhe foi apresentado.

— É um prazer, conto com cada um de vocês. — sorriu, dessa vez mais confiante, sabia que seu tio apenas a entregaria para os melhores e mais hábeis profissionais.

As duas residentes levaram Taehyung para tirar amostras de sangue, que precisavam ser feitas antes da cirurgia, numa sala ao lado, e poucos minutos depois elas voltaram, Taehyung agora tinha um pequeno curativo no braço esquerdo.

— Então, explique como vai funcionar a cirurgia detalhadamente. — Seokjin disse olhando para Jackson, que levantou da cadeira onde ele estava e foi até uma tela atrás dos dois.

Jackson teve todo o cuidado de explicar detalhadamente com palavras fáceis e sempre perguntava se Taehyung ou sua mãe tinham alguma dúvida.

— É uma cirurgia complexa, mas tenho certeza de que tudo irá ocorrer bem. — o médico disse com um sorriso no torto.

Taehyung se sentiu aliviada e contente com todo o cuidado que Jackson tomou para explicá-la todos os detalhes do procedimento, pensou um pouco e olhou para o seu tio com um sorriso largo nos lábios.

— Quando poderemos relizar a cirurgia?

— A cirurgia está marcada para daqui a dez dias, mas você precisa vir um dia antes para ser internada. — Uma das residentes residentes respondeu depois que Seokjin lhe deu um olhar.

— Sim, obrigada por tudo. — Taehyung olhou para Jungkook que ainda segurava sua mão e sorriu estridente — Vamos, meu amor?

Jungkook assentiu e levantou da cadeira junto com a namorada, Sohyun continuou sentada, dizendo que iria fazer algumas perguntas para os médicos. Os dois saíram da sala e ficaram na área de espera, aguardando Sohyun retornar.

Não demorou muito para Sohyun voltar, ela não tinha um olhar preocupado, então Taehyung respirou aliviada.

Ao saírem do hospital, Taehyung tinha um ar leve, como se toda a preocupação que estava antes impregnada em sua cabeça tivesse sumido e até arriscou sorrir.

— Vocês dois estão fazendo o que ainda aqui? Vão conhecer a cidade, sejam adolescentes normais, vão, vão, — Sohyun disse pegando o celular dela dentro da bolsa e guardando os outros papéis — não vieram para os Estados Unidos pra ficarem trancados dentro de um hotel. Se vocês se perderem, têm meu celular ou procurem a polícia, sei lá.

Jungkook levantou uma sobrancelha e olhou para Taehyung, que também estava confusa.

— Mãe, você está bem?

— Claro que estou, — ela colocou óculos escuros no rosto — vocês tem dez dias antes da cirurgia, aproveitem. Ficar trancado no hotel, faz mal.

Falando isso, Sohyun deu as costas e começou a caminhar até um ponto de ônibus que ficava do outro lado do hospital.

— A minha mãe me assusta as vezes. — Taehyung disse e começou a caminhar ao lado de Jungkook, para o lado oposto do qual Sohyun havia ido. — Que tipo de mãe larga a filha e o namorado no meio de Nova York e sai andando?

— Existe a história de João e Maria, mas nessa versão, eles foram deixados no meio da floresta. Não sei qual é pior.

Depois de alguns minutos andando, Taehyung achou algo que lhe chamou atenção.

— Kookie, vamos andar no metrô. — ela disse pegando na mão do namorado e saindo andando em direção ao metrô.

— É só um metrô, Tae.

— Não é qualquer metrô, é o metrô de Nova York e, mais, depois de assistir How I Met Your Mother, eu fiquei morrendo de vontade de andar de metrô.

Jungkook balançou a cabeça e caminhou com Taehyung até a estação de metrô. Como Jungkook tinha o inglês melhor que Taehyung (segundo ela), ele foi comprar os bilhetes e ela ficou olhando algumas revistas que havia numa pequena banca.

— Oi, está procurando por alguma coisa? — uma atendente disse vindo até Taehyung.

— Não, obrigada, eu só estou de passagem. — Taehyung murmurou desviando os olhos das revistas para a moça ao seu lado.

— Estrangeira, certo? Posso perceber pelo seu sotaque. Aqui — ela pegou um folheto que tinha numa bancada ao lado — é um folheto com todos os pontos turísticos próximos daqui, tenho certeza que você pode precisar.

— Oh, muito obrigada. — Taehyung pegou o folheto e o observou brevemente — Quanto custa?

— É de graça para estrangeiros. Fique a vontade.

A moça voltou para dentro da pequena banca e Taehyung começou a ler o folheto, vendo como havia vários lugares que ela poderia conhecer. Dez dias não seriam nada suficientes.

— Fazendo uma amiga? — Jungkook disse aparecendo do nada ao lado de Taehyung, que levou um pequeno susto.

— Você parece um fantasma, — ela suspirou — não, a moça percebeu que sou estrangeira e me deu esse folheto com alguns pontos turísticos por aqui.

