História Rapitada. - Capítulo 23


Escrita por: ~

Postado
Categorias Austin Mahone, Bea Miller (Beatrice Miller), Fifth Harmony, One Direction, Shawn Mendes, The Vamps
Personagens Ally Brooke, Austin Mahone, Bea Miller, Bradley Simpson, Camila Cabello, Dinah Jane Hansen, Harry Styles, Lauren Jauregui, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Normani Hamilton, Personagens Originais, Shawn Mendes, Zayn Malik
Tags Ally Brooke, Austin Mahone, Bea Miller, Bradley Simpson, Camila Cabello, Dinah Jane, Harry Styles, Lauren Jauregui, Liam Payne, Louis Tomlinson, Niall Horan, Normani Hamilton, Shawn Mendes, Zayn Malik
Visualizações 44
Palavras 3.001
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Policial, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Intersexualidade (G!P), Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Pansexualidade, Sexo, Suicídio, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 23 - Twenty-three-girls


Após o banho e me vestir. Resolvi fazer uma pesquisa sobre gravides e uma ideia surgiu. Peguei o not, meus óculos e meu celular, sentei na cama e esperei o not ligar. Pus meus óculos e olhei algumas mensagens e notificações das minhas contas. Nada de interessante. Então comecei a fazer a pesquisa e me encantei com a descoberta. Peguei o celular e fui anotando algumas coisas. Logo pus a ideia em pratica, meu bebê teria uma música.

Escrevi alguns versos, e até que não estava ruim. Mas sei como ficaria melhor. Deixei o celular de lado e peguei o not, fui até a sala de instrumentos e deixei o not no sofá e fui pegar o violão. Sentei no sofá e dedilhei. A melodia seria suave.

Só lembrei que tinha barriga quando roncou. Olhei a hora e me assustei já passava das 14:00. Suspirei e deixei o violão de lado.

Desci e fui preparar algo. Fiz um sanduíche e tomei um pouco de suco. Bocejei e deitei no sofá, adormeci.

[...]

Acordei com o telefone tocando e o atendi.

--- Hum...

--- Lauren...agora que lembrei.

--- O que?

--- Camz chega hoje, digo daqui uns trinta minutos.

---- Vaca...e agora? Não fiz nada. Culpa sua Brooke.

--- Ingrata...eu poderia não ter ligado.

--- Chata! - revirei os olhos. --- Obrigada! Até.

Desliguei e precisa ser rápida. Havíamos combinado dela descobrir algo sobre a chegada da Camz para que eu pudesse fazer algo especial, uma surpresa e tudo havia dado errado. Pense Lauren...pense.

Me levantei e fui até a geladeira e sorri ao ver frutas vermelhas e chantilly.

--- É.…dá pro gasto. - peguei o que necessitava e ajeitei em uma bandeja.

Subi e ajeitei o quarto e o decorei com algumas velas. Corri até o closet e peguei uma toalha e fui para o banheiro.

--- Falta uma roupa...pense...já sei - sorri. --- Vou realizar seu fetiche.

Faltava muito pouco para ela chegar. Peguei meu celular e coloquei na música: Body Say e a coloquei para repetir.

Essa música me deixava muito excitada.

Fui ao closet e peguei a gravata, os saltos e o chapéu. Passei um pouco de perfume e o coloquei no lugar. Vi a câmera da Camz e a peguei, voltei ao quarto e sentei na cama e deixei a câmera afastada, já ia " vestir-me" mas ouvi o Gato latir.

--- Bosta! Custava ter se atrasado uns dez minutos, Camz?! - revirei os olhos e retirei roupão que me cobria e joguei tudo debaixo da cama.

Deitei de bruços e peguei a câmera, e tentei ser o mais sexy possível.

Ela entrou e eu falei: --- Xxxx, olha o passarinho. - ela abriu a boca para dizer algo, mas não falou nada, deixando o buquê de rosas vermelhas cair no chão. --- Uau...seu pássaro quer fugir da gaiola, digo, calça. - gargalhei e logo mordi os lábios ao ouvi-la gemer rouco.

