História Querido... Diário - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Sasuke Uchiha
Tags Sakura Haruno, Sasuke Mais Velho, Sasuke Uchiha, Sasusaku, Sasusaku Hentai
Visualizações 627
Palavras 2.518
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Famí­lia, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 12 - Doze


Fanfic / Fanfiction Querido... Diário - Capítulo 12 - Doze

“Eu pensei que realmente fosse lavar suas roupas, mas ele estava apenas brincando comigo. Não sei dizer se adorei não ter que lavar suas roupas, ou se odiei ser enganada. A coisa que mais odeio no mundo, é ser enganada, ou simplesmente ser colocada de lado. Por mais fofo que o senhor Uchiha pareceu ser, ele não precisava armar todo um circo pra dizer que eu sou desajeitada.”

Eu andava de um lado para o outro, a vontade que eu tinha de fazê-lo engolir o papel goela a baixo era tão grande, que mal consegui sentar depois de ler tudo aquilo. Eu gostei de sua sinceridade, mas não precisava me enganar.

Andei por toda casa a tarde toda. Ino tinha sumido. Temari, nem sinal dessa ser humana que tem que voltar para casa. Onde já se viu uma sexta-feira dentro de uma cidade nova, a linda loira mais velha de olhos azuis está vagando por ai achando que mora sozinha? Eu preciso da minha irmã. Talvez descontar a minha raiva em alguém.

Parei de andar pelo quarto quando ouvi a porta da frente bater. Sai do quarto na mesma hora, quero saber quem foi a primeira a chegar. Apareci na sala e ouvi a geladeira ser aberta, eu andei direto pra cozinha encontrando ninguém menos de Temari Haruno, a diva dos meus olhos. Cruzei os braços esperando ser notada, mas demorou quase trinta minutos para ela se virar.

- Por onde você andava? – Temari me olhou de cima a baixo e fechou a geladeira.

- Eu não devo satisfações a você, mas eu vou falar porque sei que você não é a fofoqueira da casa – ela jogou sua bolsa de couro em cima da mesa e sentou na cadeira – fui da uma volta com um carinha que conheci ontem, gente boa, e ele é muito divertido.

- A gente acabou de chegar e você está de namorico. Temari, eu fiquei a tarde toda esperando você chegar, ou pelo menos a Ino, eu precisava de uma das minhas irmãs para conversar, mas nenhuma estava em casa, eu estou para pirar.

- Sakura – parei de andar. Nem sabia que estava andando pra lá e pra cá. – Me diz menina, o que foi que aconteceu? – Ela levantou com uma expressão curiosa – se você precisava até da Ino, é porque o negocio é sério.

- É sério – descruzei os braços, respirando fundo. Coloquei uma mexa do cabelo para trás e a olhei nos olhos – você sabe que o namorado da Karin teve aqui na casa do senhor uchiha. – ela assentiu, colocando o copo na mesa e cruzou os seus braços. – Karin pediu para eu servir o chá e eu derramei você sabe disso.

- É, todo mundo sabe, pelo menos, a Mei disse para todos os empregados, e pediu para não falar nada pra você. – Uau, rádio mansão Uchiha, a gente se ver por aqui. – Não fica com raiva, fofoca tem em todo lugar – comentou como se não fosse nada, jogou o cabelo para trás e cruzou os braços de novo. – Então, termina de contar...

- O senhor Uchiha veio hoje de manhã para me entregar as roupas que eu sujei, e sim, ele me trouxe para que eu lavasse suas roupas – Temari riu abaixando sua cabeça.

- Eu faria o mesmo... Mas sei lá... Sasuke tem um milhão de empregados que poderiam levar, embora, nenhum deles tenha sujado suas roupas, ponto para o Uchiha.

- As roupas não estavam sujas – Temari parou o sorriso e eu voltei a andar pela cozinha e parei na janela – elas estavam limpas e ele deixou um recado para mim, um que eu odiei. – Me virei para ela – ele foi fofo, e depois simplesmente disse que eu não tinha coordenação motora, foi uma ofensa, porque pra mim pareceu.

