História Querido Diario - Capítulo 14


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Romance
Visualizações 5
Palavras 4.713
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 14 - Im free as a bird



Certo. 

O que eu faria agora... 


Estava defronte aos portões de bronze da mansão, de olhos fechados e respirando profundamente, aspirando o máximo de ar que meus pulmões conseguiam em uma inútil tentativa de me acalmar. Eu realmente não sabia o que faria. Pensei em até voltar para a casa rindo e dizer: “AHÁ! Te peguei, Silvana!” e lhe dar alguns tapinhas nas costas. Obviamente eu não o faria. 
Moraria debaixo de alguma ponte ou nos becos de Bolton, pedindo esmola em semáforos e envergonhar Silvana ainda mais. Seria engraçado, entretanto. 

Mexi nervosamente em meu cabelo e desci minhas mãos para minha testa, forçando-me a pensar em uma solução. 
Arrumei a alça da mochila em meu ombro, e coloquei meus pés para andarem em direção à qualquer telefone público próximo. 
Na verdade, meu desespero meu fez praticamente correr pela White River Street. Ainda era relativamente cedo e as donas-de-casa aguavam seus jardins enormes, aproveitando enquanto o inverno não chegava para arrasá-los. Também aproveitavam o momento para xeretar a vida das outras moradoras. Essas riquíssimas donas-de-casa as quais não tinham nada para fazer além de rezarem para que seus maridos enriquecessem mais competiam entre si sobre quem possuía o jardim mais verde, com as flores mais caras e coloridas, o jardineiro mais bonitão... Aproveitavam essa época já que, no inverno rigoroso do Reino Unido, tudo fica debaixo de neve e os jardineiros tiram suas folgas. 

Algumas me olharam com certa curiosidade, criando hipóteses sobre meu estado físico aparente: roupas largadas e uma feição desesperada. Isso me fez apertar ainda mais meu passo. 
Dois quarteirões para frente encontrei um típico telefone público londrino e não tardei a entrar dentro da cabine vermelha. Coloquei uma libra no lugar indicado e pensei por alguns instantes antes de discar um número.

Eu não poderia ligar para Mharessa. Sua mãe não era muito diferente da minha, além de serem grandes amigas. Imagine eu, chegando em sua residência de mala, cuia e um espírito rebelde? Ligaria para Silvana desesperada, e está me buscaria com um rifle em mãos. 

Não podia ligar para Maísa. Isso era óbvio. 

Jamais ligaria para Le. Razões óbvias, idem. 

Tho e Gui eram boas opções... 

Disquei então um número que veio em minha mente e aguardei atenderem. 

“Alô?” Escutei uma voz do outro lado que fez minhas pernas perderem um pouco de controle e minhas mãos tremerem. O desespero enfim tomou conta de mim. 
“Di?” Sibilei vacilante. Eu piscava freneticamente. 
“Lari?” o garoto perguntou, e pude a surpresa em seu tom. “Você está bem? ” Seu tom mudara para preocupação. 
“E-eu... Eu não sei! Eu estou confusa, acabei de sair de casa, Lucas estava lá e Silvana...” comecei a falar sem pausas, atropelando todas as palavras. 
“Espere. Lucas estava em sua casa? ” O tom era de incredulidade. Impressionante como ele podia mudar suas emoções a cada instante. 
“Estava!” Bufei ainda raivosa. “E então eu saí de lá imediatamente! Mas... Agora não sei o que fazer e...” 
“Onde você está? ” O garoto me interrompeu, impaciente. 
“No telefone público da White River com a Major Avenue.” 
“Certo, estou indo te buscar. Não saia daí, entendeu? ” Di soou autoritário e desligou o telefone sem escutar minha resposta. 
Eu não tinha para onde ir, de qualquer maneira. 

