História Querido Diario - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Drama, Romance
Exibições 3
Palavras 4.462
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 7 - I can't help falling in love with you



Fui correndo em direção ao jardim da minha casa, passando apressada por entre os arbustos que contornavam o passeio. A saia do meu vestido insistia em voar, e eu segurava inutilmente sua aba para que não mostrasse algo indecente. Abriram os portões assim que eu me aproximei, e eu acenei à Kevin, o porteiro, indo finalmente em direção ao Pontiac parado em frente à minha casa. Lu estava encostado na porta onde eu entraria, e sorriu abertamente quando eu me aproximei. Faziam no mínimo, sete dias em que eu não o via, então a primeira reação que tive foi pular em seu pescoço. Silva retribuiu meu abraço, me tirando alguns centímetros do chão. 
No momento em que senti meus pés em terra firme, senti os lábios de Lucas tocarem os meus, no mesmo tempo em que eu sentia minhas pernas cambalearem. Ele sorriu no meio do beijo e se afastou, acariciando meu rosto. “Saudades de você, linda...” ele disse num sussurro, analisando cada parte do meu rosto. Não pude deixar de sorrir e dar-lhe um selinho. “Muita saudade...” falei brincando com seus dedos que estavam entrelaçados nos meus. “Adoro quando você fica assim... Sem jeito” Lu disse com um sorriso no canto da boca, e colocou sua mão em meu queixo me fazendo encará-lo. Sorri envergonhada e senti minhas bochechas estúpidas corarem. 
“Vamos?” Falei finalmente para acabar com aquele clima embaraçoso. Lu concordou e abriu a porta para que eu entrasse. “Tenho algo para você” disse ele após dar partida no carro. Esticou o braço até os bancos de trás, sem tirar a atenção da rua, e colocou um pedaço de papel em cima do meu colo. “O que é isso? ” Perguntei confusa e o sorriso em seu rosto aumentou de tamanho, mostrando todos seus dentes branquíssimos e impecáveis. “Leia! ” Lu disse empolgado e eu tive que rir da cara que ele fez. Voltei meus olhos para o papel em meu colo. Até que meu queixo caiu ao ver as letras impressas ali. Olhei com uma expressão de choque e raiva ao mesmo tempo, e vi o sorriso enorme no rosto de Lucas, que começou a gargalhar assim que viu meu rosto. “Sabia que essa seria sua reação! ” Ele disse tranquilo em meio de gargalhadas, e tive vontade de estapeá-lo. Só não o fiz por medo dele perder o controle do carro e eu morrer antes de ter ido em um show do Elvis. “Como você fez isso comigo, Lucas Silva? ” Gritei histérica e esfreguei o panfleto em seu rosto, e ele continuava a gargalhar. “HUH? PARE DE RIR, ISSO NÃO TEM GRAÇA! ”
“Na verdade tem sim! ” Não aguentei, tive que começar a bater naquela cara perfeitamente irritante. “Eu NUNCA vou participar do Dancing Days! NUNCA! Ilusão da sua mente em pensar que eu participaria! Trate de anular esse contrato pois eu JAMAIS VOU PARTICIPAR DESSE CONCURSO! ” Continuei a gritar e tinha certeza que eu estava parecendo uma louca. Mas como não ficar? Lucas simplesmente havia nos inscrito no MAIOR concurso de dança da região. O MAIOR! Quais eram as possibilidades de a gente ganhar? E o pior, nem no meu pior pesadelo eu gostaria de me ver dançando em frente a milhares de pessoas! Dançar era algo muito pessoal para mim, poucas pessoas sabiam que eu dançava, nem mesmo minha mãe sabia desse detalhe da minha vida! E se soubesse que eu iria participar de um concurso como esse, eu poderia esquecer toda a minha vida social e pessoal! “Você vai sim, e eu não vou anular. Você sabe que tem potencial, Lari! ” Ele disse convicto e tive vontade de socá-lo. 