- Eu acho que ele te trolou – Ela começou a rir, até notar que estou séria. Realmente, isso me deixou mal, eu estou com raiva, ninguém gosta de ser trolada, eu não gostei, - Sakura, releva isso, que foi algo natural talvez, ele quis ser engraçado.

- Que fosse de outra forma... Sabe o que eu quero nesse momento, é pegar esse bilhete e esfregar na cara dele.

- Porque não faz? – Olha as ideias? Cruzei os braços com mais raiva ainda – Sakura... Todo mundo nessa casa sabe que você não é tão santinha, não é calma, inocente jamais, e se quiser, arruma um escândalo que para avenida. Porém, nós estamos falando do homem que paga o salario do nosso pai. Mas também estávamos falando daquele que te enganou, ou te trolou... – Ela voltou a rir, isso está me incomodando – agora, me diz, porque não pode devolver as roupas e o bilhete junto?

- Não é da sua conta – tá louco que eu vou fazer isso? Ele pode ter mim trolado, mas ele me chamou de charmosa, é um assunto de duas ou três paginas do meu diário e o bilhete tem que está colado lá. Mas se ele acha que acertou querendo me agradar, errou feio.

Nem sua caligrafia perfeita e o cheiro do seu perfume forte, másculo, tão gostoso. Senti-me nas nuvens, imagina você abraçar um cara cheiroso sentindo aquele aroma entrar em suas narinas arrepiando os pelos do seu corpo, o cabelo do seu cangote, eu poderia enlouquecer.

- Sakura – Pisquei duas vezes para enxergar Temari na minha frente – Sonhar acordada não resolve seus problemas. Devolva as roupas, e o trate com educação.

Só o que me faltava!

*

- Estamos quase chegando ao ponto da perfeição, só mais alguns retoques e estaremos prontas – Ino falava na minha frente enquanto enfeitava meu rosto. Apesar de estar animada para esta festa, sinto que alguma coisa de ruim vai acontecer nela, e eu estou me vendo muito ferrada. – Sakura, pode me dar um sorriso, sim?

- Ino – abaixei sua mão que segurava o rímel para meus cílios, - Eu não estou muito no clima, mas eu vou.

- Vai mesmo, porque a Tayuya me pediu para levar você nem que fosse a força. – Claro, ela quer ganhar a grada no primo dela, sei lá o que. – ela disse que o capitão do time, que por acaso é o primo dela, está louco para te conhecer melhor.

- Você também sabe disso? – Levantei da cama parando em frente ao espelho do quarto de Ino. Olhei minha roupa com muita atenção; um vestido tomara-que-caia preto um pouco justo no busto, mas da cintura para baixo era rodado, com brilhos. Meu cabelo estava mais liso que o normal com um pequeno arco para mudar o foto do loiro. Minhas unhas pintadas, olhos pintados, tudo obra de Ino Haruno, em carne e osso.

- Claro que eu sei todo mundo sabe – Ino parou ao meu lado arrumando o decote enorme em seus seios. Espero que possamos sair antes do papai nos ver, porque senão, Ino volta, com certeza. – E vai por mim, ele é lindo.

- Você sabe quem é ele? Pelo menos me diga o nome, eu procuro no facebook daqui pra festa.

- Quem disse que vamos levar celular? Eles vão ficar em casa. Voltamos com carona de qualquer um, assim, Temari pode dormir mais. – Esse é o grande plano da minha irmã mais nova, devo interferir?

- Se anima Sakura, você disse que precisava de uma distração. – Temari incentivou, jogada na cama de Ino do outro lado do quarto.

- Eu não estou desanimada – dei as costas para as duas, e é verdade. De fato, não estou desanimada, estou morrendo de raiva por ser enganada, eu não gosto de ser enganada, traída, trolada, seja lá o nome que deram para isto. – Me sinto enganada, é diferente.

- Sei!

Sair do quarto antes que começassem a falar várias coisas no meu ouvido. Voltei para o meu quarto e calcei as sandálias altas que Ino me emprestou também. Eu preciso usar botas, adoro! Porém, ela não me deixou escolher as roupas, imagine o sapato. Coloquei tudo e sim, eu estava mais do que perfeita. Apareci na sala encarando todo o cômodo e abri a porta da frente, o que com certeza vai me acalmar, será o cheiro das rosas que vou encontrar apenas no jardim de Sasuke embora eu esteja com um pouco de ódio dele.

