História Red - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 26
Palavras 1.805
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Famí­lia, Festa, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Saga, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Transsexualidade
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Mais um capítulo pra vcs ^^ espero que aproveitem e tenham emoções fortes, esse capítulo pode mudar tudo!

Capítulo 5 - Capítulo 5


Após um tempo chorando no quarto eu acabei adormecendo. No sonho, eu estava em um campo verde, e próximo a mim havia um grande carvalho, e debaixo dele estava Troye. Eu fui em direção ao carvalho e ao garoto, mas eu tinha a impressão de quanto mais eu me aproximava, mais Troye parecia estar longe.

Eu senti cheiro de fumaça, e brasas estavam caindo por todo o lugar. O campo verde e colorido começou a pegar fogo, começou a perder sua vida. Troye parecia brincar com alguém no carvalho, o garoto estava sorridente. Quando eu menos pude esperar, Lucy saiu de trás do grande tronco. Os dois estavam segurando as mãos um do outro, se abraçando, e depois... Se beijando. Eu não conseguia me mover, os dois pareciam tão felizes, e o fogo já estava me alcançando. Fui pego e engolido pelas chamas.

Tudo ficou escuro, mas uma luz estava sobre mim, e logo a mesma luz estava sobre o carvalho com o garoto e a garota. Eu estava muito longe deles, novamente tentei me aproximar e dessa vez eu chegava perto. Quando os alcancei, o carvalho e os dois que estavam abaixo dele se tornaram fumaça e pairaram pelo ar. Eu estava sozinho no escuro. Sem nada. Sem ninguém. Uma sombra de uma pessoa veio me ajudar, eu não soube de onde veio essa sombra, ela se parecia com alguém que eu conheço...

-Jay? Jay?! Ei, cara, vem comigo, eu conheço a luz

Quando essa sombra me tocou, eu acordei no mesmo instante, já estava de noite. Por quanto tempo dormi? Chequei meu celular e tinham mensagens do Troye, e do Allen. Olhei as de Troye primeiro:

-17:35 – Troye <3 - Carinha? Vamos sair hoje á noite pra praia, ver os fogos e ficar um pouco pra passar mais tempo juntos.

17:52 – Troye <3 – Eeei, você não vem? Onde você ta?

18:20 – Troye <3 – Baixinho quero muito que você vá comigo, por favor, não quero ir sozinho

19:02 – Troye <3 – O festival vai começar daqui á meia hora. Não sei onde você ta ou o que ta fazendo pra não responder :( </3 vou ter que ir sozinho, ou chamar alguém

20:00 – Jay – Oi amor, me desculpa, eu peguei no sono e acordei agora. Aproveita a festa :)

Logo fui ver as mensagens de Allen:

-18:15 – Allen – Oi Jay! Você quer vir ao parque comigo, Sav e Brandon?

-20:02 – Jay – Allen, oi! Vocês já foram? Acordei agora desculpa haha

-20:02 – Allen – Não, ainda estamos na minha casa, você vem?

-20:03 – Jay – Vou, claro! Vou só colocar umas roupas e... eu não sei onde é sua casa haha onde podemos nos encontrar?

-20:03 – Allen – A gente se encontra no ponto de ônibus da rua G daqui á 15 minutos, pode ser?

-20:03 – Jay – Tá certo. Vou me arrumar e ir direto ao ponto. Até

Após sair da conversa com Allen, vi que Troye visualizou a mensagem e não respondeu, nem mesmo um “obrigado” ou “amo você”. Ignorei e fui trocar de roupa. Coloquei uma camiseta estampada com o rosto da Marilyn Monroe, uma artista que eu admiro mesmo depois da morte. Minha calça era jeans normal e meus tênis eram All Star surrados, todo escrito com caneta e corretivo. Na parte onde colocamos o dedo e sentimos o dedão estava escrito com caneta azul “Born To Die”. Nas laterais estava escrito “It’s all for you”, letra de “Video Games”  da Lana, claro, e “Dark Paradise”. No tecido do tênis estava escrito com corretivo a data “22/06/16”, o dia em que minha mãe morreu. No outro tênis tinham desenhos. Também feitos de corretivo, havia uma garrafa vazia, representando meu pai. O sol representando minha mãe e uma folha pra mim. Eu escolhi uma folha, pois minha mãe sempre me contava uma história em que a folha era mágica, e te concederia um desejo s você fosse uma pessoa boa. Eu desejaria minha mãe comigo outra vez.