“Que potencial, Silva? Huh? Eu danço por diversão, nem profissional eu sou! ” Falei mais calma agora, tentando mostrar argumentos racionais para fazê-lo desistir dessa ideia maluca. “É por isso que estamos indo ao Block Dancing. Nossa jornada de treinos começa HOJE! ” Lu continuou animado, e confesso que sua animação me contagiou um pouco. UM POUCO!

Lu estacionou o carro em frente ao letreiro chamativo da danceteria que eu já começava a me familiarizar. Desceu e rapidamente abriu a porta do carro para que eu saísse. Me deu a mão e fomos correndo em direção à bilheteria cheia de pessoas. Silva estava impacientemente empolgado, já que ficava na ponta dos pés a fim de ver se nossa vez estava chegando. Hora ou outra gritava palavras feias às pessoas que se demoravam em frente à bonita atendente da bilheteria. Após longos e engraçados cinco minutos, nossa vez chegou e Lu comprou rapidamente nossos ingressos, nem ao menos esperando pelo troco.
Ele pegou em minha mão novamente e me arrastou correndo danceteria à frente. Aquelas luzes coloridas invadiam meus olhos e me deixavam intensamente animada. Tanto quanto Lucas. 
O garoto me olhou e gargalhou, voltando a correr em direção à pista de dança. Eu já conhecia algumas pessoas por ali, então cumprimentei-as ao longo do caminho. Gritei assim que Johnny B. Goode começou a tocar. Dei até alguns pulinhos ridículos. Lu me colocou no ar, me girando por alguns segundos até que me colocou no chão e começamos a dançar um animado Boogie Woogie.

Um círculo foi formado ao nosso redor, e até a vergonha pareceu desaparecer por completo. A dança com certeza supera a sensação que o tênis me proporciona. Ali, naquela pista de dança, tudo parece desaparecer e eu sinceramente me sinto no céu. Não existe luzes, fumaça, ou muito menos pessoas ao nosso redor. É somente eu, Lucas e nossos pés. E obviamente Elvis Presley para aumentar o calor dentro de mim, dando a motivação necessária para que meus pés se movimentem sozinhos em sincronia perfeita.
Eu deixava Ben me conduzir, e os gritos e aplausos das pessoas era vagamente escudado por mim. 
Eu sorria do modo mais empolgado possível, e via Lu gargalhar e fazer caras e bocas enquanto dançava tão perfeitamente.
Eu não me sentia cansada apensar da minha respiração estar falha. Eu poderia ficar dançando pelo resto da minha vida sem reclamar. 
Mas infelizmente, a música foi ficando cada vez mais vaga, até um ponto em que meus pés pararam de sapatear e as pessoas começarem a aplaudir calorosamente. Meu sorriso já era aberto e descarado, e eu apertava a mão de todos que vinham nos cumprimentar. 
Joguei meus cabelos para frente e voltei a cabeça ferozmente para traz, de modo que um pouco de vento passasse pela minha nuca e o calor esvaziasse um pouco.
Lu me olhou após as pessoas começarem a ir para seus devidos lugares e nos deixarem sozinhos. Ele sorriu e veio ao meu encontro, me abraçando fortemente. Foi aí que Can’t Help Falling in Love invadiu o local com sua perfeita melodia, me fazendo envolver o pescoço de Ben com meus braços. Nossos pés se movimentavam lentamente, de acordo com os acordes da música calma. Aquela definitivamente era a música mais perfeita de todo o universo e era a que mais me tocava. Fechei os olhos a fim de digerir cada palavra cantada naquela poesia. 
As mãos de Lu envolviam firmemente minha cintura, e seus lábios estavam grudados em meu pescoço.
Desde quando eu escutei aquela música pela primeira vez, eu senti cada osso do meu corpo se despedaçar e meu coração acelerar descompassado. Após saber cada palavra de cor e salteado, eu cheguei a uma conclusão. É sempre difícil saber quando realmente estamos apaixonados. Nosso coração pode acelerar por muitas pessoas, mas ele apenas bate para uma. Podemos ter milhares de paixões ao longo de nossa existência, mas ter um amor, acontece apenas uma vez. Sua respiração pode ficar falha perto de qualquer pessoa, mas somente uma pode fazê-la parar sua respiração e fazê-la voltar ao mesmo tempo. Saber diferenciar esses e tantos outros critérios de um apaixonado, é difícil.
