História Red Line - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias B.A.P
Tags Bap, Drama, One-shot, Romance
Exibições 29
Palavras 6.176
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Opa que comece a contagem regresiva dos ultimos caps da fic Red Line

Boa leitura <3

Capítulo 8 - You Love Me?


Fanfic / Fanfiction Red Line - Capítulo 8 - You Love Me?

Ele acorda com o alarme de seu celular e sonolento se levanta de sua cama e vai para o banheiro para acorda, enquanto isso ela saia da casa de um homem qualquer que ela passou a noite, os saltos nas mãos ela logo os coloca e anda rápido para casa, pois sabia que seu dia iria ser longo. Enquanto ela corria para se arrumar ele se sentava no sofá para comer seu café da manhã, hoje seria o ultimo dia dos dois anos em Nova Iorque, ela iria visitar a mãe e iria sentir saudades do dinheiro do pai e ele estava voltando para o seu lar por já ter acabado tudo o que tinha que fazer naquela cidade super agitada.

Ela consegue ficar pronta a tempo e consegue sair de casa graças a carona de seu pai e ele já se encontrava no aeroporto esperando seu vôo ser falado, ele estava ansioso por volta e ela já sentia o quanto aquilo seria estressante, ela não ligava por seu pai não a dar atenção, achava isso ate bom, pois assim o mesmo não iria estragar os planos dela de viver a vida intensamente a mesma sabia que sua mãe iria querer ficar com ela o maximo possível e isso já a deixava irritada. Os dois embarcam no mesmo vôo e na mesma classe, mas não se vêem, ele pede varias coisas para comer e ela somente água e remédio para enjôo, as horas para os dois não passava nunca, dormiam e acordavam a todo momento a esperança de terra a vista e quando isso aconteceu ela foi uma das primeiras a sair do avião.

Alguns minutos depois os dois se encontravam esperando suas malas, ela viu uma mala azul e preta passando e deduziu logo que era a sua, mas quando iria pegar a mesma viu alguém a pegar primeiro. Ele viu a garota de cabelos prateados sair apressadamente do avião, ela chamava bastante a atenção por causa de seu cabelo e roupas.

- Essa é a minha.- O rapaz a informa e a mesma cerra os olhos para tentar enxergar ele e a mala e vendo a dificuldade da garota para enxergar ele abre um sorriso e levanta a mala.- A minha mala tem um pequeno coelho azul de mascara preso em um dos zíperes.- Ela passou a mão no coelho e ficou envergonhada.

- Céus! Me desculpa!- Ela percebeu que ele abriu mais ainda o sorriso e sentiu seu coração acelerar com apenas o borrão de um sorriso.- É que eu coloquei os meus óculos na mala e estou vendo tudo em um grande borrão.- O mesmo saiu de perto dela e ela o seguiu com o olhar, ele pegou outra mala azul com preto e entregou para ela.

- Aqui esta.

- Obrigada!

- De nada!

Essa foi a ultima coisa que ele disse e então foi embora, ela respirou fundo, jogou a mala no chão e tirou seus óculos da mala os colocando rapidamente para ver o rapaz antes que ele desaparece de sua visão, mas ele já tinha sumido, então ela correu para ver se o encontrava no check in, mas ele já tinha desaparecido, ela bufou e então decidiu ir embora.

- Que garoto era aquele? Não acredito que não consegui enxergar ele...- Ela logo afastou esse pensamento pois lembrou que estava quase para chegar na casa de sua mãe.

- Já falaram que você é muito linda?- O motorista do taxi disse tirando as malas dela do carro.

- Você é o quarto homem que diz isso desdo momento que pisei em solo coreano.

- Mary!- Uma mulher elegante exclama saindo da grande casa beje.- Eu estava com muita saudade!- Ela abraça a garota.

- Ola Nora.

- Hora hora, por que não ligou para mim ir te buscar no aeroporto? E me chame de mãe.

- Não queria te atrapalhar com as suas coisas super importantes...- Ela mente e pega uma de suas malas indo então em direção da casa.

- Sabe que sempre tenho tempo para você.

- Tem até aquele cara aparecer... Ele deve estar aqui, não é?

- Sim, ele esta querida.

- Que alegria...- Ela falava tudo aquilo sem demostrar emoção em sua expressão e voz.

- Pare com isso ele gosta tanto de você.

- Pena que isso não é recíproco.- A mãe da jovem suspira pela resposta da filha.

- Acho que você só deve estar cansada.

