História Quebrado - Capítulo 5


Escrita por: ~

Visualizações 121
Palavras 11.825
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Lemon, Magia, Mistério, Misticismo, Musical (Songfic), Romance e Novela, Saga, Sobrenatural, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá, como estão?

Eu sei demorei, vocês me perdoam?
Estava tão ocupada esses dias que não consegui postar e para completar reescrevi esse capítulo diversas vezes até chegar nesse que me agradou.

Já aviso que tudo nesse capítulo será cruciais para o futuro da história.

Mas chega de enrolação aqui está o capítulo.
Espero que gostem!


Ps.: A música usada não é de minha autoria e sim da cantora Aurora. Aconselho que escute quando começar a música na história. Link da música nas notas finais.

Ps¹.: Criei uma nova capa, o que acharam?

Capítulo 5 - Compreendendo


Fanfic / Fanfiction Quebrado - Capítulo 5 - Compreendendo

 

— Jeon Jungkook —

 

— Você... Você está brincando né coelho?! — sussurrou o Alfa agarrando o ombro do Beta com um sorriso tremulo nos lábios. — Isso não foi engraçado Kookie, você não pode brincar com isso.

“Hyung...” — pensou Jungkook sentindo Taehyung balançar seu corpo.

— Sinto muito Hyung, mas não estou brincando. — afirmou o Beta olhando para o rosto chocado do Alfa.

— Pa..a..re! — sussurrou Taehyung nervoso balançando o outro com força piscando os olhos vermelhos. — Pare de brincadeira!

— Você tem certeza disso Jungkook? — perguntou Jin em um fio de voz sentado no sofá.

Abaixando a cabeça o Beta fechou os olhos.

 

— O que?! — disse assustado Jungkook arregalando olhos. — Hobi... Como? Mas... Hyung você nós conhece!

Hoseok olhou confuso para o Beta abraçando o filhote negando com a cabeça.

— Hobi Hyung... Você nós conhece! — insistia Jungkook agarrando os braços de Hoseok. — Você... Você não pode ter esquecido se de nós!

“Você não pode ter se esquecido de mim...” — refletiu o Beta vendo o Ômega negar com a cabeça encolhendo-se.

— Hyung... Hyung se lembre de antes deles terem levado você de nós! — falava apressado Jungkook olhando nos olhos de Hoseok.

— Não entendo Jungkook... Ninguém me levou. — questionou Hoseok em um fio de voz.

— Claro que te levaram. — afirmou o Beta. — Aquele maldito pacote te levou de nós há dois anos.

— Nunca sai do meu pacote até Alfa-Nim me trazer para cá... — disse o Ômega roboticamente começando a tremer. — Pertencia ao Pacote. Sou um bom menino. Não existia nada além do pacote.

Não conseguia acreditar no que o outro havia dito... Como acreditar que aquele que estavam buscando há dois anos não se lembrava deles? Era como se Hoseok ainda estivesse desaparecido e só sua casca voltado.

 “Isso não pode estar acontecendo!” — afirmou Jungkook soltando Hoseok.

—Não... Não... Hoseok Hyung tem de se lembrar. — murmurou o Beta pegando o celular do bolso com a mão tremula abrindo em uma foto que estava todo o pacote. — Olhe aqui esse é você com a gente.

Assim que o Ômega viu a fotografia seus olhos desfocaram começando a balançar-se violentamente apertando o filhote em seus braços com força.

— Esse não sou eu. — disse Hoseok tremendo levando uma mão para a cabeça puxando os fios longos. — Não sou... Não sou... Não havia nada antes do pacote... Não havia nada antes do pacote... Não sou...

— Hyu...

— Não sou... Não havia nada antes do pacote... Não sou... Não havia nada antes do pacote... Não sou... — repetia o Ômega com os olhos sem vida soltando os fios. — N..

 

— Sim Hyung... Parece que ele não se lembra de nada antes do sequestro. — disse em tom triste Jungkook sentindo os dedos de Taehyung tremerem no seu ombro. — Ele... Ele... Quando mostrei uma foto de todos nós juntos... Ele discordou entrando em modo catatônico. Hyungs foi assustador o modo que Hobi ficou parado com os olhos mortos, nem se mexeu quando cuidei dos seus ferimentos... Parecia que estava preso em outra realidade. — suspirou sentindo seus olhos ficarem amarelos.

— Porra! — murmurou Jimin sentado ao lado do Mago olhando para o teto. — Porque tudo tem de ser tão complicado.

— Jung... — começou a falar Jin levantando do sofá, mas fora cortado por Taehyung.

— Jungkook para de brincadeira isso é sério! — ordenou o Alfa balançando-o. — Diz que você está mentindo!

Jungkook encarrou os olhos do Alfa e balançou a cabeça negativamente vendo os olhos do outro se encher de horror.

— Você está mentindo! — disse baixo Taehyung soltando o aperto no ombro do Beta perdendo as forças caindo de joelho. — Pare de mentir... Hobie tem de lembrar-se de nós... Ele tem de se lembrar de mim...

— Sinto muito Tae Hyung. — sussurrou Jungkook agachando na frente do Alfa o abraçando.

— Como ele pode ter esquecido? — murmurou Taehyung escondendo o rosto no pescoço do Beta.

 

“Não sei Hyung... Não sei...” — pesou Jungkook sentido seus olhos picarem com lágrimas não derramadas enquanto sentia seu ombro ficar molhado.

 

 

— Jung Hoseok —

 

Abrindo os olhos o Ômega notou que estava dentro de um quarto escuro sentado em uma cadeira dourada com água até a batata das pernas.

“Onde estou?” — pensou olhando em volta, porém só encontrando a escuridão.

— Você está no Milo. — respondeu uma voz masculina nas suas costas. — Pequeno Ômega.

Levantando rapidamente girando o corpo o Ômega viu um grande lobo de pelagem mesclada de marrom claro e escuro sentado na base da estátua de Piet๠olhando com os olhos castanhos diretamente para o Ômega.

— Quem é você? — perguntou o Ômega assustado dando alguns passos para trás.

— Eu? — questionou o Lobo pulando da base da estátua espirando água. — Sou um simples Lobo solitário. — respondeu indo em direção ao Ômega. — Quem é você Pequeno Ômega?

— Ômega. — respondeu rapidamente.

— Não. — rebateu o Lobo balançando a cabeça parando em frente ao Ômega. — Quem é você?

“Quem eu sou? Sou Ômega... Mas... Não... Quem eu sou?” — refletiu o Ômega sentindo sua cabeça doer. — “Quem sou eu?”

— Eu... Eu... — falou o Ômega sentindo a água em sua volta começava a vibrar. — Eu...

 

Acordando assustado o Ômega olhou pela janela do cômodo vendo que o sol estava começando a aparecer, suspirando girou o corpo para o lado vendo o filhote dormindo profundamente envolvido em um ninho de almofadas e travesseiro.

“Ele parece tão feliz.” — pensou sorrindo o Ômega acariciando o rosto do filhote que grunhiu feliz com o contato.

“Ganhe o perdão do Alfa!” — disse a voz na sua cabeça. — “Seja útil.”

“Sim.” — refletiu sentando no colchão sentindo o corpo protestar no movimento.

Colocando a mão embaixo da t-shirt que usava sentiu que seu tronco estava envolvido por bandagens... Estranho, pois seus machucados nunca eram cuidados dessa maneira.

Afinal ele não merecia.

Ignorando a dor o Ômega cercou o filhote com mais alguns travesseiros levantando-se.

“Preciso servir o pacote.” — pensou o Ômega mancando em direção à porta do cômodo a abrindo. — “Preciso provar que sou um bom menino.” — afirmava andando devagar pelos corredores até achar a copa e a cozinha. — “Preciso ser útil.”

Entrando na copa o Ômega foi direto para a cozinha parando em frente à geladeira.

Sua mente estava dividida. Uma parte o mandava cozinhar para o pacote, mas outra o avisava que ele não tinha a permissão do Alfa para tocar em nada muito menos cozinhar.

Porém queria muito agradar ao Alfa e mostrar que era um bom menino.

“O que fazer?” — questionou-se pegando na porta da geladeira.

“Seja útil!” — ordenou a voz o fazendo abrir a porta da geladeira.

Iria arriscar.

“O que devo fazer? Não sei o que Alfa-Nim gosta de comer...” — pensou o Ômega abrindo a geladeira vendo diversos ingredientes frescos.  — “Irei fazer um café tradicional Coreano: arroz, namul², saengseon jjim³, Pajeon⁴, gyeran jjim⁵, doenjang guk⁶ e vegetais.” — afirmou após ver as sobras de kimchi e doenjang guk. — “Vou usar o kimchi da geladeira, mas já vou fazer mais para amanhã.” — concluiu pegando os ingredientes da geladeira colocando-os no balcão.

Mancando ao redor da cozinha buscando nos armários panelas e o arroz para começar a refeição o Ômega encontrou dentro do armário da bancada uma mamadeira e uma lata de fórmula de leite, na mesma hora o corpo do Ômega travou. Na sua frente está o que ele havia desejava há semanas implorando ao antigo Alfa, mas nunca conseguindo.

— Posso... Posso alimentar meu céu. — sussurrou olhando encantado para a mamadeira a pegando com os dedos trêmulos.

“Mas não posso usar sem a permissão do Alfa-Nim.“ — pensou triste apertando a mamadeira com dedos trêmulos. — “Tenho de ser um bom menino para o Alfa-Nim... Mas meu filhote...”

Sabia que para ganhar qualquer regalia teria de merecer, coisa que não merecia devido ao seu mau comportamento... Não queria ser castigado, porém era seu filhote.

Apertando com mais força a mamadeira pegando a lata com a outra mão decidiu novamente arriscar, iria alimentar seu filhote independente se séria castigado ou não.

O filhote sempre seria sua prioridade.

Decidido começou a preparar a mamadeira colocando-a para esquentar em banho maria no fogão, em seguida colocava o arroz que achou no balcão na panela elétrica ligando-a e começou a separava os legumes e vegetais para serem picados.

Olhando para os legumes e vegetais picados perfeitamente a sua frente traziam lembranças ao Ômega. Lembranças da primeira vez que fora mandado cozinhar no seu antigo pacote acabando em um desastre gigantesco, não sabia o que fazer é acabou queimando algumas panelas... E bem... Suas mãos acabaram sendo queimadas.

Digamos que após o castigo que o Alfa lhe deu o Ômega aprendeu a cozinhar com maestria e acabou pegando gosto pela tarefa.

Era a tarefa que tinha mais orgulho e confiança em executar.