Então, eu apenas saberei a diferença entre o amor e a paixão, quando essa música tocar e eu poder afirmar que sinto cada palavra tocada nela. Então, no segundo em que escutei os primeiros acordes da música, meu corpo todo ficou estático. Fechei meus olhos e deixei que ela conduzisse meu coração. Inspirei profundamente, enchendo meus pulmões de ar e esperança, esperando para que meu coração quisesse saltar por entre minhas costelas, esperando o ar ser tirado de mim, sentir tudo o que era expresso no que eu ouvia.
Entretanto, me senti surpresa no momento em que nada senti. Nada de pernas cambalearem, nada de tremedeiras ou suadouros, nada de respiração falha ou coração acelerado. Abri meus olhos bruscamente, e sem pensar afastei alguns centímetros de Lu, encarando-o profundamente nos olhos e esperando sentir algo. Eu só podia estar errada, meu cérebro só podia estar pregando alguma peça comigo.
Mas nada aconteceu. Eu continuava indiferente enquanto a música tocava e Lu começou a me encarar confuso. “O que aconteceu, Lari? ” Ele me perguntou com um tom de preocupação em sua voz. A música acabou, e Elvis deu lugar à estrondosa voz de Chuck Berry. 
“Nada...” falei absorta em pensamentos. “Não aconteceu absolutamente nada...” continuei mais para mim mesma do que para ele. Lu concordou com a cabeça e voltou a me abraçar. O que isso significou afinal? Tudo o que eu sentia ou achava que sentia por Lucas era pura invenção de uma aliança entre meu cérebro e meu coração?
Após alguns longos e torturantes minutos, Lu me levou em direção ao bar e pediu alguns drinks para nós dois. Assim que eles chegaram, o verdadeiro propósito de eu ter saído com ele veio à minha cabeça. Toda a cena da briga com Maísa me veio à cabeça, juntamente com a sua frase intrigante. “Lu, Maísa e eu tivemos essa briga...” comecei enquanto ele tomava enormes goles de seu whisky. “Ela estava agindo de modo muito estranho comigo, até que eu a perguntei o que havia de errado e ela me disse para perguntar a você...” falei distraída, e no final da minha frase, vi Lucas engasgar com o liquido que tomava. Me levantei bruscamente do banquinho e fiquei muito próxima a ele, dando leves tapinhas em suas costas a fim de ajudá-lo. Aos poucos foi voltando ao normal. “Você está bem? ” Perguntei quando suas tosses cessaram. Lu concordou freneticamente com a cabeça e ficou em silencio enquanto eu ainda o encarava a procura de respostas. Arqueei uma sobrancelha quando percebi que nada ele iria responder. “E então? O que acha? ” Falei finalmente. “O que eu acho? ” Ele se virou chocado para mim. “Eu acho que sua amiga é uma louca! ” Adiantou ele frenético. “É... Essa é a minha hipótese...” falei distraída. “Mas o jeito como ela me disse para perguntar a você foi muito estranho...” continuei ao mesmo tempo desconfiada e pensativa. Eu não tinha certeza nenhuma de tudo o que estava acontecendo, e tudo começava a ficar cada vez mais confuso e intrigante para mim. “Err... Acabei de me lembrar, os pais do Tho deram aquelas viagens estranhas e a casa está solitária, então ele está dando uma daquelas festas... O que acha de irmos? ” Ele disse do nada, já se levantando do banco estofado. Antes mesmo de escutar o meu ‘sim’, ele já me arrastava pelo salão, indo em direção à saída.