Quem dera que fosse cansaço, Mary iria adorar chegar um dia na casa da mãe e ela não fingir que o novo homem que se relaciona agora, não é um completo babaca que só pensava nele mesmo. Mary entrou na casa da mãe e passou direto pelo homem indo até seu quarto e ficando por lá até anoitecer. 

Ele estava cansado, mas não via a hora de chegar em casa e ligar para todos avisando que tinha finalmente voltado, quando o taxi para na frente de sua casa ele logo paga o motorista e pega suas malas o rapaz entra pela porta suspira levemente e logo leva um grande susto quando todas as luzes se acendem revelando seus hyung e noonas todos com comidas e bebidas.

- Meu xodó voltou!- Alice exclama indo até ele e o abraçando.

- Ommo! Você está pálido!- Himchan diz.- Realmente ficou tão surpreso assim?

- Eu não esperava todos vocês aqui sendo que todos são bem ocupados, ainda mais a Yangmi noona veio.

- Céus que menino fofo!- Chogi exclama e pega um brigadeiro.

- Já vai começar a comer sem esperar ele agradecer?!- Youngjae a repreende pegando o brigadeiro da mesma.

- Oh! Obrigado por virem me receber, vocês são os melhores hyungs e noonas!- O rapaz agradece e todos sorriem por sentir o carinho e gratidão do mais novo.- Agora vamos comer! Eu também estou com muita fome.

- Vamos comer!- Daehyun grita fazendo todos rirem. O mais novo vai até um dos bolos que tinha lá e o analisa junto com os outros três que também tinham na mesa.

- Como foi o vôo Zelo?- Minhee o pergunta e o mesmo percebe que ela estava com roupas casuais coisa rara de se ver.

- Foi tranquilo e calmo, mesmo depois de uma moça ter quase pego a minha mala, se não fosse os chaveiros de coelho que vocês deram para nós eu provavelmente teria perdido a minha mala.- Ele diz.

- Que bom que eu e as meninas pensamos nos chaveiros de coelho para vocês.

- Foi uma ótima ideia.- Zelo analisa Minhee que comia muitos doces e viu que na sua mão tinha também vários salgados.- Nunca te vi comer tanto...

- Meu apetite cresceu bastante por causa dela.- Minhee diz e coloca a mão em sua barriga se referindo a sua neném.

- Você e o Yongguk hyung já escolheram o nome dela?

- Ainda não e também esta cedo para eu pensar nisso, quero aproveitar bem a minha gravidez.

- Oh!- Zelo senti um peso em suas costas e quando vê percebe que é Minjee.- Ola noona.

- Céus você sabe que pode me chamar de Jee.- Ela reclama.

- Por que ninguém disse que Alice vez doces brasileiros?- Minhee logo se afasta dos dois e vai até os doces.

- Vá com calma Hee! Daqui a pouco você irá devolver tudo isso que esta comendo.- No mesmo momento Minhee a encara e logo corre para o banheiro com isso Yongguk e Himchan vão atrás dela.- As vezes não parece que eu sou a mais nova, tive algumas experiencias mais cedo que Hee.

- Sim.- Zelo se vira para ela.- E como vai a cabeça.

- Acho que vai fazer um ano e meio que perdi as memorias, mas só meio ano que elas voltaram após eu ter batido forte em um poste!- Zelo ri junto com Jee.

- Quando Himchan me contou eu fiquei triste, como eu iria pedir para você me ajudar com ele se você nem se lembrava de mim e eu também não estava aqui para acompanhar as coisas.- Minjee solta uma leve risada e passa as mãos pelos fios loiros de Zelo.

- Você tem 20 anos, mas eu não consigo te tratar como um adulto ainda, para mim você é um Jungsu bem grande.- Zelo ri daquilo e acaba contagiando a mais velha.

- Você começou a beber mais cedo noona?

- Talvez!- Ela fala e levanta seu copo que continha alguma bebida alcoólica e sai de perto do rapaz. Ele abre um sorriso e vai pegar algo para beber e percebe Chogi e Yangmi fazendo uma brincadeira com as bolinhas de chocolate que tinham na mesa.

- Ommo! Você jogou no meu olho!- Yangmi reclama e no mesmo momento Chogi cai na risada pelo feito.- Não dê risada Cho!

- Ai desculpa...- A mesma pede tentando controlar a risada.- Eu sou muito ruim nisso!- Ela fala e com isso faz os três rirem imediatamente.

