História Raise The Dead - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Fallen, Supernatural
Personagens Bobby Singer, Cameron Briel, Castiel, Crowley, Daniel Grigori, Dean Winchester, Lilith, Lúcifer, Lucinda "Luce" Price, Michael, Rowena MacLeod, Ruby, Sam Winchester
Tags Supernatural
Visualizações 30
Palavras 2.122
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Misticismo, Romance e Novela, Sobrenatural, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Hey Jerks, muitas pessoas me perguntaram o motivo pelo qual Sam não se lembrava do Dean, mas calma que já vou explicar... era para ter sido postada no capítulo anterior, mas eu me passei e postei o arquivo que não estava salvo, resultado, foi esse capítulo faltando o fragmento da história.

Capítulo 11 - I'd Rather Go Blind


Turn my world to black

- Ora ora... Sam Winchester – aquela figura magra vestida em um luxuoso terno preto estava sentada diante uma mesa, servido de um banquete – sente-se meu jovem, coma um pouco.

- Me desculpa, mas... eu estou morto? Quem é você?

- Ora Samuel, você de fato está morto – ele corta uma fatia de torta de pêssego e coloca no prato e faz sinal para Sam sentar e comer – você deve me conhecer, o último dos Cavaleiros do Apocalipse.

- Morte? – Sam estava embaraçado, esperava uma figura totalmente diferente.

- Sim, devo dizer que é uma honra tê-lo em minha mesa, mas por algum motivo sua alma parece relutante, como veio parar aqui?

- Quero que me faça um favor – Sam despreza o prato com a torta.

- Então, o que a casca de Lúcifer deseja?

- Dean vai tentar me trazer de volta, eu não posso deixar Lúcifer tomar meu corpo, eu escolhi morrer e assim vai ser, me prometa que não vai deixar – Sam o encara como quem pede socorro.

- Sam, as coisas por aqui são mais complicadas, ainda mais quando se tem anjos envolvidos nos assuntos, sua alma é valiosa meu rapaz... – Morte era extremamente ardiloso em seus planos – eu não posso simplesmente interferir, não diante estes termos, deve partir de você.

- Então apague qualquer lembrança que houver do Dean ou do que soar familiar para mim.

- Agora melhorou, mas Sam, isso pode não ser definitivo... – ele bebe um pouco de refrigerante para ajudar descer o pedaço enorme de pizza que havia comido.

- Faça o necessário para valer a pena, mesmo se o Dean conseguir me trazer de volta.

- Como quiser, Sam Winchester.

 

I’d rather go blind

 

Bobby estava perdido, seu corpo estava esgotado ainda, ele analisava cuidadosamente o corpo do Dean deitado ao lado do irmão, Sam ainda estava ferido e ensanguentado, Rowena não conseguiu finalizar completamente o feitiço, porém naquele estado o grande e forte rapaz já estaria fora de perigo, eles só podiam esperar até o Dean voltar da sua missão.

Crowley chama Bobby para fora do quarto, deixando Rowena cuidando do ferimento do Sam.

- Crowley, acha que o Dean pode conseguir trazer o Sam de volta? – Bobby estava desesperado.

- Olha, Sam queria isso... depois de tudo que mostrei a ele, tenho certeza de que ele estava certo do que queria, duvido que o Alce vai voltar atrás, tenho medo do que o Dean possa fazer – Crowley já podia premeditar o que havia acontecido.

- Do que diabos está falando?

- Dean faria QUALQUER coisa para salvar seu irmãozinho, nem que o mundo pague por tudo isso.

- Vocês dois – Rowena corre em direção a eles estupefata – Sam e Dean, sumiram, vocês precisam ver isso, agora.

O chão em que eles estavam estava marcado com umas inscrições em enoquiano, parecia ter sido queimada no chão, era uma mensagem que Bobby não sabia decodificar.

- Aquele que a pertence tomou de volta seu lugar – Crowley congela ao decodificar a mensagem.

- Crowley, não me diga que... – Bobby estava incrédulo.

- Rapazes, precisamos nos preparar... vem uma grande guerra à caminho – Rowena fala petrificada.

- Não pode ser... Dean passou do limite, Bobby, precisamos acha-los agora, ainda posso reverter a situação.

Um barulho toma conta do cômodo e faz os móveis tremerem por um instante.

- Crowley, acha mesmo que pode fazer isso?

- Castiel, você demorou, por onde esteve? – Bobby lança um olhar de julgamento sobre ele.

- Ora se não é a Espada de Miguel – Rowena passa delicadamente os dedos sob a brilhante lâmina e examina o espaço vazio desenhado em sua base.