Em menos de vinte minutos, vi Di estacionar sua moto lentamente perto da calçada que eu estava sentada. 
Usava uma jaqueta de couro preta, um jeans com um rasgado no joelho e nos pés, um All Star igualmente surrado. Tirou seu capacete o qual não me deixava ver seu rosto por tampá-lo totalmente e o pequeno vidro da frente ser esfumaçado – ofuscando meus olhos com aqueles cabelos Ruivos. Eles, obviamente, estavam mais bagunçados que o normal devido ao capacete, mas era incrível como continuava... Indefectível. Sua testa estava enrugada e suas sobrancelhas arqueadas, deixando claro seu aborrecimento. Perfeito. 
Saltou de sua moto e veio em minha direção sem olhar para mim. Olhava para trás, sabia que a algumas quadras era minha casa e, quem sabe, procurava por um carro conhecido. Bufou e me encarou assim que chegou à poucos centímetros de mim. Não se sentou, por isso tive que olhar para cima para poder vê-lo, mas arrependi no momento seguinte que os feixes de luz começaram a irritar meus olhos. 
“O que aquele filho da mãe queria?” Di disse entre dentes e uma enorme vontade de rir me abateu. Ele ficava um tanto quanto charmoso naquele estado... 
“Olá para você também, Di” falei descontraída, vendo-o relaxar os músculos logo após. Suspirou alto e se sentou ao meu lado no meio-fio. Ficamos em silencio alguns instantes. 
“Não vai me contar? ” Ele disse irritado, mas com um singelo sorriso. 
“Não sei o que ele queria. Saí de casa antes que ele pudesse dizer qualquer coisa” adiantei, e um leve desespero me dominou novamente. Eu quase havia esquecido que era uma sem-teto agora. 
“Hum” Di não pareceu se convencer e começou a me encarar desconfiado, talvez tenha percebido meu desconforto. Levei a mão até minha nuca, esfregando-a nervosamente. 
“Bem, na verdade eu meio que... Fugi... Não foi exatamente uma fuga, já que falei em alto e bom som à Silvana que estava saindo de casa para nunca mais voltar...” ri nervosa sem encarar Di. Estava envergonhada por ser parecer tão infantil. Qualquer pessoa pensaria isso de mim. 
Senti os olhos do garoto sobre mim, analisando-me cautelosamente. 
“Então agora você é uma sem-teto? ” Ele disse divertido. Não achei graça, mas não me manifestei. 
“Basicamente” falei simplesmente, ainda sem o encarar. 
“Como aqueles jovens rebeldes que andam aparecendo na Tv? ” Percebi que ele se esforçou para conter um riso. Acho que Di seria um ótimo alvo para eu descarregar minha raiva daquele dia. 
Apenas dei de ombros. 
Vi, pelo canto do olho, Di abrir e fechar a boca, tentando dizer algo. 
“Admiro você, Lari” falou, dessa vez sério. Virei meu rosto sutilmente em sua direção, sem aparentar muito interesse, mas curiosíssima para saber o porquê dele me admirar. 
“Claro, há muito o que se admirar em uma sem-teto rebelde” disse sarcástica, voltando a encarar uma casa qualquer à minha frente. Di se aproximou um pouco mais de mim. 
“Eu falo sério. São poucas as pessoas hoje em dia que têm coragem de enfrentar algo que pareça errado... A maioria só consente...” ele se explicou, ainda com os olhos fixos em mim. 
Senti-me lisonjeada, devo admitir. Não tinha pensado por esse lado, para mim, eu era apenas uma patética riquinha, mimada e rebelde. 
“A maioria tem onde morar...” rebati, relembrando-o da minha situação. Di riu. Rir da desgraça alheia realmente nos faz bem. 
“Já falou com Mharessa?” Ele sugeriu. 
“A mãe dela é melhor amiga de Silvana...” respondi alheia, já chegando à conclusão de que eu estava encurralada. Di ficou em silencio, pensativo. Provavelmente chegara à mesma conclusão que eu. Bolton Bridge, aí vou eu. 
“Você poderia... Você sabe...” ele pigarreou. Arqueei as sobrancelhas, incentivando-o a continuar. “Sabe... Passar um tempo comigo... Quero dizer, na minha casa...” vi suas bochechas corarem e meu estômago afundar. Imagine eu, Larissa Elias, vivendo sob o mesmo teto que Di Oliveira! Parecia, ao mesmo tempo, uma ótima e absurda ideia. Mas vamos combinar, eu não tinha muitas opções... 
“Não sei, Di...” mostrei minha indecisão. Seria muito inconveniente da minha parte aceitar. Mudar toda a rotina da família, abusar da hospitalidade, comer, gastar energia elétrica... 
“Vamos, Lari... Onde você pretende ficar? ” Ele pareceu apreensivo. Dei de ombros e o garoto passou seus braços pela minha cintura. Não nego que encolhi e senti minhas bochechas inflamarem. 
“Não vou incomodar? ” Perguntei um pouco tímida, ainda incerta. 
“Nunca” ele disse simplesmente, me encarando profundamente. 
“Mas e seu pai? ” Rebati, procurando motivos para Di rever sua proposta. Eu queria aceitar, em contrapartida, meu bom senso me reprimia. 
“Seria um prazer receber a filha do grande Gilberto em minha humilde residência.” ele forçou uma voz grave que, no caso, presumi ser de seu pai, o senhor Lewis. 
“Eu... Eu prometo que ajudo nas despesas até encontrar um apartamento para mim...” cedi. Parecia-me uma coisa descente a se fazer, se era para eu aceitar. Di levantou os braços e gritou Aleluia! Pra nada. 
“Não se preocupe com essa parte Lari” ele disse após cessar algumas risadas. “Você pode ficar o tempo que quiser” assim que terminou sua frase, não me aguentei, tive que envolver meus braços em seu pescoço, apertando-o contra meu corpo em um abraço forte. Senti uma intensa gratidão naquele momento. Há um tempo atrás, Di seria a última pessoa a qual eu esperaria ou pediria ajuda. 
“Muito obrigada, Di. De verdade” apertei-o mais ainda mais. Ele pareceu responder, já que suas mãos continuavam firmes ao redor da minha cintura e sua respiração batia quente no meu pescoço. 
Não sei quanto tempo ficamos daquele jeito, mas foi suficiente para não querer largá-lo tão cedo. 
Di cheirava tão bem... Não usava perfume, mas exalava um cheiro de sabonete de lavanda entorpecente. 
Meu rosto estava mergulhado em seu pescoço e, sem ter controle sobre meus atos, depositei um sutil beijo no local. No mesmo instante, vi Di se encolher um pouco e não contive um sorriso. 
E então, após alguns segundos, ele lentamente moveu seu rosto, e eu fui obrigada a deslocar o meu de seu pescoço. 
Meus olhos, que antes estavam fechados, se abriram vagarosamente e deram de cara com os de Di, que estavam cerrados, entretanto continuavam intensos e penetrantes. 
Minha respiração falhou e eu me perguntei por que diabos esse garoto conseguia me deixar assim apenas com um olhar. Era insano! Inexplicavelmente insano! 
Meu coração acelerou subitamente e batia tão forte contra meu peito que, pela nossa proximidade, tinha certeza que Di poderia escutar. Engoli seco. 
Vi uma das mãos do garoto virem de encontro com a minha bochecha e acariciar sutilmente a mesma, me fazendo fechar os olhos automaticamente. Meu estômago afundava em nervosismo. 
Era estranha aquela sensação. Assustadora, na verdade. Parecia que eu poderia ter um ataque cardiovascular a qualquer momento! 
Algo dentro de você pulsa intensamente, fazendo sua respiração falhar, suas mãos suarem ou tremerem, e às vezes os dois. Sua boca saliva, suas pernas parecem que não vão te aguentar por muito tempo, e é praticamente impossível encarar certos olhos e se manter em sã consciência. 