Desligando o fogo do banho maria deixando a mamadeira na panela para manter a temperatura começando a cozinhando os pratos para o café da manhã.

Após um tempo cozinhando escutou seu estômago roncar desconfortavelmente.

Não se lembrava da última vez que comeu...

Estava com fome... Queria tanto comer... Podia ser até só um pedaço de nabo...

 “Só um pedaço.” — pensou olhando para os poucos pedaços picados que sobraram no balcão.  — “Se eu pegar o menor ninguém vai reparar, são pedaços ruins de qualquer modo... Vão para o lixo.” — afirmava aproximando os dedos dos pedaços.

“Irá desobedecer mais uma vez?! Mau menino!” — falou a voz fazendo o Ômega parar seu movimento bruscamente. — “Comer sem a permissão do Alfa e delito grave, você vai ser castigado! Inútil!”

 — Mas...

“Mau menino! Você já desobedeceu duas vezes só hoje, quer que o castigo aumente?”

— Não... — sussurrou o Ômega derrotado pegando os pedaços do balcão os jogando no lixo.

Aguentaria a permissão.

Passando a mão na barriga tentando acalmá-la desligou o fogo das panelas andando até o armário pegando alguns recipientes onde colocou os pratos feitos os levando para a mesa onde arrumou o café da manhã, voltando para a cozinha ascendeu o fogo preparando um bule de chá levando-o em seguida para a mesa juntamente com alguns talheres e xícaras.

— Acho que está bom. — murmurou o Ômega voltando para a cozinha arrumando a bagunça que havia feito pegando a mamadeira.

 

Afinal, iria alimentar seu céu.

 

 

— Park Jimin —

 

— Unh... — gemeu Jimin escondendo a cabeça debaixo do travesseiro tentando abafar o som do despertador. — Tão irritante. — murmurou procurando o aparelho na cama.

Tirando o travesseiro do rosto o Beta abriu o olho direito vendo que já era 07h00minh precisava levantar se quisesse comer alguma coisa antes de ir para o trabalho, preguiçosamente desligou o alarme sentando-se na cama espreguiçando.

Assim que o Beta ficou na vertical sua cabeça começou a doer intensamente juntamente com todo o corpo que sentia câimbra extremas.

— Porra. — grunhiu o Beta levando uma das mãos para a cabeça enquanto a outra enfiava na lateral do colchão procurando alguma coisa.

Depois de alguns segundos de busca Jimin encontrou o que estava procurando, murmurando de dor puxou o objeto do vão vendo o pequeno saco com as pílulas. Abrindo-o com os dedos trêmulos pegou uma pílula a engolindo seco sentindo alivio quase que imediato.

“Preciso comprar mais.” — pensou escondendo o pacote enquanto levantava trêmulo da cama tirando as roupas no processo as jogando ao chão de qualquer jeito enquanto ia na direção do armário para pegar uma nova muda.

Com a muda nos braços andou a passos rápidos para o banheiro do seu quarto onde colocou às roupas encima da pia encarrando seu reflexo no espelho.

— Patético como todos os dias. — murmurou passando as mãos trêmulas pelo rosto enquanto virava a cara vendo seus olhos sem vida com bolsas negras.

Balançando a cabeça rindo debochado Jimin abriu o gabinete.

Pegando a escova de dente dentro do armário o Beta aplicou pasta nesta a levando para sua boca segurando-a com os dentes enquanto ligava o chuveiro do Box entrando em seguida debaixo do jato quente.

“Deus... Porque isso está acontecendo com a gente?! Até parece que não somos fodidos suficiente...” — pensou irritado Jimin. — “Porque Hobi Hyung teve de esquecer?!” — refletiu o Beta fechando os olhos sentindo a água bater em seu rosto enquanto escova os dentes. — “Yoongi vai ficar louco quando descobrir sobre Hoseok...”

Jimin desde ontem quando escutou sobre a perda de memória de Hoseok não conseguia pensar em outra pessoa que não fosse Yoongi, a Raposa sem dúvidas seria um dos mais afetados, o Beta sabia como a ligação dos dois era forte.

Yoongi considerava Hoseok como seu irmão mais novo.

— Merda Hobi... — sussurrou tirando a escova da boca a colocando no beiral da janela pegando o shampoo espalhando nos fios rosados.

No começo quando começou a se apaixonar por Yoongi morria de ciúmes dos dois, não entendia porque Yoongi sorria gomoso para o outro ou porque deixava somente Hoseok entrar na sua barreira de indiferença, achava injusto, nessa época Jimin realmente odiava Hoseok e aquele sorriso de coração idiota que sempre roubando a atenção da Raposa.

Jimin só começou a entender que o relacionamento dos outros dois era extremamente platônico quando ele começou a nutrir uma atração totalmente platônica por Hoseok após um ocorrido.

 

— Porra! — grunhiu Jimin deitado na sala de dança da sua nova escola.

Estava frustrado acabará de fugir da aula de educação física escondendo-se na sala por puro costume, pois antigamente na sua antiga escola sempre fugia da aula para treinar uma nova coreografia para alguma competição ou apresentação importante, porém agora não passava de uma mania chata que traziam sentimentos ruins.

— Sou um perdedor. — falou tampando os olhos com os punhos.

— Não você não é! — afirmou uma voz suave fazendo Jimin tirar as mãos dos olhos rapidamente olhando para um sorriso em forma de coração na sua frente. — Você é incrível!

“Ah merda, porque justamente ele.” — grunhiu Jimin revirando os olhos quando viu o rosto de Hoseok.

— O que? — questionou rude Jimin rapidamente sentando- se.

— Disse que você é incrível Jimin-shi. — repetiu Hoseok sentando no chão ao lado de Jimin. — Sou um fã desde o dia em que vi sua apresentação na TV anos atrás.

— Você está brincando né?! — falou Jimin irritado.

— Não, porque brincaria com isso?! — disse Hoseok confuso com um sorriso nos lábios. — Jimin-shi me inspirou a querer dançar na verdade... — falou tímido Hoseok coçando a cabeça. — Claro que não sou tão bom quanto você... — afirmou rapidamente balançando os braços e a cabeça. — Quer dizer você é o dançarino prodígio da Coréia lógico que ninguém é melhor que você. — informou de forma embolada e nervosa. — Estou tão feliz de falar com Jimin-shi fiquei muito empolgado quando descobri que você tinha mudado para a nossa escola, estava louco para conversar com você, mas Yoonie Hyung me mandou ficar longe para não te assustar... Ele vive falando que sou um fanboy louc...

 “Esse...” — pensou Jimin apertando os punhos.

— Pare com isso! — rebateu Jimin com raiva apertando os punhos. — Não sou um dançarino.

“Não mais.” — pensou.

— Não Jimin-shi você é um dançarino. — murmurou Hoseok suavemente com a cabeça baixa. — Um dançarino incrível que me inspiro.

— Eu era um dançarino hoje não passo da porra de um aleijado que não consegue nem andar sozinho muito menos dançar! — grunhiu Jimin. — Não sou inspiração para ninguém muito menos você.

Após a declaração nenhum dos dois ousou falar nada deixando o ambiente com um clima desconfortável.

Jimin extremamente frustrado levantou do chão com ajuda da sua bengala indo para a porta mais parou quando sentiu dedos gentis tocarem seu ombro.

— Jimin-shi independente da sua condição você dança! — afirmou Hoseok suavemente virando-o de frente apontando o dedo indicador para a cabeça de Jimin. — Sei que aqui é principalmente aqui... — falou apontando para o coração do outro. — Você dança a todo segundo. — disse convicto espalmando a mão encima do coração acelerado de Jimin. — Dançar não é só o movimento e sim o sentimento por isso não tenha medo de dançar Jimin-shi... — informou sério afastando a mão. — Lamento ter te irritado. — acrescentou rapidamente o mais velho fazendo uma curta reverencia saindo do cômodo deixando o outro atordoado para trás.

 

Jimin nesse segundo havia caído na orbita de Hoseok.

 

Desse dia em diante descobriu que era inevitável querer ficar orbitando em torno de Hoseok, parecia que o outro tinha um campo magnético que atraia as pessoas para sua orbita... Era como se Hoseok fosse o Sol e todos os outros planetas que giravam em sua volta para aproveitar daquele calor calmante.

Calor esse que todos eles perderam nesses últimos dois anos...

“Hobi Hyung...” — refletiu fechando os olhos tirando o shampoo do cabelo rapidamente aplicando o condicionador. — “Hyung irei fazer tudo para ajuda-lo...” — pensou Jimin tirando o condicionador dos cabelos desligando o chuveiro saindo do Box. — “Essa e minha vez de compensar tudo o que você fez por mim.” — afirmou envolvendo-se na toalha enxugando seu corpo.

Vestindo a roupa rapidamente o Beta ligou o secador secando seus fios de qualquer jeito, após terminar foi para o quarto pegando o celular e a carteira os guardando no primeiro bolso da sua mochila a jogando encima do ombro saindo do cômodo.

“Que cheiro bom.” — pensou sentindo o aroma de comida no corredor. — “Hyung deve ter feito o café da manhã.”

— Wow! — disse o Beta surpreso quando entro na copa vendo a mesa posta. — Nem é uma data comemorativa... — murmurou Jimin caminhando para a mesa colocando a mochila no pé desta enquanto se sentava servindo-se uma tigela de arroz.

O Beta começou a comer a refeição sabendo que deveria esperar os outros, mas tinha horário a cumprir se não comesse agora chegaria atrasado.

“Jin realmente caprichou dessa vez.” — refletiu o Beta comendo namul.

Depois de um tempo comendo Jimin escutou resmungos vindo do corredor e um adolescente nada feliz vestido com o uniforme escolar entrando na copa jogando-se na cadeira ao seu lado.

— Estranho você estar emburrado de manhã... — disse Jimin com a boca cheia ganhando uma careta do outro que se servia uma tigela de arroz. — Você sempre é o primeiro a acordar para malhar.

— Não estou emburrado. — respondeu Jungkook pegando um pouco de saengseon jjim. — Só não entendo porque tenho de ir para a escola justo hoje depois do que aconteceu... Jin Hyung e um saco.

— Bem, porque você já faltou três dias?! E porque esse é o seu penúltimo ano antes de entrar para a universidade? — rebateu Jimin terminando de engolir. — Você tem de estudar.

— Mas Hobi Hyung e o filhote precisam que eu fique aqui. — disse Jungkook com as sobrancelhas franzidas colocando arroz na boca.

