História "REAL" - Sterek - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Tags Derek Hale, Gay, Lemon, Sterek, Stiles Stilinski, Yaoi
Visualizações 747
Palavras 3.835
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Ficção, Lemon, Luta, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente, antes de continuar quero divulgar o link de uma nova fanfic que estou escrevendo. Pretendo posta-la quando estiver pronta, posso adiantar que escrevo pelo celular e que em seu word já tem mais de oito páginas.

Link no final!

Capítulo 12 - Miami não é tão quente - Part. I


Estamos voando para Miami hoje.
      O pessoal na parte da frente do avião está falando de Scorpion e da “quase luta fora do ringue” que rolou na noite anterior. Sento-me no assento de trás com ele, como parece estar se tornando o costume, e nós dois trouxemos nossos fones de ouvido. Ele está com seu iPod na mão e já procura as canções, enquanto eu procuro as minhas, sem muita certeza se a música que estou escolhendo será ouvida por mim ou por ele.
      No carro a caminho do aeroporto, ele estende o braço e sussurra:

-Conserte meu pulso pra mim.

      Ele tem o pulso mais grosso que já vi, e assim que comecei a mexer, percebo que era uma desculpa para que eu o tocasse, porque o pulso parecia perfeitamente flexível, e isso faz minha ereção pulsar quando me lembro. Será que ele quer sentir meu toque tanto quando quero sentir o dele?

-Ponha uma música pra mim – ele fala baixo agora. Incrível como apenas um olhar dele faz meu coração pular.

      Concordo com a cabeça, mas não sei muito bem o que colocar para tocar. Ele está pesquisando também, e vejo que também hesita.
      Nenhum do dois está mais sorrindo. Nenhum de nós tem sorrido desde ontem. Quando quase fizemos algo louco e ... maravilhoso.
     Ainda estou procurando por uma música quando ele me entrega seu iPod e eu conecto meus fones de ouvido para ouvir, e a música que começa é “Centuries”, do Fall Out Boy”. Ela me leva de volta para sua primeira luta enquanto presto atenção na letra.
      A canção toca no meu ouvido, parecendo alegre, otimista, divertida, me lembrando de como eu fiquei olhando ele lutar, e, mais tarde,como a multidão se concentro ao nosso redor e como sua mão tocou a minha, e como nós nos sentimos eletrificados...
      Estou me sentindo tão igualmente travesso e frustrado, e só quer ver o que ele vai fazer se eu fizer algo louco, então procuro uma música muito divertida, das antigas, que ouvi recentemente em um episódio Glee, chamada “Anyway You Want It”, do Journey, e passo a ele.
      Ele começa a ouvir com um sorriso, e quando percebe que o coro está praticamente dizendo que ele pode conseguir “aquilo” do jeito que gostaria, levanta os olhos para mim. Há uma pergunta dentro daqueles olhos, e seu olhar salta sem parar entre os meus olhos e lábios, até descer e ficar em meus lábios. Eu passo a língua neles, e noto que os olhos crescem, como se aumentasse de tamanho.

-De –Ethan chama lá da frente.

-Ele está com os fones de ouvido, não consegue ouvir – respondo. Eu conseguia ouvir porque a minha música já tinha acabado.

-Jesus, pare de provocar o cara, Stiles. Especialmente se você não for...

      Uma risada me escada, e Der, alheio ao que Ethan disse, parece profundamente absorvido comigo e com a música. Não sei o que significa seu olhar, mas ele mergulha sua cabeça mais perto.

-Mana outra – ordena, seus olhos verdes sombrios me olhando fixamente.

