História Quebrando O Tabu - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jin
Tags Bangtan Boys, Bts, Jin, Kim Seokjin, Romance
Exibições 114
Palavras 2.577
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Vou Te Levar Para Tomar Um Café


Kim SeokJin

Abril 2019 – 05:23 p.m 

Centro Médico Guk II

Um mês, aquela garota só precisou de um mês para fazer minha vida virar de cabeça para baixo e ganhar meu ódio. Iara me deixa tão irritado que chego a duvidar de minha própria sanidade. Sempre insolente, com aquele ar determinado de garota durona, não ouve minhas ordens e muito menos respeita as pequenas regras que eu criei. É tão difícil assim me obedecer como os outros? 

Pelo menos hoje eu terei um descanso, não vou precisar passar a noite no hospital porque vou jantar na casa de um dos presidentes. Depois do jantar, estou liberado do hospital, posso ir direto pra casa descansar por algumas horas. O propósito do jantar? Nem eu sei, se fosse apenas o Choin, seria mais uma tentativa frustrante de empurrar-me para sua filha, todavia, esse jantar é oficialmente do presidente Song Joong Ki. Será que eu vou subir de cargo e finalmente virar o Sunbae daquela metida da Iara? Assim ela vai ser obrigada a seguir minhas ordens. 

Assim que termino de arrumar minha camisa social, eu me olho no espelho médio na porta do meu armário e fecho o objeto de ferro em seguida, saindo da sala e digitando a senha que ativa a tranca. Andei pelos corredores até alcançar a saída, atravessei o jardim, cheguei no estacionamento preferencial para funcionários e logo já encontrava-me na estrada. 

~•~

Conhecendo o Presidente como conheço, era de se esperar que sua casa seria tão luxuosa quanto uma de artistas famosos. A sala é um quadrado enorme, com azulejos brancos e polidos no chão e um papel de parede também branco, porém, com adornos dourados. Há três corredores, um na parte inferior e um de cada lado, eu só andei pelo o inferior, que leva até a porta, mas já notei que todos devem ser extensos como o primeiro. A sala também tem uma TV de plasma gigante presa na parede e um raque enorme do que parece carvalho, com várias divisórias para livros, enfeites e etc. Bem no centro do local, em frente à TV, está o enorme sofá de couro que se divide em três, faltando apenas um lado para ser um quadrado. No meio do sofá, no chão, encontra-se um tapete felpudo branco, daqueles que custam mais de mil reais, todavia, eu não o culpo por gastar tanto dinheiro em um tapete, até eu tenho um desses. A casa de Song é realmente grande, no entanto, não é pra menos, quase sua família toda mora aqui, é certo ele querer oferecer conforto para todos. 

– Oh, Doutor SeokJin, seja bem-vindo. – o dono da casa surgiu do corredor a direita. 

– Obrigado, Presidente. – juntei minhas mãos ao lado do corpo e me curvei. 

– Para que essa toda formalidade? Somos amigos, me chame apenas de Song Joong Ki. 

– Certo. – ofereci-lhe um sorriso, o qual foi prontamente respondido com uma risada. – Quem virá para o jantar? 

– Você, o Diretor Choin e a filha dele, o enfermeiro chefe e minha neta. – Neta? Uma neta que não mora messa casa? 

– É um jantar de negócios? – indaguei pelo fato de Namjoon também comparecer. 

– Não, eu apenas gostaria de ver meus amigos e minha netinha. Como faz tempo que não vou ao hospital e também não tenho tempo de sair de casa, resolvi fazer um jantar, para me descontrair de tanto trabalho. – explicou com um sorriso que deixava as rugas no canto de seus olhos aparecem. 

– Oh, entendo. – assenti. – Prometo lhe divertir o quanto puder! 

– Você sempre consegue, criança. – Song me conheceu quando eu ainda era aprendiz, então, é normal que me trate como se fosse um filho ou sobrinho. 