Mas como de costume, algo a fundo dispersou minha atenção. Dessa vez me fazendo saltar quando percebi que o barulho era uma buzina conhecida: a do Pontiac. 
“Oh meu Deus” exclamei baixinho, vendo Di se levantar bruscamente, com uma feição para poucos amigos. 
Lucas saiu do carro batendo a porta brutalmente e veio, com a mesma expressão de Di, em nossa direção. 
“Larissa, sua mãe está desesperada” Lu disse curto e grosso, encarando Di, o qual mantinha seus olhos fixos no garoto alto de topete bem moldado e olhos incrivelmente azuis. “Venha comigo, por favor. ” 
Aquilo não me parecia um pedido ou uma súplica. Era mais uma ordem. 
“Ela não vai a lugar nenhum com você, Lucas” Di disse vorazmente, fechando as mãos em punho. 
“O que está fazendo aqui afinal, Oliveira? ” Silva disse com desaprovação, olhando Di dos pés à cabeça num ato de superioridade. 
“Não lhe interessa, Silva. Apenas vá embora daqui, pois Larissa não irá com você” Di manteve-se firme diante do mais velho. Lu soltou uma risada cínica e estridente. 
“E quem vai me impedir de levá-la? Você? ” Ele se aproximou ameaçadoramente e, pelos punhos, pude perceber que a paciência de Di estava por um triz. 
“Se for preciso...” Di respondeu entre dentes, vendo Lucas se aproximar cada vez mais de onde estávamos. Di se posicionou à frente de mim, como se quisesse me proteger de um mal que se aproximava. 
“Não seja tolo, Oliveira. Aquela ameaça de tempos atrás não foram suficientes pra você? ” Lucas disse em um sussurro, tentando não me fazer escutar. Talvez pensasse que eu não sabia. Isso me irritou profundamente, e eu nunca havia sentido tanto ódio quanto naquele momento. 
“Você vai ter que fazer melhorar suas chantagens para me afastar de Larissa.” Di se aproximou do garoto, e vi que os dois estavam a poucos centímetros um do outro. Aquilo não era bom. 
E de repente, num piscar de olhos, vi Di sendo afastado com um murro em cheio em seu rosto, fazendo-o cambalear e bater em sua moto. 
“DI!” Gritei automaticamente e fui em direção do garoto, totalmente desesperada. Ele não parecia ter sentindo coisa alguma, já que levantou imediatamente e foi na direção de Lucas, dando-lhe um soco no rosto de volta. Instantaneamente, um desespero enorme tomou conta de mim. Não havia coisa que mais me tirava do sério que uma briga. 