— Kookie-ah, sei que você quer ficar ao lado deles... Todos nós queremos, mas não podemos deixar de lado nossas responsabilidades. — falou Jimin batendo a mão no ombro do mais novo. — Eles vão ficar bem com Jin Hyung enquanto estivermos fora. — afirmou apertando o ombro do outro. — Quando você voltar da escola pode passar o tempo que quiser com eles.

— Você tem razão Jimin. — murmurou Jungkook.

— Jimin Hyung! — corrigiu o Beta mais velho dando um tapa na cabeça do outro que riu. — Moleque abusado.

Comiam em silêncio até Jimin escutar alguém assobiando pelo corredor e segundo depois aparecer Namjoon na porta sorrindo com as covinhas aparentes.

— Bom dia! Oh! Jin Hyung caprichou no café da manhã hoje... — cumprimenta Namjoon vestindo seu uniforme policial sentando na frente de Jungkook que o entregava uma tigela de arroz. — Obrigado! Onde estão os outros?

“Esqueci que Namjoon Hyung esta ficando por aqui novamente...” — refletiu. — “Deus é tão estranho vê-lo assim... Porra... Acho que nunca vou me acostumar do modo que ele fica quando resetado.” — pensou Jimin olhando para Namjoon que sorria esperando a resposta. — “Parece até outra pessoa...”

— Devem estar todos dormindo. — respondeu Jungkook dando de ombro tomando um pouco de chá. — Não consigo escutar ou sentir nada deles dentro dos quartos.

— Ah certo. — disse Namjoon começando a comer. — Esqueci que Jin Hyung anulou todos os quart...

— Será que se eu pedir com carinho Jin Hyung reseta Yoongi Hyung? — perguntou Jimin sem pensar ganhando um olhar atravessado de Jungkook. — O que? Olha com...

— Cale a boca Jimin Hyung. — repreendeu o mais novo.

— O que vocês estão falando?! — perguntou Namjoon com um sorriso nos lábios confuso parando os jeotgarak⁷ perto da boca.

— Nada Hyung. — respondeu Jimin soltando o sutgarak⁸ na tigela olhando para Namjoon, rapidamente voltando o olhar para Jungkook. — Quero dizer olhe como parece que arrancaram aquele pau que estava enfiado na bunda dele e o fazia todo nervosinho...

— Oh meu Deus Jimin Hyung! — grunhiu Jungkook apertando as têmporas enquanto Namjoon olhava confuso.

— Yoongi prec... — antes de conseguir completar sua frase Jimin foi cortado por Taehyung entrando no cômodo.

— Jimin cale a boca! — ordenou Taehyung entrando na copa sentando na cadeira da ponta encarrando o Beta mais velho. — Controle essa sua língua.

— Uau, alguém acordou com a pata esquerda. — disse Jimin sem pensar enfiando um punhado de arroz na boca.

— Você imbecil... Porque te transformei mesmo?!  — resmungou o Alfa recebendo de Jungkook uma tigela de arroz. — Obrigado Coelho.

— Porque você me ama Alfa! — respondeu Jimin sorrindo ganhando um grunhido em resposta de Taehyung.

 

— Ei, o Hyung trocou de tempero?

 

 

— Kim Taehyung —

 

— Ei, o ...ng trocou de ...pero? A com... está com um ...to diferente... — perguntou Namjoon.

— ...ra que ...ê falou e... dif...nte mesmo o s...or. — respondeu Jungkook comendo um pouco de Pajeon.

— Ele ...ve ...tar testando coi... novas. — resmungou Jimin tomando chá.

Taehyung não conseguia prestar atenção no que os outros três estavam conversando sua mente continuava rodando os acontecimentos de ontem é tudo que descobriu.

 

— Taehyungie, você sabe por que os Ômegas foram extintos? — perguntou Jin ganhando um aceno negativo do Alfa. — Veja na dinâmica de pacote cada classe irá ter seu posto, não é?! — questionou o Mago retoricamente olhando para o céu. — Então, nisso vamos ter três divisões: Os Alfas que irão guiar e fornecer o pacote os protegendo de qualquer coisa, os Betas que irão seguir as ordens do Alfa sempre o ajudando quando necessário para o bem do pacote e os Ômegas que irão trazem harmonia para o pacote... E é justamente essa harmonia que decretou a extinção deles.

— Por quê? — perguntou o Alfa. — Como?

— Bem... Falando de maneira brusca e crua essa harmonia dos Ômegas nada mais é que o poder deles conseguirem controlar qualquer licantropo seja esse Alfa ou Beta. — respondeu Jin voltando o olhar para Taehyung. — Isso não agradava nem um pouco dois grupos: Os licantropos que se achavam superiores aos Ômegas e não aceitavam ser controlados por esses e os Caçadores que tinham medo do poder que os Ômegas faziam o pacote alcançar quando os controlava... Esse dois grupos durante anos matavam todos os Ômegas que encontravam na frente e como a população de Ômegas no mundo sempre foi bem pequena chegou um ponto em que os Ômegas foram extintos.

— O que... Mas como? Como eles podem controlar? Pensei que licantropos não podiam usar magia. — pergunto o Alfa confuso.

— Alguns podem é bem raro, porém esse não é o caso dos Ômegas. — respondeu rapidamente Jin. — Essa habilidade deles não passa de um sintoma da sua anatomia... A anatomia de todos os licantropos parte do mesma forma, mas os Ômegas possuem algumas diferenças e a maior e mais importante delas são as duas glândulas que só eles possuem: Creaturae e Viribus. — informou levantando um dedo. — Viribus ninguém sabe ao certo sua função, mas acreditasse que seja à responsável pelos hormônios dos Ômegas. — disse levantando outro dedo. — E Creaturae que é a responsável pelos feromônios dos Ômegas. Esses quando liberados se farejado por Alfas ou Betas afetam diretamente o Lobo Límbico desses os fazendo agir como os feromônios desejam, pois é nesse lobo que se encontra os impulsos nervosos do Lobo interior dos licantropos. — informou abaixando os dedos.

— Então eles conseguem controlar quaisquer Alfas e Betas com seus feromônios?! — falou Taehyung abismado. — Como isso funciona?

“Foi por isso que agi daquele modo?!” — questionou-se.

— Somente Feromônios sexual atingem todos os licantropos para atrair possíveis parceiros, agora os outros tipos de Feromônios só o pacote que o Ômega está vinculado irá sentir. — respondeu Jin. — Porém o controle não é absoluto igual você está pensando, tudo irá depende da quantidade e nível do feromônios lançados. — explicou o Mago. — Mas na maioria das vezes esses feromônios só potencializam certos comportamentos nos outros licantropos... Por exemplo, um Ômega dentro de casa que por algum motivo ficou feliz e acabou lançando uma pequena quantidade de Feromônios de felicidade irá deixar todos os licantropos do pacote levemente felizes e relaxados, porém esse mesmo Ômega em batalha se lançar uma carga de Feromônios de Ataque em um nível elevado terá um pacote potencializado 50% para o ataque. Entende o porquê os caçadores tinham tanto medo?

“Deus... Isso é...” — pensou Taehyung bagunçando os fios vermelhos.

— Hyung você queria que o fizesse pacote sem me contar isso antes? — questionou Taehyung.

— Sei que deveria ter contado Taehyungie, mas estava com medo da reação de vocês quando descobrissem o potencial de Hobi. — o Alfa abriu a boca para responder o Mago, mas Jin levantou a mão o parando. — Eu sei que vocês nunca iriam fazer nada com ele, mas passei por algumas situações ao longo desses anos que me fazem ser desconfiado... E bem por Hoseok no momento está com todo o seu potencial boqueado achei que não fazia diferença contar até conseguirmos tirar a barreira, ou assim pensei, pois tenho certeza que pelo que você me contou Hobi lançou seus feromônios em força total para você conseguindo até despertar seu Lobo, porém não consigo entender como... — falou Jin balançando a cabeça. — Como ele conseguiu quebrar a barreira? Como isso funciona?

— Então... Então agi daquele modo pelos feromônios? — murmurou Taehyung receoso.

— Acredito plenamente que sim e ainda acho impressionante que tenha conseguido sair de lá. Levam anos para licantropos conseguirem criar resistência contra os feromônios de um Ômega, principalmente os Sexuais em nível máximo como creio que Hoseok tenha lançado. — respondeu o Mago calmamente. — Como disse antes você fez bem.

Taehyung encarrou Jin com as sobrancelhas franzidas, teoricamente ele havia entendido, mas mesmo assim achava-se culpado, pois em uma parte obscura do seu ser ele queria ter feito... E ele não culpava os feromônios.

 “Meu Deus...” — pensou fechando os olhos enquanto balançava a cabeça.

— Isso... Isso... vai acontecer sempre que sentir seu cheiro?  — questionou Taehyung abrindo os olhos. — Isso irá afetar Jungkook e Jimin também?

— Irá afetar todos os licantropos se tiver regado por seus feromônios, porém só o Feromônios Sexual irá funcionar por ele não fazer parte do pacote. — disse Jin fazendo careta. — Mas nas condições que Hoseok se encontra não acho que ele irá conseguir soltar nenhum feromônios, não sei nem como ele soltou esses, deveria estar totalmente bloqueado.

— Não existe modo de evitar?

— Bem, nós não podemos fazer nada só Hoseok. — respondeu o Mago passando a mão no rosto. — Hobi só tem de não liberar seus feromônios que nada disso irá acontecer, mas pelo que você me contou... Talvez isso se torne um problema principalmente... Merda!

 

— O que agora? — perguntou o Alfa assustado.

 

— ...tou cansado. — grunhiu Jin sentando na cadeira ao lado de Namjoon arrancando Taehyung dos seus pensamentos. — Esse plantão foi um caos... Havia tantas pessoas.

— Bom dia Hyung. — disse Jungkook o entregando uma tigela de arroz ganhando um sorriso em troca.

— Plantão? — perguntou Namjoon. — Hyung se estava de plantão porque fez tudo isso? Deveria descansar.

— Hã?! Fiz o que? — respondeu Jin confuso pegando o jeotgarak. — Acabei de chegar do hospital.

— Espera. — falou Jimin engolindo. — Não foi você que fez o café da manhã?

— O que? Claro que não, você acha que iria cozinhar depois de voltar de um plantão?! — rebateu Jin comendo Kimchi.

 

— Se não foi você então quem foi? — questionou Jungkook.

 

 

— Jung Hoseok —

 

O Ômega olhava com admiração o filhote em seus braços mamando, estava tão feliz de finalmente conseguir fornecer ao seu céu que nem o castigo que lhe aguardava o incomodava.

— Bom filhote. — disse suave quando filhote terminou de se alimentar.

