História Queen of disaster - Capítulo 25


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jogos Vorazes (The Hunger Games)
Personagens Annie Cresta, Cato, Clove, Delly Cartwright, Finnick Odair, Gale Hawthorne, Katniss Everdeen, Madge Undersee, Marvel, Peeta Mellark
Tags Dança, Drama, Romance
Exibições 220
Palavras 1.657
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Escolar, Luta, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Oie amores
Uma hora da manhã e eu estava aqui me esforçando para terminar o capítulo e poder postar para vocês.

Boa Leitura

Capítulo 25 - Capítulo 25


Fanfic / Fanfiction Queen of disaster - Capítulo 25 - Capítulo 25


Quando vi Peeta parado na minha porta me passaram mil e uma coisas pela cabeça menos o que veio a seguir. 
O beijo. O melhor beijo, a melhor boca e o melhor bad boy, agora meu bad boy. 
- O que esse pessoal tanto olha? - perguntei desconfiada e ouvi Peeta sorrir. 
Ele apertou meus dedos contra os seus, enquanto arrumava a minha mochila em seus ombros em um perfeito ato de cavalheirismo. Encarei seu rosto bonito que mantinha um sorriso harmonioso e me permiti sorrir também. 
- Tudo bem, eu sei bem o que eles tanto olham. - falei por fim.
- Você, Flor. Eles estão olhando para você. - ele acenou para Cato e Gloss que passavam por nós. - Eu nunca pensei que seria tão divertido namorar uma patricinha. 
- Ei. - chamei sua atenção. - Você acha divertido me namorar? 
- Na verdade acho sim. - ele confirmou e eu abri a boca para reclamar. - Mas divertido é apenas uma das infinitas coisas que eu penso sobre namorar você. - ele finalizou sorrindo de lado. 
Sexy. Sexy pra caralho.
- E elas seriam? - perguntei curiosa e ele uniu os lábios negando com a cabeça.
- A maioria delas são coisas impróprias para o horário. - ele piscou.
Quente. Quente pra caralho. 
Peeta e eu havíamos iniciado um namoro no sábado e já era segunda, o dia em que o pessoal da escola ficaria sabendo sobre o nosso relacionamento. Passamos o Domingo juntos e apenas um dia ao lado dele já foi o suficiente para me deixar muito, muito em dúvida sobre os últimos acontecimentos. 
- Sua prima está nos devorando com os olhos. - falei atraindo o olhar de Peeta para Johanna que nos encarava séria. - Ela definitivamente não gosta de mim. 
- Você por um acaso gosta dela? - ele perguntou e eu dei de ombros. - Eu imaginei. Ela é uma boa pessoa. 
- E esses armários que nunca chegam? - perguntei não aguentando mais os olhares sobre nós dois. 
- Qual é, Flor. - ele riu me puxando para perto e me abraçando pelos ombros. - Você está com o gostoso do Mellark. Sem medo. - ele beijou minha bochecha. 
- A modéstia mandou lembranças. - sorri e ele revirou os olhos. 
- Já tenho um programa para fazermos hoje depois da aula. - ele mudou de assunto e eu franzi o cenho. 
- Eu tenho que ensaiar depois da aula. - falei rápido. - Ainda mais depois de não ter ensaiado ontem. - emendei.
- Hoje não. - ele parou em frente ao meu armário. - Vamos aproveitar e fazer o programa que eu preparei. - fiz beiço. - Você ensaia a noite. - mordisquei a bochecha. - Por favor? - ele pediu. 
Analisei seu rosto que embora eu já conhecesse bem cada detalhe, não me casava de olhar. Sua sobrancelha falhada estava erguida e seus olhos azuis eram os mais pidões que eu já havia visto. Seus lábios finos imitavam um beiço infantil que o deixava muito mais atraente. Quem negaria algo a esse garoto? Eu não, com certeza não. 
- Tudo bem. - falei sorrindo e ele juntou nossos lábios em um selinho. - Qual o programa? 
- Surpresa. - ele sorriu beijando minha testa. - Nos separamos aqui baby, te encontro mais tarde. - ele largou minha mochila ao lado do meu armário. 
- Mas você nem...
Antes que eu finalizasse minha frase sua mão grande alcançou a minha nuca e ele me puxou em sua direção colando nossos lábios de uma maneira quase que bruta. No susto do momento ele adentrou a minha boca com sua língua quente e muito única me deixando atordoada. Seus dedos viajaram pelos meus cabelos se enroscando nos fios do mesmo os puxando com um pouco de força mais ainda assim de maneira delicada, e quando eu estava começando a me animar ele puxou meu lábio inferior entre os dentes, soltando-o e me soltou em seguida. 
- De onde veio esse tem muito mais. - ele piscou se afastando. - E é tudo seu. 
Sorri. Como uma verdadeira abobada. 


