História Real - Capítulo 45


Escrita por: ~

Postado
Categorias Hailey Rhode Baldwin, Justin Bieber
Personagens Hailey Baldwin, Justin Bieber
Exibições 190
Palavras 4.175
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Luta, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 45 - 19 - Como Derrubar uma Árvore -




Justin esta absolutamente apaixonado pela minha barriga de quatro meses de grávida. Ela esta realmente começando aparecer e isso o excita. Não, é mais do que excitá-lo. Estou muito animada - eu loucamente amo minha barriga de grávida! Eu me sinto incrível. Não há mais a náusea. E eu de alguma forma pareço “brilhar”, mas eu acho que tem a ver com a maneira que Justin faz amor comigo, bem como com o bebê que ele colocou em mim.


Ele mede minha barriga todas as manhãs com as mãos quando eu estou estudando-me no espelho do hotel de corpo inteiro. Não importa o que ele esteja fazendo (saindo do banho, escovando os dentes), ele vem até mim para me examinar, bem como, o seu olhar brilhando com orgulho quando ele me segura e me mede. Sua voz é rouca, esta manhã. Nós acabamos de acordar e ele está nu, atrás de mim, seu grande corpo forte perfeitamente visível no espelho atrás de mim quando ele abaixa a cabeça  para me acariciar. — Você acha que está comendo o suficiente? — Ele sussurra no meu ouvido, mesmo antes que ele me pressione de volta nele e roce seus lábios no oco na base da minha garganta.


— Eu não vou começar a comer como você! — Eu informo enquanto viro em seus braços e junto os nossos dedos na parte de trás do seu pescoço, sorrindo para ele como a louca caída de amor que ele me faz ser. Brincando, eu cutuco suas covinhas. — Nós estabelecemos que você tem problemas. Você só quer que todos saibam que eu estou grávida e conquistada.


Ele levanta-me fora de meus pés para que nossas bocas estejam alinhadas e ele planta um grande beijo em meus lábios, me apertando. — Isso mesmo!


Hoje na academia ele quer me mostrar como derrubá-lo - ou, mais especialmente, qualquer um que me ameace – no chão. Agora que eu tenho andado, depois corrido um pouco, com a aprovação completa do médico, me sinto como um milhão de dólares. Mas o que mais me faz sentir bem é o jeito que Justin olha para mim. Quente e proprietário, esta é a minha mulher, este é o meu filho. Eu li que é completamente normal estar quente e incomodada quando você está grávida, mas eu realmente não posso cheirá-lo sem me queimar com a necessidade de rasgar suas roupas e saltar-lhe nos ossos sensuais. O que eu tenho feito pelo menos duas vezes por dia, para o seu completo deleite masculino.


Ele não esteve preto nos dois meses desde que cheguei aqui, mas ele está tramando algo com Pete e Riley. O fato de que os três estão tão de segredo sobre isso me preocupa. Eu acho que tem a ver com Nora, mas quando eu lhe disse. — Justin, Nora me enviou esta nota. Ela não quer que façamos nada sobre isso e eu só posso esperar até o final para falar com ela. — Ele apenas riu e disse. — Deixe isso comigo agora, tudo bem?


Mas não está tudo bem.


Estou assustada.


Esta manhã, ele teve uma reunião estranha com Pete e Riley em nossa sala de estar. Ele olhou para mim e em silêncio me perguntou: — Posso falar com os caras só por um momento? — Desde então, eu fiquei toda preocupada com os seus planos.


E essa é a única parte sobre estar grávida que eu não gosto. Detesto ser tratada como uma imbecil, fraca, delicada florzinha.


Não, senhor. E hoje eu vou provar isso na academia quando eu, de fato, tiver sucesso em derrubar Justin Bieber – com barriga de grávida, e tudo mais.


Eu vejo-o fazer agachamentos completos, suas respirações rápidas e até mesmo, dentro e fora, dentro e fora. Eu vejo-o fazer três rodadas de pular corda e três rodadas de shadowboxing - balançar, socar, balanço, soco, guarda, esquivar... seu peito suado em perfeição masculina, a intensidade com a qual ele treina poe-me todo animada. Treinador grita com ele no banco, e Riley temporiza sua velocidade e faz anotações numa prancheta.