Colocando a garrafa ao chão o Ômega abraçou o filhote dando pequenos tapinhas nas suas costas o fazendo arrotas em seguida deitou no colchão com o filhote balbuciante no seu peito.

Sorrindo fechou os olhos levando a mão direita para a cabeça do filhote acariciado os fios escuros cantarolando, após alguns segundo sentiu pequenos dedos enrolarem em seu cabelo.

Esses momentos eram seus preferidos.

— Eu te amo! — sussurrou o Ômega sorrindo abrindo os olhos dando de cara com dois olhos castanhos curiosos o encarrando e uma pequena mão apertando sua bochecha. — Meu céu.

— Oh... — disse a voz do Alfa assustando o Ômega que sentou rapidamente protegendo o corpo do filhote.

Estava tão distraído com o filhote que não percebeu a porta ser aberta e muito menos que o Alfa e o Mago haviam entrado. Na mesma hora seu corpo gelou lembrando-se de como havia sido um mau menino, provavelmente iria ser castigado.

“Peça perdão!” — disse a voz.

Deitando o corpo do filhote no ninho o Ômega levantou rapidamente se jogando de joelhos na frente do Alfa descobrindo o pescoço.

— Me desculpe Alfa-Nim fui um mau menino toquei onde não fui permitido. — disse desesperado Hoseok sem olhar para o Taehyung. — Por favor, me perdoe prometo ser bom. 

— Oh Hobi... — murmurou o Mago segurando uma bandeja nas mãos.

— Hã?! — questionou o Alfa confuso. — Você não fez nada de errado Hobie Hyung. Por favor, fique de pé.

Desconfiado levantou do chão, mas manteve-se em alerta... Sabia que o castigo iria chegar a qualquer hora.

Sempre chegava.

— Na verdade... — falou suavemente o Alfa. — Eu que devo pedir desculpas a você.

“O que?” — pensou o Ômega chocado franzindo as sobrancelhas olhando discretamente para o Alfa e o Mago pela cortina de seus fios negros.

— Bem... Desculpe-me como agi ontem, prometo que nunca irá acontecer novamente. — pediu o Alfa fazendo reverencia para o Ômega que estava abismado. — Sei que desculpas não apagam o que fiz, mas garanto que irei compensar o que fiz Hobi Hyung.

— Alfa-Nim, não... Não... — balbuciava o Ômega com os olhos arregalados e as sobrancelhas levantadas sem saber como agir. — Por favor... Não... Eu que fui um mau menino...

— Não Hyung a culpa não é sua. — rebateu o Alfa.

Nunca havia passado por esse tipo de situação... Não conseguia entender o porquê aquele Alfa esta se desculpando com ele, um simples Ômega que não conseguia obedecer.

Era ilógico.

— Hobi você poderia se sentar? — perguntou o Mago. — Por favor.

Na mesma hora o Ômega olhou em direção ao Alfa esperando sua ordem, suspirando o Alfa concordou com a cabeça fazendo-o sentar na beirada do ninho de costas para o filhote que mordiscava os dedos das próprias mãos soltando resmungos felizes.

— Ótimo Hobi! Ah, aproposito obrigado por ter cozinhado para nós, estava delicioso. — agradeceu o Mago sorrindo aproximando-se do Ômega o deixando ainda mais confuso. — Aquele gyeran jjim foi o melhor que já provei, depois quero a receita.

— Realmente estava ótimo. — afirmou o Alfa sentando no chão perto do Ômega.

“Isso... Eles... Eles... Por quê?” — questionava-se o Ômega cobrindo o rosto com o cabelo.

— Hã... Não fiz nada além da minha obrigação... — respondeu o Ômega envergonhado e confuso pegando na barra da sua t-shirt.

— Não Hobi não era sua obrigação e nunca será. — disse o Mago. — Você fez um favor para nós e agradecemos você por isso e sempre vamos, mas não queremos que você faça nada por obrigação. Hobi você não precisa fazer nada que não quiser aqui, ok?

O que aquele Mago queria dizer que ele não tinha de fazer suas obrigações? Esse era um novo tipo de truque para castigá-lo depois?

Com certeza estavam o testando...

— Ele está certo Hobie Hyung, você não tem de provar nada para mim ou esse pacote.  — confirmou o Alfa.

“O que está acontecendo?...” — refletiu o Ômega apertando a barra da sua t-shirt olhando do Alfa para o Mago.

— Então... — começou a falar o Alfa mudando de assunto — Você já comeu Hobie Hyung?

— Não Alfa-Nim, sou um bom menino sei que tenho de ter permissão do Alfa-Nim. — respondeu o Ômega orgulhoso.

— Deus... — murmurou o Alfa passando a mão no rosto. — Sou um idiota... Você estava certo Jin Hyung.

— Claro que estava. — rebateu o Mago depositando a bandeja no colo do Ômega sentando do lado do Alfa. — Aqui Hobi lhe trouxe o café da manhã, coma, afinal, foi você quem cozinhou.

Olhando para a bandeja cheia nas suas pernas fez seu estômago roncar fervorosamente, levantando o rosto chocado o Ômega olhou diretamente para o Alfa esperando uma confirmação.

— Hobie Hyung, nunca precisa pedir permissão para comer. Nunca! — afirmava o Alfa. — Você pode pegar ou cozinhar o que você quiser nessa casa, ok? Você entende isso?

— Mas Alfa-Nim isso é demais, não mereço... — murmurou o Ômega olhando para a bandeja.

— Não, não é demais Hobie Hyung. — disse o Alfa obstinado. — Você pode fazer isso?

— Se você quer assim Alfa-Nim. — respondeu o Ômega derrotado pegando o jeotgarak com os dedos trêmulos.

O Ômega ainda estava na espera do Alfa informar que tudo aquilo era um teste e que ele havia falhado, pois nada daquilo tinha lógica.

Nada.

Encarrando a badeja o Ômega lentamente levou o jeotgarak para o arroz pegando-o desconfiado.

“São ordens do Alfa, obedeça.” — pensava em um mantra levando o arroz para a boca.

Quando o Ômega sentiu o gosto da comida parecia que tinha perdido o controle do seu corpo, pois rapidamente começou a comer desesperadamente, afinal era a primeira vez que experimentava esses tipos de alimento mesmo o cozinhando sempre.

Seu antigo Alfa costumava alimenta-lo só com pães mofados por achar perda de dinheiro o alimentar com mais.

— Bom menino. — elogiou o Alfa fazendo o Ômega ficar constrangido. 

— Ah Hobi isso também vale para o filhote ok? — disse o Mago ganhando a atenção do Ômega que na mesma hora solou os jeotgarak soltando um suspiro surpreso olhando para o Alfa que confirmou com a cabeça.

“Vou poder alimenta-lo...” — refletia feliz o Ômega sentindo seus olhos ficarem molhados.

— Muito obrigado! — agradeceu o Ômega colocando a bandeja pela metade no colchão enquanto fazia uma reverência completa no chão. — Obrigado, prometo ser um bom menino. Obrigado.

— Não precisa agradecer Hobie Hyung. — disse rapidamente o Alfa. — Por favor, sente-se.

— Sim Alfa-Nim. — respondeu sentando limpando os olhos.

— Me chame de Taehyung. — falou o Alfa.

— Mas Alfa-Nim isso seria um desrespeito e irresponsabilidade da minha pare. — respondeu em tom baixo o Ômega.

— Hobie Hyung nesse pacote não nós importamos com formalidades, Ok? — informou o Alfa. — Ninguém irá te castigar por usar nossos nomes.

— Sim Taeh...yung. — falou o Ômega incerto ganhando um sorriso do Alfa que lhe entregou a bandeja.

“Esse Alfa e estranho...” — refletiu começado a comer devagar.

“Não se engane.” — ordenou a voz.

— Hobi, isso tudo deve ser tão confuso para você... — disse o Mago. — Aliás, pode me chamar de Jin Hyung.

“Jungkook, Taehyung e Jin...” — repetia os nomes na mente. — “Jungkook, Taehyung e Jin...”

Comendo o Ômega notou que os dois homens a sua frente trocaram alguns olhares até Taehyung suspirar concordando com a cabeça virando o rosto para ele.

— Bem Hobie Hyung... Precisamos que responda algumas perguntas, ok? — disse o Alfa ganhando um aceno positivo do Ômega.

— O que quiser Taehyung. — respondeu o Ômega imediatamente.

— Você entende porque o chamamos de Hobi? — perguntou o Alfa ganhando um aceno negativo do Ômega.

— Como imaginei. — suspirou Jin passando os dedos pelos seus fios loiros.

— Qual é o seu nome? — continuou perguntou o Alfa.

— Qual você quiser Taehyung.

— Não, qual o seu nome? — questionou Jin.

— Meu antigo pacote me chamava de vira-lata ou vagabunda. — confirmou o Ômega. — Mas meu nome é aquele que o Alfa desejar.

— Porra! — grunhiu o Alfa levantando do chão começando a andar em círculos. — Esses filhos da puta! Vou mata-los! — afirmava entre os dentes Taehyung com os olhos vermelho assustando o Ômega que se encolheu.

— Fique calmo Taehyung. — disse Jin fazendo o Alfa grunhir em resposta. — Você está o assustando.

Na mesma hora o Alfa respirou fundo parando abruptamente de costas para o Ômega.

— Bem... Na verdade você tem um nome e é Hoseok ou Hobi como apelido. — afirmou o Mago.  

— Oh, entendo... — na verdade não entendia, mas quem era ele para discordar com o Mago.

O Alfa já parecia irritado o bastante para irrita-lo ainda mais com sua ignorância.

“Então aqui meu nome será esse.” — pensou o Ômega comendo kimchi. — “Hoseok... Hobi...” — refletiu testando o nome.  

— Então Hobi você poderia me falar do seu antigo pacote? — perguntou calmamente Jin. — Qual era o nome do bando?

— ... — tentou dizer o Ômega, porém nenhum som saiu da sua garganta.

Lembre-se vira-lata nenhum pio sobre o pacote. — ordenou a voz do antigo Alfa na sua cabeça fazendo o Ômega arregalar os olhos e balançar a cabeça freneticamente.

Começando a andar em círculos novamente Taehyung grunhiu frustrado passando a mão no rosto enquanto encarrando o Ômega.

— Qual era o nome do Alfa? — perguntou bruscamente Taehyung.

 “Não consigo.” — refletiu Hoseok tentando lembrar o nome.

Desesperado o Ômega tentou buscar na memória o nome dos integrantes do pacote antigo, porém não conseguia lembrar-se de nenhum. Revisando suas memórias Hoseok notou que em todas nunca conseguia ver o rosto dos integrantes do pacote somente as vozes eram presentes.