Devo dizer que o trajeto até a casa do Costa, que era do outro lado da cidade, foi um tanto quanto tenso. Talvez fosse só coisa da minha cabeça, e após a briga com Maísa eu havia ficado paranoica, maluca ou algo do tipo. Primeiro, as estranhas sensações perto de Di Oliveira. Segundo, escuto a música-trilha-sonora da minha vida com o suposto-homem-da-minha-vida e nada sinto. Terceiro, após comentar sobre a tal briga-causadora-da-minha-insanidade, meu namorado começa a agir um tanto quanto estranho. Sacudi minha cabeça, tentando espantas aqueles pensamentos fantasmas da minha mente. Respirei fundo e vi que Lu me observava pelo canto do olho.
Comecei a encarar a rua cintilante à nossa frente, até que reconheci a rua dos Costa e o típico movimento em frente à sua casa. O carro foi parando devagar, e Lu estacionou o Pontiac entre dois outros carros. Como de costume, ele veio em minha direção e abriu a porta para mim, pegando em minha mão e me conduzindo até à casa gigante do Tho. Lu não soltou minha mão nem por um segundo enquanto costurávamos o amontoado de gente dentro do que antes era a sala de estar da casa. Sabíamos exatamente aonde os outros estaríamos, na piscina, e foi para lá que fomos.
Avistei Mha de longe, então soltei-me da mão de Silva e fui correndo em direção à minha amiga. “Eu não senti...” falei baixo perto de seu ouvido, enquanto nos abraçávamos. “O que??” Mha me perguntou confusa e eu respirei profundamente. “Escutei Can’t Help abraçada com Lu e não senti! ” Disse um pouco mais desesperada, e tinha certeza que minha amiga entenderia o que eu queria dizer. 
Ela afastou-se de mim, segurando meus ombros em suas mãos. Possuía uma expressão de choque em seu rosto. “Mas... Lari, isso me deixa confusa! Eu tinha certeza que você e Lu eram algo como almas gêmeas! ” Mha disse absorta em pensamentos, enquanto eu também tentava pensar em algo racional para explicar tudo aquilo. “Mas você não devia se desesperar por isso, quero dizer, é só uma música, Lari! ”
“Mha, você sabe que não é só uma música! ” Rebati. Ela sabia que era verdade. Aquilo era poesia cantada, a expressão de um amor puro e verdadeiro, e o que eu mais ansiava era sentir tudo aquilo descrito na música. Todos meus amigos sabiam disso. Mha olhou para os próprios pés e sacudiu a cabeça. 
Vi Gui se aproximar e pendurar-se em cima de mim.
“O que está havendo?” Ele disse animado, alternando o olhar entre Mha e eu. “Lari não sentiu nada com Lu enquanto escutava Can’t Help...” Mharessa disse fazendo uma cara de reprovação. Gui me fitou assustado. “Mas eu jurava que vocês eram almas gêmeas! ” Ele disse chocado, me fazendo bufar e rolar os olhos. “Calma Lari, você ainda vai achar alguém perfeito como o Elvis...” Seta me deu um beijo na testa e começou a me arrastar por entre as pessoas, até chegarmos onde todos os outros da turma estavam.
Le pulou no meu pescoço assim como Gui havia feito, depois Tho veio em minha direção e também me deu um abraço. Olhei para Di. “Hey...” cumprimentei-o sem jeito e o vi abrir um sorriso no canto de seu rosto. “Hey...” ele respondeu. “Eu tenho algum tipo de doença contagiosa? ” Ele me olhou confuso. “Porque todos os outros me abraçam, e você nunca me deu um abraço se quer, em todos esses anos de amizade? ” Indaguei-o curiosa. Sempre me senti incomodada por esse fato. Quero dizer, Oliveira é tão meu amigo quanto Le, e esse sempre me dá abraços de quebrar todos os ossos. Vi Di abrir e fechar a boda em procura de palavras par se expliquei. Gargalhei e resolvi tomar uma atitude. Abracei-o. Mas desejei não ter o feito.
