História Racismo de sangue. - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Abo, Alfa, Beta, Casamento, Direitos Reservados, Gravidez, Ômega, Original, Romance
Visualizações 10
Palavras 966
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Hello mais um capítulo prontinho.

Capítulo 15 - O talvez pior jeito de saber


Huna 

 

Assim que deixei a empresa dos Blanc me d sqirigi até um ponto onde poderia pegar um táxi senti uma extrema sensação ruim, não sabia o motivo, meu peito doida e minha mãos se tornaram frias. "Será que devo ir para casa?"

- Senhorita! - Olhei para o lado um homem alto estava falando comigo, mas ele não usava sua voz de alfa.- Seu táxi chegou. - Olhei para rua e vi que o motorista dentro do carro estava esperando.

- Ah obrigada.- Entrei no táxi tentando me acalmar.

- Para onde vai.

- Restaurante Hopes. 

- Okay.- Mesmo após já estar sentada no carro sentia a sensação em meu peito aumentar. " Espero que Eve me distraía.

 

Théo Berttini

 

Estava de frente a empresa do meu pai esperando Sol, sair para almoçarmos, minha ômega reclamava que não estava recebendo atenção da minha irmã que então decidi acompanhar mais um pouco durante o dia.

- No que está pensando? - Ela perguntou me beijando.

- Em você em Huna.

- Nem me fala, hoje nem a vi seu pai seu folga para ela, achei que depois que ela volta se íamos poder ficar próximas de novo.

- Ela mudou muito não é? - Ela confirmou me puxando para o restaurante do outro lado da rua.

- Eu não sei as vezes ela parece um alfa, nem maquiagem ela passa sabia? - Sol reclamava enquanto esperávamos os pedidos chegarem.

- Aquele internato mudou minha irmã, sabe as vezes fico pensando se eu fosse o primogênito provavelmente não teria sido mandado para aquele lugar como ela foi só porque meus pais ficariam com medo de sofrer com a doença da minha mãe.

- Você é um alfa meu amor é mais forte por natureza e você sabe que seus a mandaram para lá, porque a ligação que Huna tem com sua mãe a deixaria abalada de mais ao ver a mais velha sofrendo.

- Eu sei, mas ela sofreu mais lá do que sofreria aqui, não tendo ninguém com ela, agora que voltou não para um minuto.

- Não fica mal hum, olha a comida chegou. - Olhamos para o garçon que sorria gentilmente. Ao longo do jantar falamos de tudo um pouco, as vezes Sol voltava a falar de Huna, amo o jeito que ela quer proteger minha irmã, mas nós dois sabemos que ela é forte.

- Amor seu celular não para de tocar, está me trocando em?- Brinquei e recebi um beijo em resposta.

- Como posso troca o amor da minha vida.- Sorri e ela atendeu o telefone.- Oi. ..Ham?... Okay estou voltando imediatamente.

- O que foi?

- Parece que o telefone do escritório da Huna não para de tocar, querem que eu vá logo ver porque tenho a chave extra.

- Tudo bem eu vou com você e aproveito e vejo meu pai, quero conversa com ele.- Paguei a conta e a levei até o prédio do nono andar conseguia ouvir o som do telefone de Huna. - Por que não para de tocar? 

- Eu não sei.- O prédio tem onze andares, o andar do meu pai é o ultimo Huna fica logo abaixo.- O telefone parou.

- Devem ter desistido.- Mesmo pensando isso seguimos até a sala da minha irmã, a sala estava aberta.

- Pensei que só você tinha a chave.

- Tirando eu só seu pai e Huna tem.- Sol explicou entrando na sala e eu a segui logo atrás, encontrando meu pai mais pálido do que nunca carregando uma expressão de espanto e medo. Não tivemos tempo de perguntar quando vimos o alfa mais velho já havia ido ao chão com o telefone que atendia.

- PAI!

- SENHOR BERTTINI!

 

Eduard Blanc

 

Depois que meu irmão saiu para ir em uma reunião com meu pai, após passar a manhã toda estudando para uma prova na faculdade, fiquei sentado no sofá pensando nele e em Huna. Os dois nem se viam mais, eu sei que se uniram por um contrato, mas poxa eles nem conversam, ninguém sabe que estão juntos, parece que nem estão ligados pela lei.

- No que está pensando?- Senti braços rodearam e me assustei.

- Ah Simon que me matar?! Como entrou aqui?

- Sônia abriu a porta para mim porque meu namorado estava no mundo dele. - Sônia é uma amiga da família apesar de ser a faxineira que trabalha aqui duas vezes na semana. 

- Mas não chega assim do nada!

- Não cheguei do nada, fiquei cinco minutos ali parado e você não nem notou, no que está pensando meu amor.- Deu ênfase no "meu amor." 

- Estava pensando no meu irmão, ele parece tão frio em relação ao casamento dele com a Huna.

- Os dois não estão se falando?

- Não e eu não consigo entender isso afinal os dois se casaram.

- Quem diria Mattheo Blanc casado.

- O QUÊ!? - Ouvimos um grito e pulamos do sofá.

- Mãe... Eu... Eu achei que estava dormindo.

- Seu irmão se casou? Me responda Eduard!

- Sim mãe.

- COM QUEM? - A mais velha usou sua voz de alfa.

- Com a filha Do tio Tomás.

- HUNA?! - Após gritar o nome de dela minha mãe foi até o telefone e discou algum número. - Alô? Ella eu tenho que conversa com você... O quê? 

- O que foi mãe?- Perguntei preocupado.

- Ligue para seu irmão o "sogro" teve uma ataque cardíaco.

- TIO TOMÁS!?

- Sim Eduard, anda vamos para o hospital, você também Simon.- Eu e ele concordamos seguindo para o carro. - E não pensem que vão sair impunes por me esconder que ganhamos mais um membro na família.

- Foi um prazer te conhecer amor. - Simon sussurou em meu ouvido.

 

 


Notas Finais


O que acharam?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...