História Quicksand - Capítulo 4


Escrita por: ~

Exibições 22
Palavras 2.405
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Lemon, Romance e Novela, Sci-Fi, Survival, Suspense
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


AVISO:

Para quem está acostumado com minhas versões do Liam e do Harry, vai notar uma imensa diferença entre eles e o Bernardo, até porque são personagens diferentes, então por favor, certifique-se de ter a idade ao qual a fanfic é indicada, ou tenha noção do que pode vir pela frente, e acredite, o comportamento a seguir não é incentivado por mim.

Capítulo 4 - Shut Up And Dance!


Fanfic / Fanfiction Quicksand - Capítulo 4 - Shut Up And Dance!

 

 

BERNARDO

 

Dois dias atrás Nise ligou para contar que a magrela de cabelo roxo tinha reprovado. Bem feito, aquela merdinha quase quebrou o vidro da minha nave de vaginas.

Graças a gorda nerd tinha me livrado do terceiro ano. Todos os meus amigos zombavam de mim por dar moral para uma gorda do segundo ano, mas eu sou mais esperto que todos eles juntos, porque graças a ela, passei e eles não.

Agora, eu ia fazer faculdade de administração, na mais cara da cidade, para passar o rodo nas gatinhas, enquanto eles iam repetir o terceiro ano nesse colégio cheio de baranga.

Estava encarando a imagem do meu abdômen flexionado na frente do espelho enquanto vi a Nise entrando na academia, ela resolveu fazer academia só porque ficou sabendo que eu também faço e finge todo sando dia que me encontrou aqui por acaso. Ela é tão otária que se eu pedisse para comer ela no banco de trás do carro, acho que ela deixava.

Só que se der o que ela quer, ela vai perder o interesse, não é? Então o melhor a fazer é levá-la no banho maria, assim ela faz o que eu quero, quando e como eu quero.

Fingi que não a vi e continuei o exercício. Não deu dois minutos e ela estava a minha volta, perguntando sobre como está minhas férias e se estou animado para a festa de encerramento do ano. Ela está praticamente implorando para eu levá-la, mas já chega de bancar o taxi, ela que se vire.

Ela estava falando e eu apenas estava assentindo como se prestasse atenção no que ela dizia e ao final de cada frase dizia: “É mesmo? ”

Ela fala demais, não sei como consegui passar todo esse tempo ao lado dela. Só mais um pouco e eu não vou precisar desse idiota para nada.

- A Francis me ligou hoje dizendo que resolveu ir na festa, nem acreditei, ela odeia todo e qualquer tipo de social, mas pelo menos ela resolveu sair do quarto. – No meio de tantas conversas o apelido da Francesca me chamou atenção.

Tinha algo de engraçado em zombar da tripa de cabelo roxo. Se eu pudesse rir da cara dela por ter reprovado talvez não seria tanto sacrifício assim leva-las.

- Hm. – resmunguei. – A Hadassa vai também? – Lembrei que o Vinicius estava gozando de vontade de comer a loirinha, talvez ele ajudasse a bancar a gasosa se ela fosse também.

- Vai. – O semblante de Nise mudou um pouco, deixando-a sem graça.

- Vou chamar o Vinicius então e a gente passa para pegar vocês. – Ofereci. Obviamente ela ia aceitar.

- A gente vai ter que se encontrar lá, você não disse nada antes, eu vou com a Francis.

- Eu sei, o convite se estende a ela também. – Segurei a vontade de revirar os olhos.

- Eu entendi, mas é que ela não vai querer ir com você, depois daquele episódio. – Nise deu de ombros.

- Certo. – Suspirei, em momentos como esse que essa gorda faz cu doce que penso em como seria esganar o pescoço dela. – Eu sei que não fui legal da minha parte, eu poderia falar com ela... – ofereci.

- Acho melhor não, não é um bom momento. – Nise negou. – Mas agradeço a oferta, a gente se encontra lá então.

