História Reality Show Macabro - INTERATIVA - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Macabro, Reality Show, Terror
Exibições 26
Palavras 2.650
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Mistério, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Canibalismo, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Oiee aqui está mais um cap meus lindos e lindas, trouxe mais um cap pra vocês e dessa vez mais um participação especial em!!! tá parei chega de pessoas novass, é a personagem de @GioohKawaiii hummm espero que ela seja mais calminha que a lorena hahah enfim espero que gostem♥♥♥♥

Capítulo 17 - Do not mess with what's quiet- Deixe o que está quieto


Fanfic / Fanfiction Reality Show Macabro - INTERATIVA - Capítulo 17 - Do not mess with what's quiet- Deixe o que está quieto

― Rafael o que você tem? Pergunta Julia preocupada

Rafael babava e saiu uma escuma de sua boca, além de seus olhos estarem revirados, estavam completamente brancos.

― precisamos fazer alguma coisa Lorena. Julia continua aflita

― já entendo o que acontece aqui, Lorena diz com certeza ― foi à besta da floresta, ela o mordeu

― como podemos ajudá-lo?

― não nos resta alternativa a não ser essa. Lorena aponta pra arma dela

― o que está querendo me dizer? Julia fala angustiada

― sinto muito Julia, Rafael em breve vai se transformar em uma besta e se ele nos morder nosso destino será o mesmo que o dele, não tem alternativa ele está com o vírus, e pode se tornar muito perigoso.

― você não vai tocar nele Lorena. Julia levanta-se

― prefere que ele nos mate é isso sua idiota?

― mais não é o matando que nos vamos resolver o problema.

― saia da minha frente Julia eu vou resolver isso. Lorena estava se alterando

― só passando por cima do meu cadáver...

...

Kook aponta para o que parecia ser uma onça

― calma, calma. Kook diz

― meu deus, vamos morrer kook, como vamos parar esse bicho? Kim estava apavorado

― precisamos sair sem que ela nos perseba. Kook sai devagar em outra direção com Kim, mais o mesmo acaba pisando em um pedaço de pau chamando a atenção do animal

Ela corre em direção dos dois, e os cerca

― kook vamos morrer...

...

― muito obrigada Justin, eu nunca pensei que você fosse capaz de um dia me defender. Ana diz feliz

― nem eu imaginava isso, mais com essas coisas acontecendo, me deu uma tremenda vontade de te proteger. Ele diz sem jeito

Ela sorri e se aproxima dele, a mesma dá um beijo rápido nele, e Justin a olha com os olhos bem arregalados, e passa a mão sobre a boca se sentindo nas nuvens.

...

Olive e Harley observam aquela coisa estranha. Tinha escamas iguais as dos peixes, olhos esbugalhados e tinha uns dentes bem grandes e afiados, parecia uma piranha, mais não parecia com nada que eles já tinham visto antes, parecia um peixe mutante.

― que coisa é essa? Diz Harley surpreso

Olive pega sua lupa e o olha bem mais perto. De repente o peixe pula agressivamente em cima dela, e ela dá um chute no animal. O mesmo volta pulando pra onde ela estava mais Harley atira o matando.

― que doidera. Olive comenta

― temos que ter cuidado ao entrarmos no rio. Acha que os outros podem estar vivos?

― talvez, eu não sei bem, na verdade é que precisamos achar essa maldita fronteira, mais fica bem difícil, nem o rumo que fica sabemos. Essa floresta é gigantesca a única maneira de sairmos vivos daqui é sobrevoando, mais não temos idéia de como se comunicarmos. Olive responde

Harley a olha estranho por um momento ― sabe, quando estivemos na casa daquelas coisas e até mesmo na casa de Lorena, eu vi alguns rádios comunicadores.

Olive o olha fazendo cara feia ― o que está querendo me dizer? A cabana que Lorena estava sei que não podemos ir. Ela arregala os olhos ― não, nem termina, não vai me dizer que sua grande idéia é voltarmos na casa daqueles canibais assassinos só pra ter a porcaria de um radio comunicador?

― sei que é arriscado mais pensa bem, e se conseguíssemos falar com alguém, não iria ser ótimo?