- Ainda bem que sabe!- Yangmi joga uma das bolinhas em Chogi e a mesma pega com a boca fazendo eles vibrarem de alegria.- Pelo menos uma você pegou com a boca!

- Não façam tanta bagunça meninas.- Minhee pede passando por elas.

- Parece que você esta melhor.- Zelo fala e as meninas concordam com o mesmo.

- Sim, agora vou comer com mais moderação.- Todos riem e Minhee vai atrás de uma bebida.

- Ally venha aqui!- Chogi a chama e a ruiva para de conversar com Daehyun e Youngjae e vai ate as mesmas.

- Sim?- Alice se aproxima sorridente.

- Você esta a quanto tempo com o Uppie mesmo?- Alice aperta o copo e começa a ficar vermelha com a pergunta de Chogi.

- Semana que vem irá fazer cinco meses...- Ela diz baixo e tímida fazendo as duas rirem pela timidez dela.

- Ai como eu adoro essa sua fofura Ally!- Yangmi exclama.

- E como vai Mor'du?- Zelo pergunta para deixar a garota mais leve.

- Oh você ainda não o viu? Ele cresceu bastante e está brincando com Jungsu e Golden em algum lugar.

- Ei pessoal vamos brincar!- Minjee os chama e assim eles vão.

O fim de tarde do rapaz e a noite foram assim até a mesma acabar pela madrugada, pela manhã Minhee acordou todos com seu enjôo matinal e foi até divertido, mesmo sendo um sábado todos passaram com Zelo o ajudando a limpar a bagunça da noite passada, quando todos terminaram já era tarde e decidiram ir embora para deixar o mais novo descansar tranquilamente e quando Zelo se pega em silencio em sua casa acaba estranhando e decide sair para ver se a cidade avia mudado demais. O rapaz passa por uma sorveteria e percebe que do lado estava acontecendo uma grande construção ele entra e pega seu sorvete e se senta em uma mesa um pouco longe das pessoas, ele observava todas as pessoas que passavam, algumas notavam ele e outras nem percebiam sua presença, quando acabou de comer recebeu uma ligação dos mais velhos querendo ir ao mercado para ajuda-lo a comprar suprimentos para ele sobreviver, ele não recusa e vai em direção ao mercado. Chegando lá ele avista todos juntos conversando animadamente e o mesmo já pensava no grande barulho e bagunça que iriam fazer naquele grande mercado, entraram e começaram a planejar o que iriam comprar para Zelo, eles não ligavam de mimar o mais novo e ele muito menos, enquanto ele se divertia pegando o que queria, eles mal sabiam que um pouco longe deles uma garota de cabelos prateados os observava atentamente.

Mary observava os seis rapazes com um olhar brilhante, ela tinha um grande dom de controlar os homens e como adorava, eles acabava não resistindo a ir até lá e falar com eles, um pelo menos ela conseguiria levar para cama, mas ela tinha que analisa-los primeiro. Eles eram seis, eles eram completamente diferentes um do outro, ela observava cada parte deles e Mary era boa naquilo, analisar coisas ou pessoas, conseguia tirar uma primeira impressão certa em pouco tempo e isso não mudou naquele momento, conseguiu perceber que quatro ali usavam alianças, dois usavam alianças douradas e outro dois usavam pratas, ela já não iria dar algum passo perto deles. Mesmo tendo uma grande fama de prostituta nos arredores de Nova Iorque onde morava, ela nunca ganhou dinheiro com homem e muito menos pediu a eles isso, ela era orgulhosa e sabia demais para cometer uma bobagem dessas, então ali ela só tinha dois garotos a sua disposição, ela deu um passo a frente, mas logo parou ao ver cinco mulheres chegarem perto deles, uma tinha ate mesmo uma barriga de gravida e aquilo impressionou Mary, as prometidas de cada um estava lá, mesmo o que não tinha aliança estava com uma blusa xadrez presa na cintura igual a outra garota, não tinham anel, mas tinham roupas iguais.

- Já esta traçando seus planos para ficar com os rapazes daqui?

- Como?- Mary pergunta assustada com a presença repentina da mãe.

- Sabe, você não deve saber, mas aqui eles são bem conhecidos.

- É mesmo?

- Sim.

- E o que eles fazem para ter tanto reconhecimento?- Mary perguntava sem tirar os olhos daquela turma extremamente animada.

- Bom, não lembro as profissões exatas deles, posso me confundir e acabar errando o que cada um faz.

