História Querido Ensino Médio - INTERATIVA - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adolescência, Colégio, Ensino Medio, Interativa
Visualizações 54
Palavras 2.338
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Suicídio, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Oi! Esse primeiro capítulo será apenas um pedacinho da história, apresentando alguns dos personagens que passaram. No próximo as coisas vão realmente começar: A chegada dos outros personagens será mostrada, eles conhecerão os colegas de quarto, terão os primeiros horários de aula e etc. Eu sei que demorou para sair, mas é porque eu tinha dedicado essa semana sem aulas para fanfic, só que como não estou tendo aulas, minha madrinha teve a idéia genial de me deixar como babá do meu priminho, então eu tô apertada. Eu não cheguei a terminar o capítulo, porém provavelmente ficarei o resto da semana ocupada, não queria deixar vocês sem nada por tanto tempo. Então esse vai ser beeem básico msm, só mostrando a chegada de alguns. É, incompleto, eu sei, mas não posso fazer nada por enquanto :/ Até porque tem um peso gordo no meu colo agora, babando em mim '-_- O que eu estou postando agora foi o que consegui escrever ontem, antes de começar a ser "babá", por isso é pouco. Mas, durante essa semana ausente, vou aproveitar o tempo livre para adiantar algumas coisas (qnd o meu primo estiver dormindo e tals). Sinto mto '^^

Bom, segue aqui a lista dos que passaram. Se seu personagem não passar, não fiquem com raiva (ou chateados, vai que né). Eu amei todas as fichas, mesmo. Aqui estão os personagens:

- Veronica Keller - @neomuhae
- Roseworld & Eric François Carpenter - @Sopheescritora
- Billie Eilish O’Connell - @1998cm
- Brian Thomas Lowell - @admiral
- Park Kihyun e Park Sook - @MadamePeloMenis
- Katherine Antonelli Clark - @fanfichist500
- Thomas Dennis Tisdale - @favouritecolour
- Matteo Montoya - @DatCollin
- Cameron & Amber McNamara Carpenter - @shytardada
- Mitchell & Mikayla Fox - @anne-taehyung

É só isso :/// Odeio crianças

Capítulo 3 - Bem-Vindo a MacQuarie! (Parte 1)


Segunda-feira, 07:36

Tyler, Victoria e Dean estavam sentados na calçada em frente à enorme mansão dos Duke. Samantha estava atrasada para o primeiro dia de aula do quarteto, e eles a esperavam para poderem seguir o caminho até o internato. Claro que Dean insistiu para que os amigos fossem com o carro dele, com o apoio de Samantha. Mas quem disse que Victoria e Tyler aceitariam? Claro que não aceitaram. Os dois queriam ir caminhando, para conversarem no caminho e dar mais “emoção”. E o Sawyer e a Duke sabem melhor do que ninguém que, quando esses dois colocam uma idéia na cabeça, não tiram mais. Como Sam mora perto do internato, os quatro combinaram de se encontrarem na porta da casa da morena.

— Vou contar uma piada! -  Victoria exclamou, animada. Estava abraçada a sua mala preta, com uma outra mala ao seu lado. Usava o uniforme do internato, e seu característico óculos preto.

O uniforme consistia em uma camisa branca com detalhes vermelhos, e o lindo emblema dourado do internato MacQuarie no peito esquerdo. A peça de baixo são saias vermelhas para as garotas e calças para os garotos.

— Suas piadas são as piores, Vic. - Resmungou Dean, que se encontrava sentado ao lado

da amiga, com as costas apoiadas em um poste. Em seu colo estava sua mochila marrom, na qual havia alguns cadernos. Sua mala, também marrom, estava ao lado da de Victoria.

— Cala a boca. - Victoria resmungou, socando o ombro do mais velho. Depois, ajeitou o óculos e abriu um sorriso divertido. — Essa é clássica! O que 6 carbonos de mãos dadas estão fazendo com 6 hidrogênios na igreja? - Perguntou, já rindo antes mesmo de falar a resposta para pergunta.

— Não sei. - Tyler disse, olhando curiosamente para a mais nova. Estava com duas mochilas laranjas, uma com seus cadernos e outra com suas roupas.

— Todo mundo sabe, Tyler. Essa piada é mais velha que a minha avó. - Dean revirou os olhos, vendo Victoria com um sorriso frouxo. Ele conhece bem a garota, sabia que após contar a piada ela começaria a rir escandalosamente.