Ah, não é bem ódio, mas você não vai gostar de ser enganada por uma pessoa que você tá gostando... Digo, eu não gosto de Sasuke desse jeito, ele é simplesmente perfeito, mas a gente não se apaixona por alguém apenas bonito, ainda mais quando você espera qualquer coisa desse ser humano, menos um bilhete dizendo que seus defeitos são um charme... Eu tenho charme? Pelo menos ele acha algo em mim charmoso.

Eu não sei o que sinto na verdade.

Cruzei os braços olhando para as rosas plantadas, eu não sei ajudo a cultivá-las, ou deixo morrer, o senhor Uchiha merecesse. Ah. Ódio! Não sei se reclamo, ou se fico feliz por ter algo assim, tão bonito.

Já escrevi que estou confusa? É, EXATAMENTE ISSO, EU ESTOU CONFUSA.

Odeio ou Amo?

Xingo ou elogio a sua roupa de hoje? Ele estava tão lindo naquele terno de três peças, seu olhar sério, mesmo quando estava zoando com a minha cara. Ele estava me zoando e eu voando no meio, com medo de levar broca do meu pai ou olhava para aquele olhar lindo do senhor Uchiha.

Meu coração disparou quando ouvi os portões se abrirem, meu Deus. Meu pai chegou. Sasuke chegou todo mundo chegou, até o tempo ruim que vai cair na nossa cabeça. Céus! Corri para casa, quero dizer, eu tentei correr porque os saltos são tão lindos e tão altos, eu vou morrer. Parei em frente à porta de casa e ela se abriu. Ino estava com um sorriso lindo.

- Nosso pai chegou. – Avisei, ela deu de ombros e saiu e Temari logo atrás.

- O quê que tem? Eu avisei pra ele que íamos a uma festa. Vamos embora – Ino puxou meu pulso e eu fui puxada, claro. Caminhamos pelo mesmo lugar, passamos pelo jardim, e ao longe, avistei meu pai abrir a porta para Sasuke sair.

Seu olhar estava direcionado a seu celular, ele digitava alguma coisa, e sorriu minimamente para a tela. Será que ele tem namorada? Eu não vi isso na revista. Que loucura! Devia voltar a procurar. Acordei quando ele deu as costas e Kizashi veio em nossa direção. Abri um sorriso enorme quando ele colocou seus olhos em Ino, a gente não vai sair dessa casa nem com uma porra.

- Ino – Kizashi baixou as broncas em Ino, comecei a rir. Infelizmente, Ino quer ser sempre o centro das atenções, mas não percebe que tem apenas quinze anos, e ainda é uma criança. Desde sempre foi uma criança mimada, toda cheia de nove horas, mamou até os cinco anos, um dia desses estava mijando na cama. Nem saiu das fraldas ainda.

Enfim, Mebuki e Kizashi, nossos pais, a veem como uma linda criança querendo mostrar mais que o normal.

- Eu não quero que saia de casa com essas roupas, tá maluca?

- Pai, esse é só um vestido normal, foi a mamãe que comprou para mim – ela retrucou.

- Querem sair? – Ele olhou dela para mim, sorri concordando, eu quero me divertir. Esquecer o bilhete. Sasuke. Virei meu rosto e o vi na porta da sua casa, ainda de costas, tão bonito, ele poderia se virar, estou tão linda para ser vista.

Ah, esse enganador de uma figa.

- Por favor, troca de roupa, aí eu até levo, eu te busco, só não vai com esse pedaço de pano – Meu pai a virou e apontou para casa, resmungando, xingando, gritando, mas ela foi andando sem olhar para trás. – E você?

- Eu o que? – Olhei para meu pai e sorri – Estou bem vestida.

- Estou vendo, cuida da sua irmã – ah, mas é claro, eu consigo dobrar Ino perfeitamente.

Virei para ver meu pai ir direto pra casa, eu tenho certeza que ele só vai voltar quando Ino colocar algo que prestes. E duvido muito que tenha algo perfeito naquele guarda-roupa.

