História Red - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 24
Palavras 1.340
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Saga, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Transsexualidade
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Esse capítulo é um pouco mais pesado, mas infelizmente isso acontece várias vezes com as pessoas. Espero que gostem e aproveitem o cap
Estarei tentando postar um novo todos os dias, mas não prometo ainda pois essa semana tenho provas na escola ahuuhaus
Obrigado por lerem até aqui <3

Capítulo 4 - Capítulo 4


Era meio dia quando acordei nos braços de Troye. A noite passada parecia ter sido longa. O  garoto ruivo estava tão lindo com aqueles cabelos bagunçados nos seus olhos, eu podia sentir sua respiração quente batendo no meu nariz. Ele estava começando a acordar e não parecia ter ninguém na casa, pelo menos foi o que pareceu. Quando o garoto abriu os olhos foi algo “mágico”. Pela primeira vez eu acordei sem ouvir a Lana, mas percebendo o quanto me perdi na profundidade dos seus olhos

-Bom dia –Troye falou com voz de sono –

-Bom dia meu ruivinho – Sorri e dei logo um selinho no garoto, no qual retribuiu –

-Dormiu bem?

-Muito, e você?

-Claro que dormi, dormi com você, não poderia ficar melhor

Eu fiquei tímido na hora. Seu olhar era tão profundo, sua voz era tão calma. Seu corpo era tão quente e seu beijo era tão intenso

-Meu pai vai me matar se eu não for logo pra casa, amor

-Fica mais, por favor

-Eu quero, T, mas não posso

-Dei um beijo longo no ruivo, pude sentir os formigamentos nos meus lábios. Alice estava errada em todo esse tempo. O país das maravilhas na verdade era ao lado de Troye. Eu me levantei, pegando minhas roupas e me trocando. O cheiro do Troye ficou em mim, e o meu no dele. Depois de me trocar completamente, ele me levou até o portão e me abraçou apertado e deu um selinho

-Quero que você venha comigo pro baile da escola

-Quando vai ser?

-Daqui a duas semanas

-Tudo bem, mas, espera... Como você sabe sobre o baile, se nem ao menos tem cartazes, decorações armadas e nem nada?

-Eu te disse sobre as mesmas coisas de sempre, mesmo cronograma de eventos, meu baixinho

-Ah, é mesmo haha. Agora vou embora. Te vejo depois. Te amo muito, grandão –Sorri e deixei Troye com um selinho.

Cheguei em casa e meu pai estava lá, jogado na sala, bêbado. Era de se esperar. Eu subi pro meu quarto,fechei e tranquei a porta e me deitei na cama, pensando na noite de antes. Eu tirei minha calça suja, ficando apenas de cueca e com a blusa de frio. O vento bateu e o cheiro de Troye exalou no meu nariz. Eu fechei os olhos e comecei a fantasiar com T. Eram fantasias boas, nada extravagantes. Eu fechei os olhos e passei os dedos na minha boca, descendo até meu pescoço, peito, barriga, chegando á cueca. Eu tive vontade de me masturbar pensando em Troye, mas e se eu sentisse arrependimento depois? As imagens fantasiosas vieram em milhões na minha cabeça, então sem ao menos me tocar eu estava excitado.

Eu comecei a fazer o ato sutilmente, ficando suado e quente, enquanto também sentia o cheiro do garoto. Eu não me senti um nojento, isso não era errado. Eu fiz por que o amava. Passaram-se alguns minutos, talvez cinco, e eu ejaculei, foi o máximo, eu me senti bem psicologicamente.

Logo fui para o banho. Fiquei me olhando no espelho, olhando minhas curvas, algumas estrias que eu tinha na bunda e na cintura, pois já fui acima do peso. Eu não era muito seguro dessas marcas, o que Troye pensaria disso? Ele é tão perfeito, seu corpo é tão escultural. Eu entrei debaixo do chuveiro e fiquei lá, parado olhando pra cima, deixando a água quente cair e escorrer pelo meu corpo. Depois de um tempo no chuveiro, eu saí com a toalha enrolada na cintura. Me olhei novamente no espelho e passei as mãos onde haviam estrias, cobrindo-as, me imaginando em um “corpo perfeito”.

