História Quando você menos esperar - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Eliane Giardini
Exibições 97
Palavras 1.705
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Espero que gostem!
Morgana (Susana Vieira)-Só irá aparecer neste capítulo.
Vera (Nicette Bruno)- Aparecerá só mais em alguns capítulos.

Capítulo 3 - Flashback o final


Meu pai estava completamente nu, apenas com um pedaço do lençol cobrindo seu membro. Havia uma mulher ao seu lado, ela me pareceu um pouco familiar, mas eu não consegui ver o seu rosto, porque ela estava deitada de bruços com seu rosto escondido no travesseiro, ela também estava completamente nua.

Minha respiração começou acelerar, a raiva que estava se aflorando dentro de mim não tinha mais como ser contida, então eu deixei que ela saísse.

MT- O QUE SIGNIFICA ISSO PAI? –Eu estava em choque com a cena que estava presenciando, não podia acreditar. Ele acordou no mesmo instante em que ouviu minha voz.

César- Tereza? –Ele falou me parecendo estar confuso, recém acordando de uma ressaca daquelas, mas eu estava cega de raiva e ódio que não consegui acreditar no seu teatrinho. –O que aconteceu?

MT- EU QUE TE FAÇO ESSA PERGUNTA, QUE PALHAÇADA É ESSA? – Gritei com ele o mais alto possível.

Meu pai pareceu estar recobrando os sentidos, tentando entender aquela situação. Ele olhou para mim, podia ver o ódio em meus olhos, então ele analisou a si próprio, viu que estava nu. Seus olhos voltaram novamente a me encarar, ele não entendeu porque estava sem suas roupas, ele olhou para o seu lado esquerdo e viu que tinha uma mulher ao seu lado, no mesmo instante ele deu um pulo da cama, me parecendo estar confuso não acreditando naquilo. Ele pôs a mão direita em sua boca e com a outra mão segurava o lençol.

César- Tereza. –Ele falou tentando se aproximar de mim, mas eu me afastei rapidamente. –Eu juro minha filha, que eu não sei o que aconteceu aqui. Eu não posso ter feito isso com a sua mãe. –Ele falava com lagrimas nos olhos.

A mulher que estava deitada na cama, já havia levantado, estava vestindo suas roupas de costas para nós, quando ela se virou eu não acreditei que era ela. A mulher que um dia se disse amiga de minha mãe, hoje a apunhalou pelas costas.

Morgana- Meu querido, não esta claro o que aconteceu aqui?! –Ela falou com um sorriso muito cínico no rosto. – Nós transamos! –Ela disse essas palavras toda contente, como se aquilo fosse um tipo de prêmio para ela. As palavras dela fizeram meu sangue ferver mais ainda.

MT- SUA VAGABUNDA, DESGRAÇADA, VADIA! –Gritei essas palavras quando já estava em cima dela, consegui desferir três tapas em sua cara.

César- Chega Maria Tereza! –Ele falou alto me segurando pelos dois braços, assim conseguindo me tirar de cima dela.

MT- ME SOLTA SEU DESGRAÇAD, COMO VOCÊ PODE FAZER ISSO COM A MINHA MÃE? EU NUNCA MAIS QUERO OLHAR NA SUA CARA! –Consegui me soltar de suas mãos, então lhe dei um tapa na cara, e sai correndo o deixando sem reação.

Fim do flashback

Todas as vezes que meus pensamentos voltavam para aquele dia, eu deixa que algumas lagrimas caíssem, porque depois que sai do quarto, eu e meu pai tivemos uma terrível discussão, aquilo me deixou muito mal, foi nesse momento que eu decidi aceitar o convite que minha tia Vera tinha me feito, de ir morar com ela em Londres.

Depois de chorar bastante eu adormeci. Fui acordada pelos dedos delicados de minha tia, que acariciavam meu rosto. Já era noite, eu e titia fomos jantar fora. Fomos em um restaurante muito bom, que tinha perto de nosso apartamento, nós conversamos durante horas, contei para ela que minha mãe queria que eu voltasse para o Rio de Janeiro. Pagamos a conta do restaurante e fomos embora. Eu já tinha tomado a minha decisão em relação a minha volta ao Brasil, mas queria a opinião de minha tia.

MT- Então tia, o que a senhora acha? –Dei um leve sorriso.

Vera- Olha minha querida, na minha sincera opinião, eu acho que você deveria voltar sabe, ficar cara a cara com ele novamente. –Ela falou com um tom de voz um pouco sério.

MT- A senhora vai comigo, não vai? –Perguntei esperançosa.

Vera- É claro que eu vou! –Ela me deu um abraço e beijou minha testa. –Você avisou sua mãe que estamos voltando? –Ela perguntou, enquanto estávamos no elevador.

MT- Não, eu vou fazer uma surpresa, mas vou avisar só para a Magnólia que estamos indo.

Antes de dormir liguei para a Magnólia, para avisar que na semana seguinte estaria voltando para o Rio, ela ficou muito feliz com a notícia, pedi que ela não contasse a ninguém que eu estava voltando, nem para os seus pais. Sabia que Magnólia já estava morando sozinha, então perguntei se ela poderia hospedar eu e minha tia em sua casa, ela disse que iria adorar ter nós duas lá, fazendo companhia para ela por alguns dias.

UMA SEMANA DEPOIS

Não consegui dormir direito. Dormia e acordava o tempo inteiro. Meus pensamentos estavam naquela viagem, o que eu diria para ele quando o visse, qual seria a minha reação? São perguntas que eu ainda não obtenho resposta. Só terei as respostas quando ficar frente a frente com ele. 

