História Quando me perdi, você apareceu... - Capítulo 39


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cúmplices de um Resgate
Personagens André Alencar, Benjamin, Dóris Jardim, Felipe Vaz, Helena Agnes, Isabela Junqueira, Joaquim Vaz, Julia Vaz, Manuela Agnes, Marina Lopes, Mateus Jardim, Omar Ferraz, Otávio Neto, Pedro Cavichioli, Priscila Meneses, Rebeca Agnes, Sabrina, Téo Cavichioli
Tags Cumplices De Um Resgate, Isabela, Judre, Mabrina, Majo, Manuela, Prijamin, Teo, Teobela
Exibições 191
Palavras 1.840
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Escolar, Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Não consegui postar nesse sábado, por isso estou postando bem mais cedo no Domingo, me desculpa gente, aconteceram uns imprevistos =(

Capítulo 39 - No momento em que quis ficar junto de ti


Fanfic / Fanfiction Quando me perdi, você apareceu... - Capítulo 39 - No momento em que quis ficar junto de ti

-------------No ensaio da C1R-------------

 

POV Isabela ON

 

Eu estava pronta para o ensaio. Hoje minha irmã tinha ficado no vilarejo para conversar com o Téo sobre a nossa briga. Eu estava evitando pensar nesse assunto, agora tinha que me concentrar em cantar, pra poder cantar direito!

Quando Felipe chegou com a notícia que o Bira ia demorar pois estava preso no trânsito, eu decidi que já era hora de acabar com o climão que se instalava entre mim e a Júlia. A gente tinha brigado na festinha que fizemos no vilarejo esses dias. 

Eu não dava a mínima, só que isso estava começando a prejudicar a banda.

Decidi ir até ela.

“Que foi?” Júlia olhou nos meus olhos.

“Acho que a gente precisa conversar.” Eu já tava desanimada e de cabeça quente, um problema a mais durante o ensaio não ajudaria, então era a hora de conversar com a Júlia e fazer as pazes com ela.

“Também acho.” Júlia disse.

“Eu e a Júlia vamos conversar ali fora, se o Bira chegar me chame.” Disse pro Joaquim. Ele assentiu com a cabeça.

Sai ao lado dela até o pátio da gravadora.

“E então, o que ia dizer?” Júlia me encarava. Confesso que toda essa pose de durona dela me dava vontade de provocar e iniciar uma nova briga, mas na hora eu consegui me controlar.

“Escuta, Júlia, sei que pode parecer forçado, mas foi mal pelo que aconteceu aquela noite lá no vilarejo.”

“Por que resolveu falar nisso comigo?” Ela ainda estava na defensiva.

“Ué, você acha que eu gosto de estar de mal com metade das pessoas que conheço? Uma hora cansa.”

“Não adianta pedir desculpas e continuar no erro.”

Nessa hora o que eu queria era mandar a Júlia se ferrar e abrir a boca pra xingá-la, só que no estado de abatimento que eu tava, a única coisa que consegui responder foi “Tá... Com o que em especial você ficou brava? Com o jeito que eu tratei o Felipe?”

“Não, eu sei que ele provoca. O problema foi outro.”

“Então abre o bico. Qual foi o problema, garota?” Eu realmente não entendia por que ela estava tão chateada comigo de um tempo pra cá.

“O André.”

Ah, não, de novo essa história! “O André? O que eu tenho a ver com o André?”

“Você sabe muito bem, Isabela!”

“Ahhhhhh...” Eu carreguei minha voz de ironia “Então alguém ta apaixonada pelo André e não gostou muito de saber que ele tava de olho em mim.”

“Isa!” Júlia exclamou.

“Calma, fofa, não se preocupa com isso que o André e eu não tivemos e nem NUNCA vamos ter nada mais do que amizade.”

“Pra você, sim! Mas pra ele... Ele ficou obcecado!”

“Isso já não é comigo...” Eu disse. “Mas então era esse o motivo? Então ta tudo resolvido já?”

“Pra mim não, o André virou um imaturo e ta dando mais importância pra você do que pra amizade que ele tem comigo e...”

Eu interrompi ela “Calma lá, calma lá! Eu também não posso controlar o André!”

“Então por quê continua dando esperanças pra ele? Ele merece levar um fora e tanto! Você tem namorado, Isabela!”

Então me lembrei de todo o lance com o Téo “Nessas alturas nem sei mais se tenho...” Deixei escapar, meio abatida.

