História Recém-casados - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Tags Amae, Fanfics Sasusaku, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha, Sasusaku, Sasusaku Romance, Yu-amae
Visualizações 237
Palavras 1.451
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 6 - Seis


Fanfic / Fanfiction Recém-casados - Capítulo 6 - Seis

Quando Sasuke voltou para a vila, ele não via a hora da noite chegar. Queria poder correr para os braços de Sakura e receber todo aquele carinho que tinha quando se encontraram. Desculpar-se-ia por ter sido tão estúpido naquela manhã e ganhar um sorriso, um dos sorrisos mais bonitos que já esteve em sua frente. Chegou à vila, um pouco cansado, pois correrá como um louco, afoito para a lua cair.

Agora, ele sabia exatamente o que queria, estava mais centrado, e a única coisa que pensava era na felicidade de sua esposa, e mesmo que houvesse desistido daquele trato com Orochimaru, sabia muito bem que seu mestre não desistiria de ter o que queria, e em breve, pois não abriria mão de usar as novas técnicas que Sakura conseguiu descobrir sozinha – como trazer uma pessoa de volta a vida sem a droga do Edo Tensei. Usara de mais de dois, ou mais jutsus para conseguir aquilo ao lado de Tsunade.

Claro que essa notícia foi encoberta por todos os outros Kage e membros de outras vilas. Ninguém ficou para saber. Porém, para o azar do destino, Orochimaru conseguiu essa informação. Saber que poderia ter de volta todos aqueles que no passado queriam destruir Konoha o deixou alucinado, precisava dela, precisava da médica de Tsunade, o que não foi boa idéia tentar atacá-la com apenas subordinados.

Naquela tarde em que a encontrou sozinha voltando de Sunna, achou que seria fácil leva-la consigo, mas foi derrotado drasticamente quando a rosada enfrentou seus homens e bateu em cada um até não restar nada. Ele não acreditaria em suas habilidades se acontece o contrário. Sasuke vagava pelo mundo, quando o encontrou, iludindo seu coração de que traria sua família de volta, ele aceitou aquela oferta tentadora, inundado da possibilidade de ter sua mãe, seu irmão de volta.

Só que no meio dessa maldita missão, ele se apaixonou pela vítima que era sua esposa, jamais a deixaria ir depois de tudo o que Sakura fez para ele, percebeu que não precisava da sua família de volta, não precisava acordar aqueles que, há muito tempo dormiam para sorrir novamente, ele só precisava de Sakura. E agora que a tinha, a protegeria, não perderia outra pessoa que amava, para ninguém.

Enquanto corria de volta para a sala dos ANBU a esperar por uma missão, ele pensou em que missões Sakura estariam agora, uma vez que além de médica, ela ainda era uma das ninjas mais requisitadas em saídas estratégicas e lutas de curto alcance. Adorou saber daquilo, ao mesmo tempo em que não queria ela fora da vila, sob os olhares de Orochimaru e tudo em sua volta.

Desviou o caminho para a sala de Naruto, mesmo que não pudesse impedir Sakura de sair da vila, ele não aguentaria deixá-la sair sozinha e cair nas garras daquela cobra. Ele sabia que tinha feito uma burrada das grandes, e ia admitir isso para si mesmo um milhão de vezes.

Quando parou em uma das entradas da sala do Hokage, encontrou Naruto o encarando antes mesmo de se anunciar, ou levantar a cabeça. Segundos depois, ficou de pé, olhando para o loiro.

— Teme. Sabia que estava vindo, sentir seu chakra – Murmurou dando as costas. Sasuke encontrou na sala pela janela e andou pela mesma, parando em frente à Naruto. — Quem você mandou para o hospital agora?

— Ninguém – sussurrou desviando o olhar — por enquanto. Quero fazer um pedido.

— Que interessante. A gente não ver isso todos os dias, Sasuke. – O moreno bufou.

— Eu queria que Sakura saísse em missões apenas comigo. – Pediu. Naruto levantou a cabeça fitando o rosto do amigo sem acreditar nas palavras dele.

— Ma-

— Ela é minha esposa.

— Ela é a ninja mais forte dessa vila, ninguém em sua consciência perfeita ataca a Sakura-chan. Ela precisa ir a missões para ajudar. Lembra?

— Eu quero que a partir de hoje...

— Você me ouviu?

— Pergunto o mesmo. – Ambos se encararam, sérios.

— O que aconteceu?

— Nada. Vai atender ao meu pedido?

— Hm. Não sei por que você quer tanto isso? Se eu fosse você, a deixava, somente para ter orgulho depois.

— Prefiro que ela fique na vila.

— Vamos fazer um trato. – Sasuke congelou. Essa palavra não estava mais em seu dicionário. — Ela vai a missões depois de falar com você. Eu não posso proibi-la de sair da vila para salvar alguém que precisa ou junto a um grupo para ajudar alguém.

