História "REAL" - Sterek - Capítulo 13


Escrita por: ~

Postado
Categorias Teen Wolf
Tags Derek Hale, Gay, Lemon, Sterek, Stiles Stilinski, Yaoi
Exibições 173
Palavras 2.988
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Comédia, Drama (Tragédia), Esporte, Famí­lia, Ficção, Lemon, Luta, Romance e Novela, Universo Alternativo, Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Queria dizer que as coisas esquentaram. Assistam o trailer da minha fic, o link desta futura história de romance está nas notas finais.

Capítulo 13 - Miami não é tão quente - Part. II


      Quando acordo, minha cabeça pulsa e o barulho lá fora na suíte presidencial é ensurdecedor. Tenho o bom senso de lavar minha boca, passar a mão nos meus cabelos e lavar as mãos. Espio dentro do quarto e os amantes se fora, então vou para a sala em direção ao barulho. Não. Barulho não. Pandemônio.
      Pisco algumas vezes, com os olhos incrédulos, para tenta absorver a cena que está diante de mim. Não sei o que aconteceu, mas alguma coisa definitivamente aconteceu. Penas de travesseiro rasgados estão espalhadas por todo os lugares. Cacos de vidro estouram sob meus pés enquanto caminho. As pessoas estão se empurrando umas contra as outras, bêbadas e em pânico, na tentativa de salvar-se de alguma coisa. Então eu o vejo.
     Derek “Arrebentador” Hale, o homem mais sexy do mundo, está jogando longe tudo o que está em seu caminho, e berrando a plenos pulmões:

-Que porra vocês disseram a ele sobre mim? Onde caralho ele está? – enquanto Ethan, sem paletó e gravata, está desesperado para acalmá-lo. Der atira um decantador de cristal contra a parede, que estilhaça com um ruído fantástico, e as pessoas gritam de medo e riem, ao mesmo tempo em que Liam está ocupado, mandando-as para fora da suíte pelas portas abertas.

      Minha embriaguez instantaneamente desaparece, ou pelo menos cai cerca de cinquenta por cento, e com o choque estou quase totalmente sóbrio. Entra em ação e começo a empurrar todos os corpos que entram em contato comigo porta afora.

-Fora, fora, fora! – grito com uma alma penada.

     Der ouve a minha voz, se vira e me vê. Seus olhos brilham com algo selvagem quando larga atrás de si o abajur que tem na mão, que bate no chão com uma grande explosão de vidro, e começa a caminhar em minha direção; Mas Ethan o pega no caminho, puxando desesperadamente seu braço.

-Viu, cara? Ele assinou um contrato, lembra-se? Você não precisa destruir o hotel, cara. – Quando Derek olha nos meus olhos com uma expressão de dor pura, Ethan enfia algo em seu pescoço, e as pálpebras de Der vibram.

      Sua cabeça despenca para frente, e eu congelo de horror completo. Nuvens de confusão impedem qualquer pensamento racional quando tento processar o fato de que Ethan, o suave Ethan, acaba de dar uma injeção na jugular de Der.
     Liam continua empurrando as pessoas para fora do quanto enquanto Der despenca para baixo e Ethan se esforça para sustentá-lo contra a parede mais próxima. Quando conseguimos fazer a última pessoa sair, Liam passa um dos braços de Der em torno de seu pescoço, enquanto o outro fica com Ethan. Os pés de Der se arrastam debaixo de seu corpo quando os dois começa a puxá-lo para o quanto principal. Ao ouvir sua bela voz masculina, percebo que ele não si parece bêbado agora, mas super drogado, seu timbre baixo e quase inteligível.

-Não deixa ele ver.

-Não vamos deixar, Der.

      A cabeça dele pende para frente, como se ele não tivesse forças para suportá-la.

-Não deixe que ele veja.

-Sim, cara, entendi.

     Um pavor gelado se espalha por minhas entranhas enquanto ando sonâmbulo, aturdido, e o sigo ate a porta. Fico ali na entrada, dividido entre ir atrás dele e a minha confusão total sobre o que está acontecendo, mais o meu TOC, que exige que comece a limpas essa bagunça, e também as doses de tequila, que me fazem sentir como um idiota.

-O que há de errado com ele? – pergunto a Ethan quando os dois saem do quarto. Liam vai direto ao telefone.

-Ele está bem, apenas um pouco acabado. – Ethan segura o trinco e fecha a porta.

      E de repente fico preocupado e segura o braço de Ethan como uma tábua de salvação.

-Não me venha com essa merda. O que ele não quer que eu veja?