Ela se virou e foi para esteira e me deixou pensando quem deixou essa gorda achar que pode ser esnobe assim? É por essas e outras que as gordas da idade média só serviam para procriar.

***

O Vinicius também não conseguiu convencer a loirinha de ir com ele nos dias que se seguiram. O problema é esse negócio de mulheres ser melhores amigas, que é tipo um casamento. No pornô isso é legal, mas na vida real, essa união delas é um pé no saco.

Tentei achar outras minas para encher o carro, mas nenhuma estava disponível então resolvi agir.

 

Para: Cabelo Roxo

Queria me desculpar pelo que eu fiz aquele dia, estava estressado com o teste, foi mal.

 

De: Cabelo Roxo

Não guardo rancores.

 

Para: Cabelo Roxo

Fiquei sabendo que vai na festa de encerramento, vamos todos juntos, não tem porque ir separados se meu carro cabe todos.

 

De: Cabelo Roxo.

Todos quem? De um bairro? Um município? Um País?

 

Para: Cabelo Roxo

Todos a gente: Eu, o Vinicius, você, a Nise e a loira.

P.s.: O que é município?

 

De: Cabelo Roxo

Não vou entrar no seu carro.

P.s.: Como você pode não saber o que é município e ter concluído o ensino médio e eu ter reprovado?

 

Bom, ela tinha algum senso de humor.

 

Para: Cabelo Roxo

A vida não é justa, acostume-se. Eu estou convidando, para minha redenção.

 

De: Cabelo Roxo

Caguei para sua redenção. Não vou com você e pesquise município no Google.

 

Para: Cabelo Roxo.

Sei que município é uma cidade. Queria ver você falar na minha cara o que você fala para mim agora e larga de empatar a galera, já que você vai, vamos todos juntos. O que você quer para ir?

 

De: Cabelo Roxo

Pesquisou no Google, não é? Eu vou com vocês se você beijar a Nise.

 

Que nojo. Nem fodendo que eu faço isso.

 

Para: Cabelo Roxo.

Ela merece alguém melhor que eu para namorá-la. Não sou o cara certo.

 

De: Cabelo Roxo.

Que bom que você sabe, agora diz isso para ela e para de usá-la.

 

Boquinha afiada, tanto que dar até vontade de enchê-la de leite.

 

Para: Cabelo Roxo

Ela é minha amiga.

 

De: Cabelo Roxo

Você sabe que ela não quer só sua amiga, seja quem ela quer que você seja, ou deixe ela em paz.

 

Para: Cabelo Roxo

Posso dar um fora nela e dizer que foi você quem mandou?

 

De: Cabelo Roxo

Não disse para você dar um fora nela, disse para você parar de empatar a vida dela.

 

Ah, definitivamente eu quero comer essa garota.

 

Para: Cabelo Roxo.

Deixar ela em paz, para eu ficar com quem, com você?

 

De: Cabelo Roxo

Deus me livre, se você fosse a única opção masculina no mundo, eu provavelmente ia beijar meninas.

 

Para: Cabelo Roxo

Sempre desconfiei. Quer comer sua prima, né?

 

De: Cabelo Roxo.

Escroto, pervertido do inferno. Ela é minha prima, a gente praticamente nasceu juntas. Tem outra coisa que passe na sua cabeça sem ser sexo, carro ou futebol? Imbecil.

 

Para: Cabelo Roxo

Muitas coisas passam pela minha cabeça e nenhuma delas incluía você. Só te convidei porque sua prima quer muito ir comigo, mas você que fica empatando, é só para isso que você serve não é, empatar...

 

De: Cabelo Roxo

Eu vou com você pela Nise.

 

Não disse? Esse negócio de ´´ melhores amigas´´ é tipo um casamento.

***

Eu levei a nave de vaginas para tomar um banho, polir as rodas cromadas e aspirar os bancos. Deixei tudo no esquema com as meninas, ia pegar o Vinicius, então a Nise, depois a escrotinha e por último a loirinha.

