História Racismo de sangue. - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Abo, Alfa, Beta, Casamento, Direitos Reservados, Gravidez, Ômega, Original, Romance
Visualizações 3
Palavras 738
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Fantasia, Ficção, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Universo Alternativo, Violência, Visual Novel
Avisos: Linguagem Imprópria
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Acho que vocês notaram que eu gosto de mostrar o lado dos dois personagens principais. Pretendo também mostrar dos outros que vão aparecer, assim posso tentar passar para vocês o que eles sentem.

Capítulo 6 - Uma por todos


Fanfic / Fanfiction Racismo de sangue. - Capítulo 6 - Uma por todos


Huna Berttini.


Por volta das oito horas eu e Mattheo saímos da casa de Eve, após convencer ela e o pai a serem nossas testemunhas de casamento, outra coisa que deixamos claro é que o nosso contrato não iria para o papel, poderia ser perigoso se alguém descobri se tudo. Mesmo sabendo que não tenho inimigos seria arriscado de mais e além disso temos Eve e seu pai para confirma tudo que foi falado.

- Seu cheiro está ficando forte. - Mattheo falou virando o rosto pro lado, estavamos caminhando para a empresa. - Tem certeza que vai conseguir ir amanhã?

- Vou, eu não sinto muito dor sabe, no cio. - Declarei um pouco constrangida. 

- Entendo, então ainda tenho algumas dúvidas.

- Pode perguntar.

- Oh esqueci de ligar para seu pai! - Ele exclamou do nada.

- Tudo bem eu mandei mensagem para ele enquanto falávamos sobre tudo do acordo. - Mostrei meu celular para ele. - Agora pergunta o que quer.

- Você é bem precavida, continuando nós vamos poder ser amigos?

- Não vejo mal nisso, contudo não vamos ter tempo para ficarmos juntos.

- Você vai mudar seu sobrenome?

- Sinceramente seu sobrenome é mais bonito, mas eu não sei ainda.- Ele riu.

- Você não vai ser arrepender?

- Eu não sei, não tenho a resposta para essa pergunta agora.- Parei de andar e o respondi.

- Como vou esconder isso do meu pai?

- Temos uma semana, se não me engano depois disso as empresas vão automaticamente receber a certidão de casamento, bom pelo menos na do meu progenitor funciona assim.

- Na do meu pai também, eles tem essa ideia de monitorar os funcionários.

- Depois que esse tempo passar, as fofocas vão surgi, seremos encurralados e teremos que responder várias perguntas.

- Não faço a mínima ideia de como vamos fazer isso.

- Nem eu.

- Estava pensando no que Eve disse, realmente só um lado vai sair ganhando e vai ser o meu. 

- Nós não vamos ter a ligação, porque você não vai me marca entende, podemos nós separar.

- Já está pensado em se separar? - Dessa vez ele que parou.

- Você não parece um alfa sabia? Tão inseguro...

- E você não parece uma ômega sabia?- Confirmei e começamos a andar de novo.


Ficamos quietos até chegar na empresa, não só meu pai como minha mãe estavam lá, fui repreendida por ela recebendo abraços da mesma, meu pai agradeceu a Mattheo e não falou nada comigo. Antes que entra se no carro como minha mãe ordenou, fui até Mattheo.

- Às oito.- Séria há hora em que o cartório abriria e a hora que Eve agendaria para nós hoje.

- Às oito.


Já dentro do carro que iria me levar até em casa, ouvia minha mãe choramingar que um bárbaro me machucou, mal sabe ela que eu me machuquei porque fui a bárbara que machucou alguém ou pior dois alfas sem noção.

- Você não pode fazer esse tipo de coisa Huna.

- Achei que meu nome fosse Agatha para você pai. - Ele me encarou.

- Como assim querido?

- Ele disse para o filho dos Blanc que meu nome era Agatha mãe.

- Você fez isso?

- Foi um grande mal entendido. eu estava no telefone quando ele veio falar comigo, eu disse que você havia se interessado pelo produto, porém estava falando com a secretária do meu médico provavelmente falei o nome Agatha porque esse era o nome da moça do telefone, você sabe como sou distraído.

- Vou fingir que acredito na sua justificativa.

- Não estou mentindo, porque mentiria sobre seu nome em?

- Eu não tenho ideia. Pai?

- Oi?

- Amanhã vou chegar tarde na empresa.

- Por quê?

- Meu cio está perto e vou passar no hospital agendar os dias em que o médico vai vim me sedar.- Pelos menos isso não era mentira.

- Você não precisa disso filha é um pouco extremo não acha? Você precisa de duas doses de sedativo a cada quatro horas. É de mais.

- Ela não pode sentir dor querido, no internato ela era sedada. - "Nem sempre mãe." - Além do mais ela não é casada, não pode passar o cio com qualquer um, você se acha que é fácil ela se casar da noite pró dia? Nossa filha não é louca.

- Se ela casa-se sem você saber em?- Meu pai a recrutou.

- Eu a deserdava. - Minha mãe disse séria e meu coração parou, mas logo ela começou a rir e eu a acompanhei " O que eu fiz, vou mesmo bancar a salvadora por todos?"




Notas Finais


O que acharam do Mattheo?
Acham que ele vai mudar depois do casamento? Comenta aqui sua opinião planetinha, ela é importante.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...