História Put On Fire - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Chaz Somers, Christian Beadles, Justin Bieber, Ryan Butler
Personagens Justin Bieber
Tags Fanfic Justin Bieber
Visualizações 24
Palavras 2.128
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


eu estava tão no tédio dessa madrugada que eu resolvi escrever mais um cap.
eu acho que ficou BEEEMMM grande mas ficou legalzinho eu espero.
Boa leirura =)

Capítulo 7 - Screw Up!


- Se você vai para lá, diga a Ruby que não vou. - eu disse, peguei meu celular e o desliguei para não receber chamada nenhuma dela.

- Certeza? É jantar de noivado da garota que parece ser sua melhor amiga.

Dei de ombros.

- Certeza - confirmei e voltei a minha tarefa de colocar os preços nos produtos.

Eu preferiria fazer companhia para mim e eu mesma do que ir. Não que eu esteja sendo infantil mas Ruby me desapontou, eu me preocupo com ela e achei que ela também se preocupava com si mesma, mas eu acho que não. Então se ela não se preocupa com si própria, eu não posso fazer nada. Eu agora vou me preocupar com euzinha aqui, e que se dane.

Olhei para Justin de relance e ele permanecia ali no mesmo lugar me olhando.

- Você vai querer alguma coisa? Se for, então busque e passe no caixa, eu não sou espelho. - esbravejei.

Eu me sinto incomodada horrores quando alguém me olha por mais de... três segundos.

Ele riu e andou até a mim, bem perto.

Bem perto mesmo.

Ele cheirava ao mesmo cheiro que eu levei para casa junto ao meu corpo quando acidentalmente dormimos na mesma cama, e posso dizer que ele é um homem bastante entorpecente.

- Você fica bastante... - me olhou de cima a baixo - Interessante com uniforme de trabalho. - ele falava praticamente aos sussurros.

Não conseguia abaixar a cabeça e então eu lembrei de como estava vestida. Camisa de "uniforme" do armazém, uma jardineira de short, o mesmo tênis que fui para a escola e meu cabelo trançado de lado. Eu estava um lixo, sem maquiagem alguma. Devia ser realmente interessante parecer uma mendiga.

Me afastei e ele riu.

Ele não parece mais o cara que me deu carona quando nos conhecemos, na verdade, ele parece ter múltiplas personalidades.

- Bom, eu preciso ir Anneliese. Espero te ver logo. - ele disse e eu podia jurar que ele estava me olhando maliciosamente.

Dei um tchauzinho.

Ele sumiu pelos corredores e só vi de relance quando ele saiu da loja.

Suspirei pesado.

É quase hora de acabar o expediente. Não vejo a hora de chegar em casa e finalmente descançar.

*****

A semana passou como um flash.

Ruby tentou me ligar freneticamente, assim como Christian, a semana toda. Mas se ela quisesse mesmo falar comigo, que viesse até a mim. Ela não deu as caras esses dias todos então não devo ser importante o suficiente.

Não posso deixar esse ano ser jogado por ralo abaixo. Eu prometi a mim mesma que quando deixasse Stratford eu iria viver os melhores anos da minha vida.

Alec já tinha ido embora, achou Los Angeles clichê demais para ele, então resolveu tentar Fallen, no Texas.

Assim que meu expediente acabou nessa bela sexta-feira, fui para casa como de costume, mas no caminho alguém me gritou:

- LYZZIE? - olhei para trás e era Isabelle gritando enquanto Thomas a acompanhava.

Parei e esperei que viessem até a mim.

- Que bom que te vimos, queria mesmo falar com você. Mal te vimos hoje na escola. - Izzy falava sorridente - Hoje vamos num racha. Eu nunca fui mas os garotos do nosso grupo - disse apontando para ela e Thomas - sempre vão, e dizem ser maneiro. - ela hesitou um pouco e parecia estar sem jeito de falar.

- O que a Izzy quer dizer é que ela vai ser a única menina e ela queria te chamar. Então, quer ir com a gente? - Thomas perguntou sendo direto.

Eu ouvi que rachas eram eventos perigosos mas eu precisava fazer amigos e essa era uma boa chance.

- É arriscado? - eu perguntei.

- Nunca aconteceu nada nos quais eu fui. - ele respondeu escapando da pergunta, mas não o pressionaria.

- Certo. Então vocês passam na minha casa para me chamar? Você podia se arrumar comigo Izzy. - falei.

Izzy bateu palmas com entusiasmo e concordou.

- Você só não vai no mesmo carro que vamos, já está lotado. Mas o Henryk com certeza tem espaço para te dar carona. Vou falar com ele. - Thomas explicou.