A Nise estava nas nuvens comigo porque eu tinha convencido a chata da prima dela a ir com a gente para festa. Estava me sentindo muito bondoso essa semana, tanto que estava pensando seriamente em realizar o sonho da Nise e levá-la para conhecer a minha cama.

Talvez a priminha dela vai junto, quem sabe, não é? Um homem pode sonhar...

Sai do banho e me olhei no espelho, meu bíceps parecia menor do que semana passada, eu deveria ter malhado mais. Abri a sacola da loja e tirei a calca caqui skinny preta, arranquei a etiqueta e vesti.

Coloquei a camiseta xadrez por dentro da calça e colete de caxemira por cima, calcei o sapato social que custava mais que as quatro rodas do meu carro junto e ajeitei meu cabelo com gel. Eu ia deixar as garotas loucas naquela festa.

Chutei as sacolas para baixo da cama e deixei o quarto mais ou menos arrumado para caso trouxesse alguma garota comigo, ou duas, passei bastante perfume e peguei a chave da nave.

Vinicius já me esperava no portão.

Nise estava quase namorável essa noite, se ela se vestisse assim sempre talvez eu até pensasse em dar uma chance a ela, alguns quilos a menos, os cachos castanhos contando seu rosto e com maquiagem, usando um vestido lilás e saltos, ela estava bem apresentável.

A loirinha como sempre era a mais ousada, estava com uma roupa curta e com uma maquiagem mais pesada, mas essa era a mulher do Vini então eu não podia me imaginar pegando ela em respeito a ele.

A Francesca usava um vestido preto estilo camisinha no pau de tão colado que ele estava no corpo dela. Seus fios roxos estavam cacheados e os pretos lisos, ela escondeu as olheiras com alguma maquiagem e reforçou no rímel e lápis preto e batom vermelho. Para eu querer comer ela agora só faltou o salto, já que ela usava uma sapatilha.

Vinicius quis se sentar com a Loirinha, o que acabou fazendo a Cabelo Roxo ir sentada no banco da frente ao meu lado, ela pareceu desconfortável com a roupa que ela ficou puxando o tempo todo para não mostrar suas coxas, o que me fez ficar me segurando muito para não por minha mão lá.

Estava me perguntando por que fui me envolver mais com a Baldessin flores e corações se eu podia ter me envolvido com a trevas e cemitério?

Chegamos na festa e o som saia pelos muros do colégio, uma música que era provável que tinha sido feita antes da minha mãe nascer. Apresentamos a carteirinha de estudante na entrada e logo fomos avisados de que não haveria nenhum tipo de álcool e consumo indevido de bebida alcoólica nas dependências seria penalizado.

Eu nem tinha entrado na festa e já tinha me arrependido.

Daí foi tudo de mal a pior, principalmente quando começou a tocar aquelas músicas de cantores internacionais que a Nise e as amigas dela gostavam e eu estava me segurando para não as enforcar. A Cabelo Roxo parecia menos deslocada das amigas tentando cantar essas músicas de outro idioma do que normalmente.

- Acho que a gente está sobrando. – Comentei com Vinicius enquanto as três gritavam e dançavam a nossa volta.

- Meninas. – ele disse.

- Não sei como elas podem gostar desses caras que só cantam uma coisa a música inteira... – Disse enquanto Nise me arrastava para o meio delas.

- Cala boca e dança! – Francesca falou enquanto pulava na minha frente e chocava seu corpo contra o meu.

Estranhamente aquilo me excitou.

Consumo de energético e suco estava mexendo com a minha cabeça.

Os Brothers da minha sala contrabandearam vodca em algumas garrafas de agua mineral e eu ajudei a distribuir para galera. Está para nascer o dia que adolescentes vão respeitar a proibição de consumo de bebidas alcoólicas em uma festa.

