História Quimera - (Imagine BTS) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Hoseok, Imagine Bts, J-hope, Jimim, Jimim Jin, Jin, Jungkook, Juonkook, Namjoon, Rap Monster, Seokjin, Suga, Taehyung, Yoongi
Exibições 46
Palavras 2.132
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Aventura, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Mistério, Poesias, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Obrigada por esperarem e não abandorem a fanfic, então deixo com vocês um cap(que eu não gostei muito)..

E desculpa qualquer erro(a preguiça não deixa eu revisar).

Espero que gostem, e comentem para eu tomar vergonha na cara e fazer o cap 03 de uma vez. Eu amo seus comentários<3

Capítulo 3 - 002



Estou sem fôlego, as cortinas estão caindo

Minha mente está nublada, como eu suspiro para o ar

Me pergunto se eu errei hoje

Me pergunto como estavam as expressões dos fãs

.(S/n) on.

"Diário de uma D.Y.A(nome do fandom do Dn'Dey), como vou falar isso para você sem surtar novamente. Hoje digamos que foi um dos melhores dias da minha vida porque?(Só vai ser melhor quando eu conhecer o Dn'Dey).

Bom minha mãe falou que quando os meus "viadinhos japoneses"(mãe é VIADO COREANO, C-O-R-E-A-N-O, mais hoje eu te deixo falar do jeito que quiser<3) vierem para o Brasil, eu, euzinha, aqui vou poder ir show deles! Sabe o que quer dizer? VOU NO SHOW DO Dn'dey, VOU PODER VER ELES AI MEU KOKORO! NÃO ESTOU BEM!!

Hoje eu estou que nem Katy Perry na música Firework, que ela solta  fogos de artifício pelo coração, no meu kokoro solta porpurina junto e  muito brilho ai PLADDS, EU NÃO ESTOU SABENDO LIDAR COM ISSO.

Essa noite eu não vou dormir de tanta felicidade, GDeus. Não deixa eu morrer antes de conhecer eles!? Tenha piedade, DESTA POBRE ALMA!

Bjoos, de luz da May(ಥ﹏ಥ) estou chorando litros, me deixa"

  Bufo, Largando o livro sob a mesa de trabalho. O livro tinha um design como Eduard e eu  escolhemos, de capa dura em azul turquesa com um leve relevo em letras prateadas escritas em windsong "Diário de uma D.Y.A", levemente inclinadas para direita.

Eduard, foi uma das poucas pessoas que me apoiram durante uma das piores fazes da minha vida, ele estava sempre falando comigo mesmo eu o xingando ou o maltratando. Mas no final ele só queria o meu bem...

.Flash back on.

" Hey, volta aqui! - Gritava Eduard, eu no entanto corria em uma direção oposta a de seu carro.

Mais um para me encher o saco? Já não basta a minha família me atormentando vinte e quatro horas por dia. Por eles o dia poderia ter trinta e cinco horas só para me humilharem e mostrarem que eu fui a causa de sua morte. Mesmo eles não falando na minha frente "a culpa foi sua", mas só pelos seus olhares da para perceber.

Eduard, você só é meu chefe, não precisa ficar indo à minha escola, ou vindo para a minha casa, eu sei ir para a editora sozinha! - Falei quando senti o mesmo segurando meu braço com certa força.

Eu sei, mas eu sinto que tenho que cuidar de você! Pode não parecer mas eu tenho um "carinho" muito grande, não só pelo fato de você ter vindo do nada e ter ilimitado a nossa editora com suas brincadeiras, mas sim pela pessoa que você era antes de sua mãe morrer. A antiga (S/n) faz falta. - Disse me puxando para um abraço apertado. - Você não deve se lembrar, mas quando você veio a primeira vez à minha empresa, eu e meu pai estávamos em pé de guerra, eu queria novos escritores e ele como um bom velho cabeça dura queria continuar com os escritores que já não escrevem coisas tão interessantes. - Começou a fazer carinho em meus cabelos, era tão bom ter ele para me reconfortar. Nunca tinha pensado em Eduard como um amigo, mas sim um idiota qualquer que quer bancar o "chefe amigo". - Quando cheguei em minha sala, lá estava você com um sorriso, me acolhendo sem ao menos saber quem era, "não importa a situação não desista, o mundo não é para os que desistem facilmente". Foram essas palavras que você disse antes de sair de minha sala com mais um encantador sorriso. Como você percebeu??

Lágrimas escorriam de minhas orbis, eu só queria ficar alí, resebendo seu carinho, por tempo indeterminado. A final ele não era tão chato quanto parecia ser."

.Flash back off.