- Entendo...- Ela da mais uma olhada nos mesmos e se virá.- Então vamos embora, já pegamos tudo para o jantar?- A mãe da jovem acena com a cabeça e então elas vão para o caixa pagar.- Nora...- A mulher não responde ao chamado e Mary revira os olhos.- Mãe.- Nora rapidamente se vira para ela com um grande sorriso.

- Fale querida.

- Irei sair hoje a noite, depois do jantar.

- Mas você não conhece aqui muito bem.

- Hoje é uma ótima ideia para começar a conhecer você não acha?

- E para aonde você irá?

- Qualquer balada por ai.

- E se eu não deixar?

- Irei do mesmo jeito, só que com mais prazer.

Nora respira fundo e não diz mais nada, Mary não tinha mudado nada desda ultima vez que se encontraram, talvez ficou ate mais ousada e rebelde, as duas voltaram para casa e a jovem não falava muito e Nora se perguntava do porquê, já que ela sempre foi falante até mesmo para contar sobre os homens que tinha ficado em Nova Iorque. Chegaram em casa e o humor de Mary só piorou quando viu o homem que sua mãe se relacionava na frente da porta, ela entra e vai direito para seu quarto, ela se deita e pega o seu celular para pesquisar algum lugar divertido para ir naquela noite, Mary não estava acostumada com aquele silencio todo, em Nova Iorque sempre tinha uma grande atenção de todos e mesmo todos a olhando e a percebendo por causa de sua aparência e estilo, ela sentia falta de algo, talvez dos homens sempre batendo em sua porta ou a ligando todos os dias, ela precisava de algum lugar para se distrair.

- Mary...- A mãe da jovem abre a porta lentamente.- Venha comer.- Ela balança a cabeça positivamente e então a mais velha sai do quarto a garota respira fundo e faz força para levantar da cama e ter paciência com o homem que iria jantar naquele momento. Ela desce as escadas e começa a sentir o cheiro de seu prato preferido, ela abre um grande sorriso e aperta o passo até a sala de jantar, quando chega vê várias massas famosas a sua frente.- Que saudade deste sorriso.

- Boa noite Mary.- O homem que ajudava Nora a colocar a mesa diz e o sorriso e animação de Mary vai embora logo em seguida.

- Já não esta tão boa, não é?- Logo da de ombros e se senta na ponta da mesa fazendo questão de se sentar longe do homem.

- Bom... Como foi seu vôo querida?- A mãe dela pergunta se sentando no meio dos dois.

- Foi como os outros: Longos, cansativos e enjoativos...- Mary analisa bem tudo aquilo e segurou um grande sorriso de orgulho que sentia da mãe, mas conteu aquilo, só diria algo assim quando aquele homem não estivesse.

- Você sente bastante enjôo nesses vôos longos, não é? 

- Sim...- Nora e seu parceiro começaram a conversar animadamente e Mary observava aquilo outra vez atentamente, observava como sua mãe olhava para ele e observava como ele olhava para sua mãe, ele parecia um homem gentil e fiel, mas seu olhar mostrava ganancia e interesse, Mary sabia que ele queria algo da mãe, mas não sabia o que direito.- Terminei.- Ela encarou bem o homem a sua frente antes de se levantar e passar pela mãe sem dizer mais nada.

- Oh! Querida!- A jovem olha para trás antes de subir as escadas.- Hoje acontecerá um evento de musica em uma praça bem frequentada por aqui, você pode ir se quiser.

- Eu vou.

Mary sobe para seu quarto e começa a pensar em uma roupa para ir até essa praça que ela não sabia bem onde ficava, mas que já tinha ouvido falar dela, ela decide pensar melhor no banho e estava certa, logo a roupa ideal para aquele momento surgiu em sua mente e ela sorriu vitoriosa saindo logo do banheiro e indo correndo ate seu quarto, ela abre a sua mala e começa a tirar varias roupas de lá, e então consegue pegar as peças para se vestir. Ela se troca rapidamente e então se senta na ponta da cama que ficava na frente de um grande espelho e começa a se maquiar, ela não iria passar muita coisa, estava de noite e não precisava daquela produção toda, Mary arruma seus longos cabelos ondulados e os deixa soltos do jeito que gosta, ela pega sua bolsa e coloca as coisas que achava importante, ela abre a porta e vai até a escada, mas para ao ver o homem parado no meio dela.

- Irá passar a noite aqui?- Ela pergunta descendo as escadas.

- Talvez, por que a preocupação?