Até o momento Justin está encharcado e me acena à frente no ringue, eu estou animada para um banho de completa e total luxúria.


— Pronta?


Balançando a cabeça, eu subo no ringue com ele.


Eu tenho um dos meus macacões posto, um com um zíper no meio. Seus olhos me adulam acima dele e eu juro que aqueço em todos os lugares que tocam. Ele puxa o olhar para os meus olhos. — Pronta? — Sua voz é mais rude.


— Você não tem ideia de como eu estou pronta. Eu vou chutar o seu traseiro e isso vai me fazer sentir incrível.


— Chute minha canela primeiro, e depois a minha bunda. — Ele me puxa para mais perto, sua respiração quente e acolhedora no meu ouvido enquanto ele sussurra. — A chave para me derrubar é me levar para fora de equilíbrio. Se eu ou alguém mais pesado do que você está equilibrado, você nunca vai derrubá-los.


— Ok. — Eu digo quando ele me deixa de lado, porque o que desequilibrada com a proximidade dele sou eu.


— Você chuta minha canela, eu balanço o equilíbrio, então você varre sua perna para fora como você fez da última vez e chuta a parte mais fraca do meu calcanhar - assista como faz agora! Então me balance e então me derrube.


Borboletas nervosas voam dentro de mim, e eu gemo e reviro os
olhos. — Eu sinto que vou me machucar de novo. Você ainda é uma árvore, Justin.


— Com uma fodida canela. — Ele me ondula mais, seus lábios se curvam com diversão, suas covinhas sexy e divertidas. — Vamos lá. Mantenha o
equilíbrio e me derrube para fora do meu.


Eu olho em seus brincalhões, cintilantes olhos dourados, enquanto todoo meu coração sente que é cerca de uma tonelada de amor, sentado à direita de mim. — Ferir você vai contra todos os meus instintos. — Eu digo de forma dramática, como se eu realmente acreditasse que posso arranhá-lo.


— Você não vai me machucar nem um pouco. — Diz ele, rindo.


Então eu agarro-o pela mandíbula e beijo-o justo nos lábios antes de me afastar e esticar as pernas. — Tudo bem, meu orgulho diz que isso deve ser feito. E se você fosse Scorpion?


Ele franze a testa. — Você o joga, baby, e eu quero dizer agora. Vamos lá, balance meu mundo, meu pequeno foguete.


E eu faço. Eu chuto a canela, colocando todo o meu peso nele, até que ele diz. — ai. — Então eu balanço minha perna tão rápido, pegando a parte de trás de sua perna e sinto-o cair no instante em que se conectam. Mas ele ainda é Justin Bieber, e ele, naturalmente, parece se estabilizar. Ele planta-se de volta para cima, me tirando o equilíbrio quando ele o faz. Eu guincho quando começo a cair, e ele imediatamente me pega e joga-se de costas, amortecendo minha queda.


Ele ri enquanto se endireita.


— Você me deixou ganhar. — Eu acuso, estreitando os olhos.


Ele balança a cabeça. — Não, você fez isso por conta própria. — Ele me garante.


— Você é um grande mentiroso, incrivelmente em forma. — Eu digo, empurrando-o.


Ele ri e senta-se reto comigo no colo, roçando meu rabo de cavalo na parte de trás da minha cabeça. — Não foi tão difícil, foi? — Ele pergunta-me,
acariciando minha bochecha.


—  Não. — Eu sussurro, em seguida, digo baixinho para que só ele possa ouvir em seu ouvido. — Mas você é.


Ele olha para a minha boca, e eu passo por cima dele. Ele abaixa a cabeça e me cheira, e eu sinto arrepios correndo toda a minha pele quando seu nariz se conecta com a parte de trás do meu pescoço.


— Você gosta de brigar comigo? — Pergunto suavemente quando sustento meus braços em seus ombros, ficando toda animada e excitada por causa de sua ereção maciça embaixo de mim.