- O que está fazendo? - Perguntou Bu entrando em meu quarto, com um sorriso de orelha a orelha, conheço esse sorriso.

- O que houve não ia ficar no seu quarto como nos outros dias? - Perguntei me virando em sua direção. Ela estava brava por não poder ir a aula aqui na Coreia, com o frio que está a fazer aqui decidiram temporariamente que os alunos não precisariam ir à escola, Pâmela ficou frustada com o ocorrido em primeiro momento.

- É que eu estava pensando em fazer um passeio, já vai fazer duas semanas que nós estamos aqui em Seul, e o Edu só vai chegar no final da semana... - Disse sentando-se na cama e cruzando as pernas. - E também ele vai ficar vetando tudo que eu quero fazer quando chegar aqui. - Como ela é dramática, ela é o xodó dele, ele passa mais tempo com ela do que comigo.

- Hmm, deixa eu pensar no seu caso... Será que está merecendo? - Disse rindo, olhando em seguida para o teto fingindo pensar. A mesma tocou um travesseiro em minha direção. - Ok vamos sair, agora deixa eu me arrumar.

- Ebaah, você tem meia hora para se arrumar. Estamos entendidas? - Se levantou e fechou a porta.

- Ok, omma! Já estou indo. - Falei indo em direção ao meu guarda-roupa, pegando algumas pessas de roupas mais exatamente, as primeiras que vi e que achei que combinariam.

Alguns minutos se passaram, coloquei uma calça preta rasgada nos joelhos, uma regata branca simples, na cintura uma blusa xadrez vinho, preta e branca, um moletom preto com branco com algumas escritas e um tênis Nike preto com vinho. Quando cheguei na sala a minha irmã estava com uma saia rodada preta, meias três quartos, uma blusa de mangas branca, um sobre tudo creme e um cachecol e por fim um coturno preto. Antes de sair pegarmos nossas bolsas com celular, carteira,chaves e documentos... Quando descemos no saguão pedimos para a recepcionista ligar para um taxista vir nos buscar.

- Aonde vamos afinal? - Perguntei, guardando o celular em minha bolsa.

- Que tal shopping? - Perguntou. - Nós podemos olhar um filme e dar uma olhada nas lojas?

- Pode ser... Estou vendo que é hoje que vou a falácia! - Disse rindo.

- Senhoritas, o taxi já está lá fora. - Chamou atenção a recepcionista com o seu inglês intermediário e voz um tanto fina, do cabelo preto, ondulados nas pontas e pequenos olhos castanhos.

. (S/n) off.

Demorou meia hora para chegarem em seu destino. (S/n), pagou a corrida para o taxista, um senhor de idade aparentava ter uns 69 anos de cabelos grisalhos com algumas olheiras de noites mau dormidas. A corrida custou entorno de uns 30,000  won. Saíram do táxi e logo entraram no shopping.

- Vamos logo (S/apelido). - Disse a mais nova a puxando pelo braço direito e caminhando em direção as escadas rolantes. - Você viu, o Shopping daqui é maior e mais legal do que da nossa cidade.

- Sim. Agora vamos procurar alguém que possa nos orientar onde fica o cinema. - Falou a maior, olhando para os lados.

Depois de caminhar pelo shopping, as duas encontram um segurança que tinham um ar jovial e um sorriso um tanto meigo e atraente para qualquer mulher que lhe o olhasse - até para homens -, o mesmo sabia o básico de inglés para se comunicar com elas.

- Obrigada por nós trazer até aqui. -  Se curvaram em agradecimento ao segurança, que logo voltou ao seu "posto".

- Nossa como as pessoas da Coreia são educadas, se fosse no Brasil ele teria falado "Eu não sou obrigado, meu marido tem dois impregos" e estralado os dedos que nem a Rochelle. - Falou olhando ele sumindo ao meio das pessoas. Seguida de uma risada. - Qual filme vamos assistir? - Perguntou Bu, rolando os olhos nos filmes anunciados.

- Que tal esse? - Apontou para o segundo cartaz que dizia "esquadrão suicida".

- Esse é aquele filme que eu queria muito ir ver, mas a dona ocupada não queria ir na pré estréia comigo. - Falou fazendo biquinho. - E ficou trabalhando a semana inteira com o Edu.

- Tá, tá, para de murmurar e vamos comprar os ingressos antes que eu desista. - Pegando na mão da irmã e indo para pagar os ingressos, chegando no balção pagaram e o próximo horário era em meia hora, reslveram ir comprando as pipocas e refrigerantes.

- Você não acha que escolheu muita coisa, Bu? - Perguntou olhando para a menor que tinha um pacote de pipoca meia doce e salgada, um copazio de coca-cola e algumas embalagens de chocolates e balas de gomas.