      Minha voz está tremendo, mas estou tão assustado e bêbado e sexualmente frustrado, que acho que se ele não responder vou entrar lar e ainda esmagar o que sobrou intacto em Derek.
      Ethan hesita, e depois tira o braço dos dedos com unhas meio grandes nos quais prendi.

-Ele não quer que você o veja.

      Fico atordoado e sem palavras, mas a minha necessidade de me certificar de que Der está bem é avassaladora e ainda tento entrar, mas Ethan rapidamente me puxa de lado.

-Veja, ele tem estado acelerado desde que você chegou, e esse tipo de coisa acontece depois dessa aceleração toda. Tudo o que ele precisa é de algum tipo de contato físico para fazê-lo se sentir bem, tirá-lo desse estado, e logo ele fica melhor. Sabíamos que estava chegando, era apenas uma questão de dias. Isso sempre começa quando ele não consegue se acabar no ringue. E o fato de que ficou arfando atrás de você como um cachorro no cio não ajudou, Stiles.

-E quem deu o direito a você de fica injetando essas coisas na veia dele, Ethan? – exijo, cambaleando em fúria em nome de Derek.

-Ele mesmo. E milhares de quartos de hotel destruídos, Stiles. Já estou com ele há dez anos, e Liam idem. Ele é o cara de mais lata manutenção que você vai conhecer na vida.

      Liam caminha até nos com uma expressão vazia.

-Já estão a caminho.

-São quantas? – pergunta Ethan.

-Três. Novidades. Pra ver se isso vai estimular o apetite teimoso dele.

     Quando percebo do que eles estão falando, imediatamente quero socar os dois

-Três novas o quê? Putas?

       Com um novo vislumbre de preocupação, Ethan dá um tapinha no meu ombro como para me apaziguar.

-Este é o protocolo padrão, certo? São mulheres limpas e muito caras. Ele nem se importa quem são. A gente não deveria ter deixado ele passa tanto tempo sem transar, especialmente com você por perto. Desculpe ser tão explícito, mas temos que corrigir esse problema agora, e ele não vai conseguir lutar desse jeito amanhã. Vai ser um milagre se ele sair da cama.

      Algo sombrio e doente se agitou dentro de mim, prendendo-se violentamente em meu peito.

-Eu não quero essas mulheres aqui – digo a ele, numa calma enganosa.

      Talvez eu não tenha uma palavra a dizer sobre o assunto, mas lembro-me do beijo de Der esta noite, o toque suave de suas mãos. Suas palavras. Hoje você é meu.
     A imagem vívida de seu corpo entrelaçado com o de outra mulher me faz desejar voltar ao banheiro e vomitar de novo. Estou um pouco bêbado, ou então de ressaca. Não sei. Mas meu coração dói e meu estômago se agita com o simples pensamento de alguém tocando-o. E de repente preciso cobrir minha boca e corre para o banheiro novamente, para valer.
      Passei os dez minutos seguintes lá, depois lavei a boca de novo, limpei tudo e saí de volta para a sala no momento em que as malditas prostitutas chegavam. Liam parecia ter descido ter descido ao saguão para ter ido buscá0las – afinal, nenhum hotel respeitável iria permitir que essas mulheres subissem sozinha -, e quando Ethan abre a porta para elas, que entram com seus perfumes fedidos e bijuterias brilhantes, eu engasgo, me sinto enjoado e tonto outra vez.
     Elas são lindas demais, e percebo horrorizado que talvez eu seja do time de bêbado que começa a gritar com as pessoas e depois a chorar, porque sinto vontade de fazer as duas coisas. Estou tão furioso que vou à frente e detenho as mulheres apenas com dois passos para dentro da sala, e as três param quando me vêem meu cabelo bagunçado e meu olhar zangado.

-Nós não precisamos mais dos seus serviços, senhoras. Sinto muito por seu tempo, e aqui está pra cobrir as despesas com o taxo.

      Agarrando cem dólares da carteira do Liam, que era o mais próximo e também o idiota que teve a ousadia de chamá-las, empurro as mulheres para o corredor e bato a porta na cara delas. Então me viro, uma carranca mordendo meu rosto:

-Essa é a última vez que você chama vagabundas quando ele está assim – digo, colocando um dedo ameaçador na cara dele, meu coração batendo em pura raiva e proteção. – sei que não estou em condições de tomar decisões aqui, mas nem ele está. Ele não quer essas mulheres! – e choro.