Era assustador.

Com os olhos arregalados o Ômega olhou do Mago para o Alfa balançando a cabeça.

— Não... Não consigo lembrar. —murmurou Hoseok apertando os dedos no jeotgarak. — Me desculpe.

— Oh Hobi... — suspirou Jin triste. — Tudo bem, não se force. — afirmou o Mago.

Grunhindo frustrado Taehyung sentou-se no chão bagunçando os fios vermelhos.

— Você se lembra do que aconteceu há dois anos? — perguntou o Alfa de supetão.

— Taehyung! — chamou atenção Jin.

— Não havia nada há dois anos. — afirmou roboticamente colocando o jeotgarak encima da bandeja.

— O que você quer dizer com isso? — perguntou Jin.

— Antes do meu antigo pacote não existia nada. — respondeu o Hoseok fazendo os outros dois se encarrarem.  

— Bem Hobi é se eu disser que isso é mentira? — perguntou suavemente o Mago. — E que há dois anos você foi sequestrado de nós?

Franzindo as sobrancelhas o Ômega encarrou Jin.

— Isso não é verdade. — rebateu Hoseok tremendo colocando a bandeja novamente encima da cama virando de costas para os outros dois observando o filhote que brincava com os pés. — Não é verdade.

— E verdade Hobie Hyung, há dois anos você foi sequestrado e agora temos certeza que de algum modo pagaram suas memórias. — disse Taehyung nervoso.

Quem é você?

 

Afinal, quem era ele?

 

 

— Kim Namjoon —

 

Pilotando sua Harley Davidson pelas ruas de Gangdon-myeon Namjoon ia em direção à parte mais isolada da cidade. Chegando a uma estrada de terra o caçador acelerou a motocicleta sabendo que já estava perto do seu destino final.

Após alguns quilômetros rodados Namjoon conseguia ver ao longe uma construção deteriorada com um letreiro encima rodeada por alguns carros, caminhões e motos.

“Hunting Hell Bar...” — leu Namjoon a placa estacionando sua motocicleta. — “Que comesse os jogos...” — pensou descendo da moto tirando o capacete.

Com o capacete embaixo do braço o caçador abriu a porta do Bar entrando no estabelecimento recebendo diversos olhares atravessados. 

“Sempre querido...” — refletiu indo até o balcão do bar quando um dos caras que jogava sinuca cuspira no chão quando o caçador passou.

— Oh, o que te trás aqui Delegado? — perguntou o bartender sorrindo secando um copo.

— Corte a formalidade Jooheon. — respondeu bruscamente Namjoon escorando no balcão. — Você sabe muito bem o único motivo de eu por os pés nessa pocilga.

— Estou ofendido Delegado. — rebateu o garoto de cabelo castanho colocando o copo no balcão levando em seguida a mão para o coração. — Meu estabelecimento é maravilhoso.

— Pare de drama, até você sabe que esse lugar é uma porcaria. — falou o caçador rolando os olhos.

— Mas uma porcaria com classe. — confirmou o castanho sorrindo escorando os cotovelos no balcão fazendo Namjoon suspirar derrotado.

— Onde ele está?

— Onde mais ele estaria? — disse Jooheon irônico. 

Afastando-se do balcão Namjoon começou a andar para o fundo do bar, mas na metade do caminho fora parado por um homem platinado musculoso cheio de piercings e tatuagens.

— Você não tem vergonha de pisar aqui, Chapeuzinho Vermelho?! — questionou com raiva o platinado.

— Como se fosse meu sonho estar aqui. — respondeu Namjoon rolando os olhos tentando passar pelo outro.

— Claro, porque seu sonho e se prostituir para aquele bando de vira-latas. — rebateu o homem.

“Esse filho da puta!” — pensou Namjoon travando os dentes.

— Saia do meu caminho Wonho. — ordenou entre os dentes o caçador.

— Ou o que? Irá soltar seus cachorros em mim? — perguntou Wonho avançando para cima do caçador. — Sei muito bem como exterminar vira-latas.

Na mesma hora Namjoon começou a rir deixando o platinado mais raivoso.

— Ah... E tão engraçado ver como você é iludido Wonho... — disse entre risadas o caçador. — Você não duraria um segundo. — completou Namjoon fechando a cara.

— Ore seu filho da puta! — grunhiu o platinado pegando Namjoon pela gola do seu uniforme.

— Continue me segurando que irei arrumar uma cela especial para você na cadeia. — falou o caçador encarrando os olhos de Wonho. — E garanto que será pior que a dá última vez.

— Wonho o solte! — ordenou Jooheon de trás do balcão. — Não irei pagar sua fiança dessa vez.

— Tsc... — grunhiu o platinado soltando o caçador. — Isso ainda não acabou. — disse Wonho batendo bruscamente o ombro no de Namjoon enquanto passava por ele.

— Claro... — respondeu debochado o caçador começando a andar para o fundo do Bar onde avistou um homem loiro rindo bebendo soju.

— Oh! Namjoonie suas visitas sempre são incríveis! — disse rindo o loiro quando o caçador sentou à sua frente colocando o capacete na cadeira ao seu lado. — Sempre me divirto. — afirmou derramando soju em um copo empurrando em direção de Namjoon. — Você tem de vim aqui mais vezes.

“Como se fosse beber qualquer coisa vinda de você.” — pensou o caçador olhando para o liquido no copo.

— Consegui o que te pedi Jackson? — perguntou Namjoon empurrando o copo para o lado.

— Direto como sempre. — murmurou o loiro colocando um envelope pardo encima da mesa. — Claro que consegui, estamos falando aqui de Jackson o melhor informante de todos.

— Ótimo. — falou Namjoon levando a mão para o envelope, mas antes que conseguir puxa-lo Jackson segurou-o.

— Hãn! Hãn! — disse Jackson balançando o dedo negativamente. — Não está esquecendo-se de nada não? — perguntou o loiro divertido com a mão encima do envelope.

Suspirando o caçador pegou um envelope branco de tamanho médio que estava dentro do bolso da calça do seu uniforme o colocando encima da mesa.

— Aqui ₩1811800,00⁹. — informou Namjoon abrindo o envelope mostrando o dinheiro para o outro. — Me de o envelope.

— Agora estamos falando a mesma língua. — afirmou em tom provocante Jackson empurrando o envelope na direção do caçador que franziu as sobrancelhas. — Namjoonie você tem de aprender a relaxar.

— Nunca perto de você. — respondeu de forma rude o caçador abrindo o envelope folheando os documentos. — Bem... — murmurou guardando os papeis pegando o envelope branco tirando ₩724460,00¹⁰ do valor o jogando no loiro enquanto pegava o capacete e levantava-se da mesa.

— Ei! Não foi isso que combinamos! — grunhiu com raiva Jackson apoiando as mãos na mesa enquanto levantava. — Isso é menos da metade que combinamos Namjoon.

— Exatamente como as informações que me passou Jackson. — rebateu o caçador estreitando os olhos para o loiro. — O que? Achou que não iria notar?

— O que? Que absurdo! — respondeu o loiro. — Está tudo ai!

— Já te disse antes Jackson. — grunhiu Namjoon apoiando uma mão na mesa estreitando os olhos. — Não confio em você é nunca vou confiar.

— Tsc... — falou irritado Jackson jogando-se na cadeira começando a rir. — Você realmente me conhece.

— Infelizmente. — respondeu o caçador começando a se afastar da mesa indo em direção à porta, porém escutou a voz do loiro o chamando.

— Ei Namjoonie... Fiquei sabendo que vocês adotaram dois novos cachorros. — informou o loiro debochado fazendo Namjoon parar de andar. — Ainda de raça rara... Quem diria?! — comentou em falsa surpresa. — Sabe se fosse você os trancariam no canil para evitar deles serem levados. — disse o loiro em tom de ameaça batendo os dedos na mesa. — Conheço muitas pessoas aqui que adorariam ter um pedigree em mãos...

“Esse filho da Puta!” — pensou Namjoon apertando os dedos no capacete encarrando com ódio Jackson que sorria. — “Como ele ficou sabendo disso?”

Voltando para a mesa Namjoon jogou com força o envelope branco encima da mesa enquanto encarava os olhos do loiro.

— Você não sabe de nada. — ordenou o caçador.

— Nem sei do que você está falando Namjoonie. — rebateu Jackson sorrindo pegando o envelope branco guardando no bolso do casaco. — Por enquanto...

Dando uma última encarada em Jackson o caçador virou de costas partindo em direção a saída ignorando as risadas altas do outro.

 

Realmente esse lugar era o inferno...

 

 

— Jeon Jungkook —

 

— ...uem? — perguntou o Sonsengnim⁸ de literatura. — Ninguém? — insistiu. — Tudo bem então. — disse o homem frustrado escorando ao lado da sua mesa fazendo uma vistoria na sala até seus olhos pararem em Jungkook. — Sr. Jeon.

— Sim Sonsengnim. — respondeu o Beta ficando de pé.

— Poderia me explicar o porquê Dédalo⁹ agiu desta forma? — questionou o homem.

— Dédalo tinha inveja do sucesso do seu sobrinho Talo, por isso o empurrou. — falou Jungkook. 

— Obrigado Sr. Jeon pode se sentar. — agradeceu o Sonsengnim começando a andar pela sala. — Como Sr. Jeon nós disse a inveja realmente pode ser uma razão de Dédalo, porém pessoalmente creio que o motivo foi além. — disse o homem. — Acredito que na verdade Dédalo estava com medo... Sim Srta. Park?

— Sonsengnim, porque medo? — perguntou a garota.

Olhando o relógio na parede Jungkook grunhiu frustrado notando que ainda estava longe do horário de ir para casa.

“Jin Hyung podia ter me deixado ficar em casa.” — pensou o Beta rabiscando no caderno.

— Imaginem a situação de Dédalo sendo o melhor artesão e engenheiro de Atena descobrir que estava sendo trocado por seu novo aprendiz ao qual ele mesmo ensinará!? Isso começou a envenenar sim Dédalo com inveja para Talo, porém mais que a inveja pode-se notar o medo de ser substituído é... — antes de conseguir completar seu raciocínio o sinal tocou indicando a hora do intervalo. — Bem vamos ter de deixar esse assunto para outra hora, classe dispensada.

Suspirando Jungkook guardou o material embaixo da mesa pegando o velho moleskine marrom partindo em direção ao corredor da escola.

— Jungkook Oppa¹¹ está tão bonito hoje... — murmurou uma garota para sua amiga quando o Beta passou por ela.