A campainha tocou, com uma casa dessas, achei que o Presidente usaria um interfone, mas ele ainsa preserva algumas coisas antigas. Um dos empregados da casa surgiu na sala, passando por nós curvando a cabeça com educação e sumindo pelo corredor que levava a porta. 

– Eu cheguei adiantado, ou todos estão aqui? – indaguei, curioso com quem chegara. 

– Está adiantado, creio que agora deve ser Kim Namjoon, ele também é pontual.

Apenas com o senhor. Decidi manter isso em pensamento, para não denegrir a imagem perfeita que o Presidente tem de Namjoon. 

Quando ouvi os passos no corredor, me virei para o mesmo e notei que o convidado estava atrás do empregado, que agora sorria amplo com a visita. Assim que ele saiu novamente da sala, a pessoa atrás dele foi revelada e eu quase, quase caí para trás, mas mantive a compostura, mesmo que por dentro estivesse abalado. 

– Iara! 

A garota não parecia surpresa ao me ver, muito menos quando Song praticamente correu até ela é a abraçou com toda força possível. Eles são tão amigos assim? E o que ela faz aqui? O presidente disse que não era um jantar de negócios...

– Senti saudades de você. – ele disse ainda apertando ela. 

– Eu também. – ela respondeu com a voz um pouco cortada pela força do abraço. 

Quando Song soltou ela, a garota respirou fundo como se estivesse realmente ser ar, o que arrancou risadas de ambos. Iara olhou-me cínica, com um sorriso divertido brincando nos lábios que agora estavam pintados de um vermelho atraente. 

– Olá, Doutor Kim SeokJin. – cumprimentou-me com um tom irônico. 

– Oi, Doutora Iara. – respondi entredentes, com um sorriso nervoso e forçado que tremia meus lábios. Ficamos nos encarando como se estivéssemos em duelo por inúmeros segundos, até que eu resolvi quebrar o clima desafiador: – Joong Ki, quando sua neta chegará? Estou ansioso para conhecê-la. 

– Ela já chegou e você já deve conhecê-la muito bem, trabalham juntos. – ele colocou a mão no ombro de Iara. 

– Nos conhecemos um pouco, vovô. 

~•~

– Jin? Jin! – senti mãos me balançando. 

Quando abri meus olhos, senti uma ardência correr pelos mesmos conforme eu me acostumava com a luz do local. Olhei envolta e percebi que estava em um quarto, um quarto muito chique por sinal, mas não estava sozinho, Iara estava sentada ao meu lado com os olhos preocupados. De repente flashes de alguns momentos atrás começaram a aparecer e eu me lembrei de tudo, o que quase me fez desmaiar de novo. 

– A notícia foi chocante, mas não é pra tanto, né? 

Me sentei devagar, meus anos de experiência médica me fizeram aprender que, se o fizesse rápido demais, poderia ter enjôos ou uma dor de cabeça ainda pior. 

– Se for assim, quando eu assumir o hospital do lugar do meu vô você vai morrer. 

– O que?! – praticamente gritei, virando meu rosto tão rápido para olhá-la que quase tive um torcicolo daqueles. 

– Relaxa, relaxa, é brincadeira. – colocou as mãos em frente ao corpo, arregalando os olhos e sorrindo engraçado. 

Decidi não responder com palavras, apenas olhei furioso para ela e logo depois desviei meus olhar para minhas pernas, colocando a mão na cabeça e massageando o lugar dolorido. 

– Você caiu como um saco de batatas, nem deu para segurar. – informou, porém, eu ignorei. Ela suspirou. – Enfim, desça quando já estiver melhor, todos já estão aqui e Namjoon está preocupado. 

Como se esperasse algo de mim, Iara permaneceu ali ao meu lado, mas desistiu disso quando percebeu que eu não iria dirigir uma palavra sequer a ela e caminhou até a porta. 

– Ele é mesmo seu vô? Digo, o presidente? – ela parou, virada para porta. Era uma pergunta tosca, mas eu ainda não estava querendo cair na real.

– Sim. – abriu a porta. – Meu vô biológico. 