Antes que eu pudesse pensar em fazer algo apesar de não ter ideia alguma Lu atingiu a barriga de Di, fazendo-o encolher de dor. 
“PAREM VOCÊS DOIS!” Berrei mas nenhum pareceu escutar. Eu estava completamente invisível naquele antro de ódio. 
Di se recompôs e empurrou Lu contra a porta do Pontiac de forma tão brutal, que pude escutar o vidro da janela trincar. 
“Eu poderia ficar o dia inteiro te dando uma surra sem ao menos me cansar, mas prefiro gastar meu tempo de maneiras melhores, como tratando Larissa do jeito que ela merece ser tratada” Di disse entre dentes, mantendo firmemente Lucas contra o vidro rachado do carro. “E eu vou fazer de tudo para que isso aconteça, e então é melhor que você fique longe dela” o garoto terminou num tom extremamente ameaçador. Mas é claro que Lucas não deixaria barato. 
“Espera, Di Oliveira... Espera só eu acabar com você” Ben disse no mesmo tom. “Eu vou fazer de tudo para que nada dê certo pra você. ” 
“Pode tentar de tudo, Silva. Você nunca vai conseguir acabar comigo, porque quem já está acabado aqui é você. E agora eu repito” Di pareceu apertar Lu ainda mais contra o vidro, e eu vi que ele poderia quebrar a qualquer momento. “Fique longe dela. ” 
E então Di o soltou, dando as costas imediatamente e agarrando minha mão, me levando em direção à moto. Eu estava totalmente alheia àquela situação, não sabia o que falar, como agir, eu não tinha certeza se tudo tinha sido real e se eu realmente escutara todas aquelas palavras, tantas as vindas de Lucas quanto as de Di se arriscando para me proteger. Ou o que fosse. 
Ele subiu na moto e eu fiz o mesmo, colocando o capacete e em um segundo, a moto já estava arrancando e deixando a imagem de Lucas furioso para trás. 


A casa de Di era em um lugar bem distante da cidade. Na verdade era um sítio simples afastado de tudo e de todos. A família de Di sempre foi muito simples, sem muitas frescuras ou luxos. Pouco para eles era suficiente para serem felizes. Regalias demais nunca era sinal de coisa boa. 
Então assim pegamos a rodovia principal de saída de Bolton. 
O vento batia com mais intensidade que antes devido à alta velocidade em que a moto andava. Eu havia colocado um casaco antes, justamente para não morrer congelada. Aquele ruído do vento em meus ouvidos e jogando meus cabelos bruscamente para trás, me dava uma sensação incrível, nunca antes sentida por mim, de liberdade. Minhas mãos estavam firmemente postas na cintura de Di, apertando-o como nunca contra mim. Mas naquele instante, permiti-me soltá-lo e meus braços abriram-se como se eu pudesse pegar voo a qualquer momento. 