Nise não parecia se dar muito bem com álcool, mas sua prima consumou mais da metade da garrafinha. Dancei mais músicas do que em toda minha vida. Logo o salto da gorda nerd começou a incomoda-la e ela foi se sentar pedindo que a sua prima gótica fizesse companhia para mim.

Vinicius saiu com a loirinha provavelmente para continuarem a se pegar já que tinham se beijado na pista. E cenas amorosas não eram permitidas nas dependências da escola, grande merda, sei de garotas que já deram no banheiro e ninguém ficou sabendo.

- Eu reprovei! – A magrela gritou com um hálito misto de vodca e pasta de dente. – Não contente em repetir o segundo ano eu perdi minha bolsa. – Ela riu.

Acho que aquela era a primeira vez que vi que ela tinha covinhas em cada lado do rosto ao sorrir. E que seus olhos se fechavam no processo. Na verdade, essa foi a primeira vez que vi ela sorrindo.

- Eu reprovei, perdi minha bolsa, tenho uma mãe furiosa comigo, um pai que está do outro lado do mundo sem saber como vai pagar minha escola no próximo ano e vir para uma festa que eu odeio para dançar com o cara mais otário da escola. Tem como isso ficar pior? – Ela gargalhou na minha cara.

- Você poderia estar gravida. – Eu disse a primeira coisa que me ocorreu.

- Não, eu não poderia. – Ela riu. – Precisa de sexo para fic... – ela parou. – Precisar pelo menos beijar alguém para correr esse risco.

- Eu não vou te beijar. – Ri em sua cara.

- Não quero que você me beije! – Ela gritou. – Que nojo!

- Mais vodca? – Ofereci para afastar a vontade de beijá-la só para ela ver o ´´nojo´´

- Sim! – Ela disse bebendo da garrafa. – A Nise espera que você diga... – Ela começou.

- Cala a boca e dança! – Interrompi, eu não ia suportar que essa festa ficasse pior do que já estava com ela começando um discurso sobre como eu deveria lidar com a gorda.

- Essa fala é minha.

- Não interessa.

- Sabe.... – Ela sorriu para mim de novo, aquilo fez o meu rosto se mover levemente em um sorriso também. - Você não é tão ruim.

- Você é até normal. – Fiz o melhor que pude.

- Você só sabe falar de três coisa, se alguém aqui não é normal é você. – Ela riu. – Mas não é tão ruim.

- Você não me conhece ainda.

- Eu conheço o suficiente.

- Se a sua prima não fosse colada na minha você me beijaria? Aqui agora? – Testei.

- Nem aqui, nem em um milhão de anos.

- Um milhão de anos é muito tempo.

***

NA MANHÃ SEGUINTE

 

O colchão estava cheio de percevejos pois estava pinicando em todos os lugares do meu corpo. Eu tinha ido para o hotel de novo e dormido no porão. Abri os olhos para perceber que acordei no gramado do colégio. Sem camisa e sapatos.

Minha cabeça tinha um bloco de concreto dentro. Vi meu carro estacionado do outro lado da rua, algumas pessoas tentavam arrumar a bagunça e um pouco mais a frente estava a Cabelo Roxo dormindo com minha camiseta como travesseiro embrulhada em como os bebês ficam na barriga da mãe.

Ela tinha um rosto leve, quase como se fosse uma pessoa de flores e corações, seus cabelos lisos contornavam seu rosto e uma mexa passava pelos seus lábios, então eu tive certeza. Podia demorar o tempo que fosse, mas eu tia ter aquela boca me chupando. Cedo ou tarde, ela ia ser minha.

 

 

 

 

 

 

 

 


Notas Finais


Espero que tenham gostado, comentem sobre a historia, o que tão achando, o que pensam, quais são suas expectativas, deem estrelinha, é tudo muito importante para mim!
P.s.: Vou terminar de escrever o cap de Move On ainda essa semana, como sempre correria.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...