— BENZENO! HAHAHAHA! - A menina riu alto e começou a bater palmas, fazendo Tyler ficar confuso e Dean com vergonha alheia.

— Ãhn... Que?! - Tyler franziu o cenho, tentando entender a lógica. Dean bufou e Victoria parou de rir, desacreditada.

— Meu Deus, Tyler, você é muito burro. - Suspirou o Sawyer, bagunçando o cabelo do amigo.

— Benzeno é um hidrocarboneto. Sua fórmula é C6H6. - Explicou Vic. — Como você conseguiu passar de ano sem saber disso? Santo bebê Jesus.

— Se liga nessa cantada, aposto que você vai adorar, Victoria. - Tyler disse, animado.

— Vou, é? - Victoria riu baixo, com uma sobrancelha arqueada e os braços cruzados.

— Lá vem… - Murmurou Dean, com um sorriso de lado estampado no rosto.

— Gata, você é periódica? - Ele perguntou para menina, com um sorriso galanteador, passando a mão pelo cabelo.

— Na verdade, é impossível que uma pessoa seja periódica, pois a definição de periódica são períodos que se repetem com intervalos iguais e...

— Não estraga a cantada, sua nerd! - Tyler deu um tapa na nuca de Victoria, a interrompendo.

— Tá, tá. - Victoria revirou os olhos e suspirou. — Não, eu não sou periódica.

—  Porque você tá bela! Entendeu? TABELA! Hahahaha! - Tyler começou a rir, acompanhado de Victoria, enquanto Dean os encarava seriamente.

— Nossa, me conquistava na hora. - Brincou a garota, se recompondo da crise de risadas.

— Cadê a Samantha para mandar vocês calarem a boca quando eu preciso? - Dean disse, olhando para o céu, fazendo uma falsa expressão de desespero.

— Alguém me chamou? - Samantha chegou com duas malas rosas, uma em cada mão. Encarou os amigos com uma expressão de confusão, tentando entender porque Tyler e Victoria estavam rindo.

— Samantha, você é peri…

— Não! - Dean cortou o mais velho, colocando sua mão na boca do mesmo.

— Que foi? - Samantha perguntou, ainda confusa.

— Esquece. - Dean revirou os olhos e pegou sua mochila e sua mala, já começando a fazer o caminho até o internato.

— Demorou, hein. - Victoria disse para Samantha, ajeitando o óculos -uma mania sua-, e se levantando da calçada, com as malas em mãos.

— Uma dama leva tempo para se arrumar. - Samantha deu um sorriso convencido e jogou o cabelo para trás, seguindo Dean, que já estava bem longe dos outros três amigos.

— Então porque demorou tanto? - Tyler, que caminhava lado a lado com Samantha, zombou a garota, que socou seu ombro.

— Vai se ferrar.

E, com muitas risadas escandalosas e empurrões, os quatro melhores amigos seguiram o caminho para sua mais nova casa pelos próximos anos.  

——————

Segunda-feira, 07:43

Veronica tamborilava os dedos no estofado de couro do carro de sua mãe, enquanto “Bubblegum Bitch” ecoava nos seus ouvidos. Mastigava um chiclete de cereja, seu favorito. O fone rosa estava plugado ao celular branco, que se encontrava dentro da mochila da menina. Sua mala branca repousava sobre seu colo, mas escorregava do mesmo toda vez que o carro passava por um caminho tortuoso. Na gola da camisa de uniforme, um óculos de Sol estava pendurado. Era uma tarde ensolarada em Devonport.

 

Pareço uma pin-up

Pareço uma boneca

Não ligo se você me acha burra

Não, eu não me importo mesmo

 

Revirou os olhos ao perceber que sua mãe ligou o rádio; O noticiário contava histórias de tragédia e sobre a economia local. “Nada empolgante”, Veronica pensou, revirando os olhos.

— Mãe, você pode por favor abaixar o som? - Veronica pausou a música e encarou a mãe, que lhe ignorou e aumentou o volume do rádio. V suspirou, irritada. Sabia muito bem que sua mãe fazia isso de propósito, para lhe irritar.

Deu play na música novamente, aumentando o som. Tentava ignorar os olhares que seu padrasto lhe dava pelo retrovisor, se encolhendo no banco de trás.

