História Quem é o Assassino? ( Who is the Killer? ) - Capítulo 1


Escrita por: ~

Exibições 10
Palavras 2.601
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


         ( Secret (shh) Charli XCX tema de abertura )

Essa história também é postada também no wattpad

Capítulo 1 - Capítulo 1 : Pilot



      Pv. Andery.

   No final das contas somos todos jovens, temos nossos sonhos, nossos medos, nossas felicidades  e nossas tristezas. Não devo me abetar por causa do abandono de meu pai, é uma situação difícil ver ele saindo de casa, deixando eu, minha mãe e meu irmão mais novo, mas no final das contas ele não é um homem bom, e nem honesto.

— Andery. Vá pegar as suas coisas não quero que você se atrase para o primeiro dia de aula. — Minha mãe disse colocando sua mão sobre meu ombro.

— Não mãe ficarei aqui com a senhora. Não deixarei a senhora aqui sozinha e ainda mais, numa situação como está. — Disse segurando sua mão sobre meu ombro.

— Andery está tudo bem. — Ela apertou o meu ombro. — Ele não me fará mal algum. Vá para escola meu filho, agora apenas dias felizes irão vir.

   Ela sorriu para mim, retribui seu sorriso e mesmo um pouco contestante decidi ir para escola. Não era uma situação fácil e eu nem sei se comentarei sobre essa situação com meus melhores amigos. Não quero que eles descubram o monstro que meu pai é. Peguei minha mochila a colocando sobre meus ombros, peguei meus livros de Álgebra 1 e 2 e segurei-os na mão pois não havia mais nenhum espaço em minha mochila. Sai de casa um pouco preocupado com minha mãe e com meu irmão, tentei tirar os pensamentos que eles não ficariam bem quando eu saísse para escola, tentei apenas focar no primeiro dia de aula.

   No meio do caminho para escola eu encontrei Joseph. Joseph é um dos meus melhores amigos. Ele é do estilo rebelde sem causa, sempre usa roupas pretas com estampas de caveira, ele diz que quer ser contra à  doutrina de seus pais religiosos e de seu irmão  que é o filho perfeito de seus pais segundo ele diz. Joseph têm olhos castanhos, uma pele pálida e cabelos pretos, seu corpo é um corpo normal, não têm nada de diferente em seu corpo.

— Finalmente você apareceu. — Joseph diz me encarando. — Pensei que não iria vir mais.

— Foi apenas um começo de dia difícil. — Digo. — Apenas isso.

— Okay. — Ele mostra indiferença. — Vamos que a Joyce deve estar no esperando.

— Essa pressa toda é por causa da Joyce ?. — Pergunto com um sorriso maldoso. — Quando você vai falar para ela que está  afim de trocar umas salivas com ela?

— Seu nojento. — Ele soca de leve meu ombro. — Vamos seu imbecil, não temos tempo a perder. 

   Ele sai correndo me deixando para trás enquanto eu estava morrendo de rir. Bom não posso ficar para trás então  eu começo a correr para o alçancar. Estavamos já chegando nos arredores da escola quando o Joseph parou me fazendo parar também. Então logo percebi que Joyce estava mais a frente junto com seu meljor amigo Raphael.

   Joyce é uma garota baixinha, branquinha, loirinha muito bonitinha. Acho que a maioria dos garotos da escola são afim dela, pela sua aparência que parece ser de uma garota gentil e doce, mas na verdade ela têm um humor azedo capaz de enlouquecer qualquer um com suas piadas sem sentindo. Ela é ajudante do Raphael o garoto que cuida da edição do jornal da escola. Raphael é um rapaz alto e moreno, com uma barba rala, seus óculo o deixam com uma expressão séria. Joseph não gosto nenhum pouco dele por achar que ele e Joyce têm um caso.

— Olha lá. — Joseph parece um pouco irritado. — Ela está  lá com aquele idiota.

— Pare de atacar o garoto. Você nem sabe se os dois têm realmente um caso.

