História Quando Tudo Começou. - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fairy Tail
Personagens Aquarius, Aries, Bickslow, Bisca Connell, Cana Alberona, Câncer, Capricórnio, Carla (Charle), Droy, Elfman Strauss, Erza Scarlet, Evergreen, Freed Justine, Frosch, Gajeel Redfox, Gemini, Gildartz, Gray Fullbuster, Happy, Horologium, Jet, Jude Heartfilia, Juvia Lockser, Kinana, Laki Olietta, Laxus Dreyar, Layla Heartfilia, Lector, Levy McGarden, Lisanna Strauss, Loki, Lucy Heartfilia, Lyra, Macao Conbolt, Makarov Dreyar, Mirajane Strauss, Nab Lasaro, Natsu Dragneel, Nikora "Plue", Pantherlily, Personagens Originais, Rogue Cheney, Romeo Conbolt, Scorpio, Sting Eucliffe, Tauros, Virgo, Wendy Marvell, Yukino Aguria
Tags Fairy Tail Lucy Natsu Happy Espíritos Celestiais
Exibições 132
Palavras 1.737
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Famí­lia, Fantasia, Luta, Magia, Romance e Novela, Violência
Avisos: Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Estou de volta! Espero que gostem do capítulo, e hoje ele está bem grande pra vocês aproveitarem bastante. Obrigada a todos os comentários dos capítulos anteriores. Boa Leitura 😘

Capítulo 25 - Pesadelo ou Realidade?


Fanfic / Fanfiction Quando Tudo Começou. - Capítulo 25 - Pesadelo ou Realidade?

