História Quarterbacks - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fifth Harmony
Personagens Ally Brooke, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Lauren Jauregui, Normani Hamilton
Tags Ally Brooke, Camila Cabello, Camren, Camren G!p, Dinah Jane, Fifth Harmony, Lauren G!p, Lauren Jauregui, Normani Kordei
Exibições 794
Palavras 1.589
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Esporte, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 17 - Capítulo 15.


Tinha chovido a semana toda e isso piorou meu humor. Não porque eu não gostava da chuva, para ser honesta eu amo, e chuva é muito rara aqui, mas não aguento mais, não vejo Camila desde domingo, estou enlouquecendo e mensagens de texto não são suficientes, e nem chamadas. Minhas amigas provavelmente me chamariam para sair com elas, mas eu tinha concordado em me encontrar  com Camila, e que viria em apenas 10 minutos, já que eu ainda tinha que terminar o trbalho.

Meu celular vibrou no bolso do jeans, e quando ouvi a musica o atendi rapidamente. Na tela apareceu o nome de Dinah, e como eu imaginei, aqui estavam chamando.

- O que você fará hoje? -  Ela perguntou. - Sai com a gente.

Por que não foi a Mani que me ligou? Ou a Ally. Dinah era a pessoa mais insistente do planeta, eu nem tinha pensado em uma boa desculpa para negar o convite, eu não podia simplesmente dizer "Vou sair com a Camila" porque ela iria me encher de perguntas.

- Segunda-feira eu tenho prova. - Eu respondi a primeira coisa que passou pela minha cabeça.

- Espere.

Me deixou e vozes no fundo foram ouvidas. Certamente elas estavam juntas.

Uma Camila completamente molhada apareceu atrás da porta de vidro, e eu não pude deixar de sorrir para a imagem. Ela parecia um pouco irritada e quando viu a minha expressão divertida diante de sua imagem me lançou um olhar intimidador, que não funcionou. Seu cabelo estava desgrenhado e parte dele sobre a testa.

- Esta muito molhada! - John disse. Sua voz estava rouca, provavelmente por causa de drogas.

Se não fosse por sua voz raramente ouvida eu teria puxado Camila e a tomado em meus braços, porque eu realmente não me lembrava de sua presença ali. Camila ficou estática no lugar, e eu imaginei que também se surpreendeu ao ouvir o meu colega falar.

- A Mani disse que não têm nenhuma prova nenhuma Lauren Jauregui! - Ela fingia raiva, de alguma forma exigia uma explicação.

Mani simplesmente não podia mentir para mim?

Eu a mataria!

- Não posso ir hoje Dinah.

- Pode sim, Lauren! 

- Não, não posso.

-Você está com outra pessoa?

- Sim.

Não há necessidade de dizer que essa pessoa é a Camila.

- Com quem?

- Eu apenas não posso, está bem?

Olhei para Camila, que ainda estava de pé ao lado da porta obedecendo as ordens do meu colega de trabalho viciado em drogas. Seu cenho franzido por causa da minha conversa com Dinah, ela olhava para mim um pouco confusa. Quando percebeu que eu estava olhando me fez sinal com a mão para mim ir até ela e eu fiz.

- Nós podemos mandar para outro dia. - Ela sussurrou em meu ouvido.

Ficamos cinco dias trocando mensagens de texto e chamadas, eu não iria suportar por mais tempo. Não podia.

Eu balancei a cabeça para a voz por trás do celular que estava me dando um sermão sobre não sair com elas há um mês blah blah blah.   (n/a: Lauren é aquelas cretina que começa a namorar e esquece as miga.)

- DJ! Eu estou com alguém, acalme-se, eu não vou.

- Só me prometa que amanhã vai sair com a gente. - Ela disse.

- Eu prometo. Tchau. - Desliguei.

Eu poderia passar a tarde com Camila e sair com elas à noite, não importava.

Camila estava completamente molhada, mas não hesitei em puxa-lá e abraçá-la.

- Lo, você vai se molhar. - Eu podia ouvir sua risada comentando isso.

Seus braços não estavam correspondendo o abraço, então eu a apertei sem a machucar..

- Eu não me importo, Camz, me abraça. - Eu exigi.

Ela ignorou o meu pedido e pôs os braços ao meu redor. 

- Onde você quer ir? - Perguntei.

O relógio marcava 19:59, faltava um minuto para meu turno acabar.

Eu queria chegar logo em um lugar onde ficássemos sozinhas e saborear seus lábios novamente, embora não quisesse parecer desesperada.

- Nós poderíamos ir ao cinema. - Ela respondeu.

- Fome?

- Pizza, por favor! - disse mordendo o lábio inferior.

- Claro, Camz.

- - -

Entramos na sala meia hora antes do filme começar, com a caixa de pizza dentro da mochila e uma coca light que novamente teriamos que tomar sem copo e a pipoca, nosso jantar. Nós tínhamos optado por os assentos do fundo, porque não havia quase ninguém e de qualquer maneira não podiam nos ver.