— Sim, mas não vale o risco... — respondeu outra garota. — Dizem que quem se aproxima dele acaba amaldiçoado.

— Sim igual à família Kim e a Jung. — falou outra menina.

— Tsc. — grunhiu frustrado o Beta lançando um olhar de morte para as três meninas que se encolheram.

Era exatamente por esse tipo de comentários que o Beta não tinha amigos na escola, na verdade preferia até assim, mas não podia negar que toda vez que escutava os múrmuros sobre si doía...

Pois os achava certos.

Frustrado o Beta o apetou os punhos acelerando os passos para sair o mais rápido possível daquele corredor, porém fora parado quando sentiu seu braço direito ser abraçado.

— Ei Jungkookie Oppa, porque faltou esses dias? — disse com uma voz melosa apertando o braço do Beta. — Fiquei com saudades.

— Não sou seu Oppa é já disse para não me chamar de Jungkookie, Hyeri. — respondeu Jungkook puxando o braço do alcance da menina que fez beicinho. — Me deixe em paz.

— Você é tão ruim Oppa! — rebateu a Hyeri acelerando o passo para andar ao lado do Beta, porém não conseguindo o acompanhar. — Quando você vai perceber que somos o casal perfeito.

— Quando você vai notar que isso nunca vai acontecer!? — disse Jungkook virando o corredor.

— Nunca. — afirmou a garota. — Ei, já que você voltou à gente podia ir ao cine... Jungkookie Oppa! Onde você está? — perguntou Hyeri virando o corredor, mas não encontrando Jungkook. — Oppa!?

“Deus como ela e irritante.” — pensou o Beta escondido dentro de uma sala abandonada escutando Hyeri chamando-o no corredor.

Assim que a voz da garota sumiu Jungkook afastou-se da porta vendo pela primeira vez o cômodo onde entrou.

— Oh, foi aqui...

 

Sentado encima da mesa quebrada ao lado da janela embaçada Jungkook folheava o moleskine que havia ganhado da Harmeoni dois anos antes da tragédia.

“Jin Hyung e Tae Hyung devem estar me procurando.” — pensou frustrado bagunçando o cabelo olhando para o céu nublado.

Era novamente aquela época do ano e novamente o Beta havia fugido de casa é dessa vez escondeu-se em uma sala abandonada na escola.

“Tenho de parar com isso.” — refletiu Jungkook olhando pela janela vendo um pequeno pássaro branco pousar em um galho seco enquanto a neve caia.

Suspirando o Beta colocou a mão no vidro da janela sentindo as vibrações da ventania do inverno, poderia até dizer que o vento estava cantando uma melodia.

Abrindo uma fresta na janela Jungkook teve certeza.

Fechando os olhos apreciando a melodia sussurrada pelo vento o Beta começou a cantar juntamente com pássaro branco.

 

Walking in my sleep

Like the naked trees

Will they wake up again?

Do they sleep, do they dream?

 

Caminhando em meu sono

Como as árvores nuas

Será que eles vão acordar de novo?

Eles dormem, eles sonham?

 

Cantava com a testa encostada no vidro trazendo lembranças do dia em que a escreveu.

 

Feel it as the wind strokes my skin

I am moved by the chill

Hear the winter bird sing

 

Sinto quando o vento acaricia minha pele

Eu sou movido pelo frio

Ouço o canto do pássaro invernal

 

“Harmeoni... Saeeomma¹²... Saeappa¹³... Namdongsaengs¹⁴... Yeodongsaeng¹⁵... Imo¹⁶...  Imobu¹⁷...” — pensou Jungkook com os olhos lagrimejantes.

 

My tears are always frozen

I can see the air I breathe

Got my fingers painting pictures

On the glass in front of me

Lay me by the frozen river

Where the boats have passed me by

All I need is to remember

How it was to feel alive

 

Minhas lágrimas estão sempre congeladas

Eu posso ver o ar que respiro

Tenho meus dedos desenhando imagens

No vidro em minha frente

Deite-me junto ao rio congelado

Onde os barcos passaram por mim

Tudo que eu preciso é me lembrar

De como era se sentir vivo

 

Abrindo os olhos podia ver os galhos secos das árvores balançando.

 

Silent days, violent chase

We are dancing again

In a dream, by the lake

Ah

 

Dias silenciosos, perseguição violenta

Nós estamos dançando novamente

Em um sonho, à beira do lago

Ah

 

“Por que...” — refletiu o Beta. — “Por que...”

 

My tears are always frozen

I can see the air I breathe

Got my fingers painting pictures

On the glass in front of me

Lay me by the frozen river

Where the boats have passed me by

All I need is to remember

How it was to feel alive

 

Minhas lágrimas estão sempre congeladas

Eu posso ver o ar que respiro

Tenho meus dedos desenhando imagens

No vidro em minha frente

Deite-me junto ao rio congelado

Onde os barcos passaram por mim

Tudo que eu preciso é me lembrar

De como era se sentir vivo

 

O vento do inverso fazia seu corpo frio igual seus sentimentos...

 

Pressed against my pillow like the ageing winter sun

 

Pressionada contra o meu travesseiro como o sol de inverno envelhecendo

 

Doía tanto...

 

Only wake each morning to remember that you're gone

So I drift away again

To winter I belong

Ah

 

Acordar todas as manhãs só para lembrar que você foi embora

Então eu afasto-me novamente

Para o inverno que eu pertenço

Ah

 

Sempre fugindo... Se escondendo... Era um covarde...

 

My tears are always frozen

I can see the air I breathe

Got my fingers painting pictures

On the glass in front of me

Lay me by the frozen river

Where the boats have passed me by

All I need is to remember

How it was to feel alive

 

Minhas lágrimas estão sempre congeladas

Eu posso ver o ar que respiro

Tenho meus dedos desenhando imagens

No vidro em minha frente

Deite-me junto ao rio congelado

Onde os barcos passaram por mim

Tudo que eu preciso é me lembrar

 De como era se sentir vivo

 

Tudo parecia tão cinza desde aquele dia...

 

My tears are always frozen

Minhas lágrimas estão sempre congeladas

 

Estava congelado...

 

My tears are always frozen

Minhas lágrimas estão sempre congeladas

 

... no passado.

 

My tears are always frozen

Minhas lágrimas estão sempre congeladas

 

Congelado em um mundo cinza.

 

All I need is to remember

How it was to feel alive

All I need is to remember

How it was to feel alive

 

Tudo que eu preciso é me lembrar

De como era se sentir vivo

Tudo que eu preciso é me lembrar

De como era se sentir vivo

 

“Porque não fiz nada?!” — questiona-se com raiva socado o vidro o quebrando-o. — “Sou um covarde...”

 

— Oh Meu Deus! — disse uma voz espantada fazendo Jungkook virar o rosto na direção da voz encontrando um garoto de cabelo cinza claro com as mãos na boca. — Porque você fez isso? — questionou o garoto entrando no cômodo com presa. — Você esta sangrando!

“Até meu sangue parece cinza...” — refletiu o Beta olhando para seu punho sangrando sem se importar.

Estava tão indiferente para o que acontecia com ele...

— Deus... Odeio sangue! — murmurou o garoto pegando a mão de Jungkook nas suas olhando o corte. — Droga tem um caco preso... — suspirou profundamente. — Vamos vou te levar na enfer...

Ignorando o garoto o Beta puxou a mão dos dedos gentis arrancando o caco, afinal, iria curar de qualquer maneira.

— Você é idiota garoto!? — grunhiu o garoto chocado enfiando a mão no bolso tirando um lenço cinza de poá envolvendo na mão de Jungkook. — Meu Deus! Isso vai piorar seu machucado. — disse desesperado apertando o lenço. — Vam...

Puxando a mão novamente o Beta lançou o seu olhar mais irritado na direção do garoto que suspirou.

“Vá embora.” — pensou Jungkook franzindo as sobrancelhas para o outro. — “Por favor, me deixe em paz.”

— Só quero te ajudar. — falou o garoto esperando uma resposta que não veio.

Após as palavras do outro nenhum dos dois falou nada, o único som presente era do vento batendo na janela.

— Ei Hope! O que está fazendo? Vamos. — chamou uma voz profunda no corredor quebrando o silêncio.

— Ah, Yoonie Hyung já estou indo! — respondeu o garoto indo em direção à voz, porém antes de sair parou no batente da porta. — Irei te contar um segredo garoto... — falou olhando por cima do ombro em direção a Jungkook.

“O que ele quer agora?” — pensou irritado o Beta fechando a cara desviando o rosto. — “Só vá emborra.”

— Após o inverno sempre virá à primavera. — disse o garoto fazendo Jungkook voltar o rosto rapidamente para o outro, mas só conseguindo ver a silhueta do garoto contra os raios solares que o cercavam.

Rapidamente o Beta tampou o sol com a mão machucada vendo um sorriso de coração tão brilhante quanto os raios.

 

— As folhas irão nascer. — concluiu o garoto ruivo saindo da porta.

 

— ... que conheci Hobi Hyung. — murmurou Jungkook abrindo o moleskine encontrando o lenço verde de poá dobrado.

“Já passou quase cinco anos que isso aconteceu...”— refletiu o Beta pegando o lenço.

Rindo Jungkook fecha o moleskine apertando o lenço na mão deslizando pela porta sentando-se no chão abraçando as pernas.

 

— As folhas irão nascer...

 

 

— Min Yoongi —

 

— O que quer dizer com ele não lembra? — grunhiu a Raposa com os olhos bancos apertando o celular no ouvido.

“Isso não pode ser verdade!”— pensava incrédulo Yoongi. — “Como Hope pode esquecer?! Como?!” — questionava-se sentindo as pontas dos dedos esquentarem. — “Minha esperança.”

— Hoseok não tem memórias de antes de ser sequestrado Yoongi. — respondeu Jin suspirando soltando estática na chamada. — Olha sei que é difícil, mas...

Antes de Jin conseguir completar a frase a Raposa desligou o celular jogando-o com força em direção a porta que fora aberta por Namjoon que o pegou com maestria.

— Opa, tenha mais cuidado com suas coisas Hyung. — disse o caçador balançando o celular sentando na cadeira que estava à frente da mesa da Raposa. — Alguém poderia ter se machucado.

— Foda-se Namjoon! — rebateu Yoongi pegando o cantil de bolso no seu palito tomando um gole de whisky.

— Não acho que seja inteligente denegrir o Delegado da cidade, Min. — falou Namjoon colocando o celular encima da mesa.

“Porra, sua personalidade resetada é tão irritante.” — pensou Yoongi apertando a ponte do nariz.

— O que você quer aqui Namjoon? — perguntou a Raposa sem paciência.