Gritei. 
Gritei toda a repressão antes entalada em minha garganta, dando lugar a uma nova sensação. Eu era livre. E não havia sentimento melhor do que aquele. 
Talvez a presença de Di melhorasse muito as coisas. 
E então gargalhei. 
Eu estava realmente feliz. Feliz como nunca! Todas aquelas emoções novas e confusas não me martirizavam nem um pouco, apenas aumentavam meu gosto por aventuras. Viver intensamente, esse era meu novo lema. Bem vindos ao Carpe Diem. Pelo retrovisor pude ver Di sorrindo abertamente, mostrando sua satisfação. Eu podia ver a alegria transbordar de seus olhos e aquilo me contagiava ainda mais, se é que era possível. 
As árvores passavam rapidamente por nós, todas com copas imensamente verdes, transformando aquela estrada em um lugar reconfortante. 
Envolvi Di novamente com meus braços e recostei meu queixo em um de seus ombros, observando os riscos amarelos pintados no asfalto passarem abaixo de nós em uma velocidade incrível. Olhei no velocímetro da moto: 120 quilômetros. E eu não me importava. Pediria para que ele até aumentasse mais a velocidade. Era visível a quantidade de adrenalina que percorria minhas veias, misturada com uma dose incrível de endorfina e serotonina. 

Estava tudo maravilhosamente maravilhoso. 



O caminho até o sítio de Di durou exatos vinte minutos. Quinze minutos de asfalto e os outros cinco de estrada de terra, e admito que o medo tomou conta de mim novamente com aquele monte de buracos e pedregulhos. A paisagem de árvores mudara para um vasto capim onde certo gado pastava. E mais à frente eu pude avistar um casebre de madeira pintado todo de branco no meio do gramado. Uma rede estava presa em dois pilares na pequena varada, dando àquele lugar um toque ainda mais aconchegante. Não havia barulhos de carros, nem aquele cheiro forte que saía dos escapamentos, nem lojas amontoadas. Era tudo limpo... Natural... 
Um pequeno lago podia ser visto mais adiante e me lembrei de certa vez ter sido traga por John para pescar ali... Ele e o senhor Oliveira eram grandes amigos desde sempre. Eu contei exatamente onze cachorros enquanto a moto ia perdendo velocidade. 
Cachorros de todas as raças, cores e tamanhos, os quais vieram correndo em direção do dono assim que ele recostou sua moto em uma cerca que separava a casa do vasto pasto dos bois. 
“Hey Thor! ” Di disse sorridente ainda em cima da moto. Thor era um cachorro enorme da raça boxer e fiquei até assustada quando o mesmo pulou e ficou em cima de suas duas patas traseiras, fazendo-o ficar do tamanho de Di. Os outros dez cachorros pulavam ao nosso redor, latindo e abanando seus rabos para chamar nossa atenção. 
Di desceu da moto e me deu a mão para eu fazer o mesmo. 
Uma vergonha enorme me abateu obviamente, e eu empaquei onde estava enquanto Di continuava andando. 
“Hey! ” Ele me gritou assim que notou a minha ausência. Eu olhava para o meu tênis desgastado e apertava firmemente as alças da minha mochila, repensando no que eu estava prestes a fazer. Talvez tudo não passava de um engano. Eu não poderia abusar da bondade de Di e seu pai dessa maneira! Não era certo! 
“O que foi? ” Di se aproximou de mim e perguntou apreensivo, me olhando docemente. Fraquejei. E isso me fez pensar que tudo aquilo era realmente uma péssima ideia. Aquele frio na barriga não era normal, e eu tinha certeza de que pioraria se eu continuasse ali mais um segundo. 
“Nada...” me rendi àqueles olhos. Era impossível não se sentir tranquila quando eles me encaravam. Eu poderia ficar perdida neles e recusar ajuda para me achar novamente. 