      Hesito por um instante, mas por dentro estou borbulhando de desejo e malicia, então mando outra, dessa vez recente e que parece apropriada, “Pillowtalk”, de Zayn.
      No momento em que a música começa a passar da metade, percebo que suas pupilas ficam amplamente dilatadas. Minha respiração falha, e percebo que, ao tocar essa música, estou basicamente implorando que o homem faça amor comigo, que ele diga que vai...
      A ansiedade no olhar faminto no rosto de Der me faz deslizar para trás no assento enorme, quando ele se inclina para frente. Seu olhar se detém no meu enquanto ele mergulha sua cabeça de cabelos escuros, seu olhar tão quente, que me galvaniza.
      Ele desliza a mão em volta da minha cintura e me traz um pouco mais perto dele, inclinando a cabeça e apertando os lábios em meu ouvido. Acho que ele beijou minha orelha. Minhas terminações nervosas cantam quando ele pega seu iPod e coloca a música para mim. Ele toca “Iris” de novo, observando como cada batida rouba minha respiração novamente, e a letra me faz querer chorar.
      Inundado pelo desejo, mantenho seu olhar enquanto a música toca, e seus olhos são ao ardentes e me consomem tanto quanto as palavras que estou ouvindo. Quando a música termina, ele retira os meus fones de ouvido e tira os dele, sua respiração escarpada e desigual ao se inclinar para mim e beijar minha orelha novamente.

-Você me quer? – pergunta, com uma voz gutural que faz os pelos de meu corpo ficarem em estado de alerta.

     Concordo com a cabeça ferozmente contra a sua cabeça, e suas mãos se apertam em torno de meus quadris. Ele abaixa a cabeça no meu pescoço e me cheira. Um tremor me invade subitamente, e sou tomado pela certeza subida de que hoje à noite, hoje à noite após a primeira luta em Miami, Derek vai fazer amor comigo.
      Pelo resto do vôo, ele mantém o braço em volta dos meus ombros e me puxa para o seu lado, e continua fazendo preliminares sexuais em minha orelha, o único lugar onde os outros realmente não podem ver o que ele está fazendo comigo. Ele puxa minha orelha com os dentes, lambe a curva dela, e se esquece totalmente de tocar músicas para mim. Enquanto estremeço desenfreadamente excitado e me contorcendo, continuo olhando para os jeans, que quase estouram com a plenitude de sua ereção. O volume forçando o brim é tão impressionante que a minha mão começa a coçar, minha língua quer saboreá-lo, lambê-lo, meu sexo desesperado de desejo.
      Chegamos ao hotel cinco estrelas, e a combinação inebriante de expectativa e excitação com a qual vim lutando vai às alturas quando percebo que Der reservou minhas hospedagem na suíte presidencial de dois quartos com ele. Quando as chaves são entregues, todo mundo parece notas a mesma coisa.

-Espero sinceramente que você saivá onde está se metendo – diz Ethan, em um sussurro preocupando, franzindo a testa de preocupação.

      Os olhos de Kate estão quase cheio d’água quando ela me puxa de lado pelo saguão.

-O, Stiles, por favor, reconsidere dividir um quarto comigo de novo.

Liam vem e olha para mim com toda a abertura, dando um tapinha no meu ombro como se eu estivesse indo para a guerra.

-Ele está tentando o máximo que já vi por você, Stiles.

     As atitudes deles não me confundem, de fato.
      Sei que eles estão preocupados que isso acabe mal. Sou funcionário de Derek e apenas temporariamente, e ele tem uma má reputação, com toneladas de evidências por trás dele. Ele, obviamente, tem mau gênio e pode se revelar alguém bem difícil de aturar. Mas mesmo sendo assim tão forte, sei instintivamente que ele nunca irá me machucar, e nunca fez nada para demonstrar o contrário. O resto não importa gora. E não me interessa de maneira nenhuma. Eu quero esse homem. Com uma força que não senti em mais de seis anos. E vou atrás disso.
      Talvez eu tenha um botão vermelho de autodestruição também?
     O que me deixa nervoso a respeito do que vai acontecer me abala ao subirmos para nossos quartos para nos aprontarmos para a luta, e de uma hora para outra preciso tanto de Lydia que tiro meu telefone da bolsa e começo imediatamente escrever para ela, porque já faz dois dias desde a última vez.

Stiles: Como está minha amigaaaaaaaaaaaaaaaa?

Lydia: Saudade! Mas te perdôo se me contar que jah comeu o bonitão sexy!