Após alguns minutos para me estabilizar, eu levantei daquele cama e atravessei a porta, saindo do quarto luxuoso. Escutei ruídos abaixo de mim, então dedusi que estava no segundo andar e que teria uma escada por perto. Dito e feito, não tardei em encontrar uma abertura escura na parede e, quando me aproximei, vi a escadaria que me levaria ao primeiro andar. 

– Tem certeza que ele está bem, Iara? – escutei a voz rouca do Presidente. 

– Sim, já deve estar descendo. – a brasileira respondeu. 

Quanto mais eu me aproximava, mais as vozes ficavam nítidas, então, percebi que todos os convidamos já estavam presentes. 

– Ele vai descer daqui a pouc-

– Estou aqui. – cortei a garota, adentrando o cômodo que desmaiei e ganhando a atenção de todos. 

– Está realmente bem? Não prefere ir para casa descansar? – Namjoon perguntou, tomando um passo a frente.

– Não, estou ótimo. – ergui a mão, balançando-a devagar. – Só preciso comer. 

– Kim SeokJin, como sempre, ansioso para encher a barriga. – brincou Song, dando dois tapas fracos em minhas costas. 

– Com toda certeza. – respondi rindo com todos alí, até Iara riu, uma coisa que não presencio com frequência por conta de nossa rivalidade. 

Outra coisa que eu tinha certeza, meu comportamento Quanto Iara teria de mudar. Não, não vou venerá-la por ser a neta de quem é, estou pouco me fodendo para sua importância ou não, ainda sou melhor. Contudo, vou tentar não demonstrar tanto meu ódio, manter o ambiente... Equilibrado.

Kim SeokJin

Abril 2019 — 01:23 p.m

Uma Academia Qualquer

Hoje é sábado e, por mais que eu não tenha folga nem aos domingos, esse fim de semana eu decidi descasar um pouco para aliviar a tensão. Afinal, mesmo amando meu trabalho, ainda sinto a pressão que ser um neurocirurgião carrega consigo. Por isso, o que é melhor do que liberar as frustrações na academia? Com muitos exercícios que vão deixar meus músculos relaxados e cansados ao mesmo tempo?

Comecei com alguns abdominais e flexões, Depois parti para pressão nas pernas e levantamentos de peso para, enfim, ir para o saco de bancadas que libero todas a tensão acumulada na semana. Após uma hora e meia, segundo meu relógio de pulso, eu fiz uma pausa para beber água, recuperar o fôlego e enxugar o suor que escorria pelo meu corpo. Ah, não preciso nem citar a quantidade de mulheres que me observavam sem a maior decência, dei a elas o prazer de me verem apenas com uma regata leve e uma bermuda. 

– Ele pega pesado com elas, principalmente com a tal da Iara. – um rapaz passou atrás de mim, comentando com seu colega que assentiu em consentimento. 

Iara? Ela está de folga hoje? Okay, posso estar sendo precipitado ao imaginar logo minha colega de trabalho, afinal, existe várias Iaras no mundo, mas creio que nem 2,5% delas moram na Coréia do Sul. Essa garota me persegue, ou o destino que está querendo me sacanear?

Ele pega pesado com ela? Quem? Existe vários professores aqui, se bem que, o que tem mais fama de ser exigente é o Rafael, o professor africano. Será que ela estaria sendo treinada justo por ele? Segundo alguns funcionários desta academia, ele só ensina pessoas que querem participar de campeonatos de lutas, raramente mulheres. E eu tenho certeza que Iara Andrade não tem interesse algum em entrar em um ringue de boxe, a não ser se for para conhecê-lo e nada mais que isso. 

Decidi eu mesmo verificar se minhas hipóteses estavam certas, portanto, fechei a garrafa e andei calmamente até a sala de treinamento do professor Rafael. Diferente das outras, esta é fechada por paredes de concreto, nada de vidros transparentes que dão livre visão ao lado de fora. Sei que a sala tem uma parede totalmente espelhada, porque todas os setores da Academia têm que ter pelo menos um espelho de corpo inteiro que caiba ao menos três pessoas. 