Me senti zonza ao sentir seu perfume instalar em minhas narinas. Era um perfume tão doce e sedutor ao mesmo tempo. Di hesitou por alguns instantes antes de envolver minha cintura com seus braços. Devo admitir que o contato de suas mãos com minha pele forrada pelo tecido de cetim fez cada pelo do meu corpo arrepiar. Foi uma sensação única e inédita, já que aquela era a primeira vez em seis anos, que eu e Di nos abraçávamos. Senti seu queiro pousar em meu ombro lentamente, como se ele tentasse de algum modo disfarçar. Senti também seu nariz chegar bem perto do meu pescoço e respirar profundamente, me fazendo contrair um pouco já que o ato me fez arrepiar mais ainda.
De alguma maneira muito, mas muito estranha, meu coração batia de forma descompassada e acelerada, e esse fato me deixou um tanto quanto incomodada, me fazendo afastar automaticamente de Di. E assim que o fiz, pude ver a imagem de Maísa à alguns metros de nós, com os braços cruzados e sobrancelhas arqueadas. O sorriso cínico em seu rosto fez meu estomago revirar. Balancei a cabeça de forma negativa e sentei ao lado de Le em um dos milhares mesas espalhadas ao redor da piscina. Tho foi buscar uma batida de morango para mim, enquanto eu tentava inutilmente me focar no assunto dos meninos ali.
Olhei de relance para Di e vi que ele me encarava, mas que desviou o olhar no momento em que percebi. Sorri involuntariamente com isso. ‘Como alguém pode gostar de você? Só algum idiota como o Oliveira’. “Err, Di, posso conversar com você um instante? ” Me levantei da cadeira e esperei que Di também se levantasse. E ele o fez. “Claro...” disse ele me acompanhado. Fui andando até um lugar mais calmo, de preferência sem barulho. Fomos até o enorme campo de futebol que tinha ali, e nos sentamos no morrinho que era como uma descida até o campo.
Me contraí um pouco quando senti um vendo gélido passar por nós, e abracei meus joelhos a fim de me proteger do frio, já que eu estava com um vestido tomara-que-caia. Vi Di tirar seu casaco branco e colocar sobre mim, então sorri em agradecimento. “Você não acha estranho nós nos conhecermos a tanto tempo e nunca termos nos abraçado? ” Comecei a falar distraída, olhando para os milhares de luzes espalhadas pela cidade que podiam ser vistas ali de cima. Escutei um riso abafado sair da boca de Di. “Eu e você nunca fomos os melhores amigos da turma, Lari...” ele disse, também encarando a cidade abaixo de nós. “E daí? Eu e Tho também não somos melhores amigos e ele sempre me abraça” contestei, encarando-o finalmente e arrancando um riso de Di novamente. “Então não sei por que...” ele disse vagamente e virando para me encarar. Mergulhei em seus olhos e pude perceber o quão profundo e secretos eles eram. Sustentei o olhar a fim de tentar lê-los de alguma forma, eu morria de curiosidade para poder decifrá-lo, Di sempre foi alguém tão misterioso e calado, você nunca poderia saber o que ele sentia ou pensava, a não ser que ele contasse a você. E eu não era sua confidente preferida. As únicas vezes em que conversamos é quando estamos bêbados. E mesmo assim são algumas trocas mínimas de palavras absortas e... Bêbadas. “E aí... Está saindo com alguma pessoa? ” Tentei parecer o mais casual possível, sem sucesso obviamente, já que Di me encarava com um pequeno sorriso no rosto, mas eu não ousava olhá-lo. “Então agora nos tornaremos amigos? Isso tudo por um abraço, Lari? ” Ele disse irônico tentando inutilmente abafar o riso. Senti minhas bochechas ferverem, e estava começando a me irritar com elas. “Não, é só que... Você sabe, e-eu...”
“Estou brincando, Lari” Di me interrompeu, rindo freneticamente, me fazendo ficar ainda mais envergonhada. “Não, eu não estou saindo com ninguém... Quem eu quero é meio... você sabe, fora do meu alcance” ele disse, olhando para o mesmo lugar que eu. Soltei um som quase inaudível com minha boca. ‘Só algum idiota como o Oliveira’...