Uma bela garotinha loira de olhos castanhos como o chocolate, abriu as enormes portas do escritório e olhou em volta tentando decidir qual daqueles milhares de livros escolher, ela subiu no segundo andar, onde tinha mais livros e pegou um de uma princesa a sua favorita a Cinderela, assim que pegou o livro saiu correndo em direção da sala de estar onde encontrou sentada no sofá, sua bela mãe olhando um livro.
-Mamãe!-A garotinha chamou.-Lê esse aqui pra mim.
A loira maior fechou o livro e olhou sorrindo docemente para sua pequena filha.
-Leio sim, Lucy. Vem até aqui.
A pequena Lucy se aproximou de sua mãe e a entregou o livro, Layla abriu o livro e começou a ler cada palavra escrita no livro, a Lucy prestava atenção em cada palavra e começava em sua pequena cabeça imaginar as cenas.
-As irmãs da Cinderela são muito malvadas. -A Lucy falou.
-Tem razão.-A Layla falou.-As irmãs dela tinha inveja da Cinderela, por isso que fizeram tudo isso.
-Inveja não é uma coisa legal.
-Não é mesmo. Por isso, Lucy. Você tem que ser igual a Cinderela, boa e honesta.
-Eu vou mamãe, e também vou ser igual a você.
A Layla deu um sorriso e continuou a história. Mas do nada a Layla sumiu e a Lucy se espantou e começou a chamar a mãe, mas não recebia nem um sinal, até que viu em sua frente sua mãe sorrindo com um rosto pálido e muito fraca, deixando a Lucy assustada, ela se aproximou da cama em que a Layla estava deitada.
-Mamãe, o que aconteceu?!-A Lucy perguntou preocupada.
-Só estou um pouco doente. Mas não fique aflita desse jeito, quero que você sorria.
-Mas você está tão fraca.
-Eu tenho um presente pra você.
-Um presente? E qual é?
A Layla esticou o braço e abriu a gaveta e tirou de lá três chaves douradas, a Lucy olhou as chaves com os olhinhos brilhando.
-Essas aqui são minhas chaves do Zodíaco.-A Layla falou com um pequeno sorriso.- Elas são muito preciosas pra mim, então eu quero passar elas pra você.
-Pra mim? Mas por que?
-Eu sei que você vai cuidar muito bem delas, vai amar cada espírito.
-Eu vou sim.-A Lucy falou sorrindo.- Vou cuidar muito bem delas!
-Eu sei que vai.
A Layla deu as chaves na mão da Lucy e fechou os olhos e sorriu, a Lucy percebeu que sua mãe havia parado de respirar e começou a gritar desesperadamente e a chorar.
O cenário mudou novamente e a pequena Lucy apareceu de frente para a lápide escrita o nome Layla Heartfilia, as lágrimas caiam dos olhos da pequena loira que estava agarrada a saia da Spetto, que tentava ao máximo confortar a pequena. Jude o pai da Lucy não se encontrava ali e sim em seu escritório olhando tudo da janela, o escritório se encontrava todo bagunçado, os quadros quebrados no chão e os papéis rasgados em pedaços.
-Porque raios você teve que fazer isso, Layla?!-Jude falou irritado.-Gastou toda sua magia e a sua vida, com uma besteira dessas.
De frente para a lápide da Layla, a Lucy estava ajoelhada e colocando belas flores em cima da lápide.
-Mamãe. -A Lucy sussurrou.-Cuida de mim, de onde você estiver. Por favor.
-Lucy-sama.-A Spetto falou.-Vamos entrar, está ficando frio, a Senhorita vai acabar pegando um resfriado.
-Tá, eu só vou me despedir da minha mamãe.-A Lucy falou.-Tchau mamãe, cuida de mim.
A Lucy se levantou e deu a mão para a Spetto e as duas entraram dentro da mansão.
-O papai não foi no enterro da mamãe.-A Lucy falou baixinho.
-Jude-sama está muito ocupado, minha pequena.
-Mesmo assim, era a mamãe. A esposa dele. Não uma estranha.
-Não fique chateada, Lucy-sama, daqui a pouco ele vem ver a Layla-sama.
A Lucy não falou nada e foi andando até o seu quarto, sendo acompanhada pela Spetto.
Escuridão era isso que a pequena loira via em seu mundo sem a sua mãe, um mundo completo de escuridão sem cor, sem graça, sem sorrisos e risadas. Até que pode se ouvir uma risada malvada e perversa de trás das cortinas, a Lucy se virou e viu uma pessoa com o tamanho de uma criança, usando uma capa preta.
-Quem é você?-A Lucy perguntou.
-Quem sou eu? Ora, Loirinha eu sou o seu pior pesadelo.-A voz de uma menina lhe respondeu.-Aquele pesadelo assustador e horripilante, aquele pesadelo que em um futuro próximo te fará perder todos aqueles que ama.
-Por que você seria o meu pesadelo?
-Por que será eu, que irá matar todos os seus amigos, seu verdadeiro amor, só pra te fazer sofrer.
-Eu não tenho amigos. E nem um amor verdadeiro.-A Lucy falou baixinho e tristinha.
A menina se aproximou da cama da loira e se sentou na ponta da cama e ficou olhando pra loira.
-Você ainda não tem.-A menina falou.-Mas um dia terá e quando isso acontecer, você já está avisada que eu irei matar todas elas e você irá sofrer e o seu sofrimento será a minha felicidade.
-Você é muito malvada.
-Sou mesmo, mas você não vou nada.
A garotinha se levantou da cama e foi andando em direção da janela, mas antes de desaparecer ela olhou para a Lucy, que só pode ver os olhos azuis.