— Não preciso saber, preciso apenas ver.

— Vamos alcançar eles. — Falo. — E pare de palhaçada.

   Seguimos andando um pouco mais rápido para tentarmos nós esbarrar neles. Antes que Joseph tenha um ataque de ciúmes  se caso os dois começarem a se beijar.

     Pv. Marth.

   Um novo dia se incia e eu não poderia estar mais animado o possível  para aproveitar. O ano passado foi um ano incrível. Fiz grandes amigos, tirei as melhores notas o possível e eu acho que se eu continuar assim eu conseguirei entrar para a facilidade que eu quero ano que vêm. Olho pela janela do meu quarto e vejo que estava um dia lindo lá fora. Eu já estava pronto para poder ir para escola.

   Desci as escadas correndo sem olhar para trás. Passo pela sala e vejo que meus pais adotivos estavam novamente caídos novamente no chão da sala, bêbados como sempre. Eu não vejo a hora de sair dessa merda de casa, me livrar de vez dessa família que eu só quero apagar  de meus pensamentos.

   Quando fui adotado por eles eu só tinha 2 anos de idade. Nunca conheci meus pais de sangue, já  tentei encontrar eles mas acho que nunca vou descobrir quem  eles são. Quando eu fui adotado por eles de começo eles pareciam uma família boa, eu tinha uns três irmãos mais velho — Lorenzo, Maia e Noah. — quando Lorenzo morreu tudo veio por água  abaixo, eles começaram a me culpar pela sua morte. Noah começou a fugir de casa e se meter com coisas que não deveria é um ano depois acabou sendo preso. Três anos depois ele foi solto, mas inexplicavelmente ele foi morto assim que saiu da prisão. Agora só somos eu e Maia, a única que se da conta de minha presença aqui em casa. Quandos nossos pais perderam os empregos para não perdemos a casa e ficar sem ter o que comer Maia passou a nós sustentar trabalhando pelas ruas da cidade à  noite. E é por causa dela que eu me mato de me estudar para ter um ótimo  futuro e tirar ela dessa vida. Eu faria de tudo para poder sair desse inferno todo com ela.

   Mas mesmo com tudo isso acontecendo eu não me abalei. Nunca deixei de sorri, sempre fiz amigos e mais amigos, nunca contei para ninguém o que acontece dentro de casa. Acho que todos pensam que minha vida é perfeita, mas quem têm uma vida perfeita que eu gostaria de ter era meu antigo amigo Josh, ele sim têm uma vida perfeita sem reclamações.  Uma vida que qualquer um gostaria de ter.

   Sai de casa me encaminhando para o ponto de ônibus e me sentei o esperando. Não demorou muito para que o ônibus aparecesse. Quase todos os lugares estavam ocupados exceto um que era de um aluno que eu acho que deve ser novo. Ele têm olhos escuros, pele claro, seu sorriso era bonito. Ele estava sorrindo enquanto me aproximava dele, mas porquê  ele está  sorrindo?.

— Posso me sentar aqui ?. — Pergunto com um sorriso no rosto.

— Pode sim Marth. — Diz Ele.

— Você  sabe o meu nome ?. — Pergunto surpreso. — Como você sabe meu nome?

— Estranho é você  saber o meu nome. — Ele ri e eu ainda continuo surpreso por um garoto novo saber o meu nome. — A gente estuda junto deste o primeiro ano,  mas ninguém dá muito importância para mim dentro e fora da sala de aula.

— Sério?. — Pergunto ainda surpreso por nunca ter notado ele até este momento.

— Mas eu sou Clayo.

— Ah o Clayo. — Finalmente eu me lembro por nome quem ele é. — Desculpe minha ignorância por não saber de início. — Falo.

— Tudo bem cara. — Ele ainda sorrisa e estava um pouco corado. — Isso acontece.

— Pode deixar que à partir de hoje eu não vou mais esquecer o seu nome. — Estendo minha mão para que ele à  aperte.