- Só para evitar de ver a sua cara quando eu acordar amanhã.- Ela passa por ele, mas o mesmo a impede de ir longe segurando seu braço e a puxando para trás.- Você está louco?!- Mary pergunta totalmente furiosa e tenta puxar seu braço, mas ele a puxa para mais perto ainda dele e segura seus cabelos a fazendo ficar imóvel.

- Olhe aqui garota mimada! Sua mãe me ama e tomara que aceite isso o mais rápido possível, pois quando ela dizer sim no altar você não irá mais ter sua mãe e o sustento dela!- Mary então conseguiu ver claramente no olhar naquele homem alguém totalmente diferente do que sua mãe tanto falava.

- Vá a merda!- Ela pragueja e ele ri a soltando e deixando com que caísse no chão.

- Espere para ver garota.- O homem voltou a subir as escadas e Mary respirou fundo para não gritar ou manifestar qualquer ato de dor que aquele homem tinha a causado, ela não iria dar esse gostinho a ele ou a qualquer homem.

- O que está fazendo ai querida? Não irá mais a praça?- Mary passou tanto tempo assim sentada naquela escada?

- Eu vou sim, me diga melhor onde ela fica, talvez eu lembre.- Ela pediu limpando as lentes do óculos e depois os colocando.

- Ok.- A mãe de Mary disse onde fica a praça e como ir para lá e a jovem logo se lembrou dela em alguns momentos que passava em frente quando ia para o aeroporto.- Se divirta lá, ok? E não liga do seu cabelo estar bagunçado?

- Realmente Mary, você parece ser bastante vaidosa para sair com o cabelo um pouco bagunçado.- Mary esconde sua revolta e se vira para ele.

- Para você é Maryane.- Disse curta e grossa, ela olhou uma ultima vez para mãe e saiu de casa, no caminho amarrou o cabelo em um coque e gospiu alguns palavrões para o homem que tinha deixado com sua mãe e depois apertou o passo para a praça.

As ruas estavam movimentadas e todos que passavam por Mary ou a notava ficavam a encarando se aquilo a incomodava? Não, sabia que ela por seu estilo e cabelo que todos a olhavam assim, quando chegou na praça viu que ela estava cheia e a musica alta que saia de lá a deixava mais animada ainda, ela entrou e começou a se encaixar entre as pessoas para que chegasse perto de alguma barraca de bebida e quando achou foi puxada por alguém para pista de dança e ela ficou um pouco perdida, mas entrou no embalo e dançou junto com a pessoa que a puxou, ela estava se soltando normalmente e nem precisava de bebida dessa vez, Mary levantou a cabeça para ver quem tinha a puxado e não ficou surpresa em não conhecer a pessoa, o rapaz moreno a puxou para perto e a beijou. Ela afasta o rapaz logo depois de sentir uma mão descer, ele abre outro sorriso e Mary o deixa sozinho na pista de dança sem ligar para o que iriam pensar, ela o analisou naquele momento e viu que ele era só mais um que queria uma noite com ela, mas Mary por algum motivo não estava sendo aquela garota oferecida e falada como fácil, ela sabia fingir muito bem, a jovem foi até uma barraca e pediu algo para beber, o homem que a deu o suco tinha um olhar simpático que agradou ela.

- O que esta acontecendo com você Maryane?- No mesmo momento o homem que tinha a beijado se sentou ao lado dela totalmente ofegante.

- Fiz algo errado?!- Ele perguntou perto do ouvido dela.

- O que? Não.

- Então por que saiu daquele jeito?

- Eu queria beber um pouco antes de começar a dançar igual louca.- Ela mente e da um gole em seu suco.

- Qual seu nome?

- Maryane.

- Belo nome, combina com você o meu é Noah. Você é da onde?- Ele perguntou e logo depois colocou uma das mãos na perna de Mary

- Nova Iorque e você?

- Londres.

- Interessante, que tal voltarmos para pista de dança?

- O que você quiser.- Ela termina de beber seu suco e se levanta e começa a andar até a pista de dança junto com seu novo parceiro.

- Ai céus desculpa!- Uma garota de cabelos extremamente vermelho e cacheados trombou forte nela fazendo seus óculos caírem e se perderam no meio da multidão.- Eu te ajudo!- A mulher disse, Mary a olhou e a única coisa que viu foi um grande borrão vermelho.

- Eu não consigo ver sem os meus óculos...- Mary informou e percebeu que a pessoa a sua frente se exaltou, ela sentiu alguém a levantar do chão.

- Eu te ajudo noona.- Outra pessoa disse a mulher de cabelos vermelhos.