― não, não iria ser ótimo, é melhor esquecer essa idéia de girino eu não vou aceitar ok? Acabou a história.

Ele resolve esquecer isso, Harley tira uma banana de sua mochila. ― é a única coisa que eu tenho, ah e essa barra de chocolate. Ele entrega a banana pra Olive e guarda o chocolate ― toma você precisa mais que eu, o chocolate mais tarde ok?

Ela o olha surpresa com a atitude do moço, ela não seria tão boazinha assim pensou a mesma.

― Harley isso é seu eu não posso.

― precisa sim, está ferida, eu já estou bem mais você não. Ela estira a mão, e pega sem jeito

Ela descasca a banana e reparte com ele. ― toma, e nem tente recusar

― isso é pra você, eu sou meio que vegetariano e sempre ando com coisas saudáveis.

― pega essa droga cara. Ele a olha e pega a metade da banana, e ela sorri

...

Enzo e melissa caminham a bastante horas, e melissa estava com seus pés bastantes cansados.

― Enzo, será que não podemos parar? Eu estou com meus pés me matando e nada de chegarmos á algum lugar. Ela para

― mulheres, vocês se cansam rápido se estressam e estressam rápido é chatice estar ao lado de uma numa situação como essa. Enzo senta em uma pedra

― cala a boca Enzo, chata aqui não sou eu e sim você que continua me deixando nervosa. E esse pé ai vai infeccionar se não me deixar cuidar ou você mesmo cuidar, já é bem grandinho

― se infeccionar deixa é meu pé e minha vontade.

―, pois bem feito mesmo, que aconteça isso, depois não diga que avisei...

Pela noite os dois dormiam, de preferência bem longe um do outro. Melissa acorda no meio da noite, ela olha pra Enzo, de repente a mesma ouve alguma coisa vindo da floresta, ela levanta-se e vai com cuidado, de repente ela vê uma silhueta para dentro da floresta os observando ela não sabe dizer se é homem ou mulher. Ela vai até Enzo

― Enzo? Enzo?

Ele levanta pra ela e a mesma se assusta ao ver que ele estava com o rosto pintado igual à de um palhaço seus lindos olhos azuis não existiam mais e ele solta um grito fino e apavorante

AAAAAAAAHHHHHHHHH...Ela grita acordando de um pesadelo, Enzo estava perto dela segurando seus braços.

― acorda hey acorda, será que pode calar a boca eu quero dormir. Ele diz a ela. Num impulso a mesma o abraça, ela está assustada, melissa nunca disse mais ela tem um certo pavor de palhaços. Quando ela percebe que acabou abraçando Enzo, ela o empurra

― foi apenas um pesadelo, pode ir dormir me deixa aqui só. Ela baixa a cabeça entrelaçando os dedos sobre os cabelos

― se continuar fazendo barulho assim, taparei sua boca com esse saco de dormir. Ele dorme

Melissa odeia palhaços desde criança, apenas seu pai sabe dessa fobia da moça, Enzo jamais poderá saber de uma coisa dessas, seria mais uma coisa chata pra ele a irritar, e Enzo estava deitado tentando pegar no sono, na verdade ele queria nesse exato momento abraçar a moça mais seu orgulho sempre falando mais alto, esse medo que ele tem de se entregar ao amor o faz fazer muita merda.

Ela não dormiu mais, e quando estava quase amanhecendo ela abriu sua mochila e tirou mais uma roupa, tinha apenas mais uma muda de roupa limpa, ela teria que lavar depois. A mesma seguiu pro rio e começou a lavar suas roupas, ela nunca pegou no pesado antes, na verdade seu pai sempre lhe tratava como uma princesa, até aulas de bale a moça praticou. Também com uma vida errada praticando crimes, seu pai conseguia muito dinheiro. Depois de lavar suas roupas, ela entrou no rio, e começou a nadar. Ela relaxou e fechou os olhos, de repente ela sente algo passar por entre suas pernas, ela se assusta, de repente ela sente uma baita de uma mordida, sobre a cocha.

― ahhhh droga. Ela grita, e chama a atenção de Enzo que ainda se encontrava dormindo.