-Então veio devolver o que é meu? – Crowley ainda não tinha esquecido dos seus objetos roubados.

- Vocês três, chega, não temos tempo para isso, temos que ser rápidos, ainda podemos salvar o mundo da destruição.

- Seu namorado já se adiantou no processo, só um arcanjo podia tirar o Sam do véu daquele jeito.

- Miguel ainda pode ser expulso do corpo do Dean – Castiel fala friamente, ele tenta ignorar Crowley.

- Estou curiosa para saber como, adoraria mais um feitiço em minha coleção.

- Você não consegue pensar em alguém além de si? – Bobby reprova a bruxa ruiva – Cas, do que precisa, não confio em vocês anjos, com todo respeito, ainda mais seu irmão querendo o meu garoto como armadura para uma guerra que não é nossa.

- Bobby, preciso que fique aqui, por mais que odeie a companhia, preciso do Crowley e da Rowena comigo.

- De jeito nenhum vou deixar a vida do Dean não mãos de vocês três – Bobby fala rispidamente, ele estava engasgado, seu corpo ainda doía por conta do ataque de Lilith.

- Bobby, você vai ser uma peça importante nesta missão como qualquer um de nós – Castiel toca na sua testa e seu corpo volta ao normal – precisamos que você manipule o feitiço principal de longe, precisamos que você invoque a Morte.

----

O céu estava calmo, o azul claro predominava a paisagem exuberante, algumas nuvens estavam dispostas afastadas umas das outras, a brisa fresca pairava sob as árvores que balançavam suavemente numa espécie de valsa.

As cinzas da pira se misturaram com as da casca de Luce, Daniel estava com os seus olhos violeta perdidos diante aquele cenário, ele estava com um buquê de Peônias Brancas, eram as favoritas de Luce, ele caminha até o local onde Luce havia de fato morrido, suas asas estampadas no chão fizeram seu coração remoer aquelas lembranças, ele deposita o buquê entre elas, uma brisa passa pelo seu rosto abatido e com ela um leve toque em seu ombro o fez voltar a realidade.

- Daniel, preciso de você ao meu lado quando o grande momento chegar, precisamos estar preparados, é a nossa chance de ter o que tanto buscamos. – Cam ainda estava com sua mão no ombro de Daniel, ele não precisava o encarar para saber que seus olhos violetas estavam cintilantes por conta das lágrimas contidas.

- Cam, quando este momento chegar eu estarei pronto, qualquer alma que ousar me impedir sofrerá igualmente, Lúcifer não escapa desta vez... então sugiro que não fique no meu caminho – ele afasta bruscamente a mão de Cam do seu ombro.

- Daniel, eu quero que saiba... – ele respira fundo – eu te amo, irmão, mas eu não vou deixar que nada lhe aconteça, nem que eu precise morrer para isso.

- Não ouse citar o amor... você não é nada para mim – Daniel abre as asas e vai para longe de Cam, ele era relutante ao se entregar ao seu verdadeiro eu, aquela marca ardia e isso alimentava todo aquele ódio e desejo por sangue.

A brisa se agitara novemente, desta vez era Ariane e Molly.

- Cam, precisamos nos preparar, segundo um dos anunciadores, Dean Winchester disse sim ao Miguel, logo Lúcifer estará solto.

- Não pode ser... Sam não vai dizer sim para Lúficer – Cam sabia que Sam nunca faria isso, o tempo que passaram juntos foi o suficiente para saber muito sobre o Sam.

- Não é só isso, Sam morreu, Dean precisou interferir, só um arcanjo teria potencial suficiente, se me lembro bem, Miguel pode ser tão perigoso quando Lúcifer quando se trata de conseguir o que quer.

- Moly tem razão, Cam, nosso pai confiou a ele todo o futuro do mundo, ele fará o que for preciso para conseguir. – Ariane queria estar errada, mas a verdade precisava ser dita.

- Droga... temos que ajuda-los, mas Castiel está lá fora e não podemos desperdiçar a Mão de Deus que ele nos deu, precisamos dela caso o pior aconteça.

- Temos que preparar os outros, precisamos nos preparar, tem uma guerra chegando e não podemos perder, não de novo – passa um filme na cabeça de Moly, o dia da Queda foi horrível, ela podia ouvir o grito dos seus irmãos e irmãs, o barulho de suas asas se quebrando e seus corpos caindo naquela imensidão até não sobrar nada além de uma jaula de nome “Sword & Cross”.

- Avisem aos outros, preparem as armas, iremos fazer isso pela Luce e pela Gabbe – Cam comandava muito bem, não é atoa que um dia fora o braço direito de Lúcifer, uma época que ele prefere esquecer.