Assim que entrei no local, a primeira coisa que vi foi Iara ir ao chão, duas garotas que estavam lá tentaram avançar para ela, mas o Rafael ergueu a mão impedindo o ato. A brasileira, no chão, parecia acabada, seu corpo brilhava de tanto suor e seu rosto expressava demasiado cansaço. Ela estava esgotada. Mas isso não impedia o professor de pele escura rodear a garota como um leão rodeia a gazela para torturar o animal desesperado por saber que não tem escapatória. O olhar dele pesava sobre o corpo da garota no chão que só não parecia morta pela respiração descompassada. 

– Professor, não devemos levantá-la? – indagou uma das garotas, parecendo preocupada quanto ao estado físico da colega ao chão. 

– Não, ela faz isso sozinha. – respondeu ríspido, assim como ouvi falar que ele fazia. – Se ela não conseguisse se levantar e tentar de novo, eu não faria isso, mas sei que ela pode e quer. Iara, você está vulnerável e é nesse momento que o agressor achará que ganhou e, como sei que ele vai ser um covarde, tenho certeza que vai te chutar. Mas você irá estar preparada, porque se lembrará da minha voz e terá noção que consegue enfrentá-lo mais uma vez. 

– Professor... – uma das garotas tentou intervir, mas o professor mandou ela se calar com um gesto. 

Foi tudo tão rápido que quando de por mim, Rafael já estava no chão imobilizado pelo peso da garota que, apesar de aparentar extremo cansaço, conseguiu prender o africano com as pernas e colocando o antebraço contra o pescoço dele, sufocando-o se tivesse usando mais força. O movimento certo para a direita, quebraria o pescoço do mesmo sem nem dá-lo chance de tentar inverter a posição. 

Segundos depois, Rafael tirou Iara gentilmente de cima dele é se levantou, saindo da sala com um sorriso forte nos lábios. Lançou um olhar curioso para mim, mas não questionou minha presença, seguido dele foram as duas garotas, que perguntaram se Iara precisava de ajuda. Mas a mesma respondeu que não. 

– Isso foi realmente impressionante. – admiti, mesmo que minha cabeça dissesse que aquilo estava ferindo demais meu orgulho. 

– Está aí há quanto tempo? – perguntou com a voz falha, por causa do ritmo frenético de seus batimentos cardíacos. 

– Tempo o suficiente para ver que você é dura na queda. – ela não respondeu, apenas sorriu fraco. 

Já próximo dela, estendi mina mão para a garota, mas a mesma permaneceu com as dela coladas ao chão e sorriu fraco para mim. 

– Não se preocupe, irei me recuperar em breve. – disse gentil, outra coisa que é bem escassa entre nós. 

– Não consegue se levantar? – ela negou. – Certo. 

Sem dizer mais nada, eu agachei ao lado da garota e arrumei sua posição, sustentando-a em meus braços logo em seguida, no estilo noiva. 

– O que pensa que está fazendo? – ela reclamou, passando as mãos envolta de meu pescoço para não cair. 

– Apesar de vocês dizer que eu tenho um coração de pedra, eu ainda tenho um. – fui irônico, como a maioria das vezes que sou com ela. 

Não esperei por uma resposta, assim como sabia que ela também não daria. Comecei a caminhar com ela para fora da sala e, quando alcançamos o salão central, eu me perguntei aonde poderia levá-la. 

– Estamos chamando muita atenção. – avisou o óbvio, assim que eu não precisa mexer um músculo de meu rosto para ver as pessoas torcendo o pescoço para presenciar a cena. 

– Não me importo. 

– Está sendo legal comigo por saber de quem eu sou neta? – eu ri nasalado. Tão convencida. 

Foi então que eu tive uma idéia e tomei um rumo diferente sem que a garota percebesse. 

– Se fosse para te tratar bem por causa de status, eu te levaria para tomar um café. 

Assim que eu terminei a frase, entramos na lanchonete da academia, porém, ela ainda não tinha sacado a piada. Aproveitei essa lerdeza dela para colocá-la na mesa com cadeiras mais próxima. 

