História Rage and Love - 2 Temporada - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Avril Lavigne, Evanescence, Fall Out Boy, Green Day, My Chemical Romance, Panic! At The Disco, Paramore, The Pretty Reckless
Personagens Amy Lee, Avril Lavigne, Billie Joe Armstrong, Brendon Urie, Frank Iero, Gerard Way, Hayley Williams, Mike Dirnt, Mikey Way, Patrick Stump, Personagens Originais, Pete Wentz, Ray Toro, Taylor Momsen, Tré Cool
Exibições 16
Palavras 1.684
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Musical (Songfic), Romance e Novela
Avisos: Álcool, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Heey Idiot's

Sinto muito dizer, mas saimos daquele Cap. fofinho pra vir pra esse que é bem bad.

* O capítulo começa com um sonho da Luh, que na verdade é uma memória de quando ela e o Gerard namoravam.

Esse capítulo vai ser mega importante, não se esqueçam dele.

BOA LEITURA

Capítulo 9 - Vices and Virtues


Fanfic / Fanfiction Rage and Love - 2 Temporada - Capítulo 9 - Vices and Virtues


POV's Luana
    Eu andava de um lado para o outro pela sala, já era tarde e ele não havia chegado. Liguei ao Mikey e ele me disse que Gerard tinha saido depois do show que fizeram, ele disse que precisava comprar uma coisa, mas não disse o que era. Aquilo me preocupava, liguei um bilhão de vezes pra ele, mas ele não atendia. Eu sei, parece paranóia minha, mas não é, eu tenho medo do que possa acontecer com o Gerard. Finalmente ouvi a voz dele do outro lado da porta. Ele cantava alguma música do David Bowie, num tom que certamente irritaria os vizinhos, ele estava claramente bêbado. 
    Abri a porta e vi ele tropeçando nos próprios pés tentando chegar até a porta de casa.
    - Meu amor, que bom que abriu a porta, eu esqueci minha chave.- ele disse lentamente. 
    Ele estava num estado deplorável, fedia a bebida, não conseguia parar em pé, estava todo sujo e suado. Fiz ele se apoiar em mim pra que eu o ajudasse a andar, foi uma missão difícil, pois Gerard era maior que eu, mas eu já havia feito aquela mesma coisa com o Billie, então não era tão difícil assim.
    - Gerard onde você estava, por que não me atendeu? - perguntei quando já estávamos dentro de casa
    - Você está tão linda hoje.- ele disse
    - Me responda Gerard!
    - Wow é uma linda que esta brava comigo. - ele disse rindo. - Eu não lembro onde estava, mas era tão bonito, cheio de luzes e pessoas, acho que bebi um pouco também, mas juro que foi só um pouquinho. - ele disse com a fala mole
    - Vai tomar um banho, vou fazer um café forte pra ver se você melhora um pouco...
    - Não! Não me trate como se eu fosse aquele bêbado que você chamava de marido. - ele gritou se referindo ao Billie
    - Não haja como uma criança, anda logo, vai pro banho.
    - Me deixe em paz, eu estou ótimo. Você acha que vai me controlar como controlava o Armstrong? Oh desculpe, talvez seja por isso que ele te traia. Não aguentava essa sua chatice! E nem eu aguento mais! Eu sou o melhor namorado que você poderia ter! Eu sou fiel, quase não bebo, mas é só beber um diazinho e você fica ai com essa chatice e esse falatório parecendo a minha mãe. - ele disse
    Eu respirei fundo e tentei manter a calma.
    - Anda logo Gerard.- eu disse
    - Não! Eu vou ficar aqui mesmo, ou melhor eu vou sair. É isso, eu vou sair, não aguento mais essa casa, preciso viver um pouco.- ele disse tentando se levantar mas não conseguia
    - Gerard...
    - Que se foda o que você tem pra me dizer! Eu to cansado dessa merda de relacionamento, você nem me ama mais, dá mais valor pra aquele viciado todo fodido! O que você era pro Billie? Um apoio pra quando ele estivesse bêbado, alguém pra cuidar das crianças enquanto ele enchia a cara! Admita, era só isso não é? Você deve estar tão fodida quanto eu por dentro.- ele disse
    - Já chega!
    - Ah agora você vai ficar bravinha, aceite a verdade meu amor, e saiba que...
    - Saiba que eu cansei Gerard! Faça a merda que você quiser, mas eu não vou ficar aqui, esperando que você pare de agir como uma criança. Eu perdi a minha paciência, não sou babá de bêbado nenhum! - agora quem gritava era eu. Eu havia perdido o resto da minha sanidade. Porra, será que vai ser sempre assim?
    - Já vai tarde!- ele gritou quando eu já estava na porta. O ignorei, sai da casa e bati a porta. 
    Rapidamente senti o frio da madrugada de Londres me envolver, abracei meu próprio corpo, enquanto tremia sem parar. Senti algumas malditas lágrimas escorrerem, as palavras de Gerard rodavam na minha cabeça, e eu odiava admitir que ele infelizmente estava certo. Andei cinco quarteirões até a casa de Frank, que certamente seria a única pessoa que me abrigaria às 3 da manhã. 
    Bati na porta enquanto minhas mãos tremiam, meus lábios estavam roxos pelo frio, como pude ver pelo reflexo da janela de um carro. Frank não atendeu, bati mais algumas vezes, mas ele ainda não atendeu, juntei o pouco de força que tinha pra gritar.
    - Abre a porta Frank, é a Luh, p-por favor, eu estou congelando aqui fora.- eu disse enquanto sentia minha voz ficar ainda mais fraca
    Finalmente ouvi os passos dentro da casa. Quando a porta se abriu Frank arregalou os olhos, certamente eu estava tão deplorável quanto Gerard.
    - Luh, o que aconteceu? - ele perguntou já me trazendo pra dentro da casa e fechando a porta. Tentei falar, mas acabei chorando ao lembrar das palavras de Gerard. Frank me puxou pra perto de si e me abraçou.
    - Calma já passou, está tudo bem.- ele disse enquanto passava as mãos pelo meu cabelo tentando me confortar 
    Depois de um tempo eu contei pra ele. Frank como sempre tinha a maior calma do mundo pra me ouvir, ele disse que foi bom eu ter saido, pois Gerard é um tanto agressivo e se eu estivesse lá, ele poderia perder totalmente o controle. Ele se preocupou com o fato do Gerard sair e fazer mais besteira, mas eu disse a ele que Gerard não conseguia nem levantar, seria impossível sair de casa. 