“Oh... E quem é essa garota? Pode me dizer, talvez eu possa ajudar...” falei fracamente, incerta de cada palavra que dizia. Voltou a me encarar. “Você não pode me ajudar...” Di disse num sussurro, me olhando tão profundamente que se eu estivesse em pé, provavelmente cairia. 
“Larissa?” Escutei vagamente alguém chamar por mim em algum lugar do espaço. Era apenas um eco atrás de mim...
“Larissa! ” Parecia que Di também não escutava, ou ignorava o chamado assim como eu.
Até que o borrão de alguém foi formado do meu lado, e o mesmo tocou em meu ombro, me fazendo acordar daquela realidade louca e totalmente paralela. “Sim? ” Falei meio alheia, virando-me para encarar a pessoa. 
“Querem que a gente dance...” vi Lu sorrir para mim e tudo começou a ficar mais claro e menos confuso. Esticou a mão para mim. “Oh, claro...” agarrei sua mão, e então ele me ajudou a levantar. “Di” Lu cumprimentou com um aceno de cabeça e percebi a expressão tranquila de Di se transformar em uma totalmente repreensiva. Silva me puxou pela mão para longe dali, mas eu não conseguia parar de olhar para trás, onde Di ainda jazia sentado no morro de grama e aos poucos, sua figura ia ficando desfigurada à medida que Lu me conduzia por entre as dezenas de pessoas. Entramos dentro da casa dos Costa, e fomos em direção à sala que agora servia de pista de dança. Lu andava com todo aquele jeito popular acenando para todos a sua frente. Até que, assim como no Block Dancing, fizeram um círculo entre nós, no mesmo tempo que um Jive começava a tocar todos começavam a bater palmas. Não sei como todos ficaram sabendo das minhas habilidades dançantes. Eu particularmente não queria que ninguém soubesse, mas era tarde demais para fugir agora.
Sorri meio tímida, e pude ver as caras animadas de Gui, Tho, Le e Mha, que batiam palmas empolgadíssimos e gritavam pelo meu nome. Lu pegou minha mão, fez uma referência para a ‘plateia’ e começamos a dançar.
E como sempre, o mundo desabou aos meus pés, e naquele momento tudo foi esquecido. A dança era uma terapia, um relaxamento. Melhor que massagens ou qualquer psicólogo estúpido. Lu me rodava, me fazendo ver os rostos das pessoas como borrões apenas. Eu não podia deixar de gargalhar e gritar para as pessoas que pareciam tão animadas quanto eu. Eu sapateava meus pés e fazia minha saia rodar de forma graciosa. Olhei para Mha e mandei um beijo no ar, e minha amiga pulava toda histérica. Le segurava em sua cintura e fazia caras e bocas quando eu olhava para ele. Gui e Tho tentavam dançar como nós, arrancando risadas dos que estavam ali perto. Até mesmo Di estava ali, me olhando e gargalhando a medida que eu também o fazia.
Eu e Lu até arriscamos novos passos, o que levava todos ali ao delírio.
E depois de longos e suados minutos, a música acabou a ponto de eu poder escutar a salva de palmas de cada pessoa ali no recinto. Exceto de uma: Maísa.

 

Di’s POV 

Ela era extraordinariamente graciosa. Desde o modo como andava a partir do momento que Lucas a tirou de mim até os movimentos de seus pés a cada passo seu na dança. Eu sabia que ela amava dançar, mas nunca contava a ninguém. Aquele sorriso que ela dava enquanto dançava, era um que ela jamais abrira em qualquer outra situação. Larissa gargalhava de modo tão contagiante que me fazia rir juntamente.
Sua saia rodava, deixando à mostra o short preto por baixo de seu vestido. Seus cabelos presos em um coque começavam a afrouxar e cair sobre seus olhos.
Eu via também que Lucas se quer olhava para ela. Estava afim de ver os rostos das garotas e demais idolatrando-o e nada mais. Mas o que ele não sabia era que Larissa tinha todas as atenções. Que ela era a perfeição e objeto de adoração ali, e não ele.