Stiles:  Ooowwwnnn

Lydia : Quê? Já comeu?

Stiles : Ly...

Lydia: Que foi? Que foiiiiiiiii?

Stiles: Acho que estou me apaixonando por ele.

 

      Ele destruiu Miami como um tsunami.
      Estamos de volta de sua primeira luta, e eu ainda estou sem fôlego de alegria. Der mal foi atingido de raspão por seus oponentes. Ele tinha uma sobrecarga de energia, seu corpo preciso e tão poderoso nem sequer teve que dar muitos socos para derrubar seus oponentes. Ele passou por cima de cada um deles como se estivesse de férias, e até o final da noite as pessoas gritavam de alegria e até mesmo o locutor estava fora do ar.

-Que esses pobres homens descansem em paz, porque esse cara sabe bater” E sabe arrebentar! Arrebentar suas cabeças, arrebentar você! O Arrebentador, senhoras e senhores!

      Mesmo Liam estava tão animado lá de seu canto do ringue que escalou as costas do treinador e ergues os punhos no ar, gritando a plenos pulmões. Enquanto isso, Ethan parecia ter deixado para trás seu eu responsável em Atlanta, porque antes de sairmos do Underground, ele declarou:

-Devemos celebrar, porra!

      Antes mesmo de Derek saber o que tinha acontecido, já havia uma multidão indo conosco para o hotel em doze carros diferentes. Portanto, agora estamos na suíte presidencial com o que parece mil estranhos, mas é claro, não é possível que haja tanta gente assim. E, na verdade, Ethan diz que a maioria dessas pessoas já festejou com Derek, por isso eles são estranhos apenas para mim.
      A multidão é tão grande, as pessoas estão até espalhadas no corredor, fazendo tanto barulho, que eu não posso deixar de pensar que é uma bênção que as outras duas enormes suítes presidências no último andar do hotel estejam vazias, ou então nós provavelmente estaríamos à procura de outro lugar para dormir esta noite.
      Estou desapontado por não ter sido capaz de vê-lo depois que ele tomou banho e se trocou. Ele está cercado por admirados e foi trazido para o hotel por um grupo de velhos amigos de Miami, que deixaram que ele guiasse a Ferrari que um deles comprou.
     Agora, enquanto passo pelas pessoas amontoadas no que supostamente deveria ser a minha suíte e de Der, me pergunto se eu deveria participar da folia e me joga e ficar bêbado, quando aplausos irrompem pela entrada, e são seguidores por gritos inconfundíveis que apenas um homem que conheço poderia provocar. Ele entra na sala carregado nos ombros de quatro rapazes. Meu coração falha. Ele tem um grande sorriso no rosto, o arrogante Der à décima potência, no alto de suas vitórias, e as mulheres junto a alguns homens gritam excitadas:
-Der! Derrrr!

-É isso ai, quem é o cara? – ele grita, e soco o punho no peito.

      Eu rio, completamente absorvido por isso, encantado e hipnotizado por ele. A aura que emana faz com que ele brilhe como um sol. Se agora ele dissesse que pode voar, acho que todos nós acreditaríamos. Todos os presentes parecem magnetizados por ele, impotentes e gravitando para onde ele está. Ele me vê, e seu sorriso amolece e seus olhos acendem um olhar estranho, com fome, e de alguma forma brilhante.

-Stiles.

     Ele pula dos braços dos rapazes e me chama, e a multidão se abre para que eu possa passar. Ele sorri para mim, e seus olhos verdes se prendem nos meus olhos enquanto ele caminha lentamente para frente e me encontra no meio do caminho. Der levanta-me em seus braços poderosos e me gira ao redor, e então me beija.
      No instante em que toma meus lábios, fogos de artifício disparam no meu corpo.
      Todo o desejo reprimido de dias e semanas soma-se a este momento em que tudo o que sou, e tudo o que eu quero, é reduzido a isso. Puxo a cabeça de Derek Hale para mais perto da minha enquanto abro a boca e deixo que ele dê tudo o que quiser, para mim.
      Seu beijo gira meu estômago em um redemoinho selvagem. Ele me segura firmemente pelos quadris e move os lábios com habilidade, esfregando sua língua na minha, Um estrondo vibra no fundo do seu abdômen quando me traz mais perto e me obriga a sentir sua ereção, ao mesmo tempo que inclina a cabeça e fode a minha boca como se não houvesse amanhã.
      Pessoas gritam alto nas proximidade e quando lhe dizem “ Vai fode-lo”, Der se afasta. Ele respira pelo nariz enquanto arrasta sua boca no meu ouvido, onde sussurra com voz quente e rouca:

-Você é meu hoje.

      Um gemido febril me escapa. Ele colhe meu rosto naquelas mãos enormes que me fazem parecer frágil e pequeno, e avidamente recaptura minha boca. Mas desta vez, mais lentamente, como se eu fosse valioso e precioso.

-Hoje você é meu.

      Olha para o meu rosto, os olhos fervendo de desejo. Acho que concordei com a cabeça, mais estou muito instável para ter certeza. Uma febre escaldante se libera por meu corpo. Minhas pernas não vão parar de tremer enquanto todas as minhas celular não gritarem de tesão, porque eu o quero agora. Eu o quero agora.

-Der, eu quero você, me coma! – grita uma mulher, mas ele a ignora, ignora tudo. Menos eu.

      Com olhos meio avermelhados, ele raspa os lados do meu rosto com as pontas de seus grandes polegares calejados, então espalha os dedos abertos sobre meus cabelos enquanto me beija de novo, nossas bocas quentes e úmidas ao mesmo tempo em que se misturam, sedentas e ansiosas. Aperto o cinza suave da camiseta dele em meus punhos, morrendo com as sensações. Não me importo com quem está assistindo, alheio às coisas pornográficas que estão falando. Eu não tinha percebido o quanto queria isso, preciso disso, até que esses arrepios começaram a ondular em mim, e me vejo em um fluxo sob sua boca insistente, o olhar dele que me faz sentir como se fosse a única pessoa existente para ele.

-Leva ele pro seu quarto, Hale! – grita alguém. Mas ele parece absorto só em mim, e eu nele.

      Segurando-me de forma protetora em seus braços fortes, ele escova meus cabelos para trás enquanto seus lábios se movem ao longo da curva nua do meu pescoço, os dedos deslizando para cima em minha nuca, e ele mais uma vez, como um mantra, fuça em meu ouvido e diz:

-Meu. Hoje à noite.

-Você também. – Seguro seu maxilar e procuro seu olhar escarlate  quando, subitamente, ele é agarrado por quatro homens que de modo rápido o balançam no ar mais uma vez.

-Der, Der! – eles cantam em uníssono, risos me preenchem e bolhas de felicidade explodem dentro do meu peito. Estou feliz por mim. Por ele. Por esta noite,

      Perto dali, Ethan e Liam estão assistindo à cena com rosto tão sombrios e preocupados que até parece que estão enterrando alguém.

-Divirtam-se, caras! – DIG, rindo, quando me aproximo. Muitos possivelmente, meu avô devia se divertir muito mais que esses dois numa festa. Mas eles apenas balançam a cabeça e continuam bem triste.

-Ele está ficando acelerado – Ethan murmura para que, principalmente, Liam o ouça

-Eu sei, cara. Merda.

-É. – Ethan começa a cabeça. – Fui eu mesmo que instiguei essa festa?

-Prepare-se pra um pouso forçado – retorna Liam, e então ele desce o corredor, jogando a cabeça de u lado e de outro.

      A confusão me atinge.

-O que há de errado? – pergunto a Ethan

-Nada. Ainda. – Ele olha seu relógio, então para Der enquanto volta ao bar. –Mas não deve sair de uma forma de que ele não goste, ou então estaremos em apuros. Grandes apuros.