    - Luana acorda! - ouvi a voz de Billie dizer 
    - O que foi?- eu perguntei esfregando as mãos nos olhos, vendo que tudo havia sido um sonho ruim.
    - Eu não sei, eu estava dormindo, ai você começou a gritar e a chorar, eu me desesperei, tentei te acordar, mas você só chorava ainda mais, e não acordava de jeito nenhum.- ele disse, pude ver seu desespero. 
    - E-eu...- não consegui terminar a frase, meus olhos marejaram rapidamente. Billie me abraçou tão forte quanto Frank. Cantou "She" pra que eu me acalmasse, e depois de alguns minutos funcionou.
     - O que aconteceu meu amor? Com o que você sonhou? - Billie perguntou olhando nos meus olhos
     - Gerard... eu sonhei com uma memória... eu e ele ainda namoravamos, bem, ele exagerou na bebida e me disse coisas horríveis, eu já não estava bem naquele dia, fazia pouco tempo que eu havia assinado minha certidão de divórcio, e as coisas que o Gerard disse naquele dia só me deixaram pior.- eu disse relembrando aquele maldito dia.
    - Mas porque você gritou o nome do Frank?- Billie perguntou 
    - Depois da briga eu fui pra casa do Frank, já que o Gerard estava insuportável. Eu não tinha com ele a mesma paciência que eu tive com você. - eu disse
    - Se você ficou desse jeito por uma vez que ele bebeu, imagina comigo que era sempre.- Billie disse de cabeça baixa 
     - Meu amor já falamos sobre isso, foram tempos ruins, mas as coisas vão melhorar. Nós dois machucamos um ao outro de diversas maneiras.- eu disse. Ele levantou a cabeça e deu um sorriso fraco, me deu um beijo e pediu pra que eu tentasse dormir, e com certeza isso não foi fácil. 

