História Reckless Love - Jerrie - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Little Mix
Personagens Jade Thirlwall, Jesy Nelson, Justin Bieber, Leigh-Anne Pinnock, Perrie Edwards
Tags Drama, Edwards, Jade, Jerrie, Justin, Justin Bieber, Lesbicas, Little Mix, Perrie, Perrie Edwards, Traição
Exibições 48
Palavras 1.034
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Escolar, FemmeSlash, Festa, Fluffy, Hentai, Poesias, Romance e Novela, Seinen, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shoujo-Ai, Shounen, Slash, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Mais um capítulo! Espero que goste. Bjss

Capítulo 3 - Capítulo 3


Fanfic / Fanfiction Reckless Love - Jerrie - Capítulo 3 - Capítulo 3

 — Perrie... Perrie! - Acordei ao ouvir minha mãe bater na porta do meu quarto com força. 

 — O que é Mãe? - Remunsguei com a cara enfiada no travesseiro. 

 — Se arrume, hoje você tem que levar os papéis na Universidade, e fazer o cadastro dos dormitórios. - Gritou

 — Tá bom.. daqui a pouco eu levanto. - Falei tentando sair da preguiça. 

 — Tenta ser rápida, porque fica longe e é bom chegar cedo pra evitar qualquer problema. - Falou 

 Minutos depois eu levantei e fui no banheiro fazer minhas higienes e tomar um banho rápido. Peguei meus documentos que estavam na gaveta e os coloquei em um envelope amarelo. Arrumei minha mala com tudo que tenho, roupas, sapatos, acessórios, maquiagens e perfumes e fiz uma mala de mão com as fotos dos meus amigos, família e conhecidos e peguei minha bolsa, meu óculos de sol e amarrei o cabelo.

 Vi da janela do meu quarto que o sol estava bem aberto. Desci para tomar o café da manhã. Comi rapidamente, despedi do meu irmão, do meu Pai e eu e minha mãe fomos para o campus da universidade que é mais ou menos umas duas horas da minha cidade. Coloquei uma música lenta e fomos..

 — Tá com medo? - Minha mãe me perguntou sem desviar o olhar da pista. 

  — Ansiosa. - Sorri. 

 — Vai dá tudo certo. É o que você sempre quis. - Falou e eu sorri. 

 Horas depois... [...] 

 Chegamos e ela estacionou o carro no enorme estacionamento, e acho que a ideia de chegar mais cedo não foi muito válida, pois já está lotado. Desci do carro e tirei minhas bagagens do porta-malas. Olhei para os lados e vi dezenas de jovens fazendo o mesmo. Minha mãe me deu conselhos que toda mãe daria e dei um abraço apertado e segui meu caminho em direção a entrada.

 Como todos eu também estava de boca aberta e olhando para todos os cantos do local, pessoas de todos os estilos, raças passavam por mim e isso é ótimo. Pedi informação para um senhor que estava uniformizado e ele me indicou onde ficava o departamento de matrículas, fui até lá e apenas entreguei uns documentos pendentes e pronto, já estou definitivamente matriculada. Vi uma enorme fila feita somente por meninas e outra de meninos. Suponho que seja para o cadastro do dormitório, peguei a fila que andava lentamente e o sol estava extremamente forte.

 — Próximo. - Disse a moça que estava na mesa realizando os cadastros. 

 — Sente-se moça e me diga seu nome completo por favor.

 — Perrie Louise Edwards, moça. - Falei ao me sentar. 

 — Achei aqui. Motivo pelo qual quer um dormitório é em razão da distância certo? - perguntou 

 — Exatamente. - Falei ao reparar todo o local. 

 — Perrie, temos dormitórios individuais e em conjunto, podendo ser com duas ou três camas. Mas a questão é, lançamos no sistema o nome de toas que requeriram os dormitórios e o próprio sistema faz a distribuição. Você ficou com o dormitório 202, ele possui duas camas. Mas qualquer problema você vem até nós e tentaremos resolver ou amenizar ok? - falou a moça simpática. 

 — Ok, sem problemas. - respondi e assinei um termo de responsabilidade perante as regras e ela me entregou a chave.

 Saindo da sala em que a moça atendia um rapaz que trabalhava na parte de assistência aos alunos me acompanhou até o edifício em que ficava o dormitório feminino e logo atrás ficava o masculino. Ele reforçou as regras dizendo que era proibido bebidas, cigarros, drogas no dormitório e nada de garotos também. 

 Entrei e logo vi uma sala de convivência, entrei em um dos corredores e procurei a porta 202. Parei em frente, destranquei e girei a maçaneta e ainda não havia ninguém no local, então escolhi a cama que ficava ao lado da enorme janela, e deixei minhas coisas sobre a cama, andei pelo local que não era muito grande, o banheiro era minúsculo mas muito bem feito. Minha pele ardia porque fiquei no sol durante o tempo que fiquei na fila e fiquei deitada na cama mexendo no celular, e minutos depois ouço a maçaneta mexer e entra uma garota com cabelos castanhos.

 — Oi.. - Falou a moça. 

 — Oi.. Qual seu nome? - perguntei

 — Jesy.. - Falou e eu me apresentei. 

 — Você é caloura também ou já está por aqui?     

 — Caloura... cheguei faz uns minutos. - Sorri e a garota já colocou suas coisas no armário, enquanto as minhas malas ainda estava sobre a cama.

   — Você conhece alguém por aqui? - Jesy quebrou o silêncio ao perguntar.

     — Não, infelizmente. Minha melhor amiga tentou passar mas não conseguiu, mas na próxima ela consegue e você? - perguntei

  — Tenho uma amiga, mas ela não chegou ainda. - Falou

   — Ah.. sorte a sua. - Sorri tímida.

Sai do quarto e fui andar pelos arredores da Universidade. Andei calmamente e estava com os fones de ouvido até que um idiota de skate se desequilibrou e caiu sobre mim, e me fez cair também no meio da rua.

— Olha por onde anda. Que merda! - Falei enquanto olhava para meu joelho que ardia.

O rapaz também estava no chão e quando se levantou me chamou a atenção para sua tatuagem no braço.

 - Desculpe, eu te gritei mas você estava com fones né. - Sorriu em meio a aflição.

Então ele pegou meu fone e colocou no ouvido e sorriu em sinal de aprovação. Só depois ele se preocupou em me ajudar a sair do chão. Sentei no banco e comecei a assoprar o joelho que ardia.

— Sou Liam e qual seu nome? - Ele perguntou.

— Perrie. - respondi. — Bom, tenho que ir. - Falei e deixei o garoto no banco.

Comprei um lanche e voltei para o dormitório com o lanche na mão.

— Vem comer. - Falei pra Jesy

— Brigada.. não tô com fome. - sorriu enquanto mexia no celular.

— Por favor, olha o tanto que eu comprei, não pode desperdiçar - Falei e ela sorriu e veio ao meu lado e começamos falar coisas aleatórias...


 


Notas Finais


Obrigado a todos favoritos e comentários até aqui.. E pra quem não comentou e não favoritou não se esqueça hihi.
Bjss


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...