- Obrigada. - agradeci.

Fomos andando para o prédio. Um ano inteiro morando lá e nunca os vi.

Eles têm sido ótimos companheiros para mim. O grupo deles é enorme, cheio de garotos populares que são um colírio para os olhos e umas três garotas extremamente legais. Incluindo Izzy. Todos intercambistas.

Eu passo meu tempo com Izzy, Bryant e Thomas. São minha salvação.

Eu e Izzy fomos para meu apê - depois de Izzy ter passado no dela e pego suas coisas - e Thomas sumiu para o apartamento dele.

- Sua casa é tão meiga e organizada, eu não consigo essa proeza. - Izzy falou encantada assim que entramos.

Sorri de canto de boca e fomos para o quarto.

- Já sabe que roupa ir? - ela perguntou e eu neguei desesperada. Izzy riu.

Ela abriu meu guarda-roupa e examinou peça por peça no cabide.

Tirou as roupas que queria e jogou para mim.

- Você vai assim. - ela MANDOU.

Olhei para a roupa.

- Não está muito...

- Vadia? - ela completou e eu concordei a fazendo rir - Tem garota que vai de sutiã. Racha só frequenta pessoas perigosas, vadias se jogando por sexo e droga e adolescentes curiosos. Essa roupa está bastante santa. - ela explicou e quase desisti de ir.

- Perigoso em que medida? - perguntei.

- Traficantes, líder de gangues. É o que posso confirmar. Mas eles estão lá para se divertir longe da polícia. Relaxa, vai dar tudo certo. - ela tocou minha mão para me acalmar. Ela realmente parecia otimista.

Tomamos banho, colocamos nosso modelito e nos maquiamos - mas não deixei Izzy me maquiar demais, ela quase me afogou em sombra preta.

- Por favor, pelo menos passa esse batom. - ela indicou um batom vinho e eu o passei contragosto. Detesto muita maquiagem.

Me olhei no espelho e eu me senti pela primeira vez... Linda.

Não costumo me achar bonita mas eu estava o bastante.

Eu vestia uma blusa de alcinha preta bem levinha e colocada para dentro da saia preta de couro com um grande fecho na frente. Estava de salto-sandália fino. Eu estava, como diz Izzy, sexy.

- Não é justo você estar mais bonita que eu. - Isabelle choramingou, mas ela estava tão bonita quanto eu.

Coloquei um choker, passei meu perfume e em instantes estavamos saindo de casa.

- Os garotos vão me venerar por te levar comigo. Eles te acham bonita. Principalmente Henryk. - ela falou sorridente.

- Mas eu não sou. - eu retruquei sem jeito.

- Ah! Pode ter certeza que é. Você é sensual sem nem querer ser. Pode ter certeza que quando você come seu sanduíche na escola eles quase tem um orgasmo de tão sexy que você parece ser. Isak que me disse isso, e eu ri pra valer. - ela disse e eu a olhei espantada.

- Não é pra tanto. - insisti.

- Você que acha. Ainda por cima é humilde. - Izzy falou e riu.

Revirei os olhos e chegamos ao estacionamento do prédio.

Três carros. 

Eu quase tive um troço quando vi o garoto que me beijou na lavanderia.

- Está vendo? Estão todos babando em você. - Izzy cochichou no meu ouvido.

Todos me olhavam e pareciam impressionados. Odeio isso. Odeio chamar a atenção.

- Vão ficar aí paradas ou vão vir logo. Quero chegar lá antes da primeira corrida. - Bryant gritou, já que estava longe.

Izzy me puxou pelo braço e paramos de frente ao garoto da lavanderia que sorriu para mim.

- Esse é Henryk, sua carona. Nos encontramos lá. - Izzy falou, mandou um beijo no ar e foi correndo para o carro de Bryant.

Henryk, ou senhor lavanderia, abriu a porta do carona.

- Entre! - falou educadamente e eu entrei no lindo Honda.

Ele entrou no lado do motorista logo em seguida.

- Você está muito bonita Anneliese. - ele disse me olhando por inteiro.

- Obrigada. - agradeci quase derretendo.

Saímos da garagem e só aí percebi algo.

- Só vamos nós dois? - perguntei.

- Sim, não gosto muito de dar carona. - ele falou simples.

Então por que diabos está me levando?

Fomos seguindo os outros carros e comecei a suar frio quando entramos numa estrada de terra. Eu poderia estar sendo levada para ser estuprada. Onde eu estava com a cabeça quando decidi vir nessa droga?

Henryk deve ter percebido minha inquietação porque logo me "acalmou" :

- Relaxa. Vai ser tranquilo.