― mel? Melissaaa ele grita indo em direção do rio

Quando ele chega, não vê ninguém, apenas as roupas de melissa, estendidas sobre alguns galhos de arvores.

― melissaaaaa? Ele grita com toda força que tem na garganta

De repente ele vê algo se debatendo dentro d’água...

...

Ema estava e Nicolai depois de terem pegado bastante peixes o suficientes para se abastecerem por bastante dias, eles voltam pra onde gigi os esperavam.

― é muita coisa. Gigi sorri

Nicolai joga os peixes sobre o chão junto com o arco.

― agora podemos sair daqui e tentar encontrar os outros. Nicolai diz

Acho que vou tomar um banho antes de ir, vem comigo gigi? Diz ema

― não, eu estou bem. A loira sorri

Ema segue pro rio, ela senta sobre uma pedra e lembra-se do seu beijo com Nicolai, e a ruiva coloco os dedos sobre os lábios em um gesto que gostou do beijo, ela senti uma coceira sobre seu braço e o coça, sempre lembrando do beijo de Nicolai. Ela resolve esquecer isso, a mesma tira sua blusa, e quando mira em seus braços, ela faz cara feia ao ver umas machas vermelhas. Quando olha pro seu corpo até a cintura a mesma começa a se assustar, seu corpo está repleto de machas vermelhas que coçam muito

Sua respiração estava agitada ― arr, meu deus...

Bianca estava terrivelmente enjoada depois de ter comido aquela... Aquela coisa. Mais deve confessar também que passou sua fome.

― e ai gostou da refeição? Jack fala irônico

― cala a boca, eu preciso escovar meus dentes que nojo

― não deve reclamar de barriga cheia. Ele continua rapando com a faca um graveto

― preciso encontrar Lorena, estou muito preocupada. Bianca está pensativa

― Lorena ela é meio maluca, sabe se virar muito bem, assim como eu. Ele a olha sério

― porque você é sempre muito misterioso, quem você é em? Bianca está farta de mistérios

― eu mato pessoas Bianca, entendeu agora? Eu gosto de matar pessoas mato por diversão, ou em troca de dinheiro, as pessoas quando tem problemas, eu resolvo, sou um serial killer essa é minha profissão.

Bianca coloca a mão sobre a boca ― porque faz isso Jack?

― porque eu gosto, faz parte de mim. Ele a encara com um olhar atormentado

― vai me matar? Ela diz receosa

― depende...Ele passa a faca com cuidado sobre seu pescoço, a deixando assustada ― queria saber sobre mim, agora sabe

― para de brincadeiras Jack. Ela fala com a voz tremula

― não se preocupe minha doce Bianca, nesse momento, eu pretendo te matar, mais de prazer. Ele se aproxima da mesma e lhe dá um beijo de tirar o fôlego

Ela o olha colocar sua língua na boca dela, e a mesma de olhos abertos surpresa com o ato do serial killer, ela começa a gostar do beijo do rapaz, e fecha os olhos respondendo ao beijo dele. Mais de repente algo os interrompe, algo vindo na direção deles, eis que surge outra besta da floresta, ela babava e seus olhos vermelhos como sangue, dentes afiados e sua mordida fatal.

― pra trás Bianca...

...

― muito obrigado rose. Yukine fala gaguejando

―até agora não sei como consegui te puxar. Ela diz surpresa e os dois se levantam se afastando daquela armadilha bizarra

― precisamos ter muito cuidado daqui pra frente. Ele diz

― se você não tivesse me salvado eu poderia estar morto agora, até que, até que nem todos os ricos são esnobes como eu pensei. Ele a olha diferente, com gratidão

― pra você ver. Ela sorri e os dois seguem destino...

...

― dernie? Eu estou curiosa com uma coisa. Jess diz querendo saber algo

― o que?

― quando eu fui te salvar, eu vi em sua barriga algo escrito, uma palavra que eu não sei dizer o que significa está escrita tipo em outra língua, eu posso ver?

Dernie a olha e levanta a blusa, tinha parado de sangrar, estava só as cicatrizes bem feitas tinha um nome escrito em outro idioma e continha a seguinte frase “מוות”

― mais o que significa isso? Pergunta jess

― não sei, mais se encontrássemos Olive, ela poderia nos dizer algo.