              
Ponto de Vista Peeta


O destino é algo inevitável, não se pode fugir dele. E algo me dizia que Katniss Everdeen era o meu destino. Como fugir disso, se era o meu coração que afirmava que ela era minha, se era ele que dizia que ela seria sempre minha.  
A pedi em namoro logo depois do beijo no sábado, seus lábios sempre tão prontos para receber os meus assim como o meu coração estava pronto para receber aquele amor. 
- Ah não. - foi a primeira coisa que ela disse assim que contei a minha ideia a ela. 
- Ah sim. - a revidei. 
- Não, Peeta. - ela cruzou os braços. - Você não me trouxe até esse lugar lindo pra isso. 
- Eu também acho esse lugar lindo Flor. - ele olhou em volta. - Mas eu trouxe você aqui por que ele é deserto e não tem o menor perigo de você matar alguém. 
- A única pessoa que vai morrer aqui vai ser você. - ela ameaçou me fazendo rir. - Eu ainda tenho medo de andar na sua garupa e você quer que eu aprenda a pilotar sozinha? - assenti e ela negou. - Não. De jeito nenhum. 
- Eu vou estar com você, Flor. - falei tentando tranquiliza-la. - Na sua garupa pra ser mais exato. 
- Você vai morrer e vai ser literalmente. - ela exasperou e eu gargalhei muito alto. - Para de rir de mim. - ela me empurrou. 
- Eu não estou rindo de você. - menti. - Vamos lá? - me aproximei mais uma vez com o capacete para colocar nela. - Eu já disse que vou estar com você. - afirmei. - Você precisa aprender a fazer as coisas que eu gosto. Por mim. 
- Você dançaria por mim? - ela perguntou quase sorrindo. 
- Dançaria. - falei encarando seus olhos cinzentos sempre tão brilhantes. - Eu faria qualquer coisa por você. - ela arfou. 
- Eu... Eu... Tudo bem. - foi o que ela disse e eu sorri. 
Coloquei o capacete na cabeça de Katniss e alcancei um par de luvas e até mesmo a minha própria jaqueta de couro me certificando de que ela estava segura o suficiente com o equipamento para o caso de um tombo. 
Antes de mais nada mostrei para que servia cada botão da moto e como fazia a troca de marcha, ela pareceu confusa, mas melhor do que aquilo eu não podia fazer. Ela montou no meu lugar na moto e eu ocupei o seu lugar costumeiro. 
- Isso é estranho. - ela falou. - Eu vou derrubar nós dois. - ela estava nervosa e eu também, mas ela não precisava saber. 
- Não vai. - falei. - Eu vou te explicar o passo a passo e você vai fazer o que eu disse e vai dar tudo certo. - ela assentiu. - Mantenha o equilíbrio da moto com o pé direito no chão e o esquerdo na pedaleira. Puxe a alavanca da embreagem e pressione a alavanca do pedal de câmbio para baixo. Agora, a transmissão está na primeira marcha. Solte a embreagem devagar e, ao mesmo tempo, acelere gradativamente. - tentei explicar e ela assentiu mais uma vez. - Ouça bem baby, solte a embreagem devagar.
- Eu sou sua primeira experiência como aluna? - ela perguntou e eu sorri. 
- Crise de ciúmes? - perguntei rindo mais ainda. - Agora? Sério, Flor?
- Apenas responda. - ela pediu.
- Você é a minha primeira experiência em muitas coisas, Flor. - falei por fim antes de ela colocar em prática tudo o que eu havia dito. 
De começo fomos e paramos diversas vezes, um vai e vem que quase me deixou tonto, mas ela pegou o jeito, rápido até demais para o meu gosto. Fui obrigado a faze-la descer da moto antes que ela nos matasse tentando andar a mil por hora sem o menor cuidado com os buracos que havia na rua. 
- Eu amei. - ela sorriu assim que tirou o capacete. - Quando vamos fazer isso de novo? 
Sorri encarando seu rosto corado e aparentemente realizado. Deixei que meus dedos escorregassem por seus fios de cabelo que estavam todos fora do lugar. Eu não tinha falado a ela sobre o meu passado e pra ser sincero eu nem queria, pelo menos não por enquanto. Eu me sentia bem ao poder começar do zero com ela e tinha a plena certeza de que no momento era o melhor que eu podia fazer. 
- Quando você quiser. - falei beijando sua testa. - Você é uma ótima aluna. 
- Tive o melhor professor. - ela sorriu antes de me abraçar. - Obrigada, Peeta. 
- De nada, Florzinha. - a apertei em meus braços. - Minha Florzinha. 

 

~||~


Flor 
Eu adorei a aula, pena que agora eu estou tão cansada que nem ensaiar eu consigo.
 
Peeta
Fico feliz que tenha gostado. Não se preocupe com isso, você é ótima.
 
Flor
Não sem ensaiar. Como você se sairia em uma luta sem treinar? 


Peeta
Perfeitamente bem. Eu sou um Mellark, o melhor Mellark.


Flor
Hahaha, morri de rir


Peeta
Seu sorriso é lindo!
 
Flor
Ele seria mais lindo se você estivesse aqui S2


Peeta
Se eu estive aí você não estaria sorrindo...
 
Flor
Ué, eu estaria fazendo o que então? 


Peeta
Gemendo ;)


Flor
Mds
Boa noite, Peeta Mellark.


Peeta
Kkkkk
Boa noite, Flor. Não molha a cama.
 
Flor
Mds
Pervertido, louco!


Peeta
Louco por você!


Larguei o celular sobre a cama antes de me atirar de costas na mesma sorrindo. O sorriso era tão grande que chegava a doer. Mas essa dor seria reduzida a nada, mais para frente. Enquanto isso só me restava acreditar que Peeta e Katniss seria para sempre. Mas o sempre, sempre acaba.


Notas Finais


Um beijo ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...