Depois disso, os dois caminharam até as catracas e entraram na área de embarque dos metrôs. Iria levar algum tempo até o próximo trem chegar, então se acomodaram em um dos bancos.

— Olha quantos museus existem por aqui.

Taehyung ficou vidrada com as fotos sobre os museus que estavam no folheto. Jungkook achou aquilo uma cena linda e tirou uma foto de Taehyung distraída, ele postaria em algum lugar depois.

— Com tanta coisa no folheto e você presta atenção nos museus.

— Eu gosto de arte, — respondeu sem tirar os olhos da pequena revista que estava em suas mãos — é incrível como algo pode ter tantos significados dependendo do jeito que você observa um quadro. E as emoções que o artista teve enquanto o pintava ficam fixas naquele objeto, junto com todas as emoções que cada pessoa têm quando passa por ali e o observa.

— Poético.

Taehyung soriu.

— No Bronx tem um zoológico, vamos para lá.

O trem estava chegando na estação e os dois levantaram do banco.

— Depois desse discurso sobre pinturas, você quer ir no zoológico? — Jungkook disse confuso.

— Eu gosto de animais também.

— Estranha.

— Mas você me ama.

Jungkook fez uma careta e deixou um selinho nos lábios de Taehyung.

— Bastante.

O trem parou e os dois entraram, por estar fora de horário de pico haviam lugares vazios. Taehyung sentou num lugar próximo a porta e Jungkook ao seu lado.

— Me sinto tão Ted Mosby agora. — Taehyung disse animada olhando pela janela do trem, que se movia rapidamente.

— Se você é o Ted, isso faz de mim a Robin ou a Mother? — Jungkook perguntou passando o braço pelos ombros de Taehyung, que o olhou com a testa franzida.

— Quase um ano que nós namoramos, e eu não sabia que você já assistiu How I Met Your Mother.

— Jimin me obriga a assistir muitas séries, fica irritante, às vezes. — ele diz enquanto Taehyung deita a cabeça no ombro de Jungkook.

Não demorou muito para que chegassem até a estação do Bronx e os dois saíram do metrô com as mãos dadas. E acabou não sendo difícil encontrar o zoológico.

Taehyung começou a falar sobre cada um dos animais e Jungkook a achou super inteligente e esperta até perceber que ela estava apenas lendo as placas informativas sobre os animais; o que fez com que a garota risse, mas continuasse a falar sobre os animais porque Jungkook dissera que amava o som da sua voz e era inevitável perceber o tamanho do brilho no olhar do garoto toda vez que ele se encontrava fitando Taehyung enquanto ela dizia alguma coisa.

— Está com fome? — Jungkook perguntou quando os dois chegaram próximos de uma lanchonete no meio do zoológico, provavelmente já havia passado do meio-dia, mas nenhum deles se preocupou em olhar no celular para confirmar.

Taehyung assentiu e eles foram para a fila dos pedidos, não estava muito grande por ser dia de semana, no máximo havia algumas escolas realizando excursões.

— Procura uma mesa pra gente ficar que eu faço os pedidos. — Taehyung disse mexendo em alguma coisa em sua bolsa.

— Sabe qual o meu pedido? — Jungkook perguntou saindo um pouco da fila.

— Mas é claro que eu sei, você sempre pede a mesma coisa independente de qual seja a lanchonete.

— E ainda me perguntam porque eu amo você.

Depois de dizer isso, Jungkook virou as costas e saiu procurando por uma mesa.

— Você só me ama pela minha memória incrível? — Taehyung disse com a voz um pouco mais alta por ele estar a alguns metros longe e em seguida ouviu Jungkook gargalhar e olhar novamente para ela, mostrando um coração com seus dedos.

A fila andou e a vez de Taehyung chegou, ela fez os pedidos sem problema e foi procurar Jungkook com o papel do pedido nas mãos. O achou sentado numa mesa não tão longe, ele estava distraído tirando algumas selfies e Taehyung sorriu, se aproximou dele e deixou um beijo em sua bochecha bem na hora que ele bateu uma foto.

— Você quase me mata de susto. — Jungkook falou bloqueando a tela do celular o guardando no bolso.

— Foi desse jeito que eu fui falar com você pela primeira vez, te dando um susto. — Taehyung disse sentando no lugar a frente de Jungkook. — Meus métodos de conquista são infalíveis.

— Não levo crédito por ser incrivelmente lindo e ter feito você se apaixonar por mim, também?

— Não. — ela disse apoiando o cotovelo na mesa e seu rosto nas mãos.

— Estou ofendido. — Taehyung riu. — Qual é o número do pedido?

— 421. — Ela respondeu observando o papel em suas mãos. — E está no 419.

Quando chegou a vez deles, Jungkook foi buscar os lanches e os dois comeram. Taehyung roubou algumas batatas feitas de Jungkook, que fingiu ficar bravo por isso.

— Vem, eu quero ver as girafas. — Jungkook disse dando um sorriso largo e pegando nas mãos de Taehyung, quando os dois haviam terminado de comer.