Fiquei mais alguns minutos sentada na cama, olhei para as minhas malas que estavam em cima do sofá, pensei se era isso mesmo que eu queria fazer, disse para mim mesma em pensamento que SIM, eu tinha que fazer aquilo, não conseguiria fugir para sempre dos meus sentimentos de filha.

Minha tia já havia acordado, tinha arrumado o café para nós tomarmos antes de viajar. Então fui tomar um banho morno e fiz minha higiene pessoal.

MT- Que cheirinho bom tia!- Falei dando um beijo em sua bochecha.

Vera- Está preparada? - Ela perguntou esquento me alcançava a xícara de café.

MT- Sinceramente? - Ela balançou a cabeça em sinal de afirmação. -Não, nem um pouquinho. - Nós duas começam os a rir.

Terminamos de tomar o café, logo em seguida chamamos um táxi para nos levar até o aeroporto. Estávamos sentadas na área de embarque só esperando nosso vôo ser chamado. Se passaram 30 minutos e nosso vôo foi chamada, antes de ir me lembrei que tinha que avisar a Magnólia que já está embarcando, então liguei para ela e avisei que já estava indo, ela ficou muito feliz.

Depois de 11 horas de vôo chegamos no Rio de Janeiro, suspirei aliviada não aguentava mais ficar dentro daquele avião. Liguei novamente para Magnólia para avisar que já tinhamos chegado. 20 minutos depois eu a avistei fui em sua direção correndo, parecia uma louca, nós nos abraçamos o mais forte que podíamos, a saudade era muito grande. Fomos para a casa da Mag, jantamos e depois minha tia se retirou para ir dormir, estava cansada por causa da viagem. Eu e Mag ainda ficamos mais um pouco na sala conversando.

Mag- Então o que você vai fazer amanhã?- fiquei olhando para ela por alguns segundos.

MT- Vou ir falar com ele amanhã, mas primeiro vou ir ver minha mãe, minha irmã e meu irmão. Eu ligue hoje para casa e ainda bem que foi a dona Cida que atendeu, disse para ela que estava voltando para casa, ela ficou muito feliz, pedi para ela me avisar quando o Dr.César sair de casa.

Mag- Eu só te peço uma coisa Tereza - olhei para ela, fiquei esperando ela terminar a frase. - não briguei com o seu pai, a saúde dele não é mais a mesma, depois que você foi embora, ele teve um infarto e quase morreu de tristeza. - fique olhando incrédula para ela, eu não sabia tinha acontecido tudo isso com meu pai.

MT- Mag como ninguém me contou isso?- 

Mag- O seu pai que pedio para não te contar, ele não queria que você voltasse por pena dele, por isso ele pediu para não contar. 

Nos duas subimos, a Mag foi dormir e eu fui ainda tomar um banho, precisava lavar a minha alma, tirei minha roupa e entrei no box, liguei o chuveiro e deixei a água morna escorrer pelo meu corpo, comecei a lembrar dos bons momentos que tive com meu pai, então  senti que iria começar a chorar, desta vez não impedi que as lágrimas descessem, deixei que elas lavassem meu rosto e minha alma.

No dia seguinte fui a primeira a acordar. Tomei meu café, fiquei esperando a ligação da dona Cida, logo em seguida o telefone tocou.

 

MT- Dona Cida já estava na hora! -Falei rindo.

 

CIDA- Desculpa querida é que o Dr.César só saiu agora. -Ela falava um pouco baixinho, não queria que ninguém na casa ouvisse a conversa.

 

MT- Tá bom. Muito obrigado, mais tarde eu passo aí para ver minha mãe, minha irmã e meu irmão. Beijos tchau!

 

Minha tia já havia acordado, esperei ela tomar seu café. Depois fomos para o Hospital Bittencourt. Chegamos ao hospital, fomos direto para o andar da presidência, fiquei impressionada dona Carmen continua sendo a secretária do Dr.César. Ela ficou espantada quando me viu depois de sete anos, se levantou de sua cadeira e me cumprimentou com dois beijos na bochecha, depois cumprimentou minha tia também.

 

Vera- Carmem  meu irmão está muito ocupado?

 

Carmen- Não muito dona Vera, ele está atendendo dois pacientes lá em baixo, mas já vai voltar. -Ela falou educadamente comigo e com minha tia.

 

Vera- Diga para ele que eu estou o  esperando na sala dele, mas não diga que a Maria Tereza está junto, queremos fazer uma surpresa. -Carmen fez um sinal de afirmação com a cabeça.

Eu a minha tia ficamos esperando ele em sua sala, estava do mesmo jeito que eu lembrava, cheia de fotos e prêmios.

Carmen- Dr.César o senhor tem visita esperando na sua sala. -Falou Carmen toda sorridente.

César- Quem é a visita? -Perguntou curioso.

Carmen- Sua irmã, dona Vera. -Um sorriso esperançoso se formou no rosto do Dr.César.

Eu estava sentada em sua cadeira de costas para a porta, quando ele entrou. Cumprimentou minha tia.

César- Vera minha irmã querida, o que faz aqui? -Ele falou abraçando minha tia.

Vera- Meu querido vim-lhe trazer uma surpresa - Falou apontando para a cadeira em que eu estava sentada. -Minha querida! 

Eu me virei para sua frente, consegui ver o misto de sentimentos que seu rosto demonstrava.

MT- Oi pai. -Falei olhando fixadamente para seus olhos, que estavam cheios de água.

 


Notas Finais


obrigado por lerem!!! :)


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...