História Quem sou eu?: Não há como fugir - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Magcon, Sam "Wilk" Wilkinson, Shawn Mendes
Personagens Sammy Wilkinson, Shawn Mendes
Tags Magcon, Sammywilkinson, Shawnmendes
Exibições 3
Palavras 1.077
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Insinuação de sexo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 10 - Capítulo 9


Já havia passado algumas horas que estávamos no carro, o ponteiro da gasolina indicava que estávamos ficando sem tempo de decidir para onde íamos.
Belle não falou uma palavra, desde que entramos no carro. A única coisa que ela fizera, foi acalmar os meninos, até que eles dormissem em suas cadeirinhas no banco traseiro.
Ela estava sentada no banco de passageiro, abraçada nas pernas, olhando pela janela, enquanto via o sol se por. 
- Está com frio? Quer que feche a janela? - foi minha tentativa inútil de puxar assunto, e logo me arrependi de ter tentado.
Ela nem olhou para o lado. Não moveu um músculo. Pensei que nem estava respirando, de tão silenciosa que estava. 
Antes de o carro parar por total, vi um posto de gasolina e logo parei. Abasteci o suficiente, para chegarmos ao próximo aeroporto, que ficava perto de onde estávamos. Antes de sair do carro, me certifiquei que Belle estava bem, na medida do possível: 
- Você quer algo? Posso te comprar um doce, bala, uma água, não sei, o que você quiser... 
Novamente, ela me respondeu com um silêncio matador. Passei no banheiro, para limpar o pouco sangue que estava em meu rosto. Respirei fundo antes de ir até a conveniência. Comprei chicletes Orbit, sem açúcar, porque eram os meus preferidos e do Zayn. 
Eu já estava me perdendo em lembranças, de novo.
- Mais fina coisa, senhor? - a atendente loira, aparentando idade, mas muito sorridente, perguntou.
- Só isso senhora, muito obrigada! - entreguei o dinheiro - Pode ficar com o troco...
- Mas senhor, isso é muito dinheiro, o chiclete é só... - ela se assustou, quando viu uma nota de cem dólares em suas mãos.
- Tudo bem, o resto fica pelo belo sorriso! - dei um sorriso pequeno, e ela retribuiu com um sorriso tão grande, que valeriam muitos cem dólares.
Voltei para o carro e Belle ainda não havia movido um músculo, ela continuava na mesma posição, correndo o risco de perder o movimento das pernas, pela falta de circulação de sangue. 
Entrei no carro e fiquei olhando para frente, antes de tomar coragem de tocá-la, ou até mesmo dirigir alguma palavra para trazê-la de volta a mim. 
- Você vai perder as pernas se continuar nessa posição... - tentei descontrair.
Toquei sua mão, de leve, para mostrar que estava tentando me aproximas. Ela apertou as pernas com mais força e afastou sua mão da minha.
- Me desculpe. - meus olhos imploraram, em meio ao pedido.
Quando achei que ela não ia mesmo falar nada, girei a chave, prestes a dar partida. 
- Por que? - ela quase cochichou.
- Oi? - não entendi.
- Por que você quer perdão? - ela insistiu.
Eu não sabia o que responder, nem sabia se deveria responder. 
- Você quer perdão pelo que? Não foi você que matou Zayn. - sua voz era seca, mas sem nenhum sentimento.
Eu não sei ao certo quando vieram, mas as lágrimas começaram a escorrer em meu rosto, e não consegui controlar.
- Me perdoe por não estar lá para proteger vocês! - as palavras quase não se formaram, em meio ao bolo que se formou em minha garganta.
- Você iria fazer o que? Morrer no lugar dele? - suas palavras foram frias. 
Aquelas palavras foram como um tapa, e me fizeram voltar à realidade e ignorar tudo à volta. Liguei o carro e arranquei. 
---

Parei em um hotel, que ficava, praticamente, do lado do aeroporto. Os meninos já estavam acordados, e eu esperava que estivessem agitados, mas eles estavam tranquilos, é muito quietos. Acredito que eles podiam sentir a dor que pairava pelo ar, pois dava para vê-la sendo irradiada de nós.
Eu ia pegar dois quartos, para que Belle pudesse ficar sozinha, mas ela não estaria em segurança, então ela teria que aceitar dividir o quarto comigo.
O hotel não era o melhor do mundo, não havia mais quartos com berços, então tivemos que pegar um quarto com duas camas de viúvo. Eu não sabia o que era, até vê-las. São camas que são quase de casal, só são um pouco menor. Não sei explicar muito bem, só sei dizer que elas eram perfeitas para a ocasião.
Belle passou pela recepção rápido, com um casaco de Zayn que estava jogado no carro. O casaco não estava lá por acaso, ele sempre deixava suas roupas jogadas no carro, e isso foi bom, pois ajudou a esconder todo o sangue que cobria seus braços, e a touca impedia que a recepcionista visse o sangue em seu rosto. 
A recepcionista não era nenhum poço de simpatia, ela chegava a ser grossa em algumas horas. Mas não me perguntou sobre o rosto machucado, e isso a fez ganhar alguns pontos comigo.
Belle não me deixou dormir com um dos meninos, ela quis os dois próximos dela. Mas ela falou isso, sem uma palavra sequer, simplesmente, pegou os dois e colocou em sua cama. 
Antes de dormir, ela foi tomar um banho, o que demorou muito tempo. Ela demorou horas para tirar todas as impurezas que estavam em sua pele. 
Eu estava sentado na cama dela, tentando animar um pouco os meninos quando ela saiu do banheiro, enxugando os cabelos, mas parecia tudo em vão, parecia que eles estavam contra mim, assim como Belle. Não é atoa que dizem que os bebês absorvem o que a mãe sente, e nesse momento, Belle sentia ódio de mim.
Levantei rápido quando ela se aproximou, fui falar algo, mas algo em mim mesmo me impediu. Ou talvez o modo como ela me ignorou tivesse me impedido. Alguma das duas coisas, foi a culpada de me impedir de tentar dialogar de novo com ela.
Eu fui para o banho, na tentativa de me limpar também. Antes de entrar no banheiro, vi Belle se acomodar com os meninos, e eles pareciam sentir o que ela sentia. Pois eles também haviam perdido algo importante, e uma hora ou outra isso faria falta para eles. Ela acariciava os dois, nem tentando controlar as lágrimas, e elas saíram, uma atras da outra, até que virassem muitas e que fossem impossível de controlar, ela tremia, chorava e soluçava. 
Eu não consegui me conter, me aproximei da cama de novo, mais rápido do que imaginei conseguir chegar, e quando percebi, já estava deitado atras de Belle, abraçando-a, tentando confortá-la, fazendo o meu máximo, para que ali, naquele abraço, ela estivesse segura.


Notas Finais


Gente, eu sei que os capítulos estavam curtos, mas eu preciso separar os pensamentos, para não ficar confuso, mas agora eu prometo capítulos maiores e melhores... desculpa sumir, eu realmente não estava com cabeça para escrever, mas agora eu voltei!!!!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...