-Nos veremos de novo, Lucy Heartfilia. Espere até o seu maior sofrimento.
Dito essas palavras a menina desapareceu, deixando a Lucy na escuridão novamente, mas dessa vez a loira estava assustada com aquelas palavras, mesmo não entendendo direito o que aquelas palavras queriam dizer.
-Eu disse pra você parar de amizade com os empregados, Lucy!-Jude gritou para a Lucy.
A Lucy estava de frente para o seu pai, com a cabeça abaixada enquanto seu pai gritava com ela.
-M-Mas papai, qual é o problema? A mamãe também conversava com os...
-Não meta Layla nessa conversa! Sua mãe não está mais aqui, então trate de se comportar! E seguir minhas ordens!
-Eu só estava ajudando o Aed-san com, o bolo.-A Lucy falou baixinho.
-Esse trabalho não te pertence! Eu quero que fique longe de qualquer ajuda doméstica! Estamos entendidos?!
-Sim, papai.
-Ótimo. Agora saia do meu escritório, tenho muito no que trabalhar em vez de cuidar de uma criança malcriada.
-Com licença, papai.
A Lucy se virou e foi andando até a porta com os olhinhos cheios de lágrimas, assim que saiu do escritório, lágrimas caiam dos olhinhos da loira que até soluçava. Spetto que passou ali perto, viu a Lucy chorando e se aproximou da pequena e deu um abraço na mesma.
-O que houve, Lucy-sama?
-Meu... papai ele... pediu para me afastar de vocês... meus únicos amigos.-A Lucy falava soluçando.
-Tudo bem, vai ficar tudo bem.-A Spetto falou tentando acalmar a Lucy.
-Quero minha mamãe de volta, ela nunca faria algo assim.
A Spetto nada falou, só ficou ali abraçando a pequena, até que a própria se acalmou e voltou para o seu quarto, onde ficou trancada durante longos dias, na própria escuridão na qual não pretendia sair.
-Eu falei que voltaria, Lucy.-Uma voz ecoou no local.
A Lucy ergueu a cabeça e viu uma garota de longos cabelos pretos e de olhos azuis, mas não conseguia ver seu rosto, já que estava presa em um local completamente escuro.
-E quem seria você, mesmo?-A loira perguntou.
-Não se lembra de mim? Eu sei que era uma criança, mas uma ameaça daquela não é tão difícil de se esquecer.
Logo veio na memória da Lucy, a noite em que uma menina misteriosa apareceu em seu quarto e fez a ameaça mais assustadora há Lucy.
-Eu já te disse que não tenho amigos e nem um amor verdadeiro.-A Lucy falou séria.
-Não minta pra mim, Loirinha. Eu sei muito bem, que você tem amigos e um amor verdadeiro.
-Não. Eu não tenho!
-Tem certeza? Então quer dizer que a Levy, a Wendy, Erza, Mirajane, Gageel, Gray, Lisanna, Elfman, Cana, Happy, Charles e até mesmo os tigres, não são  seus amigos?
A Lucy nada respondeu e logo ouviu uma risada sinistra da escuridão.
-Foi o que pensei.
-Mesmo assim, eu não tenho um amor verdadeiro.
-Claro que tem, bobinha. O Natsu não é o seu amor verdadeiro?
-Ele é apenas o meu amigo.
-Nada disso. Eu sei muito bem que você sabe, que Natsu Dragneel é seu amor verdadeiro. Mas não se preocupe, eu vou matar ele bem rápido para não sentir dor.
A garota riu novamente e se afastou deixando a Lucy assustada.
Um choro podia ser ouvido em um beco, o Natsu se aproximou da loira e começou a fazer carinho em seu rosto, tentando secar suas lágrimas.
-O que aconteceu, Luce?
-Eu não quero te perder.-A Lucy falou entre lágrimas.-Não quero perder ninguém.
-Você não vai me perder, eu juro. Eu vou estar aqui pra te proteger.
-Natsu...
A Lucy abraçou o Natsu que retribuiu, as lágrimas não paravam de cair e o Natsu fazia de tudo para acalmar a Lucy, não gostava de ver ela chorar. O Natsu soltou a Lucy e começou a cair, a Lucy estranhou e segurou o Natsu e viu o mesmo sangrando muito.
-Natsu.-A Lucy falou chorando.- Para de brincadeira. Ei, Natsu!
O Natsu nada respondeu, a Lucy percebeu que o rosado havia parado de respirar e isso a assustou, ela começou a chorar desesperadamente.
-Natsu, acorda. Por favor. Natsu!-A Lucy gritou.
                                 *******
A Lucy acordou com os olhos cheios de lágrimas e suando, havia acordado depois de ter tido um pesadelo com o Natsu morrendo em seus braços.
-O que aconteceu, Luce?-O Natsu perguntou sonolento.
A Lucy olhou pro Natsu e viu o mesmo deitado no colchão junto do Happy, a Lucy foi até ele e o abraçou, deixando o mesmo muito surpreso, mas retribuiu pois sentiu que sua amiga estava mal.
-Natsu, não me deixa. -A Lucy falou baixinho.- Isso iria doer de mais.
-Eu não vou te deixar, mas por que está falando isso?
-Eu tive um pesadelo, horrível.
-Não se preocupa, eu vou estar aqui. Foi só um pesadelo. Agora volta a dormir.
-Não quero dormir sozinha, estou com medo.
-Tudo bem. Eu e o Happy dormimos com você. Não é, Happy?
-Claro.-O gato azul respondeu.-Não vamos deixar você ter outro pesadelo, Luxy.
-Obrigada.-A Lucy sorriu.
O Natsu e o Happy se aconchegaram na cama junto da Lucy e logo os três pegaram no sono e a Lucy não teve mais nenhum pesadelo.


Notas Finais


Até o próximo capítulo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...