História Racismo de sangue. - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Abo, Alfa, Beta, Casamento, Direitos Reservados, Gravidez, Ômega, Original, Romance
Visualizações 18
Palavras 684
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


O que estão achando? Cometem aqui para gente conversar.

Capítulo 5 - Viva aos noivos - Huna Berttini


Fanfic / Fanfiction Racismo de sangue. - Capítulo 5 - Viva aos noivos - Huna Berttini

Huna

Confesso que passei do limite ao sair da empresa correndo, nem ao menos sei aonde estou. Aos poucos enquanto caminhava via as luzes dos postes se acederem e o céu ganhar um tom mais escuro. Achei que poderia me livrar de toda responsabilidade que foram me dadas, se me desliga se da empresa, mas se realmente levar essa história a frente vou jogar tudo nos braços do meu irmão Théo não merece abdicar de tudo, não que eu ache que eu mereça, mas isso não importa mais.

“ Estou perdida." Pensei olhando para as ruas a frente que não conhecia.

 

— Socorro! Alguém me ajuda! — A voz vinha da mesma rua da qual tinha passado alguns minutos atrás, corri na direção dela e me deparei com dois alfas agarrando uma garota e fui ajudar. No final de tudo acabei na cozinha dela a esperando acabar de preparar o jantar e Mattheo entender o que acabei de falar.

— Você disse que vai casar comigo?

— Vocês são noivos? — Eve perguntou assutada quase deixando a colher que segurava cair.

— Eu só disse "eu aceito."

— Mas você tinha negado.

— Você também, porém mudou de ideia ao ouvir meu pai.

— Não quero te obrigar a fazer isso.

— Entenda a união ajudará a empresa do seu pai a crescer novamente aos poucos e depois consequentemente teremos que dar um neto aos nossos pais com esse casamento a uma chance muito grande do bebê nascer com sangue puro.

— Falando desse jeito parece que só um lado vai sair ganhado. — Eve murmurou.

— Eu não sei...

— Olha eu posso muito bem te mandar ir tomar em um lugar "melhor", e deixar a sua empresa falir sem ao menos ajudar.

— Você é muito arrogante.

— Deve ser por causa do cio dela. – Um homem disse entrando na cozinha.

— Pai não diga isso.

— Tudo bem ele está perto. — Não sabia que meu cheiro estava ficando forte.

— Você o passa com alguém?

— O passo sedada Eve.

— Oh.

— Então pelo que ouvi  vocês vão se casar? — O pai de Eve perguntou trocando de assunto.

— Depende, se ele aceitar minhas regras.— Falei apontado para o rapaz ao meu lado.

— É quais são elas? — Mattheo perguntou.

— Número um: não serei marcada, número dois: não passaremos os cios juntos, como disse antes eu o passo sedada e você também vai passar os seus assim, não quero ter que aguentar essa ideia de "traição."— Ele

riu .—  E por último, você terá que voltar para faculdade.

— Como você sabe que tranquei a faculdade?

— Seus pais jantaram na minha casa semana passada.

— Como vou ajudar na empresa assim?

— Você estudava em qual turno?

— Matutino, só faltava um ano para acabar.

— Ótimo, vou trabalhar na empresa Blanc durante a manhã e durante a tarde na do meu pai, até você acabar os estudos.

— É uma boa proposta. — O pai de Eve falou e ela concordou enquanto colocava os pratos de comida a nossa frente.

— E você tem alguma exigência?

— Vamos morar com meus progenitores, estou preocupado com a saúde do meu pai, assim posso ficar de olho nele, e eu quero um filho.

— Você terá, mas não agora. — Ele suspirou. — Você pode dizer não a tudo que eu falei, sabe disso.

— Você está fazendo isso pelo seu pai? — Ele perguntou baixo.

— Pergunto o mesmo a você, você sabe que nós primogênitos não temos muitas escolhas, não é? — O encarei.

— Nessas horas eu agradeço por não ser rica e nem primogênita! — Eve gritou jogando as mãos para o alto e eu ri.

— Senhor Blanc nesse momento o pai de Eve acabou de colocar água no copo. — Apontei para o pai dela que segurava o objeto do qual me referia, ele me encarava curioso na verdade todos ali me encaravam da mesma

forma. —  Se você não me disser ''não'' até ele acabar de beber todo o líquido , hoje mesmo nós procuramos duas testenhumas e nós casamos amanhã.

— Amanhã!? — Ele gritou, mas sem usar a voz de alfa.

— Eu já estou bebendo a água. — O pai dela anunciou.

— TIC...TAC.— Dois minutos depois não havia nenhum vestígio de água no copo.

— Viva aos noivos.— Eve gritou.

— Viva.

 

 


Notas Finais


O que acharam da Huna?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...