História Rec my rainbow - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Got7
Personagens BamBam, Jackson, JB, JR, Mark, Personagens Originais, Youngjae, Yugyeom
Tags 2jae, Got7, Jaebum, Youngjae
Exibições 359
Palavras 1.784
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Fluffy, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


oi meus amoressssssssssssssss, não vou ficar enrolando aqui, leiam as notas finais pq É MUITO IMPORTANTE!!!!!
Boa leitura!! ^~^

Capítulo 15 - White milk


– Vai me dizer quem é ou vai ficar assim o dia todo? – Yugyeom, sobrinho e amigo mais próximo do Im, esbravejou irritadiço. Já estava ali há duas horas e desde então o ruivo não dava atenção alguma para o menino.

 

– Hm? – resmungou e logo após sorriu para a tela sem nem ao menos olhar para o garoto sentado à sua frente.

 

– Hyung, eu vou dar um tiro bem no meio da sua cara se você continuar me ignorando desse jeito, eu juro.

 

– Yugyeom-ah, você ao menos sabe atirar. – levantou o par de íris negras para encarar o menor que bufava com os braços cruzados. – E mesmo que soubesse, onde conseguiria uma arma? Tcs...

 

– Você sabe que pra conseguir as coisas em Gangnam é só dizer que sou seu sobrinho. Aliás, que sobrinho né, olha só pra esse rostinho mano, ninguém resiste.

 

– Cala a boca, que convencido. – Im atirou uma almofada no menor que desviou com a maior naturalidade. – Filho da puta.

 

– Que rude.

 

– Rude é você estar afim de alguém e a pessoa te tratar na maior amizade. – o Im meio que pensou alto, logo ouvindo o grito de “aha” do dongsaeng e se arrependeu da confissão. – Que foi?

 

– Eu sabia que tinha alguém.

 

– Não tem não.

 

– Claro que tem, quem é?

– Yugyeom, não existe ninguém.

 

– Para de mentir, hyung. Desde que eu cheguei aqui você não para de trocar mensagens com alguém, não ouve nada do que eu falo e fica sorrindo pra tela sem nenhuma razão aparente. – pausou. – Exatamente como está fazendo agora, seu merda. JAEBUM-AH!

 

– Me respeita, ainda sou seu hyung.

 

– Tanto faz, não me ignore assim. E fala logo quem é antes que eu hackeie seu telefone e descubra com minhas próprias mãos.

 

– Ta, é... AISH!

 

– Fala logo mano, eu já tenho que sair e você fica enrolando. Quem é a donzela da vez?

 

– Não é bem uma donzela... – Jaebum suspirou, pensando que o Choi não era mesmo uma menina, mas tinha as curvas e a vaidade de uma.

 

– Cara, então o negócio é sério hein. Até porque até onde eu sei você se relacionava na maioria das vezes com mulheres. Se é macho, deve ser “o macho”. – Yugyeom sorriu fazendo um sinal de positivo com a mão direita, como se estivesse dando um selo ao menino Choi.

 

– Não fale assim do Youngjae.

 

– Youngjae... interessante. – coçou o queixo.

 

– Como você faz isso, porra? – Jaebum deixou o celular de lado para encarar o castanho assim que se deu conta de que por não estar prestando atenção no mesmo, acabara por falar demais.

 

– Isso o que? – indagou confuso.

 

– Você sempre consegue arrancar informações das pessoas sem elas ao menos perceberem.

 

– Aprendi com o melhor. – sorriu.

 

– Valeu. – o Im devolveu o sorriso concluindo que o menino estivesse falando dele.

 

– Eu me referi ao Bambam.

 

– Aish, você e esse menino então sempre grudados, vai procurar carne nova, aproveita a vida, beije várias bocas.

 

– Não quero, na verdade eu quero. Aish, eu não sei. – respondeu confuso. A verdade era que Yugyeom e Bambam sempre tiveram uma amizade colorida que somente os dois entendiam. Talvez tivessem certo medo de levar aquilo para o próximo nível justamente por ser um compromisso, e compromissos devem ser levados a sério, e os dois ainda se julgavam jovens demais para ter algo sério, além de vários outros motivos que na verdade nem deveriam ser citados.

 

– Orra. – Jaebum espantou depois da resposta confusa do menino.

 

– Mas não estávamos falando de mim, se sou bom em arrancar informações você é bom em mudar de assunto. Fale logo do tal Youngjae.