   Quando sua mão toca na minha eu sinto um arrepio estranho que eu só senti um única vez. Foi nas férias antes do início do primeiro ano escolar. Era estranho sentir esse arrepio depois de tanto tempo.

   Quando o ônibus para em frente a escola convido o Clayo para ficar junto comigo  e Thales até  a hora de irmos para sala. Mas tudo o que restava era achar onde estava  o Thales no meio daquela multidão de pessoas.  Vi Andery parado perto dos armários junto com seus amigos, Joseph, Joyce e Raphael. O cumprimentei de longe e continuei  pelos corredos tentando achar o Thales. Eu espero que ele já tenha chegado e não tenha planejado faltar aula. Porque se ele faltar eu juro que eu o mato.

— Será que ele não decidiu faltar hoje não ? Ainda mais por ser o primeiro dia de aula não? — Clayo me pergunta.

— Eu estava pensando nisso. — Digo. — Mas ele me disse que não iria faltar. Ele disse que iria vir. Se ele não aparecer eu vou matar esse infeliz.

— Então  gente o que eu perdi. — Diz Thales aparecendo atrás  da gente. Dou um pulo para frente tomando um susto.

— Cara que susto que você me deu. Eu pensei que você nem iria aparecer.

— Fica tranquilo Marth. — Ele sorri. — E ai Clayo.

  Ha? Como o Thales sabia o nome do Clayo e eu não?. 

— Vocês já se conheciam ?. — Pergunto.

— Sim. — Clayo responde.

— Foi quando você faltou Marth. No primeiro ano. Ai eu tive que fazer o trabalho em dupla com o Clayo. Ele é bem inteligente. — Ele olha para o portão  da escola. — Pelo visto eu cheguei no momento certo. Na hora do show.

     Pv. Josh.

   Chegou a hora, a hora que eu mais estava aguardando, a hora de passar por aqueles portões e arrasar no primeiro dia de aula do último ano junto com as minhas vadias. Abri meus olhos colocando um sorriso no rosto. Comecem com as explosões porque o rei dessa porra toda chegou.

— Vamos vadias, está na hora de destruir algumas vidas. — Estalo meus dedos para que eles me sigam.

   Os chamo de vadias, mas todos nós somos homens. Formamos o squad de 5 garotos mais ricos da escola. Todos nos amam, todos nos invejam, todos querem ser como a gente, todos tentam nós copiar mas somos os únicos originais. Dinheiro para gente não é o problema, todos podem nós olhar mas ninguém pode nós tocar. Ah é outra coisa nós não somos preconceituosos porque além do mais, pegamos homens e mulheres. A maioria de nós da preferência mais para os homens.

   Nós somos formados por Eilk, ele é meu braço direito, o segundo em linha de dar as ordens nos outros, ele é tipo meu vice. Seu pai é dono do Banco da cidade, e sua mãe  é dona do maior salão de beleza da cidade. Eilk têm pele morena, olhos escuros é uma cintura de dar inveja em qualquer garota. Depois vamos para Luke, à mais vadia de todos, sua mãe é dona de uma agência  de viagens, seu pai é um dos melhores advogados da cidade. Luke têm  casos secretos com caras ricos da cidade, ele é sempre bancado por eles, além  de ter o dinheiro dos pais ele têm o dinheiro dos machos. Luke têm  olhos castanhos, cabelo preto, pele branca ele também  atua na profissão de modelo. Agora vamos para o David seus pais são donos de vários  estabelecimentos da cidade, inclusive do shopping center. Ele têm  sorte. Mas ele é um pouquinho burro, ele é pau mandado do namorado, ninguém  merece isso. David têm  pele morena clara, olhos castanhos e é invejo por várias garotas por ter a bunda mais empinada do que a delas. Agora vamos para o Harry, ninguém liga para ele, eu não ligo para ele, ele só faz parte do squad porque é rico, seus pais são donos do melhor restaurante e padariada cidade. O coitadinho não é muito bonito e nem desejado. Só têm dinheiro.

