História Racismo de sangue. - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Abo, Alfa, Beta, Casamento, Direitos Reservados, Gravidez, Ômega, Original, Romance
Visualizações 12
Palavras 452
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


"O amor verdadeiro mantém um lobo vivo."

Capítulo 13 - Saudade


Huna 

 

Após uma semana consegui convencer o senhor Blanc a aceitar minha ajuda, aos poucos novas reuniões foram marcadas, sempre que tinha tempo comparecia afinal os empresários estrangeiros me conheciam pelo sobrenome do meu marido, falando nele nem o vejo, as vezes vejo Eve e seu pai porque fugo de casa para comer lá, a comida de Carlos e melhor que a da minha mãe que inclusive está m perdendo dentro de casa agora.

 

— Você precisa parar filha.

— Não posso tenho reuniões nas suas empresas hoje.

— Por quê? Os Blanc são nossos amigos, mas não  precisa se esgotar por causa deles. 

— Mãe a empresa deles deu um grande aumento na entrara de lucros na última semana. Sabia que alguns funcionários ganharam até aumento?

— Só por hoje para.

— A reunião é as nove, não posso parar.

— Vêm. — Ela pegou minha mão e me levou até o jardim. — Quando os seres humanos começaram evoluir geneticamente não sabíamos no  que íamos acabar nós  transformado, alguns viram betas, outros alfas e nós...— Me encarou e sorriu. — Ômegas, achávamos que era só isso, mas então veio a diferença de  sangue, alguns acham que só os ricos são puros, sabemos que não é verdade a...

— Família Blanc não é.

— Isso, mas nós só somos um pouco mais fortes, estamos no muro entre os comuns e os lúpus. Os lúpus podem virar lobos feras e nós por algum motivo puxamos isso. Você sabe que os de sangue puro não podem, esse tipo de sangue só nós permite ser mais forte, ágeis e nós faz sentir mais dor. — Gargalhei.

— É como.

— Mas também faz com que nossos sentimentos sejam sentidos em dobro.

— Eu sei.

— Então aproveita que seu pai e seu irmão não estão e se transforma.

— Vou me atrasar mãe.

— Vamos! — Concordei indo até um pequena casinha no canto do jardim, se me transforma se com minhas roupas as perderia então assim que fechei a porta as tirei.

Aos poucos sentia as batidas do meu coração aumentar e o sangue correr mais rápido em minhas veias. Ouvia meus osso se contorcerem, mas não doía meus músculos apenas relaxavam. Tudo em minha volta ficou maior então sai daquele lugar.

— Ah que saudade de ver essa bolinha de pelo.— Fui até minha mãe sentado me na sua frente. Ela fazia carinho em meus pelos negros enquanto me abraçava. — Eu senti saudades de você. — Lambi seu rosto. — Ah que nojo filha isso não, você vai encovar esses dentes. Depois de alguns minutos brincado, voltei a minha forma humana e já vestida sai a deixando no quintal como da última vez em que soube que iria para outro pais estudar porque ela e meu pai, não tiveram coragem de me falar a verdade.

 

 


Notas Finais


Particularmente imaginar a transformação dela é a maneira fofa que ela e sua mãe brincaram nesse capítulo, deixou me bem feliz e vocês? Como ficaram?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...