 

– Então... – respirou fundo tentando achar palavras coerentes para descrever o menino. Não que ele fosse complicado ou difícil de se descrever, acredite, Choi Youngjae pode-se resumir em uma palavra: Amor. Não por Jaebum o amar, de longe nutria esse sentimento pelo dongsaeng, é que Youngjae é tão simples, bonito, adorável dentre tantos outros adjetivos que Jaebum poderia citar. Youngjae apesar de tudo era só alegria, era sorriso e risada, logo o Im pode concluir. Choi Youngjae é um potinho pequeno que transborda amor. – Ele é legal... – deu de ombros sentindo a frustração tomar conta de seu peito.

 

– Desde quando você se interessa por pessoas “legais”? – Yugyeom finalizou fazendo aspas com os dedos.

 

– Eu sei lá, você não estava de saída? – Jaebum queria de qualquer maneira acabar com aquela conversa.

 

– Tudo bem, eu já entendi. Vou te dar um tempo até que se sinta confortável em falar sobre o menino, mas não pense que terminamos aqui.

 

– Você não desiste mesmo...

 

– Jamais, sou um Im.

 

– Tchau, Yugyeom-ah.

 

– Tchau, hyung.

 

 

                                                                                                                         ///

 

         Jaebum estava jogado no sofá da sala há mais ou menos trinta minutos, o cabelo ainda molhado entregava o banho recém tomado, vestia bermuda e camisa apenas, assistia One Piece extremamente interessado, mas sabia que estava cheio de atividades do curso para serem realizadas. Saber que logo teria de se levantar lhe dava ainda mais preguiça. Nada anormal vindo do Im.

 

         Ouviu a campanhia soar e se perguntou quem poderia ser, a preguiça tomava conta de todo seu corpo, é como se ele se movesse dali, seus ossos fossem se partir ao meio.

 

– Quem é? – vencido pelo cansaço, gritou ainda deitado.

 

– Sou eu, hyung.

 

– Não conheço ninguém com esse nome. – Jaebum sabia quem estava do outro lado da porta, ele nunca poderia confundir aquela voz, mas também nunca poderia perder a oportunidade de zombar do menino que, aliás, ainda esperava do outro lado da porta batendo impacientemente seu pezinho no chão.

 

– Nossa como você é engraçado.

 

– Entra.

 

          Youngjae adentrou ainda receoso no local, encontrou o ruivo atirado no sofá com os cabelos grudados na testa, logo fez uma careta desgostosa.

 

– Urgh...

 

– Que foi? – o Im olhou confuso.

 

– Isso aí tudo é suor? Se for ‘tô indo embora.

 

– É. – Jaebum afirmou mesmo não sendo, não acreditou que o menino fosse mesmo embora.

 

– ‘Tá então eu volto depois... – pausou e apontou com o indicador para a própria cabeça. – Digo... depois que você tomar um banho e lavar isso daí, tchau. – já ia saindo quando Jaebum sentou de abrupto no sofá, estava incrédulo.

 

– Mas que porra?

 

– Que foi? – Youngjae que já estava quase na porta, ponderou e virou-se novamente para o ruivo vendo-o sentado com cara de paisagem.

 

– Não acredito que você ia mesmo embora!

 

– Mas eu ainda vou.

 

– Isso é água do banho caralho, por que raios você ia embora se fosse suor?

 

– Eu sei lá, isso é nojento, desculpa tenho um toc muito grande com limpeza.

 

– Mas seu gato e cachorro dormem com você, que merda de higiene é essa? Eu que não devia deixar você entrar na minha casa com esse cheiro de gato.

 

– Você cala a boca e não fala da minha filha.

 

– Ah vai se foder.

 

– ‘Tá... então... isso é água mesmo, né? – perguntou só pra confirmar, não é como se ele quisesse fazer isso, era impulso.

 

– Vou dar um soco no meio da sua cara.

 

– Grosso.

 

– Vai ficar ou não?

 

– Vou, se você me responder direito.

 

– Mas você que começou com essa neurose.

 

– Para de gritar comigo. – o Choi formou um bico nos lábios, estava sensível demais.

 

– Youngjae, eu não estou gritando.

 

– ‘Tá falando alto demais.

 

– Falar alto não é gritar.

 

– Foda-se, você vai me convidar ou eu vou ter que pedir permissão pra sentar?

 

– Senta... – o Im deu dois tapinhas na coxa direita e sorriu atrevido pro menor. Youngjae fitou a mão do hyung e depois encarou a coxa espalmada na bermuda.