Eu estava pronto, depois só peguei uma jaqueta jeans e a amarrei na cintura. Meu pai estava no banho, então foi fácil sair. Antes, deixei mais um pouco de comida para o cachorro. Fiz uma massagem em seu pescoço e saí em direção ao ponto.

Ao chegar lá, Allen, Sav e Brandon já estavam me esperando, mas não queriam um ônibus, eles estavam em um carro. Brandon estava no volante, Sav no banco de passageiro e Allen atrás. Me aproximei e cumprimentei a todos.

-Sav, Allen, Brandon, oi!

Sav me recebeu com um abraço apertado, Brandon, como eu esperava, bagunçou meu cabelo e com Allen foi um pouco difícil de lidar. Eu estiquei a mão para cumprimentá-lo, já ele, abriu os braços. Logo, também abri os meus, e ele esticou sua mão. No fim decidimos apertar as mãos e nos abraçarmos. Em meio o abraço, ele beijou perto da minha boca. Eu não esperava por isso então ignorei. Ele riu e eu sem saber alguma reação, ri também.

-Brand, tem certeza que não vai matar a gente? – Eu perguntei brincando –

-Cala boca hahaha

-Mas, se os pais dele descobrirem, todos nós morremos, não é senhor Brandon? –Sav retrucou-

-Como assim? –Perguntei confuso –

-O carro é do pai dele, ele pegou escondido – Allen me explicou –

-Porra, Brand!

-Ahh fiquem quietos aí! Vai dar tudo certo. Agora vamos correr que o caminho é longo

No caminho todos nós rimos, brincamos, ouvimos e cantamos músicas. Nós passamos de frente pra praia, então comecei a procurar por Troye olhando pela janela do carro. Eu não estava achando, até que vi andando na calçada com Lucy. Nenhum dos dois me viu dentro do carro os olhando. Eles estavam rindo, Lucy abraçava Troye e ele retribuía. O carro estava se afastando e eu coloquei a cabeça para fora para ver se acontecia mais alguma coisa. Lucy agarrou Troye e o beijou. Os dois sumiram de vista e eu me senti sozinho mesmo estando com meus amigos. Allen estava me chamando

- Jay? Jay?! Ei, cara, olha pra mim, estamos chegando ao parque, olhe as luzes dele!

Eu olhei para o garoto quando ele me tocou e sua expressão de alegria mudou para sério. Mas também, eu o olhei de uma forma fria, não era culpa dele, mas eu não quis acreditar no que vi. Rapidamente voltei à expressão facial ao normal.

-Você viu algo, Jay?

-Não, nada – sorri de canto para Allen. Sav e Brand já estavam fora do carro, faltávamos apenas eu e Allen. Saímos e fomos todos agarrados uns nos outros, nos abraçando indo em direção ao parque. Eu apenas os seguia, e não estávamos indo para a entrada, e sim dando a volta.

-A entrada é pra lá...

-Sabemos –Sav respondeu -

-Mas... Não íamos ao parque?

-E vamos, bonitão – Dessa vez quem respondeu foi Allen-

-Tá vendo a grade ali? –Brand apontou com o dedo – É fácil escalar ela, pra que pagar entrada?

-Ah, entendi o plano haha

Brand ajudou todos a subirem, pulando para dentro por último com apenas um pulo e terminando de subir o que faltava. Eu faria de tudo para esquecer a cena na praia

-Aonde vamos primeiro? –Sav disse animada –

-Montanha russa!