Di então estendeu sua mão e continuou a me encarar apreensivo. Olhei-a e um milhão de coisas passaram pela minha cabeça. E um bilhão de sentimentos. Eu não os entendia. Nenhum romance explicava o que eles eram, e eu nunca tive a mínima noção do que eles seriam. 
Segurei sua mão e vi um sorriso abrir em seu rosto, me fazendo abrir um sem pensar duas vezes. 
Andamos a passos largos em direção a casa com os cães aos nossos calcanhares. Subimos os quatro degraus da frente e alcançamos a porta. Assim que Di a abriu, um cheiro delicioso invadiu minhas narinas e fez meu estomago roncar. 
“Pai?” Di chamou pelo senhor José mas sem receber resposta. 
Passei os olhos pelo interior da casa. Estávamos em uma salinha com dois sofás, uma estante em frente dos mesmos com uma grande vitrola, entretanto sem televisão. Di e seu pai não eram chegados em modernidades. 
Não haviam paredes separando aquele cômodo da cozinha, havia apenas um balcão de pedra. 
“PAI?” Di chamou mais alto, indo já em direção ao corredor mais à frente. De repente vimos um homem aparecer como um vulto atrás de nós. Ele tinha cabelos e bigodes grisalhos, era alto e seu corpo era atlético para sua idade. Usava uma calça jeans rasgadas no joelho e suja de terra, uma camisa xadrez vermelha e uma botina marrom com manchas de lama nos pés. 
“Larissa! Como é bom te ver! ” O pai de Di disse com uma expressão verdadeira de felicidade. Eu percebi pelo seu enorme sorriso. 
O senhor Oliveira veio de braços abertos em minha direção, me dando um forte abraço ao chegar perto de mim, rindo feliz em meu ouvido. 
“É bom te ver também, senhor Oliveira” falei sincera, retribuído o abraço na mesma intensidade. 
“Como você está bonita! ” O mais velho disse me analisando dos pés à cabeça. “Até mais do que Di costuma comentar...” falou por fim e pela minha expressão totalmente envergonhada juntamente com minhas maçãs do rosto avermelhadas ele riu. Olhei para Di e o garoto olhava para os pés, tão tímido quanto eu. Sorri singelamente. Senhor José pigarreou. 
“Bem, Di disse que estava indo te buscar não sei onde, então tratei de fazer um almoço especial para você” ele depositou uma mão em meu ombro direito e começou a me conduzir até a cozinha. Novamente olhei o garoto de relance e este deu de ombros, rindo. 
“Não precisava se incomodar, tio José” a cada hora que passava eu ficava ainda mais envergonhada com a minha falta de vergonha por abusar de toda aquela hospitalidade. 
“É um prazer receber a filha do grande Gilberto em minha humilde residência. Isso é o mínimo que posso fazer” tio José rebateu apreensivo, como se estivesse me dando um sermão. 
“Exatamente o que eu disse” Di entrou no clima do pai, me fazendo rolar os olhos. “Espero que goste de purê de batata. É a minha especialidade” Oliveira pai deu uma piscadela. 
“Adoro” sorri e vi tio José rir satisfeito. 
“Pai, a Lari vai passar uns tempos aqui em casa...” Di nem ao menos pediu ou esperou eu ir a algum outro lugar para que ele pudesse pedir permissão ao pai. Quis morrer. 
“Isso vai ser ótimo! ” O mais velho nem ao menos perguntou o porquê, simplesmente começou a bater palmas. Se eu fosse ele, me expulsaria dali por ser tão abusada. “Leve ao antigo quarto de sua irmã” dirigiu-se ele a Di. “Sinta-se à vontade, Lari” sorriu abertamente, me fazendo relaxar meus músculos do ombro gradativamente. 
Então segui Di pelos outros cômodos da casa, passando por um pequeno corredor com diversos quadros relativamente abstratos pendurados. Mais tarde eu os observaria de perto... 
Então no fim daquele estreito corredor, Di abriu uma porta de madeira, dando lugar a um pequeno quarto. Era perfeito. Uma cama, uma escrivaninha, um guarda-roupa e uma janela para a vasta natureza daquele sitio. Eu não precisava de mais nada. 
Joguei minha mochila que por falar nisso já pesava em meus ombros tensos na cama e fui observar a vista da persiana. Um vento percorreu meus cabelos, fazendo-me inspirar o máximo de ar que meus pulmões podiam aguentar. Os cachorros brincavam livremente pelo pasto, correndo atrás de galinhas e eu podia até escutar o senhor José gritar com os mesmos da cozinha. 
Olhei pelo meu ombro e vi Di colocando uma roupa de cama em cima da escrivaninha. 
“Aqui tem toalha, lençol, essas coisas...” ele mexeu despreocupado nos cabelos, deixando-os ainda mais desarrumados. 
“Muito obrigada Di... De verdade” sibilei gratificada. 
“Pare de agradecer, Lari. Você é de casa agora” ele respondeu no mesmo tom apreensivo do pai a minutos atrás, sorrindo logo após. 
Olhei para meus pés e o vi se aproximar, tirando uma mexa de cabelo que tampava meu rosto e colocá-la atrás de minha orelha. Como a típica covarde que eu era, não fui capaz de olhá-los nos olhos, entretanto pude sentir seus lábios quentes tocarem minha testa. 
“Vou te deixar um pouco a sós com seu novo aposento. Daqui a pouco te chamo para o almoço...” o garoto disse quase num sussurro e saiu do meu novo quarto logo após. 