— Hmm. — Ele diz quando levanta a mão e agarra a parte de trás do meu pescoço. — Eu gosto quando treino assim... — ele me beija suavemente e empurra a língua na minha boca, e eu sinto a eletricidade correndo de sua língua por todo o meu corpo. Ele está suado de seu treino e tem gosto quente e sedento, e me sinto ainda mais quente e sedenta quando eu aperto o peito, os músculos liso e duro quando eu escarrancho nele.


Ele empunha meu rabo de cavalo na mão, segurando-me no lugar quando ele levanta a cabeça um pouco e rispidamente diz. — Riley...


— Sim, eu vou dizer ao treinador. — Riley não pode esconder o riso na sua voz quando ele traz mais algumas toalhas e bebidas antes que ele
atravesse em direção à saída.


— Justin... — Eu repreendo.


Seus lábios se curvam deliciosamente nos cantos quando ele segura o zíper do meu macacão e Riley grita ao treinador. — Hey, treinador, temos que cair fora. Assim o cara pode ter o seu caminho com Hailey! — Eles desaparecem através das portas do ginásio, e quando eles fecham a porta, Justin trabalha os lábios acaloradamente no meu pescoço. — Não é possível nada ser tão belo. — Ele murmura para mim quando ele desliza a mão aberta sensualmente ao longo da curva de minha espinha.


— Então é aqui que chegamos à parte do beijo, porque é quase impossível me tirar dessa roupa. — Eu sussurro.


— Vai sair. — Diz ele, me lambendo. Ele beija a minha boca e prende meu pescoço enquanto ele me beija. Então ele usa a mão livre para baixar o zíper do meu macacão. Eu me contorço e gemo, porque nunca tentei isso comigo vestindo algo tão complicado.


— Ele pode sair, mas não é fácil.


— Vamos apenas fazer algum espaço para mim. — Ele murmura calorosamente no meu queixo enquanto desce até o ápice das minhas pernas e tira um pedaço de tecido de cada coxa, então ele puxa e rasga meu macacão aberto na costura. Sinto o ar roubado através da abertura e do centro ardente do meu ser. Ele chega a mão dentro do rasgo e diz. — Segure no meu pescoço — Enquanto ele manobra para arrancar e tirar a calcinha que estou usando. Ele puxa-a e extraí-a através do rasgo, com os olhos brilhando, e uma onda de excitação me varre como uma tempestade.


— Oh, por favor. — Trazendo sua cabeça de volta a minha, eu pego os lábios deliciosos, meus quadris balançando desesperadamente por ele.



Ele levanta-me por um segundo, em seguida, enfia as calças de moletom fora e me traz de volta para baixo com uma mão no meu quadril, essa mão solitária forte o suficiente para aliviar-me no chão e me empalar nele. Grande. Quente. Duro. Meu. Eu gemo e lambo seu pescoço, perdida quando minhas paredes esticam para aceitá-lo. Ele pega minha cabeça e leva a minha boca com mais força. Ele está se movendo, amando, levantando e me abaixando com uma mão, a outra na parte de trás do meu pescoço, prendendo-me e colocando enquanto ele me beija, a boca forte e dominante, abrindo e degustando, recuando, provocando.


Eu gozo rápido e duro, e seus braços apertam em tornos de mim quando minhas contrações ondulam através dele. Eu o ouço rosnar baixinho enquanto ele me deixa ordenhar ele. Então, ele me levanta e me leva através do ringue, me descansando sobre as cordas. Um de seus braços me protege, e ele nem por um segundo saiu de dentro de mim. Ele começa a se mover novamente. Eu gemo baixinho. Eu me sinto como se eu estivesse flutuando, suspensa no ar por um fio, e a única conexão do meu corpo é o seu braço e seu pau em mim. Meu rabo de cavalo cai para trás, minha garganta arqueia, e ele está lá para devorá-la. Eu resmungo enquanto ele se move e afundo meus dedos em seus braços salientes, sentindo seu bíceps flexionarem e contraírem com o seu corpo quando ele me bombeia.