- Você esta bem Mary?- Noah perguntou e Mary acenou com a cabeça positivamente.

- Só quero os meus óculos.

- Aqui esta.- Outro borrão apareceu em sua frente, ele pegou na mão de Mary e colocou os olhos da mesma.

- Obrigada!- Ela se virou para Noah e colocou os olhos, piscou algumas vezes ate sua visão voltar ao normal e sorriu aliviada.

Quando se virou não conseguiu achar seus salvadores e ficou um pouco irritada com toda aquela multidão que não deixava ela achar o grande borrão vermelho e outro branco que tinha a ajudado, Mary então decidi beber mais e mais até se soltar completamente a bebia subia rapidamente a cada copo que tomava, ela engolia e tudo subia direto para sua cabeça a deixando mais solta do que já estava. Ela dançava e beijar sem ligar para quem a olhava, sabia que tinha beijado mais do que homens hoje e não ligava para aquilo, aquela era a Maryane que andava pelas boates de Nova Iorque todos os dias sem ligar para nada ou alguém, em algum momento ela subiu ao palco e um tanto tonta olhou para todas as pessoas e sorriu triunfante, ela conseguiu conquistar o olhar das pessoas e todos a olhavam e depois disso ela não lembrou mais do que aconteceu. Acordou em algum lugar espaçoso e logo deduziu que era um quarto, pois estava em uma cama e completamente nua e sem seus óculos novamente, ela olha ao redor e consegue perceber que realmente estava em um quarto, olhou para pessoa ao seu lado e não ficou surpresa ao ver Noah totalmente apagado, ela se levanta da cama e começa a procurar seus óculos, passava as mãos pelo chão e quando levantou uma peça de roupa achou seu óculos, Mary o colocou e analisou melhor o local, sua cabeça doia por tentar lembrar da noite passada, mas era sem sucesso, Mary começou a procurar suas roupas e as colocou lentamente, quando se sentou na ponta da cama do rapaz para pegar seu shorts sentiu as mãos do mesmo subir da sua cintura até parar em seus seios.

- Você é demais Mary.

- Eu sei.

- Vamos mais uma vez.- Ele a puxou para trás a colocando mais para dentro da cama e começou a beijar o pescoço da mesma.

- Eu não estou mais com vontade Noah.- O rapaz para imediatamente e a olha.

- O que? Mas ontem você parecia sedenta por sexo.

- Ontem eu estava bêbada! Agora estou sóbria e com dor de cabeça, só quero ir para casa.

- Ok...- Ele saiu de cima dela e Mary logo voltou a se trocar.- Antes de você ir embora, me passe seu numero.- Ela o encarou seria e o analisou como sempre faz, aquilo já era uma mania, Mary analisou seu corpo, seu rosto e olhar viu e percebeu que não era uma má pessoa, ela pegou um papel que estava em uma mesinha e colocou seu numero.- Seu numero não vai ficar de enfeite no meu celular Mary.

- Bom saber Noah.

Saindo da casa do rapaz ela percebe que não fazia ideia de onde estava, mas sabia que estava morrendo de fome, então decidiu procurar uma padaria e quando a achou ficou mais do que aliviada e feliz por perceber que não gastou todo o dinheiro que tinha com bebida. Ela se sentou tranquilamente e começou a comer, muitas pessoas como sempre a encaravam, mas dessa vez Mary não estava bêbada nem um pouco e não queria atenção de ninguém, enquanto ela comida sentia que alguém a olhava mais intensamente, como se não quisesse disfarçar que olhava para ela, Mary levantou a cabeça e viu o grande borrão vermelho a olhando surpresa, a jovem não sabia o que fazer, não sabia se levantava e ia até ela agradecer melhor ou fingia que não tinha a visto, mas tudo isso foi revolvido quando o borrão começou a andar até ela. Mary não conseguia tirar os olhos dela e com isso começou a analisar ela, o borrão usava uma camiseta escura que provavelmente não era dela, ela também usava uma legging também escura e deixando seus cachos mais destacados, não tinha como reparar naquele borrão vermelho, ela sorriu para Mary e a mesma se arrumou na mesa.

- Posso me sentar aqui?

- Claro...- Mary responde envergonhada.

- Você se lembra de mim? 

- Lembro sim, mas como um borrão vermelho.

- Eu quase perdi seu óculos não é? Desculpe de novo.- A voz da ruiva saiu sincera e arrependida, Mary conseguia ver nos olhos dela uma boa pessoa.

- Tudo bem, o importante é que achamos.