     Olhando em volta, vejo que há apenas sorrisos e gargalhas enquanto um rock louco sai do iPod de Der pelos alto-falantes da suíte. De fato não sei com o que esses dois estão se preocupando. Todo mundo está se divertindo, e Derek trabalha tão duro quanto qualquer pessoa que eu já conheci. Ele merece se soltar. Sim, ele está um pouco agitado demais, mas para mim é óbvio que é resultado da luta que ele ganhou, e a isso se adicionou a mesma coisa que faz com que nós dois, Derek e eu, ficássemos nos contorcendo como cobras por semanas.
     Durante todo o dia de hoje, quando viemos colocar a nossa mala em nossa suíte, e descemos para almoçar com a equipe, e ele se preparou antes da luta, a cada instante desses momentos nossos olhos ficaram buscando um ao outro de modo selvagem, e assim que se encontrava, as faíscas saltavam entre nós em arcos tão poderosos que a necessidade de estar com ele me conta como chicotadas. Mesmo durante a luta, quando ele se virou para me olhar antes de começar, seus olhos verdes ferviam com um apetite feroz para me ter. Sei que ele sente a mesma fome que sinto agora, enquanto espero, febril, em antecipação por esta noite. Meu corpo se agita na excitação, e depois de uma luta incrível, sei que Derek está zumbindo como um louco. Ele está todo excitado. Bolado e preparado.
      Sua energia é tão poderosa hoje à noite que ele realmente suga cada célula e átomo do meu corpo, me banhado na pura consciência de sua masculinidade quente.
      Agora vejo como ele derrama algumas doses de tequila por trás do bar, e uma loira impressionante ao seu lado espreme suco de limão em seu decote e adiciona um pouco de sal, apertando em seguida um copo entre seus peitos bem espremidos, Ela puxa o pulso de Der para que ele venha buscá-lo, e o ciúme aperta todos os meus músculos internos, que apenas se soltam quando Der agarra o homem mais próximo e empurra o rosto dele em seus seios, rindo alto e viril e pegando os dois copos que Le tinha servido e começando a voltar par Amim.
      Seus olhos prendem os meus, e ficam escarlate selvagens. Tão Vermelhos e selvagens como a agitação nas minhas entranhas. Ele não parece querer festejar com ninguém além de mim, e esse reconhecimento me atinge nos joelhos. Entre minhas pernas, fico mais sensível, excitado e apertado.
      Ele carrega um saleiro e limões em uma de suas mãos.

-Venha aqui- diz ele, áspero, mas suave, enquanto coloca os dois copos num console perto da entrada. Ele coloca a fatia de limão entre os lábios, e dobra a cabeça para passá-lo para mim. Abro a boca e o suco de limão derrama-se em mim, da boca dele, então ele joga fora o limão e enfia a língua na minha boca. Ele geme, nós dois gememos, enquanto relaxamos e nos beijamos, lambendo um ao outro, até que ele geme mais uma vez e dá um passo atrás para entregar o meu copo.
     Nunca fiquei bêbado com ninguém, e subitamente fico feliz por ser com ele. Uma alegria imprudente corre pelas minhas veias. Sinto-me travesso e impulsivo, fazendo tudo o que nunca fiz. Tomando o copo entre os meus dedos, bebo o líquido e sito que ele queima em minha garganta, e quando ele me dá o limão de novo, estou absolutamente louco de excitação.
     Repetindo a mesma coisa que ele fez, prendo a fatia de limão na minha boca e ele se abaixa e chupa o suco do limão de mim. Um gemido escapa-me quando  ele joga o limão longe e o substitui por sua língua. O tesão me rasga, e meus braços vão ao redor de seu pescoço.
      O copo vazio bate no chão ao mesmo tempo que ele agarra minha bunda, me leva até o console, desliza entre minhas pernas, e enfia a língua na minha boca.
      Ele empurra seus quadris e sua dureza contra mim, o desespero em movimento atirando relâmpagos por todo o meu corpo.

-Você cheira tão bem... – Ele roça meu ouvido. Suas mãos se apertam nas minhas coxas enquanto ele se esfrega todo rígido contra mim. Sua boca sobe até minhas têmporas, depois até meu queixo, e seus lábios descem rápidos e febris sobre os meus.