      Os homens, ambos completamente sóbrios e sempre bem arrumados em seus trajes de “guarda-costas”, de terno e gravata – exceto Ethan, que perdeu a forma hoje -, ficam apenas me olhando em total confusão, fazendo-me sentir como se eu tivesse enlouquecido.
     Bem?
      Enlouqueci?
      Não tenho certeza. Mas meu peito dói por causa do homem no quarto principal e meu peitoral sobe e desce por causa da minha respiração rápida, enquanto luto para ficar de pé. Eu sei o que esses caras estão pensando. Eu sei que eles querem saber por que diabos não deixei as mulheres entrarem. Eles pensam que eu quero foder Derek, e que eu penso que ele realmente me quer. Pode ser que eu pense isso. Quero desesperadamente pensar  sim. Não quero só transar com ele, mas tenho sentimentos complicados e profundos por esse cara.
     Mas o pensamento de outra mulher tocando-o me dá vontade de cuspir fogo. Não interessa que ele não seja meu. O que me importa é que agora Ethan injetou alguma coisa nas veias dele, seu corpo maravilhoso está em modo de espera e seu cérebro está apagado. Se eu puder deter esse pesadelo, farei isso, e acabo de já fazer algo.

-Não estou bêbado agora – atesto para os homens porque eles continuam olhando para mim.

     Ambos suspiram.

-Vou pra cama, para o caso dele começar de novo quando a coisa desaparecer – diz Liam, e vai em direção à porta.

-Não entre lá – me adverte Ethan, apontando para o dormitório principal. – Durma no outro quanto. Ele provavelmente não vai se lembrar de nada do que você disser agora, e se o que demos a ele desaparecer muito CEO, ele pode fica mais difícil do que você pode imaginar.

-Tudo bem – minto, e vou para o quarto menor para vestir o pijama, mas não posso deixar as coisas assim. Somente Der e eu estamos na suíte, e quando a porta se fecha atrás de Ethan, sei que estamos sozinho.

     Abrindo meu caminho através do campo minado de cacos de vidro, e deixando de lado a compulsão para limpar tudo, vou para o quanto principal. Minha pulsação é um tambor frenético batendo em minhas têmporas quando vejo a cena. As cortinas estão parcialmente abertas, e sinto uma onda de sentimento de posse e de proteção tomar conta do meu corpo quando vejo sua forma na cama, fracamente iluminada pelos brilhos da cidade. Digo a mim mesmo que só quero ter certeza de que ele está bem. Mas estou tão ligado e preocupado que temo que vê-lo não vai ser suficiente, e vou precisar procurar a pulsação dele, ou coisa assim.
     Entrando silenciosamente, prendo a respiração, e com todo o cuidado par anão fazer barulho, fecho a porta atrás de mim.
    Tiro os sapatos e me aproximo com passos leves, enquanto minha visão se ajusta às sombras. Ele está de bruços sobre a cama, e quando geme meu coração vai à loucura, de dor. Ouço o farfalhar no lençol e o ranger do colchão quando ele se mexe e sou tão louco por esse homem que poderia comê-lo com uma colher e fazer um mente de outras coisas que nunca quis fazer com mais ninguém.
     Minha barriga dói quando me lembro dele dizendo a Ethan e a Liam que eu não devia vê-lo assim. Será que ele se preocupa com o que penso dele? Quero mesmo contar pra ele que ele é ainda “tudo isso” para mim. Quero dizer uma porção de coisas bonitas. Como ele luta bem. Que eu o acho a coisa mais sexy que já vi. Que me faz andar nas nuvens com seu beijo. Eu sei que eu também precisava ouvir todas essas coisas quando meu mundo desabou, meu corpo quebrou e meu espírito cedeu, e Ly segurou minha mão e disse que eu ainda era o número um. Quero que Der saiba que eu também vou segurar um pôster com orgulho dizendo que sou seu fã número um. Mas não consigo falar com essa bola de emoção na minha garganta. Estou sendo roído pela preocupação de vê-lo desse jeito. E o meu fígado não está lidando muito bem com tudo, , então estou experimentando mil emoções com as quais nem sei como lidar agora. Acho que só quero acariciá-lo e abraçá-lo, mas tenho medo de que ele vá me expulsar se souber que estou aqui.
    Eu me inclino mais, nervoso, e coloco a mão em seu ombro. O calor de sua pele lisa escoa em mim conforme sigo para a sua orelha e beijo suavemente seu lóbulo, como ele fez comigo no avião.
    O cheiro de xampu e o cheiro natural que ele emana, que me deixa louco de tesão, escoa para dentro de mim e não posso evitar deslizar o dedo pelas costas, sobre a curva em volta de suas nádegas. Ele é tão bonito, meu corpo clama de vontade de conhecer o dele.
     Entendo esse protocolo de fazer “esgotar” essa energia extra. Os atletas competem melhor depois de fazerem sexo e isso foi comprovado em muitos casos. Estas semanas com ele têm sido intensas para mim também, e cada dia me sinto mais desesperado e desequilibrado pela dor da negação ao sexo.
    Levemente, e cheio de arrependimento por nossa noite perdida, toco a curva de suas costas e tremo ao contato de sua pele quente, sedosa e macia, deslizando sob meus dedos. Meu sexo pulsa com pura vontade, e uma parte egoísta de mim quer desesperadamente que ele abra os olhos, me veja e me puxe para seus braços até que os dois fiquem exausto e sem fôlego por causa do que está se acumulando.
     mas outra parte de mim teme que ele vá me mandar embora.
    Há uma alta probabilidade de que ele faça isso. Nem mesmo sei por que ainda estou aqui quando fui tão claramente avisado para ficar longe. Talvez eu seja mais fraco do que Der. Talvez eu seja louco. Só quero estar ao lado dele hoje. Ele está sedado, enorme e indefeso agora, e eu sei que ele nunca iria me machucar.
     O mais silenciosamente possível, vou para a borda da cama e me deixo ao lado dele. De repente, ele geme baixinho e rola para fica de costas, e prendo a respiração quando todo seu belo corpo musculoso é exposto para mim. Minha respiração some.
     Sua nudez ao luar me enche de água na boca, e fico excitado no meio das pernas, pernas que parecem feitas de algodão. Posso ver cada músculo de seu corpo, ver onde cada um se liga ao outro, e como sua pele se aperta perfeitamente em cada centímetro. Poderia delinear cada músculo com um lápis. Ele é tão perfeitamente viril, estou extremamente quente e excitando entre minhas pernas, e desesperado para sentir seus lábios nos meus, sua língua na minha.
    Quero que ele acorde para eu dizer que o quero dentro de minha boca, dentro de mim. Quero arrancar as minhas roupas e colar cada centímetro de minha pele na dele. Quero abaixar e tocar e beijar bem ali, onde ele é tão grande e duro como o resto do corpo. Bem ali, onde ele é muito... homem.
     Rapidamente, permito que meus olhos o acariciem, por toda a extensão das pernas, pelos quadris estreitos, o belo pau, tão grosso e comprido e aveludado... Subindo pela tatuagem celta que parecem três redemoinhos que eu ainda não tinha visto, subindo pela barriga de tanquinho, o peito rijo, o pescoço grosso e poderoso, e seu rosto tão bonito.
    Os olhos estão fechado, os cílios como duas luas escuras contra as mãos do rosto, o queixo quadrado perfeito, como todo  resto. Passo um dedo pela barba crescida ali.