— Taehyung pediu para te entregar esse envelope. — disse o caçador entregando o envelope branco para Yoongi.

— Obrigado, pode ir embora. — respondeu rude a Raposa pegando o envelope.

— Por esse estresse todo acho que você já ficou sabendo da notícia das memórias de Hoseok. — disse Namjoon tomando uma postura séria ajeitando-se na cadeira.

— Me diga uma coisa que não sei Namjoon. — grunhiu Yoongi com as mãos ferventes.

Encarrando a Raposa o caçador colocou um envelope pardo encima da mesa empurrando-o em sua direção.

Levantando uma sobrancelha Yoongi abriu o envelope pegando os papéis, após folheá-los franziu as sobrancelhas ajeitando-se na cadeira colocando-os na mesa.

— O que é isso? — questionou Yoongi olhando para o caçador com as sobrancelhas levantadas.

— Leia, você irá entender. — respondeu Namjoon batendo o dedo indicador encima do tampo da mesa.

Grunhindo com a resposta recebida Yoongi começou a ler os papeis vendo que esses se dividiam em grupos: Os primeiros mostravam imagens de mapas marcados com um X vermelho, linhas amarelas e círculos verdes em certos pontos; Os segundos eram papéis lotados de números que pareciam coordenadas; Os terceiros demonstravam páginas de caderno rabiscadas com nome de lugares e o quarto era somente uma foto desfocada com cinco silhuetas andando em direção à câmera.

 “O que é isso?” — questionou-se Yoongi virando a foto encontrando alguns rabiscos que diziam. — “Pacote Kwon, New York, 2008.”

Após ler notou um pequeno símbolo na lateral da imagem que o fez arregalar os olhos notando o que estava segurado.

“E exatamente à mesma maldita imagem da tatuagem daquele bastardo.” — afirmou a raposa vendo o padrão do símbolo.

— Onde você conseguiu isso? — perguntou a Raposa folheando os papéis curvando o corpo sobre a mesa.

“Agora temos a chance...” — refletiu Yoongi colocando os papeis no tampo da mesa.

— Tenho os meus contatos. — respondeu Namjoon dando de ombros.

— Como? — questionou.

“Estou a dois anos tentando achar qualquer porra de informação e você em menos de três dias consegue tudo isso?!” — pensou frustrado Yoongi sentindo seus dedos começarem a esquentar. — “Porra!”

Yoongi estava raivoso com ele mesmo, pois parecia que todos os seus esforços durante esses dois anos tinham sido inúteis...

— Usei o símbolo que estava talhado nas costas de Hoseok para conseguir essas informações com um informante. — afirmou o caçador apoiando os cotovelos na mesa. — Não é nada novo, mas pelo menos é um começo... Principalmente essa. — disse apontando para a foto na mesa. — Agora temos um nome e sabemos que são cinco membros principais.

— Quatro, matei um deles. — lembrou Yoongi. — Quem te passou isso é confiável?

— Não. — respondeu Namjoon ganhando um estreitar de olhos da Raposa. — Mas ele nunca passa informação errada.  — disse confiante passando a mão pelos fios castanhos dourados. — Olha as informações que tenho aqui são só até 2008 quando essa foto foi tirada, mas dá para notar que esse é um pacote transeunte pelas anotações. — disse o caçador mudando de assunto apontando para os papeis.

“Estranho...” — pensou a Raposa observando o modo que Namjoon havia mudado de assunto.

— Vê? Eles nunca ficaram mais que alguns meses em um território. — afirmava o caçador.

— Um comportamento incomum para licantropos. — murmurou Yoongi encostando-se a cadeira. — Droga sem território vai ser impossível de caça-los.

— Sim. — concordou Namjoon. — Como você conseguiu achar um deles? — questionou curioso.

“Não achei... Foi à merda do meu clã que me deu como um brinde de bom comportamento.” — pensou Yoongi apertando os punhos.

— Por sorte. — respondeu a Raposa bruscamente fazendo o caçador levantar a sobrancelha.

— Ok... — rebateu desconfiado Namjoon. — Voc...

Antes de Namjoon conseguir completar sua frase a porta fora aberta por um homem de cabelo preto.

— Desculpas Senhor Min, mas o cliente acabou de chegar para a reunião. — informou o homem.

— Obrigado Changkyun. — agradeceu Yoongi sem olhar para o moreno. — Pode se retirar.

— Sim Senhor Min. — respondeu Changkyun fazendo reverencia saindo da sala.

— Essa é minha deixa para sair. — falou o caçador levantando da cadeira indo para a porta.

— Namjoon. — chamou Yoongi pegando um chaveiro na primeira gaveta da sua mesa.

— Sim? — perguntou o caçador virando o corpo para a Raposa.

— Vá para o meu apartamento depois do seu turno. — ordenou Yoongi jogando o chaveiro para Namjoon que o pegou sem problemas. — Precisamos alinhar essas informações.

— Claro Hyung. — respondeu o caçador guardando o chaveiro no bolso da camisa saindo da sala.

Sozinho em seu escritório Yoongi juntou os documentos espalhados na mesa os guardando novamente no envelope pardo os colocando na primeira gaveta.

Suspirando a Raposa pegou o cantil de bolso tomando mais uma dose bagunçando seus fios negros.

 

— Você irá obedecer não irá Yoongi? — perguntou a Eomeonim de Yoongi sentada em uma almofada usando um Hanbok enquanto tomava chá tranquilamente.

— Eu te odeio! — gritou Yoongi em pé olhando as fotos espelhadas ao seu redor.

— Grande novidade. — respondeu a mulher desinteressada. — Me deixe reformular essa frase para seu cérebro inútil entender. — falou a mulher pegando uma das fotos no chão. — Ou você faz o que estou mandando ou... — disse rasgando a foto. — ...pode dar adeus a esse garoto.

— Não o envolva nisso! — grunhiu a Raposa com os olhos brancos.

 

— Você quem o envolveu Yoongi.

 

— Porra! — grunhiu Yoongi raivoso tacando o cantil na parede.

 

 

— Kim Seokjin —

 

— Nada... — murmurou Jin apertando a ponte do nariz enquanto folheava um dos vários livros espalhados por sua sala.

“Estou aqui desde manhã é ainda não achei nada.” — pensou frustrado o Mago fechando o livro jogando seu corpo no encosto da cadeira coçado os olhos que ardiam de tanto ler. — “Merda!”

— Tem de haver alguma coisa... — disse Jin passando as mãos pelo rosto virado para o teto.

Abaixando as mãos o Mago fechou os olhos ficando alguns minutos nessa posição até escutar seu celular apitar avisando que havia chegado mensagem, desencostando da cadeira o Mago pegou o aparelho vendo que era de Namjoon.

 

Namjoon

Hyung, não voltarei para casa hoje

Vou ficar na casa de Yoongi Hyung

 

Jin

Ok.

 

“Merda... Ainda tenho de lidar com Namjoon.”— pensou Jin triste olhando para a tela do celular apertando-o com os dedos. — “Namjoon...”

Parecia que tudo estava quebrando em seus dedos e o Mago não tinha ideia de como colar os pedaços que caiam... Na verde nunca teve a noção, mas gostava de se enganar e aos outros fingindo que tinha.

Fingindo que era forte enquanto na verdade era o mais covarde de todos.

Era ridículo...

— O que faço? — murmurou olhando para a tela do celular escurecendo.

A cabeça de Jin estava uma bagunça tendo esses dois quebra-cabeças de dez mil peças em mãos.

Principalmente aquele...

 

Terminando de desenhar o círculo mágico no chão Jin levantou-se indo em direção ao corpo desacordado de Namjoon o pegando.

“Irei te concertar Namjoon.” — afirmava o Mago colocando o caçador no meio do círculo.

— Mestre. — disse Taeyeon parada do outro lado do círculo. — Você tem certeza disso?

— Você acha que fiz tudo isso sem ter certeza?! — questionou Jin ficando de pé apontando para o círculo trabalhado.

— Não. — respondeu a mulher cruzando os braços. — Mas acho que você não está pensando direito nas consequências que isso irá trazer.

— Não me importo.

— Mestre te conheço a anos é sei que você está mentindo. — rebateu Taeyeon. — Você se importa.

— Taeyeon agora não, por favor! — grunhiu Jin bagunçando o cabelo.

— Wangja Seokjin, realmente quer que ele passe por isso? — perguntou Taeyeon começando a andar envolta do círculo.

— Você não entende Taeyeon! — afirmou o Mago olhando para aa mulher soltou uma risada sem humor.

— Como não entendo?! — falou Taeyeon debochada. — Já vi você tentando isso antes e não acabou bem para ele e nem para você.

— Isso foi diferente!  — respondeu o Mago sentindo seu coração apertar lembrando-se dele.

— Em que ponto? — perguntou a mulher parando ao seu lado.

— ... — Jin abriu à boca para responder, porém não tinha o que dizer frustrado encarrou seus pés.

— Como imaginei... — afirmou Taeyeon confiante encostando os dedos no ombro do Mago. — Isso pode ser um erro terrível igual da última vez, você realmente quer arriscar?

— Não posso deixa-lo ir assim... — murmurou Jin de cabeça baixa. — Não posso deixar ela me tirar outro...

Encarrando Jin cabisbaixo Taeyeon suspirando dando uma aperto no ombro do Mago voltando para sua posição inicial agachando-se ao lado do círculo.

— Ok, vamos começar. — disse Taeyeon colocando as mãos no círculo soltando uma luz rosa. — Mas esteja preparado para as consequências. — avisou.

— Estou. — respondeu Jin agachando-se do outro lado colocando as mãos no círculo também soltando uma luz rosa. — Obrigado Taeyeon.

— Não me agradeça ainda Mestre. — rebateu a mulher fechando os olhos começando a murmurar uma melodia.

Os cabelos do Mago começaram a balançar conforme Taeyeon aumentava seu tom de voz.

Pronunciando mais uma linha da melodia a mulher abriu os olhos em um rosa brilhante focando-os diretamente para Jin que concordou com a cabeça.

— Turn fidelis servus meus vos in vinculum interficiam de terra animam suam, et devote novi dominum suum¹⁸! — ordenou o Mago fazendo o corpo de Namjoon levitar dentro do círculo.

— Agora! — afirmou Taeyeon movimentando a boca sem soltar som quando a cobra desenhada começando a rodas dentro do círculo.

— Memoriae adducerem te cupiditatem infinitam deglutiat dicam illi barbari contemptim oppositum huic circulo corporis¹⁹ — ordenou Jin.