   E agora eu, o principal dessa merda toda, Josh. Filho do prefeito de Misterwood, minha mãe é uma grande escritora e trabalha apresentando o jornal da cidade. Eu tenho sorte em ser um dos garotos mais poderosos da cidade.

   Entramos pelo o portão andando como se estivessemos em um desfile de moda. Vários olhares se pousaram na gente. Os olhei como se todos fossem inferiores à mim, mas na verdades eles são. Olhei para o grupinho do Andery que estava perto dos armários. Dei apelidos para todos eles, Andery o idiota nerd, Joseph o emo gótico rebelde, Raphael o falso hetero fofoqueiro e Joyce a galinha ajudante de fofoqueiro. Eu não os suporto. Vejo também Gustian o garoto estranho que têm uma raiva mortal pelo Joseph.

— Todos eles são estranhos. — Diz Eilk.

— Na verdade eles não têm onde cair mortos. — Luke responde.

— Não vamos perder tempo com eles vadias. Pois tempo é dinheiro. E quanto mais dinheiro melhor. — Falo enquanto viramos o corredor.

  Assim que viramos o corredor eu vejo Marth e Thales junto com um garoto que não sei o nome. Eu costumava a ser amigo de Marth até o ocorrido nas férias antes do início do primeiro ano. Passo por eles como se não estivesse notando a presença deles e entro na sala de aula junto com meus rapazes.

   Pv. Observador.

— Então pessoas esse é o segredo de alguns alunos do último ano. Vocês  acham que eles são mesmo pessoas confiáveis?. Eu acho que não. — A garota bloqueou a tela de seu telefone assim que parou de gravar e deu um suspiro ao se olhar no espelho.

   Ela tinha feito um vídeo  revelando alguns segredos que ela sabia de alguns alunos que estavam concorrendo ao representante da escola do último ano. Ela queria tirar eles da disputa para ser a vitoriosa. Só que ela está com medo de se arrepender  se caso postasse o vídeo.

   Ela ligou a torneira e lavou a suas mãos quando a porta de um dos sanitários  se abriu. Ela deu um pulo para trás  e viu uma figura estranha saindo de dentro do box. A pessoa estava usando uma máscara. Uma máscara de um animal.

— Não sabia que era dia das bruxas. — A garota brinca ao observar  a figura estranha. Ela percebeu que a figura escondia algo estranho atrás  dela. — O que você está  escondendo ai ? Quem é você?. — A menina parecia um pouco assustada.

   A figura andava totalmente estranha, estava usando uma capa preta, um moletom azul com um x em branco no meio, luvas pretas, calça preta e botas. Sua máscara  era parecida com a de um panda.  Parecia que tinha arrancado a pele de um panda e depois costurado para fazer essa máscara. A garota começou  a dar alguns passos para trás. Então a figura mostrou o que estava escondendo atrás  dela. Era um facão e sua lâmina parecia ser afiada demais para ser de mentira.

— O que você  quer ?. — A garota perguntou e a figura apontou para o celular. — Quem é você?  Tira essa máscara para podermos conversar.

  O ser mascarado negou com a cabeça  e continuou  andando em direção  a garota. Ela correu para porta do banheiro para fugir mas estava trancada. Ela começou a gritar por socorro mas o assassino fez um sinal de silêncio para perto dos lábios, levantou o seu facão  e cortou as costas da garota que caiu gritando e chorando no chão  se agoniando de dor. O assassino virou sua cabeça de lado, e enfiou o facão na cabeça  da garota a matando.

    Logo em seguida ele pegou o celular da menina olhando aquele vídeo que ela tinha acabado de gravar, ele apertou o botão de enviar mandando para todos da escola enquanto o sangue da garota manchava o piso do banheiro  da escola....

   


Notas Finais


Espero que tenham gostado do primeiro capítulo... deixem seus comentários...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...