História Racismo de sangue. - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Abo, Alfa, Beta, Casamento, Direitos Reservados, Gravidez, Ômega, Original, Romance
Visualizações 24
Palavras 667
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Espero que gostem 🌙

Capítulo 3 - Não parece um alfa. -Mattheo Blanc


Já havia passado uma semana desde a reunião na empresa dos Blanc, não tinha comentado mais nada com meu pai e nem ele comigo, porém pedi para Sol me passar a cada o dia os dados da empresa do amigo dele que ela consegui se recolher, devido aos inumeros contatos que temos, muita coisa foi obtida e cheguei a conclusão que os lucros deles só diminuíam a cada dia." Vocês vão falir mesmo."

— Senhora? — Será que ela não vai parar de me chamar assim?

— O que foi Sol?

— Tem alguém querendo vê lá, ele disse que o chefe mandou ele vim aqui.

— O deixe entrar. — Apoiei minha cabeça nas minhas mãos a observando sair do meu escritório abrindo espaço para que a outra pessoa entra se.

— Boa tarde eu sou Mattheo Blanc, vim aqui por que o Sr. Berttini disse que você estava interessada no produto que meu pai mostrou na reunião da semana passada.

— Por favor sente se.— Mesmo dizando  baixo, ele ouviu e atendeu minha fala.

— Eu trouxe os documentos.— O encarei, seu semblante era de alguém exausto assim como o do seu pai "O que está acontecendo com essa familia?"

— Eu realmente me interessei pelo produto, mas a empresa e de marketing e vendas senhor, não financiamos a fabricação de produtos. Compramos eles prontos.

— Eu entendo... Mas...

— O que está acontecendo com sua empresa? – Não conseguia guarda as dúvidas na minha cabeça.

— Como? — Ele não parece um alfa.

— Tenho acompanhado ela nessa última semana de lonje. – O entreguei a pasta com os dados.— Vocês vão falir, já comentaram comigo o motivo, mas já que está aqui gostaria de ouvir de você, o motivo disso.– Ele suspirou.

— Por causa do nosso sangue.

— Eu não consigo acreditar que as pessoas chegaram a esse nível.

— As pessoas chegaram a níveis piores não acha? — Sua presença de alfa começava à aparecer.— Eles acham que nosso sangue não é bom o suficiente, enquanto o de vocês... – Encarou me.— É considerado ouro agora. Isso irrita muito sabia, já ouviu falar dos índices de homicídio, os comuns estão matando os puros.– Ele falava aquela informação de uma forma tão calma e fria que me assustava.

— Para mim meu sangue não é nada Sr. Blanc.– Novamente sorriu sarcástico.

— Pelo que percebo não vou conseguir nada aqui, então der me licença, estou indo senhorita Agatha. — Ele já chegava na porta quando o chamei.

— Então foi assim que meu pai lhe disse para me chamar? — Agora era eu que carregava sarcasmo na voz e no sorriso.

— Então você é a filha excluída dos Berttini?

— Excluída?! Por acaso você está testando me?

— Não.

— "Não" Ah faça me o favor! Até parece que você não foi mandado aqui para me fazer aceitar a ideia que meu pai teve de juntar nossas famílias. — Já gritava em pé.

— O QUÊ!? seu pai quer juntar nossas familias?

— Você não sabia? – Ele negou. – Jura?

— VOCÊ ACHA QUE ACEITARIA UMA COISA DESSAS!? — Ele usou sua voz de alfa.

— NÃO USE SUA VOZ DE ALFA COMIGO SEU IDIOTA!

— IDIOTA? — Os olhos dele já estavam vermelhos.

— JÁ CHEGA VOCÊS DOIS! — Meu pai gritou também usando sua voz de alfa que tinha efeito efeito maior em mim. — Ele não sabia do que eu falei filha.

— Você quer juntar nossas famílias Tio?

— Tio?! — Perguntei para meu pai que sorriu.

— Eu queria Mattheo, assim poderia dar a chance da sua família ter alguém puro, não me entenda mal, eu respeito vocês, mas isso poderia mudar as coisas. Sua família seria beneficiada de várias formas.

— Entendo, eu... — Ele ficou um tempo em silêncio e depois se voltou ao meu pai.— Aceito isso.

— O QUÊ!? — Gritei recebendo a atenção dos dois.

— Eu aceito juntar nossas famílias. — Dizia para mim.

— Eu nego.

— Filha!

— Filha? Pare de me chamar assim, parece que nove anos que me manteve longe foram mais que o suficiente para esfriar o seu amor por mim pai, ao ponto de querer me usar como moeda de ajuda. Eu me demito! — Disse saindo do meu escritório.

— FILHA!

 

 


Notas Finais


Deixa aqui nos comentários o que acharam do encontro desses dois e da história ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...