Ela falou um palavrão e veio até a mim, me beijou intensamente.

POV KCCE

Meu toque era macio e ao mesmo tempo indelicado, era desesperado e ao mesmo tempo calmo. Minha mão se moveu até a sua nuca, agarrando as raízes do seu cabelo com o meu punho. A outra mão facilmente encontrou seu pulso, colocando meu braço ao redor da sua cabeça. O mundo ao redor já não existia mais. Enquanto as carícias aconteciam, sem perceber, ela gemia.

" Cami...la...Eu...que...ro.…te sentir. - ela sussurrou ofegante.

Apenas observei as palavras saírem da boca carnuda e sexy que ela tinha. Ela estava inteiramente domada por minhas mãos tão quentes e "delicadas" a cada toque, aquele sorriso pra lá de branco e aquela voz suavemente rouca, me deixavam cada vez mais duro.

Ouvir ela me chamar de Amor. Era isso que ela gemia quando subi a mão até seu seio direito e o apertei.

Meus olhos estavam pesados, minha boca estava seca e uma sensação de estar nas "nuvens" predominava em mim. Foi como se meu corpo não me obedecesse mais, não resistisse àquele encontro de desejos.

O calor irradiado pelo seu toque, moveu-se como uma onda. A beijei sem nenhuma delicadeza.

POV LMJM

A boca dela estava na minha, sua língua percorria dentro da minha e me deixava zonza. Seus braços puxaram o meu corpo contra o seu com delicadeza e ao mesmo tempo com uma violência sutil, me fazendo sentar em seu colo e gememos com o contato de nossas intimidades - ainda ela estava coberta pelas roupas.

O que achei uma puta sacanagem.

--- Tem muita roupa querida! - ela riu. --- Estou em desvantagem. - sorri travessa.

Minhas mãos ágeis a despiram, lá se foram seu blazer, e rasguei sua blusa social - onde os botões voaram longe. Rimos e você negou com um sorriso malicioso. Segurou meus braços e os colocou para trás, segurando meus pulsos com uma mão e a outra segurou meu cabelo e o puxou para trás levemente. Gemi roucamente quando sua boca desceu pelo meu colo até chegar nos meus seios doloridos por estarem rígidos, os sugou de uma maneira que eu achei deliciosa, deixei que meu corpo se desmanchasse naquele corpo sexy. Não conseguia pensar em nada, apenas sentir, sentia tudo e mais um pouco. Ela soltou meus braços e me deitou na cama e sua boca foi percorrendo todo meu corpo. Acariciou cada curva do meu corpo, inclusive o clitóris e massageou com um dedo toda a extensão da minha intimidade, que já se encontrava molhada.

--- Cami...ser! -falei ofegante, sem ter muita noção do que saia da minha boca e ela gargalhou.

--- Camila, Cariño! - ela falou, rouca.

--- Idio...ta! - ofeguei quando ela me penetrou com um dedo e gemi.

--- Tão molhada! - ela falou rouca e arqueei o corpo quando ela começou a movimentar o dedo.

Grunhi alto quando ela colocou outro dedo e começou a movê-los levemente. --- Me faça sua de vez, mas não me torture assim. - minha voz saiu manhosa e eu implorei.

--- A pressa é inimiga da perfeição, Nena! - ela falou rouca.

---- PERFEIÇÃO É VOCÊ ME FUDENDO, CAMZ.

Ela ignorou o que falei e "movimentou entrando e saindo". Agarrei o lençol com as mãos e gemia.

--- PORRA! - rosnei. --- VOU GOZAR. - ela gemeu alto.

--- Você me deixa louca, Lauren. - arfei.

Decidiu se aprofundar mais e começou a lamber meu clitóris dolorido, eu enlouquecida e gemia feito louca. Minhas mãos subiam pelos seus ombros, e ela me olhava, se divertindo com a situação.

Sentia prazer, e isso só aumentava o tesão. Eu a queria pra ontem, a afastei com minhas pernas fazendo com que ela se deitasse, me deixando totalmente no controle.