 

Meu ursinho, meu docinho

Eu quero ser adorada

Eu sou a garota por quem você morreria

 

O sorriso da ruiva aumentou assim que a mesma percebeu que o carro estava próximo do enorme prédio do internato MacQuarie. Jovens, todos com seus respectivos uniformes, andavam de um lado para o outro na entrada do lugar, á espera do Diretor, que logo daria seu comunicado

 

Irei te mastigar e te cuspir

Porque é disso que amor jovem se trata

Então me puxe para perto e me beije pra valer

Irei estourar seu coração de chiclete

 

O carro se aproximava cada vez mais do internato, fazendo Veronica abrir um sorriso. Enquanto sua mãe fazia a baliza, segurou firmemente sua mala branca e ajeitou a alça da mochila vermelha em seus ombros, colocando o óculos de sol.

 

Sou a senhorita açúcar rosa, lábios de licor

Me atinja com seu doce amor

Me roube com um beijo

Sou a senhorita açúcar rosa, lábios de licor

Eu serei sua vadia chiclete

 

Assim que sua mãe estacionou, Veronica saiu apressadamente do carro. Escutou seu padrasto, David, lhe desejar um breve “Boa sorte”, porém apenas  ignorou. Encarou os alunos à sua frente com um sorrisinho maldoso. “Esse lugar será meu”, era tudo o que passava pela cabeça da Keller, enquanto a música ainda tocava em alto e bom som.

Eu serei sua vadia chiclete


——————

Segunda-feira, 07:43

— Ah meu amor, mal posso esperar para que faça novos amigos no internato! - A Sra. Lowell sorriu para Brian, que acenou levemente com a cabeça. Durante o caminho inteiro até o internato, esteve olhando a paisagem. Certamente, seus pais pareciam muito mais animados com a entrada do filho no MacQuarie do que o próprio garoto. Ele não entendia porque seus pais o colocaram em um internato enorme com centenas de alunos para ver se ele conseguiria uma vida social.

— Christine, olhe como nosso garoto já está grandinho! Já está indo para o 3° ano do ensino médio! - John sorriu para a esposa, que fez biquinho e disse:

— Logo ele irá nos abandonar…- Disse, com seu característico drama, fingindo enxugar algumas lágrimas falsas.

— Não seja dramática, mãe. - Brian disse, com a mão no ombro da mulher, a consolando. Brian tem 17 anos, fará 18 em setembro, e por isso está no 3° ano.

— Eu sei, mas é difícil. - A mãe riu e acariciou a mão do filho, que logo voltou a sentar adequadamente no banco.

Brian sentiu seu celular vibrar e o pegou no seu bolso. “4 mensagens de Alex”, dizia a notificação na tela de bloqueio. Brian rapidamente desbloqueou a tela e deslizou o dedo até achar o aplicativo de mensagens, o abrindo quando o mesmo fora encontrado em uma pasta qualquer.

 

Alex: já chegou no internato dos bobocas? (07:40)

vc vai ficar uma gracinha com o uniforme :V (07:41)

se ficar mto gato me manda foto (07:41)

eu vou te zoar tanto kkkk (07:41)

 

Brian deu de ombros e digitou um “ok” em resposta, guardando o celular no bolso novamente.

— Chegamos! - Exclamou Christine, chamando a atenção do filho. O loiro ficou observando a escola por trás da janela.

Aquele seria um longo ano.

——————

Segunda-feira, 07:43

— Animados para morar no internato e conhecer pessoas novas?! - Rebecca perguntou para Amber e Cameron, com um grande sorriso no rosto. Dirigia seu carro até o internato, para deixar seus enteados lá. O marido havia saído mais cedo, precisava estar ali antes dos alunos, por ser um professor.

— Claro, ficaremos longe de você. - Amber resmungou, com os braços cruzados, deixando a madrasta desconfortável.

— Amb… - Cameron repreendeu a irmã, lhe olhando com raiva.

— Ér, hm, boa sorte para vocês nesse primeiro dia de aula. - A mulher sorriu, sem graça, tentando amenizar o clima pesado.

— Obrigado Rebecca, é muito gentil da sua parte. - Cameron agradeceu, sorrindo, fazendo Amber revirar os olhos.

— Imagina, Cam. Tenho certeza que farão novos amigos. - A mulher sorriu de volta, ajeitando o retrovisor.

— Se eles não forem traidores e infiéis, como certas pessoas… - Amber encarou os olhos castanhos da madrasta pelo mesmo retrovisor que a mesma ajeitou segundos antes. Podia vê-los lacrimejando. Mas ela não se importava,afinal.