Larissa ofuscava toda e qualquer pessoa daquele recinto, e isso era fato.
Então a música acabou e a vi soltar os cabelos e jogá-los para frente e para trás, cumprimentando as pessoas que chegavam para elogiá-la. Ela conseguiu mais fama dançando em um dia do que eu e os caras que cantamos há quase um ano.
Mas vi também que ela olhava para mim. Para mim, e eu não pude conter um sorriso besta se formar nos meus lábios, assim como nos dela.
As pessoas começaram a se espalhar, e Lucas arrastou-a para fora do salão, indo em direção à piscina. Fui até Le e nós também fomos até lá. “Você é demais, Lari! ” Le gritou abraçando a garota e tirando-a centímetros do chão enquanto ela gritava e se debatia. “Minha amiga é uma estrela! ” Mha a abraçou histérica assim que Le a soltou. Ela sorria e agradecia a cada um, respondendo perguntas do tipo ‘Desde quando você dança assim? ’sentei-me em uma mesa ali perto, vendo todos virem logo em seguida também. 
Conversávamos animadamente sobre o espetáculo que Lari havia dado enquanto sentíamos o poder do álcool agir sobre nós. Agir muito em mim, particularmente. Eu já havia bebido no mínimo, uns dez engradados de cerveja sozinho. Um orgulho.
Afrouxei dois botões da minha camisa, vendo Lari olhar disfarçadamente para mim. Para a má sorte dela, eu sigo seus olhos a cada movimento que eles dão. A vi corar, coisa que acho encantadora.

De repente vi sua imagem sumir, já que alguém se sentou no meu colo e envolveu seus braços em meu pescoço. Provavelmente era uma das várias meninas que eu havia beijado aquela noite, mas levei um susto imenso quando vi os cabelos de Maísa caírem sobre meu rosto. “Maísa??” Perguntei surpreso, vendo-a dar uma gargalhada, chamando a atenção de todos ali na mesa. Literalmente. “Hey Oliveira” ela disse de um modo sensual, bem perto do meu rosto. Engoli seco.
Vi Mha e Le se entreolharem e sem querer meus olhos passaram por Gui. Minhas mãos começaram a tremer quando vi sua expressão confusa e raivosa ao mesmo tempo. Então olhei para Lu e Lari. Ela me olhava indignada e eu pude ver a decepção em seus olhos. Mas havia algo mais. Provavelmente era coisa da minha cabeça, apenas imaginação. Mas podia jurar que vi algumas faíscas de ciúme. 
Tentei inutilmente tirar Maísa do meu colo, e foi ai que Gui empurrou bruscamente sua cadeira e saiu dali pisando fundo. Tentei tirar os braços de Maísa sobre meu pescoço, mas ela parecia estar grudada em mim.
Vi Lari balançar sua cabeça com uma feição decepcionada. Encarei-a por alguns instantes, mas ela recusou a sustentar nosso olhar. Saiu da mesa e seguiu os passos de Gui, provavelmente indo procurar o amigo. “Lari! ” Gritei-a, mas ela fingiu não escutar e apressou seus passos. “Maísa, com licença por favor? ” Falei um pouco grosso, mas a garota apenas gargalhou e aproximou seus lábios até minha orelha. “Hora de esquecer essa burguesa mimada, Di...” ela sussurrou em meu ouvido, me fazendo parar com todas as minhas tentativas de tirá-la do meu colo.
Então foi a vez de Lucas. Ele teve a mesma reação que Gui, empurrou fortemente a cadeira e foi pelo mesmo caminho percorrido por Lari. “Ela tem o Lu, não precisa de você...” Maísa sussurrou novamente, depositando um leve e quente beijo em minha orelha.
Talvez já passasse da hora de seguir os conselhos de Maísa sobre esquecer a Lari... Tudo aquilo acabava sendo dolorido demais para mim, e eu estava cansado daquela dor.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...