- Noite muito boa para uma festa – Meu pai sequer olhou para trás com o volume do meu grito. Coloquei a mão no coração e virei para frente encontrando ninguém menos que o meu trolador preferido... Meu?

- É muito boa – cruzei os braços, ele olhou para mim de cima a baixo e encarou seu celular... – E porque você voltou?

- Voltei porque preciso falar com Kizashi. – Ele me encarou – e você, porque está parada no meio do MEU jardim? – Ele enfatizou a palavra MEU?

- Esperando a minha irmã.

- E minhas roupas? – Ele guardou o celular para me olhar. Seu olhar não era intimidador, era até animado. Ele gosta mesmo de trolar as pessoas, de enganar assim na cara dura?

- Estão lavadas, como você me mandou – descruzei os braços – Sasuke, eu odeio o seu bilhete, fui praticamente trolada... Enganada, e isso é chato, você sabia? – Ele deu um passo para trás, ficando sério em seguida, engoli a seco, mas não dei brecha – tudo bem você ser o chefe do meu pai, e eu merecia mesmo ser punida, mas eu não gosto de ser enganada, embora eu fosse odiar lavar suas roupas.

- Uma brincadeira apenas.

- Quem gosta de brincadeira é criança – Falei mais alto do que devia. Ele arregalou os olhos e eu cruzei os braços ficando de lado, eu nem sei por que estou brigando. – Eu tenho certeza que se fosse ao contrario, você não ia gostar.

Sua expressão mudou novamente, mas ele pareceu ficar mais sério que o normal. Descansou os braços ao redor do corpo e virou as costas para mim. Ficou parado por alguns minutos eu acho, sem falar nada, dei um passo para frente tentando engolir minhas palavras, mas eu já tinha dito mais do que eu queria.

- Eu só não gostei de ser enganada. – Disse baixo, quase não me escuto – Me desculpe.

- Até você brava, é um charme – Ele virou para mim, quase parando em cima de mim, me afastei na hora – não fiz por mal, mas achei engraçado. Seria uma brincadeira.

- Gosto de confiar nas pessoas ao meu redor, eu realmente achei que fosse lavar suas roupas, mesmo quando não precisa. Você fez uma cena na frente do meu pai e das minhas irmãs, reclamou do chá na sua roupa por nada? E eu nem devia ter entrado lá, mas não queria ver a Karin na rua.

- Porque eu a demitiria? Karin é importante pra mim.

- Vocês já namoraram?

- Que? – Aí, eu perguntei demais. – Isso é uma entrevista? Achei que estava brava.

- Não tenho motivos. Tchau! – Dei as costas sem falar mais nada.

- Mas o bilhete? – Virei para vê-lo, e ele estava rindo, rindo de mim? Ah! – Se não gostou, me devolva.

- O bilhete? – Ele assentiu, cruzando os braços – Claro que não.

- Vai entender – ouvi-lo murmurar antes de voltar para sua casa...

Eu não sei o que aconteceu, mas estou com mais raiva.

Trolador, debochado, bagunceiro, sério e misterioso. Tão lindo...


Notas Finais


MENINAS, SÓ QUERIA DAR UM PEQUENO AVISO, NA VERDADE, TEM DUAS COISAS QUE EU TENHO QUE FALAR, MAS VAMOS TRATAR DE UM PRIMEIRO.
UMA LEITORA COMENTOU QUE A DIFERENÇA DE IDADE DELES É MUITO GRANDE, SASUKE TEM SEUS TRINTA E NOVE ANOS E SAKURA DEZESSETE, ISSO É ALGUM PROBLEMA PRA VOCÊS? LEMBRANDO QUE ELES AINDA NÃO FICARAM E DEPOIS DESSE SURTO QUASE SEM MOTIVOS DE SAKURA NÃO ESTÁ PERTO DE ELES COMEÇAREM UMA PEQUENA RELAÇÃO AMOROSA ANTES DE UMA AMIZADE SIMBÓLICA, NÃO É?

POR FAVOR, EU IMPLORO, ME DIGAM O QUE ACHAM DISSO?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...