- Se não fosse por Zelo acho que ainda estaríamos procurando!

- Zelo? Era o rapaz que estava com você?

- Sim, na verdade nem era para estarmos lá ontem!- A garota falou com um grande sorriso.- Desculpe, qual seu nome?

- Mary... Maryane.- A ruiva sorriu novamente.

- Prazer! Eu sou Alice Agnelli, sou do Brasil e você?- No mesmo momento Mary começou a abrir um sorriso grande.

- Eu sou de Nova Iorque! Você é do Brasil? Que incrível! Lá é colorido igual dizem?

Alice riu da empolgação da menina e elas ficaram conversando por um bom tempo e com isso ficaram mais próximas, Alice ajudou Mary a voltar para casa e a mesma se sentiu muito grata por aquilo, as duas trocaram contatos e decidiram sair com a mais velha no dia seguinte. E pela primeira vez Mary sentiu que alguém gostava dela sem ser por interesse e com esse pensamento ela entrou em casa sorridente e continuou ao ouvir a mãe a chamar, a jovem largou seus sapatos e bolsa na escada e foi até os fundos e ficou feliz em ver a mãe relaxando em cima de um tapete de Yoga sem aquele homem que Mary tanto odiava.

- Ainda bem que você chegou! Eu te liguei, mas o celular nem chegava a chamar!- A mulher exclamou preocupada indo até Mary e a abraçando logo alisando para ver se não tinha nada de errado com a mesma.

- Meu celular ficou sem bateria, me desculpa.

- Tudo bem, você está bem não é?

- Sempre estou.

- Ok.

Mary subiu para o seu quarto, colocou seu celular para carregar e foi tomar banho, ela ficou lá por um bom tempo, só sentindo a água morna descer pelos seu corpo, ela estremece ao se lembrar da noite que teve com Noah e com isso logo sai do banheiro, enrolada na toalha ela entra em seu quarto e vai ate uma das janelas ver se sua mãe ainda estava lá. Mary coloca as roupas mais leves que tinha e desce para cozinha, ela pega um pote que tinha morangos dentro e vai para os fundos junto com a mãe, o sol brilhava forte e Mary se sentou em uma das cadeiras que estavam na frente da piscina azul e redonda a mãe da jovem a olha e a mesma a oferece morangos a mais velha sorri e para de se alongar para pegar um pouco.

- Está de bom humor.- A mãe de Mary diz pegando um morando.

- Tive um dia bom e também aquele traste que você gosta não esta aqui.

- Omo! Por que você não gosta dele?- Mary respirou fundo buscando as palavras mais cruéis para dizer a sua mãe o quanto odiava aquele homem que ela estava, mas viu nos olhos da mesma que aquilo iria destroça-la por inteira.

- Acho que só não fui com a cara dele...- Ela respondeu baixa depois dee soltar totalmente o ar. Mary sentiu as mãos da mãe passarem por seus cabelos e levantarem seu rosto.

- Ele não é igual o papai, está bem?

- Não fale de papai assim, ele te fez e faz feliz... 

- Mary...

- Não venha me falar que estou exagerando ou mentindo... Vocês dois trocam mensagens toda hora mesmo sendo separados... Se você sofreu com tudo isso então imagine eu que tive que escolher com quem eu queria ficar... Eu queria ficar com os dois... Com os dois juntos... Eu acabei crescendo sem saber bem o que estava acontecendo... As vezes papai era tá ocupado que não me dava nem mesmo boa noite e você... Bom eu nem te via direito...

Nora recuou com aquilo tudo e ficou paralisada com o que Mary tinha acabado de falar, Mary sem ter coragem para olhar para sua mãe e ver sua expressão, ela se levantou e correu para o seu quarto, Mary se jogou em sua cama e lá ficou chorando por sentir o carinho de seus pais, ela cresceu sem sentir muito amor paterno e materno e isso acabou a transformando na garota fria e injusta que é hoje, mas aquilo estava prestes a mudar, era só questão de tempo.

