História Red Roses - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Sehun
Tags Drama, Exo, Sebaek, Yaoi
Exibições 47
Palavras 616
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drabble, Drama (Tragédia), Shonen-Ai, Shoujo-Ai
Avisos: Homossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Capa não é minha ><

Capítulo 1 - Único


Fanfic / Fanfiction Red Roses - Capítulo 1 - Único

O jardim da casa de BaekHyun sempre fora composto de flores unicamente vermelhas. Eram todas diferentes mas na única cor, com as gramíneas ocupando o espaço sem flores. E no grande e bicolor jardim, havia um canto no qual Baek era especialmente apaixonado em ficar.

O loiro ficava lá por horas fazendo algo – que na verdade era nada –, e só saia quando o sol aparecia no inicio da manhã. Despertava de todos a curiosidade de saber o que o prendia tanto naquele lugar tão bonito.

Ele nunca fazia nada concreto, não emitia sons. Às vezes aparecia um sorriso e um olhar para um canto fixo, mas para quem via não era alguma coisa. Baek sempre deixava o celular no salão principal à meia-noite e avisava que iria para o seu mar de pétalas. Não queria nada que pudesse distraí-lo de sua imaginação. Afinal, seu grande amor provinha dela.

Ah, sua paixão. O motivo tão misterioso de suas horas gastas no jardim vermelho.

Para BaekHyun, Oh Sehun era real. Tudo nele era real.

Sehun tinha dois anos a menos que o loiro, e era um moreno alto meio mimado. Por algum motivo, sua calça e blusa de mangas compridas eram sempre as mesmas, na cor do belo local: vermelha. Ele tinha uma voz doce e toda vez que aparecia para conversar com Baek, sorria timidamente e dizia: “hyung!”.

Os dois sentavam-se lado a lado no chão e faziam de tudo: se abraçavam para ver a lua, conversavam, pegavam rosas e entregavam um ao outro numa brincadeira que escondia um sentimento.

Ah, Sehun era tão perfeitamente real. Era sempre carinhoso com Baek, e tão atencioso! Às vezes o mais velho se lembrava de que ele era só um fruto da sua fértil imaginação.

Num dia qualquer, BaekHyun se sentava no banco e esperava seu dongsaeng com paciência, dando batidinhas leves com os pés pela ansiedade.

Ora, BaekHyun havia se apaixonado por Sehun. E finalmente a coragem batera para dizê-lo.

Então finalmente, Sehun chegou. As mesmas roupas nobres e rubras, o mesmo tímido abrir dos lábios e o alegre cumprimento. Baek olhou para frente, e Sehun se sentou ao seu lado.

Sem se olharem, entrelaçaram as mãos um do outro e passaram os polegares por elas.

Sehun, fechando os castanhos olhos que BaekHyun achou estar cheio de lágrimas, falou com a voz instável que era a última vez.

— Última vez? Ultima vez do que, Sehunnie? — questionou o hyung, confuso.

— Eles vão levar você num psicólogo, hyung. Eu vou deixar de existir. Na verdade, eu nunca existi.

— Como? Você vai desaparecer, Sehun? — Baek chorava, apertando a mão do mais novo. — Você existiu sim! Está comigo agora! — seu peito doía como o inferno. Não queria se despedir. — Você sempre existiu, não é? Nasceu em doze de abril, tem duas irmãs mais novas e ama vermelho. Sehun, você não pode desaparecer!

Quando seu alto e sofrido choro cessou, BaekHyun percebeu que estava só.

Sozinho como sempre estava para quem não via com seus olhos, como se nunca tivesse falado com seu dongsaeng. Como se estivesse normal.

Não. BaekHyun estava muito bem. Tanto quanto o possível, e a prova disso era uma rosa branca recém-colhida com um bilhete pequeno próximo à ela.

E lendo a carta escrita por si mesmo, com sua própria caligrafia fina e preta, chorou. Chorou por dias seguidos, porque não se lembrava de como ele era, agarrado à prova de Oh Sehun vivera além de sua imaginação.

E no bilhete, dizia:

“Querido Byun BaekHyun.

Eu nunca existi. Você me criou, na sua mente. Mesmo assim me amou. E você se amou também.

Me desculpe por não ser real.

O.S.”


Notas Finais


Baek se amou porque ele era Sehun, e Sehun o amava.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...