“Han?”

“Nada, não.” Desconversei. “Mas não se preocupa, o André já nem tenta falar mais comigo.”

“Vou acreditar em você. E me promete, não conta nada sobre os meu sentimentos pra ninguém.”

“E eu tenho cara de fofoqueira?” Retruquei.

“Vou acreditar em você. Brigada, Isabela.” 

“Não foi nada, não.” Respondi, e então voltamos pra sala de ensaio.

 

O Bira ainda não tinha chegado, íamos ter que ficar esperando pra poder ensaiar de uma vez.

Benjamin afinava a sua guitarra, André estava em um canto sozinha, e a Priscila em volta do Benjamin, os dois estavam bem próximos nos últimos dias. E agora ela não estava nem ai pro Joaquim. Ainda bem que se tocou que o meu cunhado não ligava muito pra ela.

Joaquim se aproximou de mim e de Júlia assim que passamos pela porta.

“E aí, garotas.” Ele disse “Fizeram as pazes?”

“Éé... Mais ou menos isso.” Respondi.

Júlia fez uma cara estranha “Cadê o Felipe?”

“Ah, ta lá falando com a Letícia.” Joaquim me chamou. “Vem cá, Isa.”

“Fala.” Eu fui até ele.

“Sei que é chato ficar perguntando as coisas pra você, mas agora pode me dizer por que a Manu não veio?”

“Ela ficou conversando com o Téo hoje.”

“Com o Téo?” Joaquim não entendeu. “Mas por quê?”

“Parece que ele não ta muito bem.” Eu disse sem explicar o que tinha acontecido na verdade.

“Mas... Você é a namorada dele, não é?”

E agora? Eu ainda era a namorada ou não era? Oficialmente não terminamos. 

“A Manuela é a melhor amiga, Joaquim, agora me dá um tempo com isso! Só fala em Manuela!” Eu levantei os braços, exagerada.

“Foi mal. Mas e aí, o que você tem? Tá chateada por quê?”

“Não quero falar sobre. É sério.”

“Então tá, né. Mas se precisar de uma força, pode me chamar, que eu e a Júlia estamos aí.”

“Valeu, Joca.” Eu dei um sorriso discreto. E então fui até a Júlia. Notei que ela observava o André.

“Ele ta bem quieto hoje, né?” Falei, disfarçando, pra Júlia.

“Nos últimos dias tem sido assim.” Júlia sussurrou. “Desde que eu disse na cara dele o que ele precisava ouvir.”

“Bem estranho mesmo. Ele nem veio falar comigo direito.” Falei. “E por que você não vai puxar um papo? Isso ajudaria.”

“Ele não merece!” Júlia ainda parecia muito magoada com ele.

De certa forma eu a entendo.

Téo também cometeu um erro comigo. Ele aceitou um beijo de Sabrina. Claro que não sou louca de pensar que o meu gatinho gostou disso, eu sei que ele me ama, só que não consigo conviver com o fato de que a Sabrina beijou meu namorado, e que ele é bonzinho demais pra não brigar com ela, era o mínimo que eu esperava dele!

Só que agora a gente tinha dado um tempo. Por minha iniciativa. Eu nem quis muita conversa com ele. Ao vê-lo eu já me lembrava do beijo dele com a Sabrina e a raiva tomava conta.

Será que agora, no vilarejo, a Manuela ta dizendo pra ele como eu fiquei mal depois de ontem? Será que ela ta tentando me ajudar? Vai, Manu, faz alguma coisa pela sua irmãzinha querida! Não deixa o meu gatinho me esquecer!

 

Algum tempo depois, Bira finalmente chegou e então fomos ensaiar. Tocamos “Na hora H”, “Pra ver se cola”, “Oi, psiu”, e “Fugir Agora”, em que Priscila e Benjamin fizeram os vocais, já que eu não sabia essa música, e a Manuela não estava lá pra cantar com o Joaquim.

 

POV Isabela OFF

 

---------------No vilarejo, casa Cavichioli---------------

 

POV Manuela ON

 

Eu estava conversando com o Téo na casa dele. Seus pais já tinham voltado pro vilarejo, mas estavam na sorveteria e na sapataria, então a gente conseguia conversar com privacidade na sala.

Nunca tinha visto o meu amigo tão abatido desse jeito, Téo parecia desiludido.

“Você não podia ter faltado à aula, Téo, A Professora Flávia, o Mateus, todos ficaram muito preocupados também.” Eu disse.