Caminharam até o viveiro das girafas, haviam quatro girafas a vista e algumas pareciam estar atrás das árvores.

— Olha, aquela ali não é uma girafa bebê? — Taehyung murmurou próximo do outro de Jungkook, apontando para uma das girafas menores que estavam pegando folhas da árvore pequena.

Na mesma hora uma girafa adulta apareceu do lado da girafa menor e Jungkook começou a rir, fazendo Taehyung olhar estranho pra ele.

— Não parece o Jimin-hyung e o Namjoon-hyung? — ele disse entre os risos, e pegando o celular.

Taehyung balançou a cabeça incrédula enquanto observava Jungkook tirar uma foto das girafas e mandava para Jimin com a legenda: "Eu não sabia que você e o Namjoon estavam fazendo uma visita aos Estados Unidos" e Jimin respondendo na mesma hora, mandando uma foto dele mostrando o dedo do meio. Jungkook falou que ele tinha dedos pequenos e fofos e Jimin começou a xinga-lo e dizer que quando Jungkook voltasse para a Coreia a primeira coisa que ele iria fazer era jogá-lo na frente de um ônibus em movimento.

Taehyung não disse nada, mas desejou ter uma amizade como aquela.

Depois de visitar alguns animais e até alimentar os macacos, com permissão dos cuidadores, os dois foram embora do zoológico por já estarem cansados.

— Meus pés estão me matando, eu deveria ter usado tênis. — Taehyung disse sentando na cama e tirando seus sapatos dos pés.

— Tome um banho que eu faço uma massagem nos seus pés. — Jungkook disse deixando um selinho nos lábios de Taehyung.

— Jungkook, honestamente, — Taehyung falou olhando seriamente nos olhos de Jungkook — existe alguma coisa que você não saiba fazer?

— Até agora não achei nada, — ele pegou uma maçã e a mordeu — mas quem sabe?

Taehyung balançou a cabeça, pegou uma toalha e foi para o banheiro. Jungkook pegou seu celular e viu que haviam algumas mensagens de Jimin, ainda dizendo que estava planejando o assassinato de Jungkook, que o mandou ir dormir, até porque era madrugada na Coreia.

Olhou para as fotos que havia tirado no zoológico com Taehyung e se encontrou sorrindo vendo uma das fotos, onde Taehyung estava do lado do viveiro dos pássaros, observando um pássaro de penas verdes e azuis que eles não tinham se incomodado de ler o nome, ela estava distraída e Jungkook pensou que aquela era uma das fotos mais lindas de Taehyung.

Pegou uma das fotos onde estava ele e Taehyung, enviou para sua mãe, dizendo que estava sentindo saudades dela e deixou o celular em cima do criado mudo.

Jungkook lembrava que havia colocado alguns hidratantes em sua mochila antes de sair. Pegou o que tinha cheiro de uva e deixou em cima da cama.

Alguns minutos depois Taehyung saiu do banheiro usando um short jeans folgado e uma blusa de algum desenho animado.

— Acho que amanhã eu quero ver os museus — ela disse enquanto sentava na cama, apoiando as costas na cabeceira — vi naquele folheto que têm vários. De Arte Moderna, de História.

— Você realmente ama arte, não é? — Jungkook sentou na ponta da cama, pegando o hidratante e derramando um pouco nas mãos.

— Muito, se eu tivesse talento para desenho eu iria para alguma escola de artes, mas vou fazer fotografia, que ainda sim é um tipo de arte.

— Oh, minha namorada uma artista. Acho que tenho sorte, não?

Taehyung deu risada e Jungkook sorriu, ela começou a falar sobre como havia conseguido notas boas para entrar numa faculdade de fotografia, e que ela iria precisar de um portfólio com varias fotos tiradas por ela e dela como um exemplo de deu talento segundo uma das faculdades que ela tinha ido visitar antes da viagem e Jungkook apenas escutava atentamente enquanto massageava os pés da garota.

— Nem parece que eu andei hoje o dia inteiro. — Taehyung disse espreguiçando-se.

— Sou ótimo com as minhas mãos. — Jungkook piscou o olho direito para Taehyung, que jogou um travesseiro nele.

— Jungkook, — ele olhou para ela, depois de colocar o travesseiro em cima da cama novamente — venha aqui, eu... quero falar com você.

Jungkook franziu o cenho e sentou ao lado dela, que pegou em suas mãos e suspirou.

— Aconteceu alguma coisa? — ele perguntou parecendo preocupado.

— Não, — Taehyung sorriu sem mostrar os dentes — mas é um assunto um pouco delicado.

Jungkook se ajeitou na cama, virando de frente para Taehyung que agora estava com as pernas cruzadas.

— Você lembra sobre o que eu te disse ano passado, sobre... O porque de Mark e eu termos terminado? — Jungkook assentiu, fitando os olhos de Taehyung. — Quando eu conversei com a minha psicóloga sobre isso, ela me disse que eu deveria ter falado antes com ele sobre isso e confirmar que eu realmente confiava nele a ponto de estar pronta para fazer aquilo.