-Eu quero você agora. Não posso esperar pra me livrar dessas pessoas. Como você gostaria, Stiles? Forte? Rápido?

-De qualquer maneira que você quiser – murmuro, intoxicado com a sensação de seus braços, de sua boca e do roçar, através de nossas roupas, de seu sexo contra o meu sexo. Acho que as minhas palavras o fazem se lembrar da música que toquei para ele, porque geme e abaixa a cabeça para mordiscar levemente meus lábios.

-Espere aqui, pimenta – ele diz, e abre caminho para o bar.

     Tomamos uma segunda rodada de tequila, e ele vai depois buscar uma terceira e uma quarta rodadas, e estou definitivamente tonto na quarta. Eu nunca tinha enchido a cara antes, e não acho que o meu organismo esteja equipado para lidar com isso. Minha cabeça gira quando o vejo ir buscar a quinta rodada com um sorriso tonto. Alguns dos homens mais uma vez o agarram e o atiram para o ar, gritando: “Quem é o cara? Quem é o cara?”.

-Podem apostar que sou eu, seus filhos da puta!

      Eles o colocam de pé perto do bar, e então começam a gritar, empurrando um enorme copo de cerveja para ele, gritando com cadencia, e com os punhos batendo granito: “De-re-k! De-re-k! De-re-k!”

-Calma aí, rapazes – diz Ethan ao se aproximar, tentando acalmar as coisas.

-Quem diabos é esse nerd? – diz um cara barbudo, e Der o agarra e o empurra contra a parede tão facilmente como se ele não pesasse mais que um bebê prematuro.

-Ele PE meu irmão, sapo. Mostre respeito, caralho!

-Calma, cara, eu estava apenas perguntando!

      Der o deixa-o cair no chão e volta para encher nossos copos com tequila.
      Sei que ele vai voltar com mais doses, mas as pessoas continuam a detê-lo, e meu estômago está fazendo barulho. Não consigo sentir a minha língua, e tenho certeza de que preciso vomitar.
      Cobrindo minha boca, corro para o banheiro do menor porém mais próximo quarto, e ignoro o casal transando na cama. Disparo mesmo para o banheiro, bato e a tranco a porta, e depois caio ao lado do vaso sanitário, seguro minha cabeça e mal consigo levantar a tampa quando coloco minhas tripas para fora.
     Cinco minutos mais tarde, ainda estou nele, ofegante, quando começo a ter um surto de piedade de mim mesmo. Li no banheiro.
     Deus. Meu estômago. Meu pobre fígado. Pobre de mim. Estou tão feliz comigo mesmo por ter feito trilhas na adolescência ao invés de beber essas coisas que matam você. Não consigo acreditar que a Lydia gosta de fazer isso. Gemo miseravelmente enquanto a náusea volta à minha garganta. Perduro minha cabeça no vaso sanitário mais uma vez e em convulsão tudo sai rasgando de mim.
      Quando acho que acabou, tudo é um borrão e eu ainda estou tonto. Lavo a boca e procuro minhas vitaminas nas coisas que tinha deixado neste banheiro caso preferisse não dividir o banheiro com Derek, o que parece ser um grande plano agora que eu posso passar a noite toda vomitando. Pego um complexo B de cor vermelha e um mix de vitaminas C e engulo, e penso que deveria começar a me hidratas, mas sinto preguiça de ter que ir buscar um copo de água, então em vez disso puxo a descarga uma terceira vez, fecho a tampa e deixo minha cabeça nela, para o caso de ficar enjoado novamente. Pego o telefone e mando um SMS para Ly:

Estou na merda! @Bêbado que nem gambba! Mas vou ffoder o der se sobreviver a tequila!

E então acho que apaguei.


Notas Finais


Galera, eu esqueci de pedir nos outros capitulos, mas vou pedir nesse.
Me informem de erros ortográficos, para que tenham uma melhor leitura ok? Amos vocês.

https://vimeo.com/192667058 <~~~~ LINK

Bjus de TESTOSTERONA!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...