— Amber! - Cameron brigou com a menina, que apenas o olhou, irritada, e empurrando a bochecha com a língua.

— Chegamos... Até logo, meninos. - Rebecca disse quando estacionou o carro cinza, virando a cabeça para o banco de trás com um sorriso triste.

— Espero que até nunca! - Amber resmungou e levantou do banco em um pulo, abrindo a porta do carro e saindo do mesmo.

— Tchau, Becca. - Cameron se despediu, soltando um longo suspiro.

— Cameron... - Rebecca segurou o braço do garoto antes que ele saísse, o virando para ela. — Quando tudo isso vai passar? - Perguntou, com a voz trêmula.

— Você só precisa dar mais tempo para ela. - Bufou o garoto, apoiando a mão direita sobre um ombro da madrasta.

— Já se passaram 8 anos! - A mulher disse, lágrimas desciam por seu rosto. — Você sabe como dói ser tratada miseravelmente pela sua enteada por 8 anos seguidos?

— Rebecca... Ela não amadureceu ainda. É uma adolescente rebelde. - O garoto explicou, um pouco cansado. — Dê um tempo para as coisas se resolverem, ok?

— Só... Só queria lhe agradecer por me ajudar nesse processo. - A mulher encarou Cameron e deu um sorriso de lado, enxugando suas lágrimas, que ainda desciam.

— Não precisa agradecer. Sei que nada disso é culpa sua. - Disse o garoto, que logo recebeu um abraço da mulher.

— Só queria que a Amber soubesse disso também. - Rebecca murmurou, com a cabeça apoiada no ombro de Cameron.

— VEM LOGO, CAM! - Os dois puderam escutar Amber gritar do lado de fora.

— Tchau. - O loiro se separou do abraço e saiu do carro, recebendo um leve aceno da madrasta antes de fechar a porta do mesmo.

— Tchau, Cameron.

——————

Segunda-feira, 07:43

— Até mais filhão! Nada de aprontar!- Clinton, de dentro do carrro, acenou para Mitchell, seu filho, que piscou para o pai, com um pequeno sorriso nos lábios.

— Tchau, meu amor! - Simone se despediu de Mikayla, lhe lançando um beijo no ar, o qual a garota retribuiu.

Os irmãos viram o carro -absurdamente caro, por sinal- dos pais partir, os deixando ali, em frente ao colégio.

— Dizem que o ensino daqui é muito bom. Estou tão animada! - Mikayla exclamou, sorrindo. Mitchell revirou os olhos.

— Será que você só pensa nisso? Eu hein, aqui vai ser maneiro!  Imagina as festas, os colegas e principalmente as gatas! - O garoto disse, sorrindo. Nesse momento, um grupo de irmãs passou na frente dos Fox, arrancando um grande sorriso malicioso de Mitchell. — É, principalmente as gatas…

— Você parece um selvagem quando encara as garotas assim. - Mikayla resmungou, com as bochechas infladas.

— Você só tá falando isso porque é uma BV otária. - Provocou o mais velho, levando um pisão no pé da irmã.

— HAHA, seu palhaço, vou te empurrar de uma sacada. - Falou a garota, decidindo provocar o moreno também.

— N-Nem brinca com isso, sua idiota. - Brigou Mitchell, socando o ombro da irmã, que ria da reação do irmão ao tocar no assunto de seu trauma de infância. — Nossa, que carrão preto é aquele ali? - Mitchell disse, desviando a atenção da irmã ao ver um carro  sendo estacionado por ali.

— Me poupe Mitchell, vamos logo para o pátio esperar o diretor! - Mikayla disse, agarrando o braço de Mit e o arrastando até o pátio.

— Ai, ai, ai, calma! O coroa só chega às 08:00! - Reclamou com a irmã, que não lhe deu ouvidos e continuou o puxando.

 

Do outro lado da escola…

— Adeus, Carl! - Kihyun se despediu do chofer, que sorriu para ele e murmurou um “Tchau Sr. Park!’

— Adeus é uma palavra muito forte, seu bobo. - Sook riu do irmão, saindo do carro preto acompanhada do mesmo, com as malas em mãos.

— Ah, Soo. É esquisito pensar que vamos começar uma vida completamente nova aqui. - Disse o garoto, passando os olhos pelo lugar.

— Vamos fazer isso juntos. - Sook sorriu para o irmão, que sorriu de volta.

— Pode apostar que vamos!

 


Notas Finais


Até a próxima?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...