O almoço foi de longe o mais engraçado da minha vida. Tio José era o maior palhaço e me fazia jorrar suco para fora da boca toda vez que me fazia rir. Falou mal da família real britânica chamando-os de parasitas do ridículo ideal-político bipolar dessa nova geração, falamos de Lord Byron à Shakespeare assunto que me interessou e me fez falar mais que a língua enfim, aquele tipo de conversa cultural e com fundamentos. 
Depois da refeição, Di e seu pai se ofereceram a me mostrar toda a extensão do sitio, contando casos do mais novo em cada canto do lugar, incluindo algumas que envolviam meu pai e eu. Um fato que eu ao menos lembrava, certa vez fui me aventurar pelo lago congelado pelo inverno rigoroso, patinando e fazendo piruetas sobre ele. Até que pulei sobre uma parte não tão rígida e cai sobre a água extremamente gélida e quem pulou imediatamente para me salvar, fora Di seguido de meu pai. 
Enquanto o senhor José contava, Di observava a grama que pisávamos, os pássaros que voavam, os patos que nadavam no lago, tudo para evitar o contato com meus olhos indagadores sobre ele a cada palavra de seu pai, o qual falava subjetivamente de uma paixão de infância que Di tivera por mim. Ao invés de me sentir envergonhada, senti uma profunda curiosidade em saber se era verdade. 

E após longos minutos que passaram rápidos até demais vimos o sol se pôr, dando lugar a um céu ofusco e cheio de pontinhos brilhantes, então nos dirigimos à casa novamente. Tio José nos preparou um sanduíche rápido e enquanto comíamos, escutávamos um vinil antigo do Louis Armstrong e a casos da juventude do pai de Di. Eu estava vidrada em todas as histórias que o mais velho contava sobre a segunda Grande Guerra, a qual participou, e sobre o que fazia para não ficar maluco ou se matar como seus grandes companheiros de batalhas fizeram. 
Hora e outra eu podia sentir os olhos do Oliveira filho sobre mim, e quando via que o mesmo mudara o rumo de seu olhar, tratava de observá-lo. 
No final da conversa, recolhi os pratos e os levei até a cozinha, lavando-os em seguida e escutando Di e o pai resmungarem e quase me baterem para tirar a louça de minhas mãos. 

“Anda, vamos dormir” Di me empurrava para fora da cozinha e não escutava aos meus protestos. Aquilo era o mínimo que eu podia fazer! 
“Você também não facilita pra mim, né Di!” Falei entre dentes assim que ele me empurrou para dentro do quarto. 
“Ah, pelo amor de Deus, Larissa! Você é nossa visita” o garoto disse com o cenho franzido numa expressão de braveza. 
“Mas você disse que eu sou de casa” rebati e dei de ombros. Qual seria sua resposta agora? 
“E você por acaso lavava os pratos na sua casa?” Ele questionou, e ao invés de fazê-lo ficar sem graça, que ficou assim fui eu. 
“Peste” rolei os olhos e lhe dei um murro em seu braço, fazendo-o rir e se encolher. Um silêncio se instalou no cômodo assim que nossas risadas cessaram, então eu tratei de procurar algo para fixar os meus olhos. 
“Boa noite, Lari” Di se aproximou do meu rosto, e enquanto eu esperava por um simples beijo na bochecha, senti aqueles lábios familiares tocarem o canto da minha boca e meu coração palpitou como nunca havia feito antes. 
Eu assustei. Assustei com os milhares de sentimentos que formigaram em meu corpo no mesmo segundo. Não seria capaz de descrevê-los. 

Quis fugir. 
Quis agarrá-lo. 
Meu coração acelerava; 
E depois parava bruscamente. 
Fiquei sem ar; 
E depois ofegante. 
Era tudo certamente errado. 
Estava tudo confusamente claro. 

No momento em que o garoto se afastou e olhou-me com ternura, tive coragem de encará-lo de volta pela primeira vez em tempos e cheguei à uma conclusão: Di estava colocando minha vida de cabeça para baixo. 
E naquela noite, ele invadiu meus sonhos. 
Invadiu meus sentimentos. 
Invadiu meu coração... 


 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...