Eles escutam um gemido acuado de algo sobrenatural

― o que foi isso? Diz jess olhando todos os lugares

De repente surge em suas frentes, um ser totalmente bizarro ele não tinha pele e tinha formato de um cão, ele ataca jess a derrubando no chão, o bicho babava muito, e estava se desmanchando todo

― dernieee, tira essa coisa de mim.

Dernie o acerta com uma faca bem no meio de suas costas. O animal sai de jess e começa a se sacudir, de repente a faca voa em direção de dernie mais o mesmo é rápido e faca acerta a arvore

Ele atira sobre o animal, e o mesmo parecia não morrer facilmente

― dernie, o que faremos, não podemos gastar todas as balas...

...

Zayn estava escondido perto da arvore, ele escutava os gritos assustadores do canibal

― desgraçadoooo, aparecaaa. Ele atirava em tudo enquanto perdia muito sangue, e a flecha ainda estava cravada em seu braço esquerdo. De repente o canibal o surpreende por trás, colocando umas correntes sobre seu pescoço, o mesmo estava morrendo sufocado, o canibal sai o arrastando enquanto Zayn se debate quase morrendo. Ele lembra-se do punhal em que ele havia colocado no bolso, e o retira rápido, cravando sobre a perna do canibal, ele faz um gesto com o punhal, rasgando a perna do mesmo, e o canibal o solta gemendo de dor, o canibal enfurece mais, mais Zayn consegue se livrar das correntes, e usa a seu favor, colocando sobre o canibal, o matando rápido. Ele está quase morrendo seu braço está perdendo muito sangue, ele senta sobre o chão e tentar retirar a flecha

― awwarrraiiiii. Ele grita de dor, ele continua puxando a flecha, e a mesma ainda não dava pra se ver a ponta, ele respira fundo apenas mais um pouco, ele puxa a flecha de uma vez, e a mesma sai. ― arrrr, meu deusss. O mesmo rasga sua camisa, e tenta estancar o sangue que era muito...

... Enquanto isso, muito longe da floresta, uma documentarias de um canal de TV paranormal dos EUA dava entrevista para um programa de televisão Viva a America...

― e você poderia nos dizer qual é seus próximos projetos para o próximo documentário sobre fenômenos paranormais?

Ela coloca uma mecha de seus longos cabelos pretos pra trás e diz ― bom, meu próximo documentário vai falar sobre uma floresta que fica na indiana, a floresta Morgan-monroe, dizem que lá acontece fatos estranhos e que todos que entram lá jamais saem vivos pra contar a história, bem e o que eu e os meus colegas vamos fazer, é pegar todos nossos equipamentos para seres e fenômenos inexplicáveis e sobrevoar aquela área, afim de provar se existem seres de outros mundos por lá ou é apenas mais uma lenda urbana.

― bem se existe ou não seres de outros mundos por lá queremos saber logo.

[...]

Depois que terminou a entrevista, Giovanna saiu do programa, e estava tudo preparado para sua ida pra floresta.

― colocou todos os equipamentos Josh?

O mesmo acena que sim.

― vamos Anne e Matt, não podemos demorar, quero chegar lá o quanto antes.

― já estamos indo. Mary entra, carregando varias coisas em uma bolsa, apenas o necessário.

O avião sai em rumo do destino, seria mais ou menos, umas cinco horas de viagem.

[...]

O avião estava sobrevoando a floresta, quando algo de errado acontece

― o que está havendo Josh porque estamos aparando? Giovanna fala apreensiva

― não sei algo está acontecendo com os rotores do helicóptero. O moço diz suando enquanto tenta controlar o helicóptero

― vamos cair, estamos muito altos ainda Josh. Grita Giovanna

De repente as elises do helicóptero param misteriosamente, e o mesmo começa a ir com tudo sobre o chão. O helicóptero caiu sobre o chão violentamente, fazendo todos se chocarem contra tudo o que está dentro dele.

...

Giovanna fica desacordada no meio dos escombros do helicóptero...

 



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...