Jungkook começou a falar algo, mas Taehyung colocou o dedo em seus lábios, para que ela continuasse a falar.

— E eu não estava pronta, — ela fechou os olhos por um momento e logo os abriu — e claramente não queria fazer aquilo, eu estava apenas assustada. Antes era complicado pensar sobre isso, porque acabou sendo um trauma pra mim; mas agora é passado e não podemos mudar o passado, certo?

Os lábios de Taehyung habitavam um sorriso agora, o que deixou Jungkook confuso.

— O que você quer dizer com isso, Tae? — perguntou sem desviar os olhos do rosto de Taehyung.

— Eu... eu quero fazer sexo com você.

— Agora? — Jungkook perguntou com os olhos arregalados.

— Não! Não agora-nesse-momento, antes da cirurgia. Já faz um tempo que eu quero fazer isso, mas não sabia como falar. — Taehyung colocou o rosto no ombro de Jungkook, que riu baixinho e passou a mão pelas costas dela. — E você já fez isso com outras pessoas e eu nunca... — ela começou a gaguejar.

— Apenas me diga quando você estiver pronta, tá bem? Eu preciso comprar umas coisas antes.

Ela se afastou de Jungkook e olhou nos olhos dele.

— Eu tenho... — ela começou a dizer enrolada e foi até a mala dela que ainda não estava desfeita — a minha mãe pensou que nós já estávamos fazendo aquilo e... colocou isso na minha bolsa.

Taehyung tirou uma caixa vermelha, que de longe parecia de maquiagem, mas quando Taehyung abriu ela, havia alguns pacotes de camisinha e lubrificante.

— Eu não tinha entendido quando ela nós colocou juntos no mesmo quarto, mas quando vi isso fez todo sentido. — as bochechas dela estavam totalmente vermelhas e Taehyung colocou a caixinha de novo dentro da mala. — Perguntei pra ela hoje de manhã e ela disse que tinha olhado online junto com a sua mãe e... Ela falou que tinha achado que eram nesse estilo que os jovens hoje em dia usavam e...

Enquanto a garota falava seus olhos se encontraram aos de Jungkook e os dois começaram a dar risada ao pensarem como deveria ter sido constrangedor para Kim Sohyun e Jeon Mina terem ido pesquisar sobre essas coisas para os filhos.

Quando a sessão de risadas terminou, Jungkook deu batidinhas no lugar ao lado dele na cama e Taehyung sentou-se novamente, deitando sua cabeça no ombro do namorado, que pegou em sua mão e a acariciou.

— Quando você se sentir pronta, me fale, está bem? — Taehyung assentiu, sorrindo minimamente enquanto Jungkook levantava da cama. — Agora eu vou tomar banho porque estou com cheiro de zoológico.

— Sabia que você tem esse mesmo cheiro quando chega da academia e fica querendo me beijar? — Taehyung disse fazendo uma careta para ele.

  — É? Vou te beijar mais vezes depois que chegar da academia.  

Jungkook roubou um beijo rápido de Taehyung e saiu correndo para o banheiro com uma toalha branca nas mãos, deixando ela incrédula no quarto. 

Ele acabou levando longos minutos no banheiro e achou Taehyung com seu notebook no colo, assistindo um filme - ou era uma serie? Jungkook não conseguiu identificar direito - atenciosamente. No momento que percebeu que Jungkook estava ali, fechou o notebook e olhou para ele.

 — Minha mãe mandou nós irmos no mercado comprar algumas coisas, ficar pagando por refeições no hotel é muito caro e ainda não somos o Bill Gates, nas palavras dela.  Ela até deixou o cartão de crédito, não sei o que faz ela pensar que eu não vou usar isso para comprar roubas americanas.

 — Porque roupas são apenas uma invenção capitalista para nós termos que gastar uma grande quantia de dinheiro regularmente. 

 — Você está andando demais com o Namjoon, Jungkook. — Taehyung disse colocando o cartão no bolso de trás de seu short vermelho, junto com seu celular e procurando por seus all-stars dentro da mala.

 — Ele é o namorado da Jimin, não posso evitar. — Jungkook balançou os ombros, calçando os mesmos tênis que havia ido para o zoológico mais cedo naquele dia.

 — Daqui a pouco você está falando sobre conspirações dos alienígenas contra os seres humanos e como as formigas sabem de tudo isso. 

 —  Os cachorros também sabem!

Taehyung e Jungkook saíram do quarto, lembrando de trancar a porta com o cartão do hotel e avisaram a Sohyun, que estava no quarto ao lado que estavam indo ao mercado. 

Quando chegaram ao hall do hotel, perguntaram a uma das atendentes onde ficava o mercado mais próximo e ela teve a bondade de chamar um táxi para os dois; que esperaram do lado de fora do prédio. 