--- Eu não aguento esperar! - falei engatinhando até o meio de suas coxas e fui desabotoando sua calça e a retirando junto com a sua cueca box. A joguei pelo quarto e engatinhei até seu membro, deixando meus seios à mostra, mordi meu lábio inferior ao vê-la fazer o mesmo, guiei minha boca até seu membro, o selei e em seguida coloquei apenas a cabecinha dentro da boca, que pulsava de anseio.

---- Inferno! - ela grunhiu alto e o chupei com mais vontade. --- Lau...ren.

Amava ouvi-la gemer daquele jeito e mais ainda por chamar meu nome.

Mordi meu lábio inferior ao vê-la fazer o mesmo que até esqueci de respirar.

Meu fôlego estava sendo retomado para lhe dar outro beijo ardente, até que fui interrompida.

--- Vou fodê-la agora, Lauren. - ela falou rouco.

Ela gemeu rouca e me tomou em um beijo selvagem. Ela já havia tomado o controle. Eu estava jogada naquela enorme cama enquanto ela segurava os meus punhos para cima, deixando seu corpo inteiramente colado ao meu, beijava cada centímetro do meu corpo enquanto eu me contorcia. Pude senti-lo acariciar meus seios enquanto sua boca me enlouquecia com sussurros ao pé do ouvido. Meu corpo pedia por ela, eu a queria não só perto, mas também dentro de mim, me fazendo ir à loucura. Queria senti-la bombear. Ela me beijou com todo o desejo guardado, com toda e maior vontade do mundo, com todo o calor possível. Nossas respirações estavam falhas e o calor dela se dirigiu todo para abaixo de minha cintura. Seus braços seguravam minhas coxas, apertando-as. Ela adentrou aquela língua tão quente em minha intimidade já encharcada de tesão, ela apertou minhas coxas, e certamente ficariam roxas. Então, um calor instalou-se na área tocada. E em movimentos circulares, usava a ponta de sua língua para estimular meu clitóris, sua saliva se misturava com meus fluídos que ela sugava com tanto gosto. Então ela enfiou sua língua em meu sexo, abocanhando-o todo, estava se deliciando, me fazendo apertá-lo contra mim. Eu puxava seu cabelo, controlando a pressão que me satisfazia enquanto ele todo faminto me chupava com vontade. Ela tinha, na ponta do seu dedo indicador, a minha intimidade. Não demorou muito para que meus gemidos se tornassem frequentes e que eu a molhasse todo num gozo intenso. Os lençóis haviam sido arranhados, assim como suas costas.

Nossos olhos faiscavam de tesão. Sua boca estava na minha, minha boca na sua, mãos bobas percorriam cada curva de meu corpo e as minhas percorriam as dela; a curva mais bonita, sem dúvidas, era a de seu sorriso. Fizemos uma troca de prazer. Na verdade, aquele momento estava sendo uma troca de sentimentos, sensações. Fechamos lentamente os nossos olhos, o sangue fervia, fervia também a carne, a pele e nosso desejo.

Estava tão bom perder meu autocontrole, que eu, louca de prazer, gritava. Gritava sem parar, gemidos altíssimos.

--- Uau! Quero muito mais, não quero andar por um mês. -eu disse, arranhando sua barriga após os gemidos cessados.

--- Que horror, Lauren. - ela me hipnotiza com o olhar enquanto ria alto. --- Você é louca, cariño.

--- Camz, para de falar e me fode, porra! - cravei as unhas abaixo do seu umbigo e ela gemeu rouca.

Assim a fez e suas mãos enroscaram em meus cabelos e ela fez questão de mordiscar meu lábio antes de tornar-se o beijo mais rápido. Inclinei seu corpo para trás sem desunir nossos lábios, fazendo as costas dela tocarem o colchão. Deitei sobre seu corpo, afastei suas pernas e fiquei no meio delas. Grudei meus lábios no seu ouvido, sentindo cada poro de seu corpo arrepiar.

--- O que está sentindo, Camz? - falei com toda voz rouca por consequência dos gemidos altos, sentido seu autocontrole evaporar.