-Você é tal lindo, Der.

      Ele geme e vira o rosto ao toque, e eu passo meu braço em volta de sua cintura e cubro nós dois, ouvindo sua respiração, seu enorme peito subindo e descendo enquanto aperto meu corpo contra o dele para me aquecer.
     Devo ter caído em sono profundo. No momento em que o despertador do telefone celular toca às cinco da manhã, nenhum de nós ouve, e á são dez horas quando Liam vem nos acordar, batendo palmas e rindo para tirar nossas bundas preguiçosas da cama, porque Der veria ir ao ginásio hoje.
     Liam demonstra estar mesmo encantado, porque parecia que eu tinha “dormido” com Der. Ele provavelmente estava ansioso para que o lutador “gastasse” o que quer que fosse, fosse com aquelas prostitutas ou comigo.
     E ele perde por completo a visão de nós dois quando ficamos sentados, assim que ele sai do quarto. Derek não parece nada grogue no instante em que me nota do lado oposto da cama. Acho que o meu cabelo está pior do que ontem e devo parecer amassado em cada centímetro do corpo, que é como me sinto, mas não posso deixar de notas seu belo corpo totalmente nu, a coisa mais incrível que já vi à luz do i.a
    Ficamos nos observando durante vários batimentos cardíacos.
    Batidas que sinto onde cada beijo que ele me deu a noite passa está gravado, na carne de meus lábios.
     A luz do sol jorra pelo quarto, e a cama está desfeita, e nós dois sobre ela, e nossos olhos correndo para cima e para baixo.
     Uma vontade de salvar para cima dele me percorre, e noto o alerta primitivo que se instala em seus olhos enquanto ele calmamente me avalia de cima para baixo, meu corpo tremendo de luxúria dentro de uma velha camiseta da Disney World, cortesia de uma das viagens anuais para “manter a juventude” de Lydia.
      Seus olhos parecem tão vermelhos esta manhã, juro por Deus que não há uma mancha de verde naquele olhar caloroso que me devora.


Notas Finais


~~~~> https://vimeo.com/192667058

Bjus de Testosterona!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...