Ele se arrumou na cama e fica um tempo sentado pensando no dia que teria e o que iria comer naquela manhã, ele logo pega o celular e vê varias mensagens de seus hyungs e noonas pedindo para ele acordar logo, Zelo tinha um sono pesado então mensagens não iria acorda-lo, ele se levantou e foi para o banheiro começar o seu dia. Ela acordou com os olhos inchados por ter chorado a noite inteira, em seu celular muitas mensagens de rapazes querendo a atenção dela, mas isso é o que ela iria menos dar hoje, não queria nem mesmo sair da cama, mas em lembrar do bom humor de Alice a fez se levantar e ir para o banheiro. Ele estava com os cabelo molhados e a toalha na cintura, hoje ele iria para a famosa academia de dança que tanto gosta, o rapaz se trocou e foi logo comer enquanto respondia todos pelo celular, ele ria e se divertia com todos, nem imagina que hoje seria um dia totalmente diferente dos outros. Mary desceu as escadas com um olhar de poucos amigos, ela não estava de mal humor, mas não queria aquele traste a perturbando logo de manhã e para sua falta de sorte, lá estava ele, sentado na mesa junto com sua mãe tomando café da manhã, ela revirou os olhos bufou e pegou alguns condimentos para comer em seu quarto enquanto termina de se trocar. O rapaz sai de casa tranquilamente escutando musica e dessa vez decidiu ir andando e não de skate, hoje ele também decidiu não atropelar as pessoas com o mesmo, Zelo com isso demorou mais para chegar no lugar, mas não se preocupou com o atraso, ele entrou no grande prédio que parecia maior a cada dia e esperou tranquilamente o elevador, tinha algumas pessoas o olhando, mas ele não ligou sempre o encaravam ou por ele ser muito alto ou por simplesmente chamar a atenção, Zelo entrou no elevador e desligou a musica que escutava logo após chegar ao seu andar. Ele abriu a sala e todos já estavam ensaiando, ele entrou e foi para o canto se alongar enquanto todos dançavam, quando enfim acabaram alguns se jogaram no chão e outros no espelho.

Os ensaios continuaram e Zelo gostava de toda aquela pressão, estavam ensaiando para a presentação que tem todo final de ano e eles estão muito perto de ganhar, mesmo que no ano passado ficaram em segundo não ligaram e ficaram felizes, mas esse ano sentiam que iriam vencer, horas se passaram e só pararam para comer e descansar, Zelo mesmo cansado continuava dançando e só caiu exausto no chão quando deu a hora de ir embora, ele respirava ofegante estirado no chão enquanto todos se levantavam e iam embora aos poucos.

- Hoje foi bem produtivo.- Jongup disse e Zelo riu.

- Você pegou pesado hoje, quase não sinto as minhas pernas.

- Isso vai passar.

- Ola, ola!- Zelo levantou um pouco a cabeça e viu os cabelos vermelhos e cheios de Alice.- Já percebi que você pegou pesado hoje...- Ela disse após analisar Zelo e alguns meninos que também estavam jogados no chão ainda.

- Hoje está mais quente que o normal.

- Não culpe o calor!- Exclamou o rapaz deitado no chão fazendo Jongup e Alice rirem.

- Aquela garota esta na sua sala?- Perguntou Jongup e Zelo escutou tudo em silencio ainda recuperando o folego.

- Mary, Jongup... O nome dela é Mary, não é difícil de lembrar e muito menos de pronunciar.- Zelo abriu um sorriso pelo feito de Alice e ficou se perguntando quem era essa tal Mary.

- Desculpe, ela vira aqui?

- Sim, ela só esta conversando com as meninas.- Zelo então se levantou e andou até a sala da frente, ele encostou na porta e encarou a roda de meninas no chão olhando e conversando com uma garota platinada.

- Oh...- Uma das garotas percebeu Zelo ali e então toda a atenção se virou para ele.

- O que foi?- A platinada olhou por todos os lados sem entender o que estava acontecendo, parecia até mesmo cega, Zelo sorriu e fez todas ficarem exaltadas.

- Ommo, você realmente não enxerga sem óculos.- Uma das meninas disse, mas não devolveu os óculos de Mary.

- A gente pensou que todos os meninos já tinham ido embora.- Outra garota disse.

- Não faz tanto tempo assim que o sinal tocou.- Zelo a respondeu e começou a andar para perto delas.- Agora devolvam os óculos dela.- Alice e Jongup apareceram na porta fazendo com que Mary olhasse para eles e visse o grande borrão vermelho que naquele momento ela sabia que era Alice. Logo Alice sumiu da visão dela por causa de alguém que parou e se abaixou na frente dela, pegou uma de suas mãos e nela colocou seu óculos.- Aqui está.- E então Mary empalideceu  e lentamente pegou seu óculos, quando os colocou piscou algumas vezes ate sua visão voltar ao normal totalmente e viu ali um rapaz que nunca tinha visto antes, mas que já reconhecera a voz em outro lugar.


Notas Finais


Que comece a one do Zelo O/


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...