--- Tesão! - sussurrou com dificuldade.

-- Deixa eu gozar pra você! - falei e ela agarrou meu pescoço, prendendo a minha respiração próxima ao meu ouvido.

--- É o que você quer? - ela perguntou com o tom mais malicioso possível.

--- Quero o seu amor - busquei seu olhar ao dizer essa frase.

--- Isso você sempre teve, meu Rouxinol.

Meus olhos brilhavam como nunca haviam brilhado antes. E beijou minha testa e roçou nossos lábios. Estávamos próximos, centímetros separavam nossas intimidades, mas logo nossos sexos se encontraram.

Ela deitou, ficando e se acomodando entre as minhas pernas. Arfei com o contato de nossas intimidades. Acariciou o meu rosto e eu fechei os olhos. Capturou meus lábios com urgência e deixei escapar um grito rouco dos meus lábios, quando senti uma ardência em minha intimidade, ela havia me penetrado fortemente e 
eu simplesmente me contraí. Cravando as unhas nos seus ombros, e ela enterrou seu rosto no meu pescoço.

- Desculpe! - o escutei proferir em um sussurro.

Não consegui dizer nada. Nossas respirações estavam descompassadas, ela me beijou e se movimentou. Gemi alto e a escutei fazer o mesmo. Ainda estava meio desconfortável, mas aos poucos foi se tornando prazeroso.

Nos entregamos uma a outra e passamos a ser um só. Eu o amava com todas as minhas forças.

Cheguei ao meu limite e ela continuou chegando ao seu. Deitou-se, exausta, sobre mim e eu acariciei seus cabelos escuros, que estavam molhados de suor.

Minutos depois ela saiu de dentro de mim e deitou ao meu lado e respirava fundo. Me senti vazia sem ela e como se ela tivesse lido a minha mente, ela me puxou para seus braços e acariciou minhas costas nuas. Não era necessária nenhuma palavra, e nem precisava. Ficamos em silêncio só aproveitando um ao outro. Minutos se passaram e continuávamos sem dizer nada, ele suspirou enquanto eu passava a mão em seu colo.

--- Ta muito cansada? - ela negou. --- Ótimo! - sorri. --- Ainda sinto minhas pernas. - ela riu e eu a beijei novamente.

Depois do segundo round, fomos comer as frutas e fiquei decepcionada porque o chantilly havia virado " suco".

--- Tô afim de comer...- ela falou.

--- Terceiro Round? Topo! - ela riu e me beijou.

Nos separamos e ela negou.

--- Estou realmente com fome.

--- Pior que eu também -fiz bico.

--- Vou preparar algo.

--- Amo quando cozinha.

--- Só por isso?

--- Eu te amo, Camz. De todos os modos.

--- Também te amo! - me deu um selinho.

Ela levantou e pegou sua cueca e a vestiu e eu fiz bico.

--- Quero você que nem o Adão, mô. - ela riu e negou.

--- Olha o castigo, Lauren. - me enrolei com o lençol.

--- Estou brincando! - revirei os olhos. --- Agora vá e faça panquecas, ok? Com bastante mel e sorvete e calda. - fechei os olhos ao lamber os lábios.

--- Sério? - abri os olhos e ela estava fazendo uma caretinha.

--- Pra ontem, Karla! - ela revirou os olhos e já ia saindo quando pisou em algo.

--- Ops...era pra você! - ela falou pegando o buquê e vindo até a mim, me entregando.

--- Estão inteiras e isso é o que importa. - sorri. --- Coloca elas na poltrona. - me espreguicei.

--- Ok, Preguiçosa! - ela me deu um selinho e fez o que pedi, logo saiu.

Me espreguicei e levantei. Fui ao banheiro e coloquei a banheira para encher. Depois que encheu, peguei sais e coloquei dentro e desliguei a torneira. Saí do banheiro e peguei o casaco do Laur e o vesti. Desci e fui até a cozinha. Sentei no banco e logo ela me deu um selinho.

--- Quer um pedaço?

--- Não! - neguei. --- Quero a minha panqueca.