Nós não falamos. Nós não precisamos falar com palavras, nós falamos assim. Eu levanto minha cabeça e mordo e lambo-o e suspiro quando eu
ouço sua respiração, os músculos flexionando e movendo-se enquanto ele se move em mim até que eu goze de novo. Ele nunca, nunca goza antes de mim - ele espera, me prepara, me assiste. Seus olhos escurecem quando ele me assiste gozar agora, então sua mandíbula trabalha e seu corpo endurece quando ele mergulha fundo e se mantém lá, e é aí que ele explode, quando ele está em todo o caminho, e eu gozo ao redor dele, abraçando-o dentro de mim, ondulando e agarrando-o.


Em vez de ceder desta vez, apertamos o nosso agarre em torno um do outro, quando terminamos. — Fique em mim. — Eu imploro a ele. Estou recuperando o fôlego, minhas unhas cravadas em seus ombros.


Ele me puxa para mais perto e afunda a cabeça entre meus seios e respira forte, como se minha pele fosse o ar, então ele morde levemente o topo do meu seio.


— Eu quero viver em você. — Ele me diz na sua voz rouca, terna que me faz derreter, e ele me agarra apertado e lambe e lava sua mordida, a mandíbula áspera na minha pele. — Deus, eu quero morrer em você.


Meus ossos sentem-se líquido no meu corpo, mas mesmo relaxada, sinto essa atração de todo o seu tornado de energia trabalhando no meu. — Você é tão possessivo, eu sei que você vai me levar com você.


— Não, eu nunca iria machucá-la.


Eu rio baixinho. — Não vai ser a sua escolha. Você vai me levar com você, porque eu vou para onde você for. Você vai ser o meu fim, Justin, mas essa é a maneira que eu quero ir.


Seu rosto contorce de dor enquanto ele arrasta as costas dos seus dedos ao longo da minha mandíbula. — Não, Hailey. Eu vou te proteger, mesmo
de mim.


Nós olhamos um para o outro por um momento, e a determinação em seus olhos para me proteger só me assegura que, aconteça o que acontecer, minha vida vai ser sempre entrelaçada com a dele, seja bom ou ruim. Vou caminhar ao seu lado, correr, lutar, agarrar, e perseguir seus sonhos, que já se tornaram meus. — Como você disse, eu vou te amar mesmo se isso nos matar. — Eu sussurro, quando eu acaricio seu rosto. — Nós todos morreremos. Eu prefiro morrer amando você pra caralho.


— Baby, eu sou o único que vai adorar você pra caralho. — Diz ele densamente, me apertando, me fazendo rir de felicidade completa e total.


— Justin... onde é que vamos ter o bebê?


Ele endireita-se e levanta-me em seus braços, com as minhas pernas ainda travadas em torno de seus quadris enquanto atravessamos o ringue. — Onde você quiser tê-lo. Vai ser fora da temporada. Eu posso levá-la para onde quiser.


— Eu estava pensando que eu poderia manter meu apartamento. No início, eu não ia renovar o contrato. Mas pode ser inteligente ter um lugar para ter como base. E eu tenho um quarto vago que eu costumava fazer ioga e poderia se transformar num berçário. Melanie pode decorá-lo...


Ele nos senta no banco do canto do ringue, onde uma cesta de toalhas e bebidas nos aguarda. Ele pega uma toalha e me senta em seu colo enquanto ele lentamente começa a me limpar, seu perfil calmo e relaxado. — Eu vou pedir a Pete para renovar seu contrato por mais um ano, enquanto nós olhamos para algo mais. — Ele me diz. — Você pode usar o cartão que eu lhe dei para despesas de qualquer coisa que você quiser.


Eu envolvo um braço ao redor de seu pescoço e toco uma covinha escondida. — Então, eu continuaria a ser sua namorada e empregada? Oficialmente?


Ele agarra a parte de trás da minha cabeça, angula meu rosto quase até o teto, e lambe um caminho debaixo do meu queixo até a minha boca, onde cerca e afunda sua boca na minha. — Oficialmente, você é minha.



♥ ♥ ♥



— Iremos através da rotina habitual de vacinação, ou vamos encontrar um médico que trabalha conosco uma programação diferente? Há muitas provas de vacinas que poderia ser a causa do autismo. — Eu digo a Justin uma noite.