- Acho que foi exagero trazer a pizza.

- E comeriamos doces e balas? Não, obrigada. - Eu disse.

Eu ainda não tinha a beijado, o único tempo em que ficamos sozinhas foi no jeep ​​e não parecia apropriado ataca-la e beijá-la. Na sala não havia ninguém, então eu virei para ela que estava olhando em frente e deixar um beijo no canto esquerdo da boca.

- Camz. - Sussurrei.

- O que acontece se eu disser não? -  perguntou desafiadoramente.

- Vamos Camz! - insisti. - Só um.

Um seria o suficiente após uma semana sem os seus lábios.

- Um. - sussurrou.

Ela se virou e suavemente repousou sua testa na minha. Seus olhos estavam fixos nos meus, e pincelou seu nariz no meu de uma forma muito lenta.

Não esperei mais um segundo e juntei seus lábios nos meus em um beijo lento e suave, expressei o quanto seus labios me fizeram falta nesses cinco dias. Eu mal podia pensar em outra coisa que não fosse os lábios grossos e vermelhos de Camila Cabello.

Oh Deus! Camila Cabello esta me deixando a beira da loucura.

Ela separou nossos lábios e como num instinto a puxei de volta, mas ela se afastou.

- Era só um.

Não, definitivamente um não era o suficiente.

- Não era sério, certo? - Fiz um pequeno bico  e novamente tentei me aproximar dela, mas ela virou o rosto.

- Você você propôs. - Ela respondeu.

- Então eu vou despropor.

- Essa palavra existe Lolo? - Ela se afastou completamente e apoiou as costas no encosto da cadeira. - Me passa a pizza?

Ela não vai escapar dessa maneira.

Isso é sério?

Foda-se.

Eu pareço uma idiota implorando por um beijo.

- Não.

- Bem. - sorriu com a língua entre os dentes.

Ela se aproximou e pegou minha mochila, mas não antes de deslizar a mão pela minha coxa, quase tocando meu membro, enrijeci pelo fato de que sua ação me pegou de surpresa. Ela disse algo, algo que eu não entendi. 

- Quer? - Ela estendeu a caixa para mim, e eu peguei uma fatia sem dizer nada. - Bem.

- - -

- Lo, você não me disse uma palavra ao longo do filme. 

Só agora se deu conta Cabello?

A ignorei e comecei a guardar a caixa vazia de pizza com uma garrafa de coca na mesma situação na bolsa. Eles estavam passando os créditos do filme com uma música de fundo um pouco assustador, mas como eu assumi desde o início, o filme não tinha sido nada bom.

- Não vai falar comigo? - Perguntou.

Dei-lhe um olhar frio para que entendesse que eu estava com raiva. Sim, eu estava com raiva. Cinco dias de merda por um beijo, ela me fez implorar, foi o que me incomodou mais sobre toda a situação.

- Você está irritada por causa do beijo?

Olhei para ela de novo, como se fosse algo óbvio e levantei da minha cadeira, colocando a mochila por cima do meu ombro. Passei à frente dela sem tocá-la. 

Uma pequena mão segurou a minha, especificamente a mão quente e macia de Camila. Foi um toque doce. Ela me puxou e com isso eu me virei para ela com uma careta. 

- O quê? - Parecia algo afiado saindo da minha boca.

- Já é um avanço. - sorriu

Ela soltou minha mão e estava pronta para voltar a caminhar, mas ela pegou meu rosto com o toque suave de suas mãos sem me dar tempo para reclamar de nada.

Ela uniu nossos lábios novamente.. Num beijo rápido e quente. Seus braços em volta do meu pescoço. Envolvi meus braços em sua cintura a puxando para mim. Eu senti um sorriso se formar  e eu não pude deixar de sorrir também.

- Aconteceu com você? - Ela sussurrou contra os meus lábios.

- Não sei. - Eu respondi fingindo dúvida.

Ela deixou outro pequeno beijo em meus lábios.

- - - 

- Eu não quero ir para o meu apartamento ainda. -  Ela falou enquanto nós corríamos da chuva.

Estávamos andando abaixo dos tetos que tinham os negócios por causa da chuva que continuava a cair. O Jeep ficou uma meia quadra do cinema.

- O que você quer fazer? - Perguntei levantamento o tom por causa do som da chuva.

Peguei as chaves do jeep ​​e abri as portas quando estávamos perto, e praticamente me joguei no automóvel, seguida por Camila.

- Que tal o bar?

- Ir lá está se tornando um hábito. - Eu ri e liguei o carro.

- Isso é culpa sua. - ela respondeu rindo também.

- Só vamos se você me prometer não corar para estranhos.

Eu senti seu olhar cair sobre mim e a olhei de soslaio, eu não podia olhar mais do que isso porque estava dirigindo no centro de San Francisco.

- Ciumes, Lauren Jauregui?

Sim.

- Nos seus sonhos, Cabello.

- É um prazer saber que Lauren Jauregui sente ciumes.

...



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...