Assim que as palavras foram pronunciadas a cobra desenhada começou a rodar com maior velocidade até sair do chão pulando em direção ao corpo de Namjoon envolvendo sua perna esquerda.

— Vade²⁰! — disse Jin batendo as mãos encima do círculo fazendo a cobra começar a desligar pela perna do caçador até envolver o seu tronco.

— Denique²¹! — falou o Mago batendo as mãos juntas em uma palma.

 

“Dessa vez será diferente!” — pensou Jin olhando para o corpo desacordado de Namjoon absorvendo a cobra.

 

...que ele mesmo causou.

Apertando a ponte do nariz Jin grunhi frustrado jogando o celular de qualquer jeito encima da mesa.

“Esqueça isso Seokjin!” — ordenou-se levantando da cadeira andando ao redor da sala. — “Esqueça.”

Era o que pensava, mas sabia que nunca iria esquecer aquele dia...

Dia em que tinha estragado tudo.

Parando em frente do sofá extremamente frustrado o Mago bagunçou seus fios loiros.

— Deus... — murmurou Jin tirando as mãos do cabelo focando os olhos em um ponto rosa no sofá.

Após alguns minutos olhando o objeto sem realmente prestar atenção o Mago notou que aquilo era a bolsa de bebê que havia conseguido para o filhote, suspirando Jin a pegou a bolsa saindo do cômodo.

Era a chance perfeita para esquecer Namjoon por alguns minutos.

Chegando à porta do Ômega o Mago a abriu dando de cara com Hoseok fazendo cosquinha na barriga do filhote que grunhia feliz, na mesma hora todos os sentimentos ruins do mesmo foram jogados para o lado.

— Filhote lindo. — disse Hoseok sorrindo brilhante para o bebê que aperava seus pequenos dedos na mão do Ômega.

Escorado no batente da porta Jin apreciava a cena à sua frente com carrinho, ver Hoseok tão relaxado e feliz fazia o Mago ter esperanças que tudo iria dar certo.

Batendo na porta o Mago chamou a atenção do Ômega que levantou a cabeça assustado abraçando o filhote.

— Oh desculpe-me Hobi, não queria te assustar. — desculpou-se Jin. — Posso entrar?

— O que desejar Jin Hyung. — respondeu de forma educada e formal Hoseok enquanto o filhote balbuciava pegando nos fios compridos.

— Obrigado. — disse Jin entrando na sala agachando na frente do Ômega entregando-o a bolsa. — Aqui, isso é para o filhote.

Com a cara espantada Hoseok sentou o filhote em seu corpo segurando-o com a mão esquerda enquanto pegava a bolsa com a mão direita.

— Oh! — exclamou o Ômega quando abriu a bolsa é viu os suprimentos para bebê. — De verdade? — perguntou ansioso Hoseok olhando para Jin com os olhos arregalados.

— Sim, Hobi. — respondeu gentilmente o Mago sorrindo sentando-se no chão.

— Muito obrigado! — agradeceu o Ômega abraçando a bolsa tombando o corpo em uma reverência. — Muito obrigado prometo ser bom!

— Não precisa agradecer Hoseok. — afirmou Jin balançando os braços. — Sente-se.

Quando o Ômega levantou o coração de Jin deu um salto vendo o quão feliz o outro estava.

“Deus esse sorriso...” — pensou o Mago vendo o sorriso de coração que Hoseok lançava para a bolsa tirar um macacão marrom com orelhas de urso. — “Esse e o Hobi que conheço.”

— Olha céu. — disse Hoseok mostrando o macacão para o filhote que sorriu feliz pegando-o com os pequenos dedos. — Você vai ficar tão bonito usando isso. — afirmou o Ômega beijando a cabeça do filhote enquanto lançava um olhar agradecido para o Mago.

Jin passou um bom tempo observando Hoseok mostrando cada item que havia dentro da bolsa para o bebê, era inegável ver o quão feliz o outro estava e isso deixava sensações mistas no Mago.

De um lado Jin estava feliz em finalmente ver um sorriso verdadeiro em Hoseok, mas do outro estava triste pelo Ômega se sentir tão feliz por tão pouco.

Isso fazia o Mago pensar em tudo que o outro tinha sido privado durante esses dois anos.

“Vamos compensar isso.” — afirmou Jin para si mesmo.

— Ainda está faltando muitas coisas, mas até conseguirmos ir às compras acho que isso irá aguentar. — disse o Mago fazendo Hoseok levantar a cabeça olhando em sua direção.

— Mais? — questionou o Hoseok extremamente chocado segurando um pequeno par de meias amarelas. — Meu filhote pode ter mais?

— Claro. — falou o Mago. — Isso serve para você também. — disse Jin sorrindo. — Iremos sair para comprar coisas para vocês, por isso se tiver alguma coisa que quiser me avise, ok?!

— Jin Hyung, eu não preciso de nada. — respondeu rapidamente o Ômega acariciando o filhote. — Você já esta sendo bom para meu filhote.

— Lógico que você precisa Hobi. — rebateu o Mago. — Lembra-se do que eu e Taehyung te explicamos mais cedo?

— Sim. — respondeu Hoseok balançando a cabeça. — Vocês me explicaram que aqui as coisas funcionam diferentes do meu antigo pacote. — disse de forma robótica.

— Exatamente! — afirmou Jin. — Por isso aqui você pode ter o que você quiser, ok?!

“Deus ele este tão condicionado...” — refletiu Jin vendo o quão ansioso estava Hoseok garrando a bolsa e ao filhote depois dessa simples frase. — “Hobi ainda não entende.”

— Hobi... — começou a dizer gentilmente o Mago encostando a mão no joelho do Ômega que saltou. — Sei que você está confuso com tudo isso, mas o modo que te trataram lá não era certo, eles machucaram você. — murmurou Jin. — Eles não tinham esse direito.

“Ninguém tem o direito de brincar com a vida dos outros.” — pensou Jin abaixando a cabeça rindo sem humor lembrando-se do que havia feito. — “Sou um hipócrita...”

Antes do Mago conseguisse tirar seus dedos do joelho do Ômega uma pequena mão pegou na sua a puxando, levantando a cabeça Jin encontrou um sorriso gomoso e ruídos felizes de bebê enquanto sua mão era esfregada no rosto contente do filhote.

— Haneul²³! — falou Hoseok sem saber o que fazer quanto o filhote mordia o dedão do Mago. — Me desculpe Jin Hyung, ele não sabe o que esta fazendo é...

— Haneul? Esse é o nome dele? — perguntou Jin sorrindo ignorando o desespero notável na voz de Hoseok que confirmou com a cabeça envergonhado. — Esse é um lindo nome, Hobi. — elogiou o Mago escutando Haneul balbuciar feliz enquanto brincava com sua mão. — Você escolheu bem.

— Não, não escolhi. — respondeu Hoseok balançando a cabeça negativamente brincando com a mão do filhote. — Alguém importante para mim quem escolheu o nome. — disse o Ômega com o rosto triste.

“O que?” — questionou-se Jin encarrando os olhos chorosos de Hoseok.

— Quem? — perguntou o Mago.

 

— Meu companheiro.

 

— S2 —


Notas Finais


Significados

• Pietà¹: Estatua feita por Michelangelo sedo uma representação de Jesus morto nos braços da Virgem Maria.

• Namul²: Legumes cozidos, marinados ou fritos e geralmente temperados com óleo de gergelim, sal, vinagre, alho picado, cebolinha picada, pimentas secas e molho de soja.

• Saengseon jjim³: Prato cozido no vapor feito com peixe cozido.

• Pajeon⁴: Prato frito na panela, como uma panqueca feito com cebolinha.

• Gyeran jjim⁵: Prato cozido no vapor feito com ovos mexidos e temperados.

• Doenjang guk⁶: Sopa fina e leve feita com pasta de soja, vegetais, carne e frutos do mar.

• Jeotgarak⁷: Utensílio (talher) usado na Coreia – Pauzinhos .

• Sutgarak⁸: Utensílio (talher) usado na Coreia – Colher.

• Sonsengnim⁸: Professor.

• ₩1811800,00⁹: Cinco mil.

• ₩724460,00¹⁰: Dois Mil.

• Oppa¹¹: Mulheres falam para homens mais velhos.

• Saeeomma¹²: Afetivo de madrasta.

• Saeappa¹³: Afetivo de padrasto.

• Namdongsaengs¹⁴: Irmão mais novo.

• Yeodongsaeng¹⁵: Irmã mais nova.

• Imo¹⁶: Tia.

• Imobu¹⁷: Tio.

• Turn fidelis servus meus vos in vinculum interficiam de terra animam suam, et devote novi dominum suum¹⁸: Transformar-te em meu servo fiel corta o laço com o terreno e devote sua alma ao seu novo mestre

• Memoriae adducerem te cupiditatem infinitam deglutiat dicam illi barbari contemptim oppositum huic circulo corporis¹⁹: Invoco você serpente do infinito traga as memórias que desejo e engula as que desprezo, faça o circulo inverso no corpo deste servo.

• Vade²⁰: Vá.

• Denique²¹: Finalize .

• Haneul²³: Céu


Música

• AURORA - Winter Bird — http://bit.ly/2f8WEMR



Imagens

• Foto pacote: http://bit.ly/2xZpN0D

• Lobo: http://bit.ly/2w1IEHM

• Pietà: http://bit.ly/2y0t2Wp

• Mamadeira: http://bit.ly/2eZSneE

• Namul: http://bit.ly/2wW1C5q

• Saengseon jjim: http://bit.ly/2eRsgmh

• Pajeon: http://bit.ly/2wWn5d6

• Gyeran jjim: http://bit.ly/2xsOdTW

• Doenjang guk: http://bit.ly/2f16UXw

• Uniforme Jungkook: http://bit.ly/2xkteSL

• Uniforme Namjoon: http://bit.ly/2fjjGh0

• Sujeo — Jeotgarak e Sutgarak: http://bit.ly/2fdE7eT

• Harley Davidson – Motocicleta Namjoon: http://bit.ly/2x45xf7

• Capacete Namjoon: http://bit.ly/2y3q56F

• Moleskine: http://bit.ly/2wSLcLX

• Lenço: http://bit.ly/2x4qM23

• Cantil de bolso: http://bit.ly/2h7d5tz

• Foto dos documentos: http://bit.ly/2fipK9j

• Símbolo da foto: http://bit.ly/2wZZuYU

• Círculo mágico: http://bit.ly/2h8pX2C

• Macacão de urso: http://bit.ly/2x8da42



Estou curiosa para ler suas teorias sobre o que vai acontecer daqui para frente.



Vejo vocês na próxima.
Xoxo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...