Dia seguinte...
   Eu estava no estúdio, era mais um dia de ensaio, embora Frank estivesse falando comigo, meus pensamentos vagavam longe, aquele sonho não saia da minha cabeça, meus olhos estavam fixos em Gerard que estava do outro lado do cômodo, a garrafa na mão dele me fazia lembrar ainda mais do sonho.
     - Luh você ta me ouvindo? - Frank perguntou 
     - Oh desculpe Frankie, eu estava distante. - eu disse
     - Já é a terceira vez, o que aconteceu? Você parece distante demais. E por algum motivo não para de olhar o Gerard.- ele disse
     - Eu tive um sonho ruim que não me deixou dormir, só isso.- eu disse
     - Não, não foi só isso... com o que você sonhou?- Frank perguntou 
     - Eu sonhei com aquele dia que o Gerard havia bebido, nós brigamos e e eu fui pra sua casa.- eu disse 
     - Não se preocupe, ele disse muita bobagem naquele dia, mas já passou, pode ficar tranquila. - ele disse me abraçando de lado.
    Gerard se aproximou de nós e começou a conversar, Frank rapidamente começou uma conversa aleatória, pra que não voltassemos ao assunto anterior. 
     Enquanto conversávamos, Miranda veio me chamar pois, tinha uma entrevista, me levantei e deixei Gerard e Frank conversando.


POV's Frank
   - O que ela tem? Parecia meio estranha, sei lá. - Gerard disse quando ela saiu
    - Ela estava mal, porque lembrou da briga que vocês tiveram naquela vez que você bebeu.- eu disse
    - Ah nem lembrava mais disso.- ele disse
    - Claro que não né. Não foi você que teve a sua melhor amiga batendo na sua porta as 3 da manhã, chorando por causa das besteiras do namorado. - eu disse
    - Aff Frank, para de ser chato, isso já faz tempo, foi só uma vez, e eu bebi porque precisava relaxar um pouco.
    - Achei que todos aqueles remédios que você toma servissem pra isso.
    - Sim, são pra isso, mas naquele dia meus remédios tinham acabado e meu medico estava de folga, não tinha outro jeito. - ele disse
    - Gerard seu psicólogo deveria te deixar melhor não é?
    - E é isso o que ele faz Frank
    - Faz isso como? Te enchendo de remédios? Gerard, você está viciado nessa porcaria, pode acabar mal por causa deles!
    - Para com isso Frank, já basta o Michael implicando com meus remédios, vocês dois sabem que se não fossem por eles eu nem conseguiria ficar em cima de um palco. Eles me ajudam, me animam e me deixam mais disposto, não tem como eu ficar mal por isso.- Gerard disse
    - Como não? Você toma remedio demais o tempo todo, não pense que eu não vejo você tomando aqueles comprimidos sempre. Gerard, você pode ter uma overdose, ou desenvolver algum distúrbio psicológico por causa disso.
    - Eu vou ficar bem Frank, não se preocupe.
 


Notas Finais


Vamos falar do Gerard...

Sim gente, Gee tem problemas com remédios. Na história, ele começou a ir no psicólogo, pq fama é complicado e bagunça o psicológico de qualquer um. Não só o Gerard, mas muitas pessoas sofrem com problemas de ansiedade, insônia, estresse, bipolaridade, e outras coisas, quando essa pessoa se consulta com psicólogos ou psiquiatras, eles receitam remédios pra controlar a pessoa e deixa-la melhor. Mas algumas pessoas como o Gerard, tomam doses de remédios maiores que as receitadas e acabam criando uma dependência. Essa dependência, pode sim, desencadear distúrbios psicológicos sérios como a esquizofrenia. As pessoas acham que quanto maior a dose, melhor o efeito, mas isso é totalmente contraditório. Remédios se tornam vícios capazes de destruir uma pessoa, assim como qualquer outro tipo de droga.

Vocês nem imaginam o tempo que eu passei estudando e pesquisando sobre isso pra garantir que eu não iria escrever besteira.

Esse capítulo foi mais sério, pq ele será importante no drama dessa história.

Comentem o que acharam

Até o próximo capítulo
Bjo.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...