 —  Tae, você acha que eu ficaria bonito com o cabelo pintado? Nunca fiz nada nos meus cabelos. — Jungkook perguntou enquanto eles esperavam pelo táxi, sentados na calçada. Seus olhos estavam quase fechados, por causa do Sol se pondo próximo da linha do horizonte. 

  —  Você ficaria lindo até careca, Jungkook,— ela disse levantando da calçada, vendo que o táxi estava se aproximando— você é uma das pessoas mais lindas que eu já vi na vida.

 —  Desse jeito eu apaixono.

Nos dois dias que seguiram, como Taehyung havia dito, os dois visitaram vários museus espalhados pela cidade, e Taehyung acabou com a memória do celular cheia de tanto tirar foto dos quadros, estátuas e pinturas memoriais que haviam por ali. 

E na noite do terceiro dia, eles foram para o Time Square e ficaram maravilhados por quão iluminado e movimentado era aquele lugar até mesmo à noite,  Taehyung chegou a pensar que aquela viagem estava mais para uma viagem de férias do que para realizar sua tão esperada cirurgia.

Não que o país onde morava não tivesse nenhum ponto turístico, — Coreia era provinda de vários lugares lindos — mas tudo aquilo era novo, diferente e uma experiência única. Os pontos turísticos coreanos poderiam ser vistos a qualquer momento.

— Minha mãe acabou de mandar uma mensagem dizendo que enviaram à ela o resultado dos exames que eu fiz antes de vir pra cá e o de sangue que as médicas daqui fizeram, — Taehyung disse sentando em uma cadeira — e já está tudo certo para a cirurgia.

Jungkook terminou de enxugar a goiaba num pano de prato e virou para encarar Taehyung, deixando a fruta em cima do balcão.

— Mesmo? — ele disse com um sorriso mínimo e Taehyung assentiu.

— É isso, eu vou fazer a cirurgia.

Jungkook sentiu seu sorriso aumentar e foi até Taehyung abraçá-la. Acabou tirando a garota do chão fazendo com que ela começasse a rir.

— Eu estou tão orgulhoso de você. — Jungkook disse enquanto os dois rodavam pelo quarto.

— Mas eu não fiz nada!

Os dois ficaram tontos e caíram por cima da cama rindo, Jungkook fitou os olhos de Taehyung que estavam por baixo dele e acabaram por ouvir um barulho de algo caindo no chão.

— É provavelmente meu celular, — Taehyung murmurou antes de colocar a mão no rosto de Jungkook e beijá-lo — posso pegá-lo depois.

A outra mão de Taehyung desceu até o final da camisa de Jungkook, seus dedos apertaram a pele de sua cintura, arranhando-a de leve. E sem pensar, Taehyung começou a puxar a camisa de Jungkook para cima, enquanto Jungkook descia seus beijos pelo pescoço bronzeado dela.

O travesseiro embaixo das costas de Taehyung começou a incomodar, então ela apenas o tirou e jogou no chão, um segundo antes de Jungkook abrir os olhos.

— Você tem certeza? — ele perguntou com a voz rouca, ficando apoiado nos cotovelos.

— Tenho. — Taehyung respondeu sem desviar o olhar dos olhos de Jungkook, que assentiu e terminou de tirar a própria camisa.

Seus lábios se encontraram novamente, num beijo lento. Taehyung sentiu uma pontada de nervoso enquanto percebia o que estava prestes a acontecer quando Jungkook tirou a blusa de seu corpo, deixando-a apenas com um sutiã branco e um short jeans que havia colocado depois do banho.

Taehyung sorriu e sentou na cama por cima de suas próprias pernas, deixou que suas mãos descessem até o cordão da calça de moletom preta de Jungkook, apesar de um pouco trêmula, conseguiu desfazer o nó frouxo que Jungkook tinha atado e descer lentamente a calça para que o garoto ficasse apenas com a cueca roxa que estava vestido.

  — Se você quiser que eu pare, me fale. — Jungkook disse com a voz baixa, depois de deixar um selinho rápido nos lábios de Taehyung.

Ela assentiu e Jungkook levantou da cama, deixando sua calça jogada pelo chão. Taehyung havia colocado a caixa vermelha dentro de uma das gavetas do criado-mudo; Jungkook tirou a caixa da gaveta e deixou o pacote de camisinhas e lubrificante na cabeceira da cama, onde eles teriam mais fácil acesso.

 —  Uh, o que você está fazendo?— Taehyung perguntou ao ver Jungkook ligar o pequeno rádio que havia do outro lado do quarto.

 — Não seria muito confortável a sua mãe nós ouvir fazendo isso, não acha?— Taehyung levanto uma sobrancelha, concordando e na mesma hora uma música desconhecida pelos dois começou a ecoar num volume aceitável pelo quarto.

Jungkook voltou para a cama, e colocou suas mãos na cintura da garota para puxá-la para cima de seu colo. Enquanto os dois davam um beijo desajeitado e luxoso, o mais novo deixou que seus dedos caminhassem até o feixe do sutiã da garota, fazendo com que peça caísse entre os dois. 