 

         Já não era a primeira vez que o Choi se pegava observando ou, diga-se de passagem, quase devorando as coxas do Im apenas com o olhar. Não era como se ele fizesse de propósito, era natural, como se houvesse algum tipo de metal ali e os olhos do dongsaeng fossem um imã que se atraíam facilmente. Era incontrolável.

 

– Vai ficar aí? – Jaebum estalou os dedos na frente do menino tentando chamar sua atenção.

 

– Não.

 

                                                                                                          ///

 

          Já passava das dezenove horas e os dois meninos estavam sentados no sofá resolvendo um problema matemático. Jaebum se achava um derrotado por não ligar pra nada disso e Youngjae achava isso a maior verdade para ambos, afinal o Choi também detestava a disciplina, mas nada os impediram de tentar até encontrarem a solução, ou a mais possível entre as opções.

 

– Hyung, eu ‘tô com fome. – Youngjae alertou o seu hyung assim que sentiu seu estômago se revirar. Deitou a cabeça no ombro do outro que estava sentado com o caderno na mão.

 

– Você é mesmo um neném. – o Im nunca poderia negar o quão infantil o Choi parecia, não somente naquele momento, mas em todos. Parecia um garotinho que estava exausto após realizar o dever e precisava se um copo de leite.

 

– Aish, não me trate como uma criança, hyung.

 

– Então não haja como uma.

 

– Não estou agindo.

 

– Por que é uma coisa sua, é natural.

 

– Você está dizendo que eu sou naturalmente infantil?

 

– Estou.

 

– Posso fazer tantas coisas não infantis...

 

– Como disse?

 

– Oi?

 

– O que você disse?

 

– Que tu ‘tô com fome.

 

– Não se faça de tonto, Youngjae.

 

– Não se faça de surdo, Jaebum.

 

– Me mostre o que você sabe fazer, então.

 

– Eu não sei fazer nada.

 

– Mas você disse...

 

– Eu não disse nada, vai logo buscar alguma coisa pra eu comer.

 

                                                                                                               ///

 

         Foi extremamente difícil para o Im levantar-se daquele sofá e caminhar sem tropeçar até a cozinha. Foi difícil parar de pensar no que acabara de ouvir. Foi difícil processar todas as informações e anseios que estão rodeando a sua cabeça neste exato momento. Foi difícil não quebrar os copos e pratos à sua frente por ser incapaz de matar todo o desejo que já estava o consumindo. Mas tudo valeria a pena, valeria se no final o Choi não pensasse mais de maneira negativa sobre ele. Valeria a pena se no final de tudo, ele pudesse saciar tudo o que estava lhe faltando agora.

 

        O pior de tudo é ter de apenas observar Youngjae levando o copo de leite até os lábios e bebendo o líquido branco, lambendo os lábios de maneira provocante aos olhos do Im, porém inocente se vista por qualquer outra pessoa.

 

– Você não vai comer? – perguntou mordendo um dos cookies e encarando o mais velho.

 

– Não estou com fome.

 

– Come um.

 

– Não, Jae, come você.

 

– Come só umzinho, vai. – insistiu e não obteve resposta alguma. – Morde. – levou o biscoito que acabara de morder até os lábios do mais velho e roçou de leve a ponta nos lábios do Im. Aquilo já poderia ser considerado tortura. Jaebum não tinha escolha a não ser morder o biscoito enquanto fitava intensamente os olhos de Youngjae que sorria maldosamente observando a cena. – Viu?

 

– Você vai acabar me destruindo.

 

– Talvez eu consiga destruir você antes de você me destruir.


Notas Finais


Esse capítulo ficou curtinho mas eu pretendo postar outro amanhã, talvez saia o primeiro beijo de 2jae na fic OLHA O SPOILER SUELEN@@@
enfim, vocês podem ter ficado confusas quando o Yugyeom disse que é um Im, isso é pq ele ele é sobrinho do JB, então isso o faz da família, era só pra esclarecer mesmo.
Já vou adiantar que essa fic é bem voltada pro 2jae então talvez nem todos os membros apareçam nela, e se aparecerem não será com tanta frequência.
Assim que der prometo responder todos os comentários anteriores, li todinhos e vocês me deixaram muito feliz mesmo, amo demais cada um de vocês.
Nos vemos amanhã, doem amor ao capítulo, até mais <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...