Eu percebi que se eu quisesse que T me amasse, eu deveria me amar primeiro. Comecei a pensar “você é lindo do jeito que é, olhe só para você!”. Eu dei um sorriso bobo e tirei as mãos das marcas, admirando-as. Coloquei um short pequeno de pijama já que eu passaria o dia em casa e uma camiseta que me deixa refrescado. Eu estava pensando sobre o baile, eu deveria dar algo á Troye? Algum presente? Roupa, chocolate, qualquer coisa? Bom, o baile seria daqui duas semanas, eu tinha tempo para pensar nisso.

Eu queria mudar algo em mim, tipo o meu cabelo, mas eu não tinha tinta para pintar haha. Achei um pouco de papel crepom rosa e pensei em usar o material para pintar o cabelo. Eu sabia que deveria descolorir, mas não tinha dinheiro para tanto. Eu usei o que eu tinha para comprar e liguei pra farmácia, comprei água oxigenada e pó descolorante e logo eles entregariam em casa. Chegaram e logo misturei tudo e fiz todo o procedimento: cortei pequenas tiras do papel, coloquei em água fervente e comecei a descolorir mechas no cabelo enquanto a tinta improvisada ficava pronta. Eu senti que estava me esquecendo de algo. Ignorei e pensaria nisso depois. A tinta ficou pronta e passei nas mechas descoloridas. Não demorou tanto tempo para que o rosa pegasse. Não era um rosa forte, era um rosa bebê, clarinho.

Me olhei no espelho novamente e eu estava realmente diferente. Meu semblante estava diferente, mais claro, mais bonito. Essa “mudança” me deixou “atraente” hahaha. Escutei barulhos na cozinha e provavelmente era meu pai acordando, fui cumprimentá-lo.

-Bom dia, pai, eu dormi fora por que passei na casa de um amigo e acabei dormindo por lá

Meu pai me olhou torto, encarando meu cabelo e achou estranho o fato de dormir com um “amigo”

-Que cabelo é esse, moleque?

-Ah, eu achei legal fazer algo diferente, pai

-Algo diferente? Você ta querendo ser um viado?

-Pai?

-Vira homem, isso é coisa que se faça? Você vai tirar isso agora sua bicha

-Pai isso não tem nada haver

Meu pai estava vindo furioso em minha direção, eu pude ver a raiva em seus olhos. Ele me apertou pelos braços me chacoalhando e gritando

-Toma vergonha nessa cara, eu dei tudo o que eu pude e você vem fazer isso comigo? Ta brincando? Não criei filho pra ser viado. Você vai aprender a gostar de buc... –Eu interrompi meu pai com um grito –

-Você ta errado, nunca ajudou a me criar. A mãe sempre fez tudo sozinha, você é só um bêbado desempregado, você nunca foi pai pra mim, só mais um, me solta agora ou então eu te denuncio.

-Vai la denunciar mesmo seu merda, prefiro ficar preso e sossegado do que criar filho viado. Que vergonha!

Meus olhos se encheram de lágrimas e de um segundo pro outro eu estava me derramando em choro.

-Ta com vergonha moleque? Deve estar mesmo

-Sim. To com vergonha, mas de você

Após dizer isso meu pai me deu um tapa na cara, ficando a marca de sua mão pesada. Eu tive mais vontade de chorar e fui a caminho do meu quarto quando vi o cachorro que eu trouxe comigo. Era dele que eu me esqueci, o levei pro quarto comigo com um resto de comida da geladeira, dando-a pro animal comer.

Novamente eu tranquei a porta, indo pra cama. Me deitei de bruços abraçando o travesseiro e chorando muito. Uma mensagem chegou no meu celular, era o Troye perguntando se eu havia chegado em casa, se eu estava bem e se meu pai estava lá.

-Oi, T. Já cheguei em casa tem um tempo, meu pai ta aqui sim, acordou agora pouco, e to ótimo, obrigado

Eu menti

-Já to com saudades, meu baixinho. Preciso arrumar umas coisas em casa antes dos meus pais chegarem e mais tarde nos falamos. Amo você, meu pequeno. Beijos <3

-Ta bem, meu grandão. Vai lá, amo você também, muito <3

Eu fingi estar bem para não preocupar o Troye. Coloquei “Born To Die” para tocar, seguindo “Blue Jeans”, “Summertime Sadness”, todo o álbum da Lana e logo deixei o celular de lado no criado mudo enquanto chorava e me perdia novamente no labirinto dos meus pensamentos, mas eram pensamentos ruins. Eu pensei que estaria tudo bem, mas vejo que acabei de criar um problema, com meu pai.


Notas Finais


Não deixem de comentar para eu saber se estão gostando, deixem críticas construtivas e sugestões <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...