Taehyung sentiu suas bochechas ficarem vermelhas o que fez Jungkook rir baixinho e descer seus beijos até o pescoço da garota que arfou em resposta. Apesar de nunca terem feito aquilo, seus corpos não eram desconhecidos um pelo outro, poderiam até brincar dizendo que tinham o perfeito encaixe. 

   — Eu quero... tentar algo,    — Taehyung disse descendo do colo de Jungkook, que a observou atenciosamente, conforme a garota fitava seus olhos e levava seus joelhos ao chão na frente de Jungkook — me diga se eu fizer algo de errado.

E aconteceu tudo muito lentamente, os olhos de Jungkook seguiram as mãos de Taehyung que se direcionaram ao membro de Jungkook, ainda coberto pelo pano fino da cueca que já parecia pequena demais para seu pênis semi-ereto. Jungkook deixou que um gemido rouco saísse de sua garganta ao sentir o toque de Taehyung contra sua pele sensível.

Com um sorriso no canto dos lábios, Taehyung tirou a cueca de Jungkook e a jogou junto com todas as outras peças de roupa jogadas pelo chão do quarto. Sua mão direita enlaçou o membro de Jungkook e começou a masturbá-lo lentamente, Jungkook gemeu sofrego e o sorriso de Taehyung apenas aumentou em seu rosto. 

Taehyung sabia o que fazer, é claro, meninos falavam e a internet é um ótimo lugar para pesquisas, porém todas aquelas palavras não eram nada comparadas a estar ali, vivenciando tudo aquilo; mas ela estava confiante e, timidamente levou o membro de Jungkook até seus lábios, lambendo a glande lentamente e deixando que seus olhos fiquem fixos no rosto de Jungkook, que estava com a cabeça levemente jogada para trás e os lábios entreabertos. 

Ela deixou que sua língua passasse por toda a extensão de Jungkook, que gemia baixinho com cada toque de Taehyung contra seu corpo e isso apenas aumentou quando ela passou a masturbar a parte do pênis de Jungkook que não conseguia por na boca.

  — Baby,  — Jungkook sussurrou, alto o suficiente para que Taehyung pudesse ouvir e prestar atenção no que ele tinha a dizer — hoje é sobre você.

E dito isso, Taehyung levantou do chão limpando o pré-goze de Jungkook de seus lábios inchados com os dedos, Jungkook colocou suas mãos nos botões do short jeans de Taehyung, tirando-o por completo e deixando que a peça caía no chão. Taehyung se sentiu tímida, mas deixou que Jungkook continuasse.

  — Você é linda, Taehyung. — Jungkook sussurrou, passando os dedos pela bochecha dela. — Deite-se de costas na cama, uh?

Taehyung fez o que Jungkook pediu e deitou-se de bruços, procurando uma posição mais agradável. A próxima coisa que ela sentiu foi as mãos de Jungkook em seus quadris, seus dedos estavam um pouco gelados, o que fez a garota arrepiar-se.

— Tae, você... — antes que Jungkook pudesse terminar de perguntar, ela o interrompeu.

— Sim, — Taehyung respondeu com a voz abafada pelo travesseiro — eu estava planejando pra ser hoje à noite desde de manhã.

Ela sentiu os lábios de Jungkook contra a pele de seus ombros, traçando beijos leves por todo o contorno de seu corpo, descendo até sua cintura e quadris.

Até que o telefone tocou.

Jungkook franziu o cenho e levantou, os olhos de Taehyung se fixaram nele.

— Sim? — Jungkook disse ainda olhando para Taehyung, que agora estava sentada na cama e com uma travesseiro na frente de seu peito.

— Aqui é da recepção do hotel, a senhora Sohyun Kim pediu para avisar que ela estará fora durante a noite e que está sem celular, e que não avisou antes porque não queria atrapalhar.

— Era só isso? — Jungkook perguntou com seu inglês cheio de sotaque.

— Sim, senhor, muito obrigada por seu tempo.

Jungkook colocou o telefone na base novamente e deu risada.

— Minha mãe? — ela perguntou olhando do telefone para Jungkook.

— Não, a recepcionista do hotel.

Ele pegou o pote de lubrificante e voltou até a cama, com seus joelhos apoiados no colchão.

— Acho que o Universo está contra nós. — Taehyung sussurrou, enquanto olhava nos olhos de Jungkook que estava tirando o travesseiro que ficava entre os dois.

— Eu acredito que ele adora pregar peças nas pessoas. — Jungkook sussurrou de volta e juntou seus lábios nos de Taehyung. — E o que vale é que nós estamos a nosso próprio favor.

Jungkook desceu sua mão até a barra da calcinha que Taehyung estava vestindo, fazendo menção de retirá-la, mas Taehyung pegou em sua mão antes que pudesse fazer isso. Jungkook olhou para a garota fixamente.

— Não... Me deixe com ela. — ela murmurou, com os lábios praticamente comprimidos.