Ela revirou os olhos e voltou a fazer as panquecas. Comecei a me sentir triste e deixei escapar duas lágrimas e funguei. Senti Camz me abraçar e a abracei de volta.

--- Lembra que dia é hoje? - perguntei baixinho.

--- Sim...acalme-se, ok?

--- Sinto falta, Camz.

--- Todos sentimos, Nena!

--- Camz sumiu...

--- Logo ele aparece, Nena!

--- Me odeio por estragar nosso momento.

--- Não estragou nada, Lo. Senti sua falta!

--- Também sinto.

Ela me beijou, mas nos separamos por senti algo queimar. Ela se separou e foi apagar o fogo.

--- Caralho! - ela jogou a frigideira na pia.

Voltou frustrada e eu lhe abracei.

--- Estou pelada!

--- Lauren o que te deu hoje?

--- Desejo guardado. Estávamos de greve, lembra? - ela assentiu. --- E já falei quero ficar sem sentir as pernas. - rimos e ela me deu um selinho.

--- É bom que queira mesmo, olha como estou. - ela se acomodou entre minhas pernas e gemi, ela estava dura.

--- Me fode! - falei sexy.

Ela me segurou pelo quadril e fomos até o sofá. Ela sentou e eu fiquei por cima - do jeito que eu gostava. Ela me beijou e tirou o casaco que eu vestia, o jogando. Sem delongas, ergui um pouco o quadril e pus as mãos no cós da sua cueca e a puxei, ela soltou um gemido rouco entre o beijo. Segurei seu membro e o coloquei em minha entrada e fui descendo lentamente, ambas gememos. Comecei a descer e subir, ela me ajudou com os movimentos ao colocar as mãos em cada lado do meu quadril. Deixamos de nós beijar e gemíamos loucamente, aumentando a velocidade dos movimentos.

--- Ooooh, Nena...- ela grunhiu, roucamente. --- Mais rápido.

Acelerei e ela pendeu a cabeça para trás. Estávamos suadas e com as respirações ofegantes. Diminuí a velocidade e rebolei, ela gemeu rouca e falou um palavrão. Soltei outro ao ouvir o telefone tocar.

--- Continua, Nena! - ela quase implorou, colocando as mãos no meu quadril e me ajudando com os movimentos.

Eu queria mesmo continuar, mas e se fosse algo grave? De repente, veio a minha bisavó na cabeça.

--- Atenda, Camz! - pedi meio apavorada, ela ia falar, mas o interrompi. --- Por favor?!

Assim ela o fez e senti que tinha ficado tensa.

--- Agora não posso falar, estou ocupada. - uma pausa. --- Passo aí amanhã, acho. - outra pausa. ---- Realmente tenho que desligar.

Reconheci a voz e me encheu de luxuria e raiva. Sorri maliciosa e rebolei, Camz tentou segurar o gemido, mas foi em vão. Subi e desci e ela gemeu mais alto. Peguei o telefone de sua mão e explodi.

--- OLHA VACA, ESCUTA SÓ COMO MINHA MULHER GEME GOSTOSO E É SÓ ISSO O QUE VAI TER DELA, GEMIDOS DE PRAZER CAUSADOS POR MIM.

--- Laur...en - ela gemeu quando acelerei os movimentos.

Joguei o telefone longe, estava chegando ao meu limite e dessa vez a onda de prazer vinha com força total. Senti seu liquido quente e logo cheguei ao meu apêndice. Caí em seus braços e nossas respirações estavam super agitadas. Senti meus olhos ficarem marejados.

--- Te odeio, Camz! - falei baixinho e tentei me levantar, mas fui impedida por Camila.

--- Nena...escute!

--- Nada o que tem a falar agora vai mudar a raiva que estou sentindo, ou melhor a decepção que estou sentindo. Você prometeu, Camz...

--- Desculpe Nena...eu juro que...- o interrompi.

--- Não jure ou prometa nada...você sempre falha. - levantei e saí dali apressadamente.

Fui para o quarto e me tranquei. Deitei na cama e chorei baixinho. Adormecendo pelo cansaço minutos depois.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...