— Tudo bem. — Virou as costas, não precisava de mais nada.

.

.

O dia naquele hospital foi um dos mais duradouros, Sakura estava sonhando acordada, entorpecida pelos devaneios de Sasuke não a querer mais, ou ter se arrependido de tê-la escolhido como esposa. De tudo lhe passou a mente, e a única resposta que vinha em sua cabeça era de Sasuke não está feliz, de ela não ser o suficiente de não ter conseguido preencher o vazio do seu peito, quando prometeu ao mesmo que faria sem pestanejar.

Fazia alguns meses que estavam juntos, mais do que Sasuke já tenha ficado na vila antes depois que a guerra terminou, o que deixou Sakura ainda mais nervosa, será que ele queria, de alguma forma, voltar a seus tempos solitários, onde saia pelo mundo sozinho e voltava apenas quando sentia saudade de alguma coisa, ou havia outra notícia para dizer ao Hokage? E se fosse isso, o que ela podia fazer? Se fosse isso, não deixaria Sasuke ir sozinho, iria com ele, queria ficar ao seu lado e se não fosse à vila, seria fora dela. Deixaria tudo para trás, se fosse para seguir seu marido.

Tinha realizado seu sonho, e não o deixaria partir, nem que fosse a última coisa que ela fizesse na vida. Com esse pensamento formado em sua mente, Sakura levantou-se da cadeira determinada, iria esperá-lo lá fora, e confrontá-lo antes mesmo de chegar à casa de ambos. Começou a arrumar suas coisas se forma rápida quando a porta da sua sala foi aberta. Sakura empunhou uma kunai mais rápido que Sasuke chegou em sua frente, ambos se olharam e a rosada abaixou sua mão, lentamente.

Seus olhos estavam cobertos por lágrimas e ela não conseguiu sustentar o olhar dele. Abaixou sua cabeça derrubando a kunai no chão, o que deixou Sasuke preocupado. Ele levou as mãos até a cintura dela, onde apertou e encostou seu corpo, abraçando lentamente, sentindo o cheiro doce entrar e o deixa aquecido, apaixonado, louco.

Sakura não disse nada, deixou as lágrimas caírem enquanto abraçava o moreno. Ela nunca conseguiria ter raiva, ou fingir um ódio que não existia no peito. Ela o amava tanto, sabia que seu amor podia ultrapassar qualquer coisa, e não negaria um abraço caloroso daquele homem, não depois de uma briga que não deveria ter existido.

— Tudo bem? – Indagou o Uchiha, afastando o rosto de Sakura do seu peito e levantou para que pudesse olhar para o sorriso que ela provavelmente daria ao vê-lo, mas encontrou lágrimas.

— Eu não sei... – Sasuke sentiu um calafrio passar por sua espinha — Me diz você. – Sussurrou. Lembrou-se da manhã que tivera com ele e de todos os pensamentos que pairou em sua mente o dia inteiro, estava tudo acumulado em sua subconsciente que mal conseguia pensar direito. — Aconteceu alguma coisa? Algo que não me contou? – Sasuke abaixou a cabeça — Tem algo incomodando você? – A rosada se soltou dos braços dele para erguer sua cabeça, os olhos negros encontraram os seus e ela suspirou. — Por favor, me diz o que você tem.

Como explicar tudo aquilo para Sakura? Levou um de suas mãos colocando em cima da de Sakura em seu rosto, e tirou-a dali. Fechou os olhos suspirando, reformulando as palavras que diria a sua amada. Deu as costas a rosada andando pela sala um momento, tinha que pensar, pensar muito e escolher as palavras certas para lhe contar.

— É algum problema comigo? – A Uchiha voltou a falar e Sasuke estreitou os olhos. — Eu... Não sou boa o suficiente, e você só percebeu isso agora? – Sasuke olhou para a janela enxergando a lua grande daquela noite — você conheceu outra pessoa? Outra mulher? Quer ir embora? Não está feliz? — A cada pergunta ela fazia, dava um passo à frente, na esperança de aproximar-se de seu amado e olhá-lo nos olhos. — Sasuke-kun...

— Hm – ele suspirou, e virou para ela, sorriu de canto abaixando a cabeça alguns segundos e depois a fitou outra vez... — Me desculpe.

— Sasuke o que...

— Eu só quero que saiba, que eu a amo. – Os olhos da rosada se esbugalharam, era a primeira vez que Sasuke dizia aquilo olhando em seus olhos, e fez com que todo seu corpo tremesse.

Suas pernas fraquejaram, e ela ajoelhou de uma vez, dando um pequeno susto em Sasuke que correu ao seu encontro.


Notas Finais


Deem uma olhada em minha outra fanfics, tema de corrida, carros, Sasuke e Sakura que se odeiam, mas se amam, um romance bem amorzinho https://spiritfanfics.com/historia/ela-e-perfeita-9744859


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...