-Brandon, não inventa.

-Tá com medo, Allen?

-Não. –Allen fez expressão de raiva –

-Então vamos

-Não, não quero, para com isso

-Ei ei, vão vocês dois na montanha russa primeiro, vou ir em outros brinquedos com o Ally, logo ele decide se vai na montanha russa.

-Tá bom! Vem, Brand –Sav puxou Brand correndo para a fila dos ingressos da montanha russa –

-Ally?

-Tem sugestão melhor?

-Eu gostei, idiota haha to só brincando com você

-Hahaha, aonde vamos?

-Roda gigante!

-Qual pessoa vai à roda gigante e não vai à montanha russa? – Ri brincando com Allen –

-Bom, quando éramos menores, eu fui á montanha russa com a turma da escola. Tava indo tudo bem, até que eu comecei a chorar quando estávamos prestes a descer e começar a corrida. Eu chorei igual uma menina e todos começaram a me zoar até então. Nunca mais tive coragem de ir.

-Nossa, que pena. Mas já faz muito tempo. Pensa nisso, quero ir na montanha russa com você – Sorri mostrando confiança para Allen –

-Ta bem, ta bem, seu chato

-Sou muito –Allen retribuiu o sorriso, seu sorriso era branco e lindo –

Fomos até a fila dos ingressos para roda gigante, e logo entramos em uma gaiola. Ela era realmente alta. Demos duas voltas e a roda gigante parou com nossa gaiola no alto. Allen havia agarrado meu braço, estava olhando para todos os lados. Eu olhei em uma direção na calçada e avistei Troye junto de Lucy e um grupo de pessoas. A rua estava vazia. Eu não queria acreditar no que estava vendo. Um cara estranho passou algo que parecia um cigarro para Lucy e depois Troye. Eu não sabia isso sobre Troye e Lucy. O que mais me deixou com medo foi caso aquilo fosse maconha. Meu coração apertou, minha respiração parou por um tempo enquanto eu mantive o olhar fixo naquelas pessoas. Aquele era o Troye que eu conheci? O Troye que eu passei a noite?

A roda voltou a girar e voltei ao “normal”. Allen transbordava um sorriso olhando para mim

-Sabe que eu nunca tive uma experiência legal igual agora com você?

-Sério?

-Juro pra você haha você foi muito legal lá em baixo comigo. Se não fosse você eu estaria andando sozinho pelo parque ou teria sido obrigado a ir com Brand e Sav. Obrigado mesmo!

Allen encostou-se ao meu ombro e eu não tive escolha. Eu o abracei calorosamente. Eu sabia que era só o que qualquer amigo faria pelo outro, não me deixaria levar pela emoção. Eu estava ansioso pelo próximo dia e ter uma conversa séria com o Troye.

Ao mesmo tempo eu pensava naquele sonho que não saia um minuto da minha cabeça. Eu comecei a ligar a ficção da realidade. No sonho, Troye e Lucy estavam rindo, brincando, se beijando, e logo, sumiram. Na praia foi exatamente o que aconteceu. A sombra no meu sonho me chamou e disse que conhecia a luz, pedindo para que eu o acompanhasse. Essa sombra era Allen, o qual chamou minha atenção novamente e falou sobre as luzes do parque. Esse sonho foi um presságio, uma previsão, um aviso ou algo parecido?

Eu estava disposto a descobrir mais sobre o Troye e seu passado com ou sem Lucy. Mas não nessa noite, pois eu a dedicaria para Allen.

Eu tive todos esses pensamentos em questão de segundos, eles voavam e corriam pela minha mente.

-Não agradeça, Ally. To aqui pra estar do seu lado sempre. Obrigado a você, por me mostrar a luz.

O garoto não entendeu muito bem, mas logo ele entenderia. Nos envolvemos em mais um abraço quente e apertado, deixando o tempo e a noite passar no parque.


Notas Finais


Comentem ai pra mim saber o que estão achando! Obrigado por lerem <3 ^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...