Estou comendo toneladas de legumes. Eu li que os vegetais de cores diferentes oferecem diferentes antioxidantes. Vegetais verdes proporcionar outras diferentes do que os roxos e laranja, então eu vou comer um arco-íris, todas as manhãs, tarde e noite. O melhor para o bebê de Justin.


Além disso, abacaxi é a fruto do momento. É tudo que eu quero comer. Assim que chego a cada local, Justin ordena a Diane trazer todos os abacaxis orgânicos que ela pode encontrar. Eu misturo-os com bananas para fazer vitaminas. Eu como-os com pimenta caiena. Diane refoga-os para mim, com pequenos pedaços de peru. Eu sou louca por abacaxi e Justin está divertido como o inferno por causa disso.


— Eu diria que é uma menina. — Diane me disse ontem. — Por causa de seus desejos por doce. Mas você parece muito bem. Quando você tem uma menina - pelo menos, quando eu tive as minhas meninas, eu parecia uma merda.


— Por quê?


— As meninas roubam sua beleza. E o amor do seu homem. — Seus lábios se curvam enquanto estuda meu estômago com apertados, olhos curiosos. — Mas eu não trocaria minhas meninas por qualquer coisa. Você já fez a coisa do cordão com um anel?


— Não. — Eu digo, e ela explica como você enrola um cordão em torno de um anel e o segura sobre sua barriga e assiste-o fazer quaisquer círculos para um menino ou linhas para uma menina.Parecia bobo, mas, é claro, agora eu deito nua na cama e seguro o anel que eu peguei emprestado de Diane sobre a minha barriga. Justin está jogando xadrez em seu iPad, as costas de nossas cabeças pressionadas enquanto ele faz a sua coisa e eu faço a minha. Nós estamos indo para Austin em poucas semanas, e eu sei que isso está começando a fazê-lo inquieto, porque ele não está dormindo bem.


Eu realmente me maravilho com a forma como ele usa o xadrez para se centrar. Todas essas noites em que ele esta inquieto e pega seu iPad,
descansando em mim, eu não tinha ideia de que ele jogava xadrez.


Agora, eu amarro o anel num fio quando ele me diz. — Vamos chamar um médico que gostamos e tê-lo trabalhando conosco em nosso calendário de vacinação. —E eu aceno com a cabeça, quando eu finalmente penduro o anel no meu estômago e vejo-o mover. — É um círculo ou uma linha? — Eu pergunto.
 

Ele para de jogar e coloca o iPad de lado, virando-se para assistir. Eu acho que é um menino porque eu estou com a barriga baixa e dormindo no meu lado esquerdo, e meu cabelo está encorpado e brilhante, mas eu não tenho certeza de quanto verdadeiro os contos daquelas velhas esposas são.


— Está fazendo as duas coisas. — Eu respondo a mim mesma do maldito anel, rindo. — Que fracasso! — Eu chio quando ele me agarra pelas axilas e me arrasta para ele.


— O que você quer que ele seja? — Ele pergunta, espalhando-se por cima de mim e escovando uma mecha solta atrás da minha orelha.


— Qualquer coisa. Estou muito curiosa para saber.


— Você pode saber. — Ele me diz, beijando a ponta do meu nariz. — Vou levá-la a um médico para que você possa saber, mas eu não quero saber.


— Por que não? — Eu deslizo meus braços em torno dele e olho em seus olhos dourados. — Você tem medo de amá-lo muito, muito duro, antes mesmo de conhece-lo?


— Tudo o que eles disserem, não vai ser real, até que eu o segure. — Ele desce para as costas e me puxa para o seu lado, então ele segura no fundo
da minha cabeça e coloca o meu rosto contra o pescoço dele na minha curva especial, e eu fecho meus olhos e levemente lambo-o como ele me ensinou que gosta. Ele é tão grande, ele ama tanto, ele luta tão duro. Eu estou dando a ele o que ele nunca, nunca teve e nunca sequer provavelmente soube que ele queria. Ele tem medo de esperar...


No dia seguinte, eu ando a margem, observando-o bater o saco pesado. Soco. Soco. Soco. Eu estou fazendo alguns alongamentos de ioga quando eu sinto uma colisão definitiva vinda de dentro de mim. Eu paro de respirar. Eu sinto isso de novo e eu fico completamente imóvel, e vem mais uma vez. Não é um borbulhar. Eu me sinto como se algo dentro de mim estivesse me socando, assim como o papai está socando o saco pesado.