Jungkook assentiu. Ele havia lido na internet que às vezes pessoas transgênero não se sentem confortáveis sendo vistas totalmente sem roupas antes da cirurgia e não iria forçar Taehyung a fazer algo que ela não queria. Taehyung sorriu ao perceber que Jungkook havia realizado seu pedido e apenas afastou sua calcinha um pouco para o lado, ela apoiou as mãos nos ombros de Jungkook, enquanto ele dizia a ela que aquilo poderia doer um pouco, mas com o tempo ela iria se acostumar.

Taehyung fechou os olhos ao sentir Jungkook por um dedo coberto por lubrificante dentro dela, eram uma sensação estranha e um pouco dolorosa quando Jungkook adicionou mais um dedo ao que já estava por inteiro nela, afinal, Taehyung nunca havia feito aquilo antes. Jungkook mexia seus dedos sem pressa alguma, tomando o tempo de Taehyung e deixando com que ela se sentisse confortável.

 — Você acha que está pronta?

 — Sim, — ela balançou a cabeça positivamente e Jungkook tirou seus dedos dela — estou.

Jungkook sentou na cama, e limpou seus dedos no próprio cobertor da cama, que já estava totalmente molhado por causa do lubrificante que havia escorrido pelas coxas de Taehyung e do pré-gozo que saia do membro de Jungkook. Ele pegou a camisinha que estava em cima do criado-mudo - ele havia comprado um pacote novo, já que Sohyun e sua mãe haviam errado o tamanho -, abriu o pacote e colocou a camisinha em seu pênis.

  — Tae?— Jungkook disse com a voz rouca e Taehyung desviou seus olhos do pênis do garoto para os olhos, ela não iria mentir, estava realmente encarando aquela coisa. — Venha aqui.

Ela engatinhou sobre a cama e acabou sentada no colo de Jungkook, com suas pernas ao redor do torso de Jungkook, seus olhos se fixaram enquanto Jungkook passava o lubrificante em seu pênis e na entrada de Taehyung.

 — Se você quiser que eu pare, não exite em me falar.  

Taehyung murmurou algo em consentimento, deixando que Jungkook posicionasse seu membro contra a entrada da garota, fazendo com que ela soltasse um gemido sofrego e fechasse seus olhos com força. As unhas curtas da Kim arranharam as costas de Jungkook conforme ele penetrava a garota lentamente.

—  Jung... Jungkook, espere — ela disse com a voz rouca e a respiração densa, já quando Jungkook estava com seu pênis por inteiro dentro dela.

Jungkook parou na mesma hora, e levou sua mão - que já não estava mais molhada - até a bochecha de Taehyung, acariciando suavemente o rosto dela. Taehyung abriu seus olhos e fitou Jungkook, ela tinha os olhos cheios d'água. 

 —  Você está bem? 

  — Sim.  — Taehyung sibilou com a voz baixinha, deitando sua cabeça no ombro de Jungkook.

  — Quer que eu pare? — ela fez com que não com a cabeça — Quer que eu converse com você? 

Dessa vez a resposta foi positiva e Jungkook deixou um sorriso tímido sair de seus lábios.

 — Sabe o que eu mais amo sobre você?— Taehyung voltou a prestar atenção no olhar de Jungkook — O jeito retangular que você sorri, nunca colocando a mão na frente de sua boca e com os olhos quase fechados; e como você entrelaça nossas pernas enquanto nós estamos dormindo juntos, ficando numa mistura maluca de pernas e edredons jogados pela cama. Eu amo quando eu digo que te amo e você apenas me responde com um sorriso, porque eu sei que você também me ama.

Taehyung sorriu, estava feliz, totalmente feliz e percebeu que toda a dor e ardência havia passado. Ela arriscou mover-se devagar, fazendo com que seus quadris rebolassem contra a ereção de Jungkook, que soltou um gemido arrastado, por conta do contato contra seu membro.

  — Thank you — Taehyung murmurou em inglês, apertando os ombros de Jungkook, conforme ele havia percebido que poderia se mexer e fazia com que seu membro entrasse e saísse lentamente do interior de Taehyung.

Tudo que podia se ouvir no quarto, eram os gemidos descompensados e totalmente bagunçados de Jungkook e Taehyung, junto com seus beijos molhados e cheios de paixão e o barulho de uma música pop qualquer que estava tocando no rádio, — os dois não estavam nem se preocupando mais com o que tocava.

  — Eu também te amo, Jungkook,  — Taehyung sussurrou quando os dois estavam jogados debaixo do cobertor.

 

.

 

— Você está pronta? — Jungkook disse vendo Taehyung pegar sua mochila.

A garota assentiu, pegando na mão de Jungkook e o puxando para seu lado no sofá.

— Eu só quero ficar mais uns minutinhos aqui, ok? — ela sibilou e Jungkook sentiu que suas mãos estavam tremendo.

Jungkook murmurou que ela podia ter o tempo que quisesse e a abraçou de lado.