“Não ia adiantar, eu não ia aprender nada, Manu.”

“Você não pode se abater assim, a Isa é desse jeito mesmo, eu já me acostumei, e vocês, como namorados, também deveriam entender um ao outro.”

“Não é tão fácil assim. É complicado ver a Isa daquele jeito e ouvir tudo, sem poder se explicar, ela nem quis saber o meu lado...”

“Eu sei que ela sempre quer tudo do jeitinho dela, mas eu garanto que ela vai voltar atrás, Téo! Ela vai querer conversar e ouvir o que você tem a dizer.” Eu segurei na mão dele. “Não perca as esperanças!”

“Eu acho que ela quis terminar tudo, Manu. A Isa já deve estar tentando me esquecer.”

“Não, ela nunca faria isso! Eu conheço minha irmã, ela é doidinha por você desde a primeira vez que te viu, Téo. Ela ta sofrendo tanto bastante, só que quer parecer mais durona.”

“E tudo isso por culpa da Sabrina, eu não devia ter conversado com ela...” Téo baixou a cabeça.

Eu segurei firme as mãos dele “Não! Você não sabia que a Sabrina ia fazer tudo que ela fez... Só que eu acho que sei o que a Isa quer de você.”

“O quê?”

“Ela sente que você é indiferente pro relacionamento, que não se importa se a Sabrina te beijar, que isso é só um detalhe, e a Isa dá muita importância pra isso. Ela queria que você demonstrasse que ficou muito chateado com a Sabrina.”

“Mas a Isa ta errada! Eu fiquei muito chateado na hora, é claro que eu não gostei daquilo! Mas o que ela queria? Que eu agredisse a coitada da Sabrina, que tava sensível?”

“É isso que você precisa dizer pra minha irmã, Téo. Só que na cabecinha dela, ela queria que você jogasse a Sabrina do coreto abaixo, ela vai ter que entender que isso é impossível, entende?” Eu brinquei.

“Eu entendo, mas então, você acha que ela quer que eu seja um pouco menos sensível?”

“Não sei... Esse é um dos motivos pra ela gostar tanto de você, por ser carinhoso, amoroso, bondoso...”

Téo ficou vermelho com meus elogios “Eu não sei o que fazer, Manu! Não sei mais! Eu não sei se ia conseguir seguir em frente sem a Isa.”

“Nem pensa nisso!” Eu vi ele derramar uma lágrima e então o abracei. “Eu vou te ajudar, Téo! Vou tentar conversar com a minha irmã.”

“Por favor, Manu, faz isso por mim, tenta convencer ela a falar comigo...”

“Quando ela estiver com a cabeça mais fria eu vou dizer que você quer falar com ela. Mas até lá, tenta ficar bem, vocês não vão terminar, não se depender de mim!”

“Você é a melhor amiga de todas, Manu...” Téo me deu um beijo na testa.

“Você também é o melhor!” Pelo menos eu consegui colocar um pequeno sorriso no rosto do Téo.

Então o Manteiguinha pulou no sofá com a gente “Manteiguinha, lindooo!” Eu abracei o nosso cachorrinho querido.

“Ele ta agitado hoje.” Téo disse.

“Ele também quer te animar, ué!” Falei, acariciando o Manteiguinha.

Passei o resto da tarde conversando com o Téo, até preparei um lanche pra ele. Também fiz ele prometer que não ia faltar a aula no dia seguinte.

Durante a noite, Isabela chegou do ensaio na cidade. Eu perguntei como foi e ela me respondeu todas as perguntas, até disse que o Joaquim sentiu a minha falta.

Só que quando toquei no assunto do Téo, ela disse que não queria falar sobre isso.

Talvez amanhã, depois de uma noite de sono, a Isa me escuta e a gente resolve isso de uma vez.

Eu ainda ia provar ser uma boa cupido dos meus dois lindos. TeoBela não pode acabar, não se depender de mim, Manuela Agnes!


Notas Finais


MIL DESCULPAS por não ter postado esse capítulo no sábado, aconteceram uns problemas de família. Por isso estou postando cedo no Domingo.

O próximo sai amanhã. Será que TeoBela se resolve? Ou a Isa vai continuar ignorando o Téo? E qual será a reação de Mateus ao saber que Sabrina beijou Téo?

Deixem seus comentários e opiniões, vamos bater os 300 comentários, uhuuuu!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...