Meu coração pula e eu salto tão difícil para os meus pés.


— Justin. Justin ! Justin porra!


Ele move ao redor e para o saco balançando com uma mão.


— Sinta isso! — Eu tomo sua luva com as mãos trêmulas e lanço-a de lado e coloco a mão no meu estômago, meu coração acelerado. Vamos, bebezinho...


Justin franze a testa em confusão. Ele chuta.


Ele aperta os olhos e aperta a mão grande mais perto, seus olhos passando rapidamente até os meus. — Isso é...?


Concordo com a cabeça.


De repente, ele me dispara um branco, impressionante sorriso, suas covinhas tão profundo que eu já vi, com os olhos mais mais douradka do que o mel quando ele abaixa a cabeça como se estivesse pronto para conversar com o bebê. — Diga-lhe para fazer isso novamente. — Ele sussurra.


— Ela não presta atenção em mim. — Meus lábios inclinam num sorriso quando eu o empurro, brincando. — E é ele. Porque meu cabelo está brilhante e eu estou com a barriga baixa, eu acho. E ele tem um soco bom. Talvez se você perguntar-lhe bem, ele vai mostrar mais de seus movimentos.


— Chute para o Papa e vamos mexa-se! — O técnico grita do outro lado do saco pesado.


Justin sorri para mim e Riley vem, em toda sua preguiçosa arrogância de garoto surfista.


— Ele se mexeu? Jesus, eu tenho que sentir isso. — Ele estende a mão.


— Não toque. — Justin rosna, batendo sua mão para o lado.


— Cara, ela é como uma irmã.


— Mãos fora, Riley. — Adverte, empurrando-o de lado com um braço.


Riley libera uma grande gargalhada, enquanto Justin agarra-me mais com uma mão e mantém a outra espalhada no meu abdômen, nossos olhares se segurando enquanto esperamos como dois estúpidos pelo bebê se mexer.


Quando o bebê chuta novamente, e ele começa a rir, eu estou tão cheia de amor, eu o abraço. — Isso é real o suficiente para você? — Eu suspiro, um sorriso dançando em meus lábios enquanto eu inclino minha cabeça para ele, minhas narinas pegando o delicioso cheiro de seu sabonete e suor agarrado à sua pele.


— Isso foi fodidamente surreal. — Ele sussurra, seus olhos vivos com alegria, e, como se fosse uma competição de velocidade, ele beija a minha testa, meu nariz, meu rosto e meu queixo, então ele me agarra pela cintura e me arremessa no ar, um grito de alarme me deixando quando ele me pega.


— Justin, você é o único homem que lança sua namorada grávida no ar desse jeito!


— Ela é um pequeno foguete e ela adora! — Ele me joga para cima novamente.


Naquela noite, pela primeira vez, tocamos para o bebê sua primeira canção. Justin coloca seus fones de ouvido no meu estômago e toca Creed “With Arms Wide Open”.


A  canção diz ao bebê como ele vai mostrar-lhe o mundo e recebê-lo. — com os braços abertos — E eu juro que eu posso sentir o conforto do bebê,
enquanto seu sexy, bonito pai estende-se ao meu lado e começa a me beijar.


— Será que ela tem o meu gancho? — Ele pergunta densamente, entre os suaves, drogados beijos enquanto ouvimos a trilha musical para a minha
barriga.


— Ele definitivamente tem seu gancho, porque é claro que é tudo sobre você. — Eu suavemente provoco, segurando sua mandíbula.


Ele ri. — Tudo sobre mim?


— Tudo isso. Tudo. Toda a minha vida. — Eu digo, com um toque dramático que torna óbvio que estou exagerando, mas seu sorriso é tão deslumbrante e enorme, o seu grande ego de leão tão grande quanto o quarto, eu afago sua mandíbula e rio, e por algum motivo, eu só tenho que dizer isso de novo, só para ficar olhando para aquele grande sorriso largo no seu rosto. — Sim, Justin, é realmente tudo sobre você.




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...