Ao que ele se referia? Ao estupro a caminho do falso racha? Ou um verdadeiro racha sem estupro?

Eu não sei.

Comecei a ouvir uma música alta e logo a frente vários carros. É. Oficialmente um racha. Sem estupro.

Vários carros de som com música altíssima tocava. Garotas em cima dos carros, dançando loucamente sem medo da calcinha aparecendo. Era muita fumaça de maconha, pessoas cheirando drogas no capô do carro, bebendo como se não houvesse amanhã.

Eu espero que nenhum motorista de racha esteja bêbado. E espero que aqui tenha pelo menos água.

Os gatotos pareciam conhecer as pessoas ali, então assim que desci do carro, eu e Izzy sentamos no capô do carro de Bryant observando o movimento. Izzy sem perca de tempo ja estava com uma garrafa de "sei lá o que" nas mãos.

- Quer? - me ofereceu.

- O que é? - perguntei.

- Ah! Sei lá. Acho que os meninos misturaram algumas coisas aqui, só estou bebendo. - ela respondeu e fiquei assustada. Jamais beberia algo que não conheço.

- Não bebo bebidas alcoólicas. - respondi e foi a hora dela de ficar assustada.

Eu sou tão estranha assim por não beber?

Um carinha passou por nós duas e fez um jesto de mão chamando Izzy. E eu não acredito que ela foi, tive que rir mentalmente. Ela é louca. E me deixou sozinha. Por que os meninos foram se espalhar?

Enquanto observava Izzy e o bonitão se pegarem freneticamente na minha frente eu quase caí no chão quando vi Chaz me olhar de cenho franzido. O que ele está fazendo aqui? E por que está apontando na minha direção? 

Desci do capô e tentei me esconder atrás de alguns carros. Mas um homem - que não era feio mas eu não o queria - me pressionou contra seu carro, pronto para me beijar a força.

Santo Deus.

- Larga a menina Dereck. - ouvi alguém dizer e imediatamente o cara me largou como se tivesse medo de quem havia dado a ordem. E quando eu vi de quem veio a ordem, também tive medo.

Ele me puxou para fora dali, contra minha vontade, e saiu me carregando até os garotos.

Justin é um porre.

- Lyzzie? - Ryan falou chocado. - Achei que Chaz tinha comido maconha.

- É você mesmo? - Nolan perguntou fazendo a mesma cara de Ryan, e me tocou para ver se eu era real.

- Não é ela não, é um holograma. - Justin respondeu grosseiramente por mim.

Me puxou um pouco mais para longe dos garotos e me pôs de costas para o carro que devia ser o dele.

E que carro.

- Você é pertubada ou o quê? - ele perguntou furioso.

- Pelo fato do quê? - perguntei.

Ele me olhou incrédulo mas não entendi seu ponto de vista.

- Pelo fato de vir num racha sozinha. É perigoso garota. Se eu não tivesse ido até você, só Deus sabe o que te aconteceria. - explodiu.

Por que ele está tão nervosinho? Até parece que devo satisfação. Me viu umas cinco vezes na vida e vêm com essa?

- Olha, primeiramente quero dizer que agradeço sua preocupação Bieber, mas eu não estou sozinha. - eu disse calmamente mas louca para chorar, admito. Ainda estava com a perna bamba depois do meu quase beijo forçado.

- Então por que estava andando sem ninguém? Aqui é local de vadias, Anneliese. E tenho certeza de que você não é. - ele disse me olhando seriamente no fundo dos meus olhos parecendo bastante sincero - Você é... Você está bonita demais para seu próprio bem. Acho melhor você ir embora. Aqui não é lugar para alguém como você e da sua idade.

Eu controlei ao máximo para não corar mas não sei se consegui.

O olhei extasiada mas sem resposta.

Eu vi Izzy me achar com o olhar e vir até a mim, mas foi impedida assim que algo que eu temia aconteceu.

Ouvimos barulho de tiro.

Ah! Merda!

- Era só o que me faltava. Vamo vazar daqui dudes! - Chaz gritou e eu fiquei desesperada.

Como vou achar Henryk.

Justin abriu a porta do carro.

- Entra Anneliese. Rápido. - ele disse e tirando uma arma da cintura, atirou num cara que atirava contra nós. E foi certeiro mas assustador.

- Entra porra! - Justin gritou e eu entrei. Logo em seguida ele fez o mesmo.

O carro foi alvo de muito tiro mas parecia ser blindado.

Caramba, onde eu me meti?


Notas Finais


https://goo.gl/images/PGCsB9
esse link é da roupa, repito, ROUPA, da Lyzzie.
A mulher que está com a roupa no corpo não tem NADA A VER com a pequena Anneliese.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...