– Quer um café? 

Demorou alguns efêmeros segundos para a garota processar a piada e, quando conseguiu, riu controlado da situação e deu-me um tapinha no ombro. Estranhei, não tínhamos essa intimidade, mas decidi relevar por estar de bom humor. 

– Engraçadinho. – sorriu sacana. 

– Eu tento. – dei de ombros. 


 


Notas Finais


Gente, cara, Fiquei encantada com a Quantidade de leitoras que vieram me ajudar depois do desabafo! Vieram pela DM, Twitter, Kakao, Wpp, nos comentários. Apareceram leitoras que eu já não via há um tempo, leitoras fantasmas ou não, cada uma veio fazer um textinho para me incentivar e me fazer ficar cada vez melhor.

Foi cada frase, cada palavra, cada texto que me deixou muito emocionada, meus olhos se encheram d'agua lendo alguns. A maioria veio pelo comentário, Sério, foi tanto comentários que eu fiquei perdida. Vocês sabem que eu gosto de responder os comentários ou igual, ou pelo menos parecido com o tamanho que cada uma manda; se o texto tem 5 linhas, eu quero responder com 5 ou 4, se tem 20, eu quero responder com 20 ou 19 e por aí vai. Então, foram tantos textos que eu não consegui responder todos, porque já estava passando dias sem respondê-los e eu tive medo que vocês ficassem chateadas(os), por isso resolvi responder por aqui mesmo — e eu Também preciso atualizar as fics, então, tenho que me organizar para responder os comentários dos próximos capítulos akakkaa —.

Eu quero dizer que eu li todos os textos, vi todas as mensagem e, se eu deixei de responderei alguma, me perdoe, mas foram tantas que eu me perdi. MAS FIQUEI MUITO FELIZ MESMO, SÉRIO, MUITO MESMO. Eu vo a quantidade de leitoras fantasmas que eu tenho, que não aparecem por vergonha ou por outros motivos e me senti muito, muito especial por saber que elas enfrentaram a vergonha e vieram me ajudar com textos lindos de tirar o fôlego. Eu também prestei muita atenção naquelas que sempre estão por aqui e fiquei super feliz de ver que elas realmente estão comigo.

Eu perdi muitas leitoras, leitoras que poderiam ser minhas amigas, mas eu percebi que eu Tenho e ganhei muito mais do que perdi, eu notei que ainda tenho uma infinidade de leitores e leitoras que sempre estarão do meu lado! Inclusive, descobri que tenho pessoas o suficiente para fazer um exército caso algo aconteça de novo😂😂 Cara, muitas(os) estavam extremamente irritadas(os) com o que fizeram comigo.

Então,eu quero agradecer a todos vocês, leitores e leitoras, por estarem comigo e tirarem um tempinho para ler meu desabafo e me levantar da queda💕 Cada um fez uma forcinha e agora eu tô super bem, obrigado💕

Eu amo vocês💕


Twitter: Dii_Kook 
Snap: dii.as 
Kakao: diikook 
Insta: dii_kook 
K-Pop Amino: Dii_Kook 
Facebook: Dii Andrade 
Skype: Dii_Kook 


Em andamento ~♦~

Imagine Kim Taehyung: https://spiritfanfics.com/historia/amor-da-primavera--imagine-kim-taehyung-6193228

Imagine Jungkook: https://spiritfanfics.com/historia/deixar-de-amar-voce--imagine-jeon-jungkook-6608818

Imagine: Kim NAMJOON:  https://spiritfanfics.com/historia/um-amor-do-mar-imagine-kim-namjoon-6775263

Imagine WonHo: https://spiritfanfics.com/historia/i-hate-you-i-love-you-6640701

Fanfic Jimin: https://spiritfanfics.com/historia/o-damo-e-a-vagabunda-6776492

Fanfic Kim SeokJin: https://spiritfanfics.com/historia/quebrando-o-tabu-6852583

Fanfic Jay Park: https://spiritfanfics.com/historia/oa-iguais-tambem-se-atraem-6852989


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...