Moly arqueia suas costas e exibe suas asas, elas eram estranhamente bonitas, porém pareciam desgastadas, ela havia sofrido muito, se odiava por um dia ter ficado ao lado de Lúcifer e estava querendo fazer a diferença, seu jeito revoltado era só uma maneira de se privar do amor dos outros, pra ela, nada daquilo à pertencia. Nada daquilo faria diferença naquele momento, de fato uma guerra os aguardava e ela precisava avisar aos outros, ela toma os céus deixando Ariane e Cameron para trás.

- Ela esta diferente, de alguma maneria.

- Não brinca, Cameron, todos nós mudamos, este lugar é tóxico, todos os dias eu tenho que me recordar quem eu sou de verdade...

- Hey, não se cobre tanto – ele passa a mão no rosto dela e coloca uma mecha do seu cabelo castanho atrás da orelha – não pense que esta aqui pelo fato de ter amado outra anjo, nada disso importa, todos fizemos escolhas erradas, mas essa escolha que fez... não tem nada de errado nisso.

- Obrigado, irmão... – ela tenta esconder a lágrima que escorreu do seu rosto, ela se enterra no peito de Cam num abraço acolhedor.

-----

Aquela boate ainda continuava a mesma, muita algazarra, música alta e barulho dos copos sendo servidos, haviam duas stripper fazendo uma dança sensual no pole dance que ficava próximo ao bar, elas estavam mascaradas, seus corpos estavam bem delineados em lingeries pretas de renda, elas rebolavam e jogavam seus cabelos pretos em movimentos atraentes. Todos os olhares estavam voltados para elas, todos excitados com tamanha luxúria e lascividade até que as luzes tomam um tom mais escuro, um holofote vermelho é apontado para as cortinas que estavam fechadas, o som de Haunted (Beyoncé) começa a tocar e por trás dela surge uma mulher loira trajando uma lingerie vermelha, ela estava radiante, aquela plumas deixavam-na exuberante e sexy, sua máscara deixava evidente seus olhos verdes, era extremamente provocante em seus movimentos felinos ela rebolava e só deixavam todos ainda mais intensos.

Aqueles homens tinham pensamentos impuros variados, ela podia sentir todos eles, ela gostava de provocar, ela queria cada um deles, seu coração se acelerava ao sentir o sabor do sangue daquelas pobres almas, era prazeroso rasgar suas gargantas e sujar sua alma até não sobrar mais nada, diabolicamente delicioso, ela havia sido criada para isso, era tudo que sua Estrela mais gostava nela.

Todo aquele deleite foi interrompido por um barulho ensurdecedor, os vidros cheios de Bourbon que serviam a todos naquele ambiente se estilhaçavam, o pânico tomou conta e a gritaria se fez presente.

- Lilith querida, vejo que arranjou espaço pra se divertir, mas se mal lhe pergunto, qual motivo de tanta animação? – Miguel estava sentado já com um copo de Bourbon na mão.

- Miguel? – Os olhos verdes da casca de Lilith deram espaço para aquele branco vazio e impuro, ela estava espantada por ver que Dean havia dito sim.

- Em carne, agora sim, no corpo certo...

- Mas pra que? Eu matei o Sam, ele não diria sim ao menos que... – ela congela.

- Alerta spoiler – ele estala os dedos e traz o Sam para aquela boate, ele estava completamente ensanguentado ainda por conta dos socos que Dean havia lhe dado – fala desse Winchester aqui?

- Não pode ser... – ela tenta se desprender daquela casca e evaporar para bem longe, mas ela não conseguia.

- Só mais um spoiler querida, no caminho paramos para comer e beber um pouco, Sam fica impossível quando esta com fome, mas ainda mais impossível quando está cheio de sangue de demônio, ele mal consegue raciocinar direito.

Sam estava de pé, ele conseguia prender Lilith em seu corpo só em pensar nisso, ele estava descontrolado, seu cabelo longo escondia seu rosto, mas seu sorriso horripilante era destaque, ele apreciava aquele momento, era tudo que ele queria, tudo o que aquele sangue de demônio queria que ele fizesse, era como um frenesi, uma droga que fala mais alto.

Um barulho chama atenção por trás de Sam, ele podia imaginar quem seria.

- Samantha, não!

- Sam não... – Castiel se lança contra Sam.

- Me larga Castiel – Sam coloca força no soco direto no rosto de Castiel.

- Sam, você esta cego pelo sangue de demônio, este não é você, acorda Sam! – Castiel limpa o sangue que escorria da sua boca.

- Eu prefiro seguir cego, Castiel, do que ser enganado de novo pelo Dean e por todos, chega de mentiras.


Notas Finais


The end is coming...


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...