Nenhum dos dois soube ao certo quanto tempo passou, mas Taehyung suspirou e pegou seu celular que havia acabado de vibrar no bolso.

— É a minha mãe, ela está nos esperando no estacionamento. — Taehyung falou enquanto lia a mensagem. — Tio Seokjin veio nos buscar.

O garoto levantou e pegou o cartão do quarto enquanto Taehyung levantava do sofá. Os dois deram as mãos e saíram do quarto. Por sorte, o elevador estava parado no andar onde estavam e Jungkook apertou o botão do térreo ao entrarem no elevador, que logo fechou suas portas.

  — Está  com medo?  — Jungkook perguntou, acariciando a mão de Taehyung.

  — Pela primeira vez desde que nós chegamos aqui,  — ela olhou para o próprio reflexo no espelho do elevador— não, eu não estou com medo.

Jungkook sorriu, deixando um selinho nos lábios da namorada.

O caminho até o hospital foi silencioso, Seokjin não havia nem se incomodado de ligar o rádio ou puxar algum assunto, não queria deixar a sobrinha nervosa, sabia como funcionava pacientes um dia antes da cirurgia, eles poderiam ficar estranhos e até desistir de realizar a cirurgia.

Enquanto Sohyun ia com Seokjin terminar de ajeitar os papéis da internação de Taehyung, ela e Jungkook foram até o quarto do hospital que a garota iria ficar; ela teria de ficar no hospital por algum tempo depois da cirurgia para recuperação e ambos queriam que ela ficasse o mais confortável possível.

Jungkook e Sohyun voltaram para o hotel depois que o horário de visitas acabou, eles não poderiam passar a noite com Taehyung porque ela já era maior de idade, mas saíram do hospital com a promessa de que no dia seguinte, pela manhã, antes da cirurgia de Taehyung, eles estariam no hospital. 

  — Você vai ficar bem naquele quarto sozinho, Jungkook? — Sohyun perguntou enquanto procurava o cartão de seu quarto dentro de sua bolsa.

— Vou, Sohyun-noona, não precisa se preocupar.  — Jungkook disse com um sorriso fraco nos lábios e abriu a porta do quarto.

Parecia tudo muito vazio sem Taehyung ali, fazia apenas duas semanas que estavam naquele quarto, mas parecia que tinha sido uma vida. Jungkook abriu um sorriso ao sentir seu celular vibrar no bolso e ver que era uma mensagem de Taehyung.

"Esse hospital é muito solitário, queria que você estivesse aqui."

"Depois dessa cirurgia, você vai cansar de ver a minha cara feia todos os dias."

"Você está me pedindo em casamento, Jungkook? E, você não tem uma cara feia, aliás, nada seu é feio."

"Não, não foi um pedido de casamento, nos meus planos acontece de um jeito mais romântico."

"Me lembre de novo: por que eu namoro com você?"

"Porque você ama a minha imitação do Bob Esponja."

"Você é besta, Jungkook."
"Eu tenho algo para te pedir."

"O que foi, baby?"

"Ainda não largou esse baby?"

"Estou pensando em nunca largar."

"Como eu disse, você é besta."
"Mas, voltando ao meu pedido, eu quero que você esteja aqui quando eu acordar, Kook."

"Mas eu vou estar, Tae, amanhã às 7h da manhã eu estarei enchendo o saco das enfermeiras do hospital com meu inglês horrível para elas deixarem que eu te veja."

"Você não pode ver, mas eu estou sorrindo agora.""
"Mas, não é sobre isso que eu estou falando, é sobre a cirurgia. Eu quero que você esteja aqui quando eu acordar."

"O meu sorriso vai ser a primeira coisa que você vai ver quando abrir os olhos."

.

Quando Jungkook e Sohyun chegaram ao hospital, as enfermeiras informaram a eles que Taehyung já havia sido levada para o centro cirúrgico, mas eles poderiam esperar por ela em seu quarto. E o tempo parecia que não passava, principalmente com os dois em silêncio dentro daquele quarto monótono e frio; 

  — Vou buscar um café, você quer alguma coisa, querido? — Sohyun disse quebrando o silêncio.

  — Não, eu estou bem.— Sohyun assentiu e saiu do quarto com sua carteira em mãos.

Jungkook suspirou fechando os olhos, ele mal tinha conseguido dormir à noite, parecia que era ele quem estava fazendo a cirurgia; não percebeu quando acabou pegando no sono naquela cadeira de plástico dura do hospital.

Não sabia quando tempo havia passado dormindo ali, mas quando Jungkook abriu os olhos, Sohyun não estava no quarto, mas Taehyung já estava na cama, adormecida, seus olhos se arregalaram, ele levantou da cadeira e pegou na mão da garota. Ela tinha um semblante calmo e um pouco pálido, mas suas mãos estavam quentes. 

E como havia prometido, quando Taehyung abriu seus olhos, o sorriso de Jungkook foi a primeira coisa que ela viu.


Notas Finais


Até uma próxima <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...