- Deixa eu ser feliz (S/n). - Mostrou a língua para a maior. - Eu não sou que nem você que consegui vir para o cinema e comprar um combo e um chocolate. Hurum. - Disse saindo na frente, sentando em um grande sofá que tinha para esperar lá dentro. Enquanto estavam sentadas as duas se entre olhavam e riam como crianças, elas nunca conseguiam ficar brigadas por muito tempo.

- Vamos indo? - Perguntou Bu, com  algumas em bagagens a menos.

- Sim. - Guardou o celular na bolsa novamente e seguindo a irmã mais nova, Bu parecía que nunca havia saído para passear.

"Espero que esse tempo aqui na Coreia, ajude a superar tudo que vem acontecendo com ela." - A irmã só queria o bem da mesma, tentando nunca deixar ela desistir de tudo mais uma vez.

Entrando na terceira sala a direita que indicava  a cima da entrada o número seis em vermelho, e do lado da porta um cartaz mostrando qual filme a sala iziberia a seguir.

{...}

.(S/n) on.

Nossos lugares era na fila H poutranas treze e catorze, um lugar digamos que confortável para assistir um filme.

O filme já estava no meio, e Bu já havia devorado toda a sua pipoca, chocolates e outras guloseimas que nós havíamos comprado mais cedo.

- Hey, vou ir pegar mais pipoca para a gente, ok? - Falei baixo suficiente só para ela escutar.

- (S/apelido), compra pra mim mais chocolate? - Sorrio, esperando a minha resposta. Disse que sim e fui em direção ao caixa comprar as guloseimas.

Quando eu estas voltando com algumas embalagens a mais que o previsto, acabei esbarrando em alguém e caindo de bunda derrubando os baldes de pipoca e doces.

- Você não olha por onde anda não? - Falei tentando me levantar, logo tentando limpar o que havia caído com o encontraram.

- Desculpa, eu... - Falou com a voz um pouco grave, mas dava para notar que ele realmente estava se sentindo culpado. Começou a me ajudar catando algumas pipocas do chão, ele fala inglês muito bem, um pouco enrolado mas  fofo.

  - Tudo bem, eu também tinha que prestar mais atenção. - Comentei com um meio sorriso. Ele estava todo escondido por de baixo de uma máscara e um casaco, um pouco desleixado talvez, mas parecia sorrir com a situação.

- Eu posso comprar de novo se quiser? - Parou de colocar as pipocas no balde e fixou o seu olhar sobre o meu, seu cabelo estava tingido de vermelho que me lembrava muito...

Balancei a cabeça na esperança de afastar tais pensamentos inadequados, para esse momento tão desastroso.

- Não será preciso, mas muito obrigada por ter me ajudado a juntar tudo. - Falei me levantando e indo comprar as pipocas novamente.

- Hey. - Pude escutar ele me chamando  e vindo em passos largos em minha direção.

- Hey mas eu faço questão, fui eu que derrubei... - Falou olhando para o chão, com um ar não muito feliz.

- Eu não sou de negar comida ainda mais de graça. - Tentei não rir. - Então obrigada. - Sorri, e ele deu uma leve risada.

- Qual é o seu nome? Da para ver que não é da Coreia! - Perguntou caminhando ao meu lado.

- (S/n). (S/n) (sobrenome). - Falei olhando para os lados. - E qual é o seu?

- Kim Taehuyng. - Falou simplório, colocando as mãos nos bolsos da calça jeans justas.

- K.. Kim Taehyung? - Numa tentativa falha de não gaguejar, falhei, olhando fixamente para o mesmo que me olhou sério. - MEMBRO DO BTS! - Coloquei as mãos na boca.

- Sou eu, não grita vim aqui para ver um filme e não para me esconder das fans. - Disse passado os dedos entre os cabelos. Terminando a frase com um sorriso quadrado brotando de seus lábios finos.

- GDEUS EU NÃO ESTOU BEM, PORRA TAEHYUNG ESTÁ AO MEU LADO INDO COMPRAR PIPOCA PARA MIM! EU DEVO ESTAR SONHANDO. - Falei em voz baixa mas alta suficiente para o mesmo escutar. Dando uma risada abafada pela máscara preta.

- Pode abraçar se quiser, sempre gostei de abraços. - Disse abrindo os braços, com um sorriso enorme.


Notas Finais


Quem já leu "A Seleção"?
Preciso urgentemente conversar com pessoas que já leram esses livros...

Twitter; @loveiAgustD

Espero que tenham gostado, e desculpa mais uma vez.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...